PPP Fisica julho2009 - sege

PPP Fisica julho2009 - sege

(Parte 1 de 10)

Equipe de Elaboração: Jerson Rogério Pinheiro Vaz (Docente) Lucélia Cardoso Cavalcante (Técnica Pedagógica) Raunita Elias Brandão (Docente) Samuel Maciel Correa (Docente) Solange do Vale Ricarte da Silva (Técnica em Assuntos Educacionais) Thaisa Teixeira Ferreira Campos (Técnica em Assuntos Educacionais)

MARABÁ-PA 2008

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 2

Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Marabá

Reitor: Prof. Alex Bolonha Fiúza de Melo

Vice-reitora: Profa . Regina Feio Barroso

Pró-Reitor de Ensino e Graduação: Prof. Licurgo Peixoto de Brito Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação: Prof. Roberto Dall’Agnol

Pró-Reitora de Extensão: Profa . Ney Cristina Monteiro de Oliveira

Pró-Reitor de Planejamento: Prof. Sinfrônio Brito Moraes Pró-Reitora de Administração: Profª. Simone Andréa Lima do Nascimento Baía

Pró-Reitora de Desenv. e Gestão de Pessoas: Admra . Sibele Bitar de Lima Caetano

Coordenador do Campus Universitário de Marabá: Erivan Sousa Cruz

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 3

1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO4
2 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO6
2.1 Ficha técnica do curso9
3 DIRETRIZES CURRICULARES DO CURSO10
3.1 Fundamentos Norteadores (éticos, epistemológicos, didático-pedagógicos)10
3.2 Objetivos do Curso1
3.3 Perfil do profissional a ser formado1
3.4 Competências e Habilidades12
4 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO14
4.1 Considerações iniciais sobre a organização curricular14
4.2 Trabalho de Conclusão do Curso16
4.3 Estágio Supervisionado17
4.4 Atividades Complementares17
4.5 Articulação ensino, pesquisa e extensão18
4.5.1 Política de Pesquisa18
4.5.2 Política de Extensão19
METODOLÓGICO20
6 RECURSOS2
6.1 Recursos Humanos2
6.2 Estrutura e infra-estrutura23
7 POLITICA DE INCLUSÃO SOCIAL24
8 SISTEMA DE AVALIAÇÃO24
8.1 Forma de Avaliação do Projeto Pedagógico do Curso24
8.2 Forma de Avaliação do Processo Educativo25
8.2.1 Do desempenho docente25
8.2.1 Do desempenho discente25
9 REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONSULTADAS27

SUMÁRIO 5 PLANEJAMENTO DO TRABALHO DOCENTE E PROCEDIMENTO ANEXOS ................................ ................................ ................................ ........................... 29

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 4

1 APRESENTAÇÃO DO PROJETO

A Universidade Federal do Pará (UFPA) é uma instituição de educação superior, vinculada ao Ministério da Educação (MEC), com sede “Cidade Universitária Professor José

Silveira Netto” localizada em Belém e campi em mais nove cidades1 do estado paraense exercendo importante papel em toda Região Amazônica ao contribuir para a formação dos profissionais cidadãos necessários ao desenvolvimento da sociedade nas mais variadas áreas do conhecimento.

Em 1986, ao iniciar seu processo de interiorização e numa “tentativa de democratizar o acesso ao ensino superior a milhares de pessoas que estavam excluídas do ambiente universitário em decorrência das distâncias e das dificuldades de trânsito entre os diversos municípios e entre esses e a capital” (UFPA, 2007, p. 25) a UFPA intensificou suas ações de ensino, pesquisa e extensão em direção ao interior do Estado, o que lhe possibilita ser a universidade mais interiorizada do país e a maior em número de alunos de graduação. Assim, ao longo dos seus 50 anos, comemorados em 2007, vem favorecendo a produção e socialização do conhecimento com a missão de

Gerar, difundir e aplicar o conhecimento nos diversos campos do saber, visando à melhoria da qualidade de vida do ser humano em geral, e em particular do amazônida, aproveitando as potencialidades da região mediante processos integrados de ensino, pesquisa e extensão, por sua vez sustentados em princípios de responsabilidade, de respeito à ética, à diversidade biológica, étnica e cultural, garantindo a todos o acesso ao conhecimento produzido e acumulado, de modo a contribuir para o exercício pleno da cidadania, fundada em formação humanística, crítica, reflexiva e investigativa. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ, 2003, p. 26).

