anatomia - Esqueleto Axial e Apendicular

anatomia - Esqueleto Axial e Apendicular

(Parte 3 de 5)

3

MANDÍBULA

LOCALIZAÇÃO: Forma o maxilar inferior

ACIDENTE ÓSSEO

FUNÇÃO / CARACTERÍSTICA

CORPO

Porção curva, conhecida como “queixo”

RAMO

Forma um ângulo reto com as laterais

ÂNGULO

Vértice do ângulo formado pelo corpo e ramo

PROCESSO CONDILAR

Formado pela cabeça e pelo colo

INCISURA

Depressão situada entre o processo coronóide e o côndilo de cada ramo

PROCESSO CORONÓIDE

Projeção para cima na face anterior dos ramos. Fixa o músculo temporal.

TUBÉRCULO MENTAL

Duas proeminências junto à protuberância

FORAME MENTAL

Dois orifícios à frente da mandíbula, por onde passam vasos e nervos mentais

FORAME MANDIBULAR

Orifício na face interna de cada ramo, por onde passam nervos e vasos alveolares

ALVÉOLOS DENTÁRIOS

Parte superior do corpo, fornece as cavidades para os dentes

OSSO ZIGOMÁTICO

LOCALIZAÇÃO:Articula-se com o maxilar, temporal e frontal para formar as proeminências da face

OSSO VÔMER

LOCALIZAÇÃO:Situa-se por trás da lâmina perpendicular do etmóide e abaixo do osso esfenóide

OSSO NASAL

LOCALIZAÇÃO:Forma a parte superior do nariz

OSSO LACRIMAL

LOCALIZAÇÃO:Articula-se com o maxilar e etmóide na parte medial da cavidade orbital

OSSO PALATINO

LOCALIZAÇÃO:Juntamente com os processos palatinos das maxilas, forma o palato duro (“céu da boca”)

CONCHA NASAL INFERIOR

LOCALIZAÇÃO:Em vista anterior, aparece lateralmente ao vômer.

CAVIDADE ORBITAL

ACIDENTE ÓSSEO

FUNÇÃO / CARACTERÍSTICA

FACES OU PROCESSOS ORBITAIS

São as partes dos ossos frontal, maxilar, etmóide, esfenóide, palatino e zigomático que compõem a órbita.

OSSO LACRIMAL

Localizado próximo ao osso nasal, compõe a parede medial da órbita.

CANAL ÓPTICO

Dá passagem ao nervo óptico.

FISSURA ORBITAL SUPERIOR

Localizada entre as asas maiores e menores do osso esfenóide, dá passagem aos nervos motores do olho e ao nervo e veia oftálmicos.

FISSURA ORBITAL INFERIOR

Abaixo da Fissura Orbital Superior, dá passagem à porção maxilar do nervo Trigêmeo

CAVIDADE NASAL

ACIDENTE ÓSSEO

FUNÇÃO / CARACTERÍSTICA

FACE NASAL DA MAXILA

Forma a parte látero-inferior

OSSOS NASAIS

Formam a parte superior

LÂMINA PERPENDICULAR DO ETMÓIDE

Forma o septo nasal, junto com o vômer

LÂMINA CRIVOSA DO ETMÓIDE

Forma o teto (não aparece na figura)

OSSO PALATINO

Forma a base e a lateral da cavidade nasal (não aparece na figura)

OSSO VÔMER

Forma o septo nasal, junto com o etmóide

CONCHAS NASAIS INFERIORES

Formam as paredes látero-inferiores

CONCHAS NASAIS MÉDIAS E SUPERIORES

Fazem parte das paredes laterais, são formadas pelo osso etmóide (as superiores não aparecem na figura).

FORAMES DA BASE DO CRÂNIO

Principais Orifícios

Nervos Crânicos

1 - Forames Crivosos

I – Olfatório

2 - Canal Óptico

II – Óptico

3 - Fissura Orbital Superior

III – Oculomotor, IV – Troclear, VI – Abducente, V – Trigêmeo, porção oftálmica.

