Manual: Seleção e uso de respiradores

Manual: Seleção e uso de respiradores

(Parte 6 de 14)

Se não for possível conseguir vedação satisfatória com um respirador que exija vedação na face, são recomendadas as alternativas:

fornecer à pessoa um respirador do tipo que não exija vedação perfeita na face (capacete ou capuz), mas que possua Fator de Proteção Atribuído apropriado para o risco previsto;

transferir a pessoa para outra atividade que não exija o uso de respirador.

7.3. CONSIDERAÇÕES SOBRE O ENSAIO DE VEDAÇÃO

7.3.1. Número de respiradores

É praticamente impossível que um só tamanho e modelo de respirador se adapte bem em todos os tipos e tamanhos de face de um grupo de pessoas. É aconselhável que se tenha a disposição delas um número apropriado de tamanhos e modelos, para que seja escolhido o mais apropriado para cada uma.

7.3.2. Aceitação pelo usuário

O conforto é um fator importante na aceitação de uso de um respirador. Outros fatores que influem são: resistência à respiração, diminuição da visão, dificuldade de comunicação e peso do respirador. Os respiradores com maior aceitação são usados durante mais tempo, proporcionando maior proteção. A aceitação de um dado respirador pelo usuário deve ser levada em conta durante a seleção do respirador, uma vez que isso pode determinar o uso correto do mesmo. Se o ensaio de vedação mostrar que a vedação é satisfatória com dois ou mais modelos de respiradores, a escolha deve ser do usuário.

7.4. REGISTROS DOS ENSAIOS DE VEDAÇÃO

Os registros escritos dos ensaios de vedação devem conter as seguintes informações: procedimentos escritos sobre o programa de ensaios de vedação, incluindo critérios de aceitação/rejeição;

tipo de ensaio de vedação adotado;

equipamento e instrumentação usados para realização do ensaio;

calibração, manutenção e reparos dos equipamentos e instrumentos usados, quando aplicável;

nome ou identificação do operador do ensaio;

identificação completa do respirador ensaiado (modelo, tamanho, etc.)

nome ou identificação da pessoa que usou o respirador;

data do ensaio;

resultado do ensaio de vedação, incluindo: fator de vedação obtido (quando o ensaio é quantitativo), aceitação/rejeição (quando o ensaio é qualitativo), observações ou dificuldades na colocação do respirador (uso de lentes de contato ou óculos, dentaduras, cicatrizes, etc.).

8. MANUTENÇÃO, lNSPEÇÃO E GUARDA

RECOMENDAÇÕES, SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES 19

O programa de manutenção deve incluir os itens: a) limpeza e higienização; b) inspeção de defeitos; c) manutenção e reparos; d) guarda; e) garantia de qualidade do ar respirável.

8.1. LIMPEZA E HIGIENIZAÇÃO

O respirador usado por uma só pessoa deve ser limpo e higienizado freqüentemente. Os usados por mais de uma pessoa devem estar limpos e higienizados antes do uso por pessoas diferentes. Os respiradores de emergência devem ser limpos e higienizados após cada uso (informações sobre limpeza e higienização no Anexo 3).

Com a finalidade de verificar se o respirador está em boas condições, o usuário deve inspecioná-lo imediatamente antes de cada uso. Após cada Iimpeza e higienização, cada respirador deve ser inspecionado para verificar se está em condições apropriadas de uso, se necessita de substituição de partes, reparos, ou se deve ser jogado fora. Os respiradores guardados para emergências ou resgate devem ser inspecionados no mínimo uma vez por mês.

A inspeção deve incluir: verificação de vazamento nas conexões; condições da cobertura das vias respiratórias, dos tirantes, válvulas, traquéias, tubos, correias, mangueiras, filtros, indicador do fim de vida útil, componentes elétricos e datas de vencimento em prateleira; funcionamento dos reguladores, aIarmes ou outros dispositivos de alerta. Todo componente de borracha ou de outro elastômero deve ser inspecionado para verificar a sua elasticidade e sinais de deterioração. Os cilindros de ar comprimido ou oxigênio devem ser inspecionados para assegurar que estejam totalmente carregados de acordo com as instruções do fabricante. Para os respiradores de emergência e resgate deve ser mantido registro com as datas de cada inspeção. Os que não satisfazem os critérios da inspeção devem ser imediatamente retirados de uso, enviados para reparo ou substituídos.