Como uma instituição responsável pela produção de conhecimento para o desenvolvimento social e econômico da região Amazônica tem a visão de

Tornar-se referência local, regional, nacional e internacional nas atividades de ensino, pesquisa e extensão, consolidando-se como instituição multicampi e firmando-se como suporte de excelência para as demandas sócio-políticas de uma Amazônia economicamente viável, ambientalmente segura e socialmente justa. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ, 2003, p. 29)

1Abaetetuba, Altamira, Bragança, Breves, Cametá, Castanhal, Marabá, Santarém e Soure.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 5

Dessa forma, a preocupação em colaborar para o fortalecimento da instituição deve estar presente em todos os cursos que integram a UFPA. Neste sentido, o curso de Licenciatura Plena em Física ofertado no Campus Universitário de Marabá participará deste processo ao formar sujeitos reflexivos, comprometidos com a melhoria da sociedade.

A situação da educação científica no país tem preocupado a sociedade como um todo.

Esta situação origina-se em diferentes aspectos da sociedade e se reflete em praticamente todos os seus setores. Um ensino adequado de ciências garante não apenas a formação indivíduos capazes de produzir novas tecnologias, mas, também, capacita o cidadão a compreender e tomar decisões em relação às implicações que os avanços da tecnologia acarretam.

Levando-se em conta esta realidade, a oferta de um curso de Licenciatura Plena em

Física no Campus Universitário de Marabá é de suma importância, não só pela enorme carência de docentes para o ensino de física no Estado do Pará, principalmente na região sul e sudeste, mas também por ser um dos eixos definidos no Plano de Reestruturação e Expansão 2008-2012, que prevê a criação de novos cursos de licenciaturas com focos em áreas ainda não atendidas e, essencialmente, por oportunizar que o conhecimento acumulado na área de Física seja discutido, ampliado e divulgado através das diversas ações de ensino, pesquisa e extensão que desenvolverá.

Assim, na elaboração deste projeto pedagógico procurou-se além das orientações legais emanadas pelo MEC (Leis, Resoluções e Pareceres) que instituem diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores que atuarão na educação básica, atender as diretrizes instituídas pela própria Universidade Federal do Pará que trazem em sua essência a preocupação com a formação do sujeito reflexivo por meio da oferta de uma educação pública de qualidade.

Sabe-se que o Projeto Pedagógico traz as ações previstas para o curso, organiza e concretiza atividades de ensino, pesquisa e extensão, práticas de planejamento e educação continuada dos sujeitos envolvidos no processo de formação, entre tantos outros pontos, neste sentido, este projeto é instrumento de planejamento e avaliação do curso de Licenciatura Plena em Física do Campus Universitário de Marabá e sob este ponto de vista, é um meio de engajamento coletivo para integrar ações dispersas, criar sinergias no sentido de buscar soluções alternativas para diferentes momentos do trabalho pedagógico-administrativo, desenvolver o sentimento de pertença, mobilizar os protagonistas para a explicitação de objetivos comuns definindo o norte das ações a serem desencadeadas, fortalecer a construção de uma coerência comum, mas indispensável, para que a ação coletiva produza seus efeitos. (VEIGA, 2003, p. 275)

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 6

2 IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

Os conhecimentos de Física são essenciais para o entendimento de situações comuns ao dia-a-dia, assim o estudo desta área está relacionado à própria necessidade humana de conhecer o mundo natural, controlar e reproduzir as forças da natureza em seu benefício.

Deste modo, pode-se dizer que as pesquisas sobre a Física têm origem na Grécia quando os primeiros estudos sobre os fenômenos da natureza foram realizados para que outras concepções pudessem ser dadas sem recorrer a interpretações baseadas na intervenção divina. Assim, as primeiras teorias atômicas começam a surgir no século V (antes de Cristo), porém, com as descobertas de Aristóteles sobre movimento, queda de corpos pesados (chamados graves) e o geocentrismo, a Física e as demais ciências ganham impulso.

Com Arquimedes iniciam-se as pesquisas sobre a Hidrostática, o estudo do equilíbrio dos líquidos, e com as informações de Nicolau Copérnico, de que a Terra não é o centro do Universo, rompe-se com o domínio do geocentrismo e a Física passa a ser um campo de estudo específico.

O século XVII lança as bases para a Física da era industrial e Simom Stevin desenvolve a hidrostática. Isaac Newton, o grande nome desta época, apresenta a teoria geral da mecânica, da gravitação universal e os cálculos (diferencial e integral).

No século XVIII, mais uma vez a Física se aperfeiçoa e a revolução industrial marca essa nova fase, as áreas de estudos tornam-se cada vez mais especializadas. Com isso, a termodinâmica, estudo das relações entre calor e trabalho, e seus dois princípios: o da conservação de energia e o de entropia constitui a base para a construção de máquinas a vapor, turbinas, motores de combustão, motores a jato e máquinas frigoríficas.