Fissura Orbital Inferior

V - Trigêmeo, porção maxilar

4 - Forame Redondo

V - Trigêmeo, porção maxilar

5 - Forame Oval

V – Trigêmeo, porção mandibular

6 - Forame Espinhoso

V – Trigêmeo, pequena porção do mandibular

7-Forame Lácero ou Lacerado

Ramos da artéria faríngea ascendente

8 - Meato Acústico Interno

VIII – Vestíbulo Coclear, VII – Facial

9 - Canal do Hipoglosso

XII – Hipoglosso

10 - Forame Jugular

IX – Glossofaríngeo, X – Vago, XI – Acessório

11 - Forame Magno

XI - Acessório, Nervo Espinhal

Canal Carótico (vista inferior)

Artéria Carótida Interna

Forame Estilomastóideo

VII – Facial

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

Coluna Vertebral

A coluna vertebral é caracterizada por um conjunto de ossos irregulares, as vértebras, que se articulam entre si. O limite superior é a articulação atlanto-occipital e inferiormente, as articulações sacro-ilíacas, direita e esquerda. O número de vértebras é 33, se o sacro e o cóccis forem vistos separadamente, ou 26, se forem vistos juntamente.

Funções

Principal – sustentação do peso das estruturas corporais

  • proteção de estruturas

  • movimentação segmentar, locomoção

Divisões

A coluna vertebral pode ser dividida em:

  • Cervical, com 7 vértebras (Atlas [C1], Áxis [C2], Típicas [C3 a C6], Proeminente [C7])

  • Torácica, com 12 vértebras (T1 a T12)

  • Lombar, com 5 vértebras (L1 a L5)

  • Sacral, com 5 vértebras fundidas (S1 a S5)

  • Coccígea, Coccígena ou Coccigeana, com 4 ossos fundidos (Cóccix)

Planos de Estudo

A coluna pode ser estudada de acordo com a posição que seja adotada como base de estudo. Teoricamente, a coluna apresenta-se como uma linha reta, se vista posteriormente; no entanto, a posição mais comumente adotada para estudo é a de perfil, onde encontramos as curvaturas fisiológicas.

  • Cervical, secundária, côncava posteriormente, lordótica;

  • Torácica, primária, convexa posteriormente, cifótica;

  • Lombar, secundária, côncava posteriormente, lordótica;

  • Sacro-coccígea, primária, convexa posteriormente, cifótica.

* uma curvatura é classificada como primária ou secundária com base no desenvolvimento humano.

Características das Vértebras

As vértebras podem ser classificadas em três grupos, de acordo com suas características: geral, que contém os elementos comuns; regional, que determina a diferenciação de uma região para outra; e, especial, que contém características especiais, não presentes nas outras vértebras.

 Corpo vertebral – anteriormente

 Forâmen vertebral – posteriormente ao corpo vertebral

 Pedículo – parede lateral, lateralmente ao forâmen

 Lâminas – parede posterior, posteriormente ao forâmen

Geral  Incisura intervertebral – abaixo e lateralmente aos pedículos

 Processo espinhoso – posteriormente, união das lâminas

 Processos transversos ou apófises – lateralmente, união dos pedículos com as lâminas

 Processos articulares – dois superiores e dois inferiores

CERVICAL

TORÁCICA

LOMBAR

Corpo vertebral pequeno

Corpo vertebral maior (em relação à cervical)

Corpo vertebral maior e mais resistente

Forame triangular

Forame maior e arredondado, medula mais dilatada

Forame triangular

Processo espinhoso bífido e curto

Processo espinhoso largo, único e oblíquo, tendendo à verticalidade

Processo espinhoso curto, grosso e quadrado

Processos transversos com foramens - foramens transversos, passagem de vasos sanguíneos

Facetas costais superiores e inferiores (cabeça das costelas) e transversos (tubérculo das costelas)

Processo articular presente na vértebra adjacente: superior, voltado posteriormente, e inferior, voltado anteriormente

Regional

(Parte 3 de 5)

Comentários