8.3. SUBSTITUIÇÃO DE PARTES E REPAROS

Somente pessoas treinadas na manutenção e montagem de respirador devem fazer a substituição de peças ou realizar reparos. Somente devem ser usadas as peças de substituição indicadas. O ajuste ou reparo de válvulas de admissão, reguladores e alarmes somente deve ser efetuado pelo fabricante ou técnico por ele treinado. Os instrumentos para ajuste de válvulas, regulador ou alarme devem ser calibrados contra padrões, no mínimo, a cada três anos.

Os respiradores devem ser guardados de modo que estejam protegidos contra agentes físicos e químicos tais como: vibração, choque, luz solar, calor, frio extremo, umidade excessiva ou agentes químicos agressivos. Devem ser guardados de modo que as partes de borracha ou outro elastômero não se deformem. Não devem ser colocados em gavetas, caixa de ferramentas, a menos que estejam protegidos contra contaminação, distorção ou outros danos. Os de emergência e resgate que permanecem na área de trabalho devem ser facilmente acessíveis durante todo o tempo e devem estar em armários ou estojos marcados de modo que sua identificação seja imediata.

8.5. QUALIDADE DO AR PARA AS MÁSCARAS AUTÔNOMAS E OS RESPIRADORES DE LINHA DE AR COMPRIMIDO

8.5.1. O ar comprimido gasoso utilizado nos respiradores de adução de ar deve ser de alta pureza e satisfazer, no mínimo, os requisitos indicados na Norma Brasileira NBR-12543.

8.5.2. Riscos do uso de oxigênio

O ar comprimido pode conter baixa contaminação de óleo devido aos equipamentos usados. Se num orifício contaminado por óleo/graxa passar oxigênio em alta pressão, pode ocorrer explosão ou fogo. Portanto, oxigênio gasoso comprimido não deve ser usado em respiradores de Iinha de ar ou em máscaras autônomas de circuito aberto que tenham usado

PROGRAMA DE PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA 20 previamente ar comprimido. Concentrações de oxigênio acima de 23,5% somente devem ser usados em equipamentos projetados para operarem com oxigênio.

8.5.3. Ponto de orvalho

O ponto de orvalho do ar usado para recarga do cilindro da máscara autônoma deve ser de -54ºC ou menos (menos que 25ppm de vapor de água). As máscaras autônomas que serão usadas abaixo de - 32ºC, devem ser carregadas com ar com ponto de orvalho de -73ºC ou menos.

8.5.4. Ar respirável de cilindros ou de compressores de ar. O ar respirável pode provir de cilindros ou de compressores de ar.

8.5.4.1. Os cilindros devem ser ensaiados e mantidos de acordo com a legislação aplicável (por exemplo CFR Title 49 Part 173 e Part 175). Alguns ensaios estão indicados na Tabela 3.

TABELA 3 GUIA PARA AMOSTRAGEM PERIÓDICA NA COMPRA DE AR RESPIRÁVEL

Compressão: o fornecedor não enche os cilindros com outros gases

Verificar em 10% dos cilindros de cada lote o teor de CO (ppm) e odor

Compressão: o fornecedor enche os cilindros com outros gases

Verificar em todos os cilindros a % de O2; verificar em 10% dos cilindros de cada lote o teor de CO (ppm) e odor

Reconstituição Verificar em todos os cilindros a % de O2; verificar em 10% dos cilindros de cada lote o teor de CO (ppm) e odor

8.5.4.2. O compressor deve ser construído de modo a evitar a entrada de ar contaminado. Para todos os compressores, inclusive os portáteis, a localização da tomada de ar deve merecer cuidados especiais, bem como monitorada para garantir a qualidade do ar que alimenta o compressor. Quando necessário, o sistema deve possuir filtro com sorbente na própria linha para garantir a qualidade do ar respirável. A manutenção e revisão do compressor e do filtro deve ser periódica e realizada por pessoa treinada, obedecendo as recomendações do fabricante.

8.5.4.3. Como parte dos testes iniciais de aceitação do compressor, e antes do início do seu uso, deve-se fazer uma amostragem representativa do ar que sai, para verificação de sua concordância com os requisitos dos itens 8.5.1 e 8.5.4. Para garantir a qualidade do ar e verificar qualquer ponto de contaminação no sistema de distribuição, deve-se também retirar amostra do ar nos diversos pontos de uso do ar. As amostras devem ser retiradas periodicamente conforme programa existente. Na tabela 4 estão indicadas algumas recomendações:

TABELA 4 AMOSTRAGEM PERIÓDICA DO AR COMPRIMIDO

RECOMENDAÇÕES, SELEÇÃO E USO DE RESPIRADORES 21

Vapor de água X X X Monóxido de Carbono X --- X

Hidrocarbonetos condensados X --- X

Dióxido de Carbono X --- X Odor X X X

(Parte 6 de 14)

Comentários