A grande revolução que leva a Física à modernidade e a teoria quântica, que começa a se definir no final do século XIX, é a inauguração de uma nova lógica resultante das várias pesquisas sobre o átomo, radiatividade e ondulatória e, em 1900, o cientista alemão Max Planck faz pesquisas importantes para o desenvolvimento da Física Quântica, estudos estes que servirão de base para o desenvolvimento da Teoria da Relatividade apresentada em 1905, por Albert Einstein, o que alterou profundamente as noções de espaço e tempo.

A Física evolui de tal forma que novos setores de pesquisa foram surgindo dando origem a áreas como biofísica, físico-química, métodos de investigação das propriedades dos seres vivos (uso da ressonância magnética, raios X, entre outros), deste modo, pode-se perceber que a Física não está restrita a um conhecimento estritamente técnico, pois compreender seus conceitos e princípios significa abordar temas que se relacionam com o dia-

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 7 a-dia dos sujeitos, com a compreensão de diversos fenômenos, com o mundo tecnológico e as implicações sociais que porventura possam ocorrer.

De acordo com Almeida (2006) os conhecimentos de física começaram a ser discutidos no Brasil, com maior intensidade, a partir de 1930, com a criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras na cidade de São Paulo sendo esta instituição pioneira na formação de docentes para o ensino de física no País. Destarte, em 1934, o primeiro curso de graduação em Física do País é ofertado nesta Faculdade, com a duração de três anos, destinado ao estudo dos conteúdos específicos da física, e para aqueles que desejassem obter a habilitação para a Licenciatura era necessário realizar mais um ano de estudos no curso de Formação Pedagógica, ofertado no Instituto de Educação de São Paulo.

Tratando-se da Região Norte, ainda segundo Almeida (2006), a Escola de Engenharia do Pará foi a primeira instituição de ensino superior ligada a área de exatas e a Física era ensinada como uma das disciplinas necessárias a fundamentação básica para formação do engenheiro civil. Esta instituição desenvolveu papel essencial na formação de futuros engenheiros que assumiriam as disciplinas de Física na educação Paraense, principalmente, na superior.

Em 1955, com a criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Belém, é fundada a primeira instituição no Estado com o objetivo de formar profissionais para disciplinas específicas do magistério, e com a criação do curso de Matemática aumentam as disciplinas de Física ministradas na Faculdade. Nesse período, com a formação dos primeiros matemáticos o ensino de Física vai deixando, paulatinamente, de ser realizado por engenheiros. No projeto de criação da Faculdade havia previsão para oferta do curso de Física o que não foi possível devido à escassez de profissionais para assumir disciplinas essenciais a formação do físico.

No ano de 1957, com a aprovação do Decreto-lei 3.191, de 02 de julho de 1957, as sete faculdades2 existentes em Belém foram reunidas para criação da UFPA que, em 1961, implanta o Núcleo de Física e Matemática com o objetivo de concentrar as atividades de ensino de Física e Matemática de todos os cursos cuja estrutura curricular exigia esta disciplina. A fundação do Núcleo foi um marco, pois concentrava em um “único espaço institucional todos os professores dessa disciplina e através de sua política de aprimoramento dos profissionais viabilizou a especialização dos primeiros físicos paraenses” (ALMEIDA, 2006, p. 2).

2 Existiam em Belém as Faculdades de Medicina; Direito; Farmácia; Engenharia; Odontologia; Filosofia, Ciências e Letras; e Ciências Econômicas, Contábeis e Atuariais.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 8

O curso de Física foi ofertado em 1965 e estava organizado em duas partes: a primeira com as disciplinas específicas (realizadas no Núcleo de Matemática e Física) e a segunda com as atividades que habilitavam para o magistério (sob responsabilidade da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras), no esquema conhecido como “3+1”. A maior parte do quadro docente era constituída por matemáticos (também professores do curso de matemática).

Em 1970, o núcleo de Matemática e Física adquiri estrutura de Centro, o Centro de

Ciências Exatas e Naturais – CCEN, que coordenou até agosto de 2007 as atividades referentes à formação do profissional de Física com curso que habilitava para o bacharelado e a licenciatura, pois com a aprovação da nova estrutura regimental e estatutária da UFPA, foi transformado no Instituto de Ciências Exatas e Naturais - ICEN que, atualmente, além da Faculdade de Física (Licenciatura e Bacharelado), é integrado pelas Faculdades de: Matemática (Licenciatura, Bacharelado e Ensino a Distância), Química (Licenciatura, Bacharelado e Química Industrial), Computação (Bacharelado em Ciência da Computação e Sistemas de Informação), Estatística (Bacharelado) e Ciências Naturais.

Apesar de ter sido apresentado como um dos cursos a ser realizado no interior do

(Parte 1 de 10)

Comentários