12 maneiras de estudar a biblia sozinho - Rick Warren

12 maneiras de estudar a biblia sozinho - Rick Warren

(Parte 1 de 11)

Digitalizado e doado por: Angela S.

Lançamento: w.ebooksgospel.com.br

Sumário

Prefácio Introdução I: Como estudar a Bíblia Introdução I: Mostra dos doze métodos de estudo bíbíico 1. O método devocional 2. O método por resumo de capítulo 3. O método da qualidade de caráter 4. O método temático 5. O método biográfico 6. O método por tópicos 7. O método morfológico 8. O método histórico-cultural e contextual 9. O método investigativo 10. O método analítico de capítulo 1. O método sintético 12. O método analítico de versículo por versículo Leitura adicional Apêndice A: Como tornar significativo o momento de reflexão Apêndice B: Perguntas gerais para um estudo biográfico Apêndice C: Lista de traços positivos e negativos de personalidade Apêndice D: Lista parcial de personagens bíblicas Apêndice E: Lis ta sugerida de palavras-chaves para estudo Apêndice F: O que procurar num estudo analítico de capítulo Apêndice G: Plano para estudar a Bíblia sistematicamente

Prefácio

POR MUITOS ANOS, TODA VEZ QUE eu ouvia um bom sermão ou ensino bíblico detalhado, saía frustrado da reunião, me perguntando: "Mas como foi que ele achou tudo isso no texto?". Desejava descobrir essas verdades sozinho. Ademais, sentia-me culpado porque as pessoas sempre me diziam que devia estudar a Bíblia, mas, quando tentava, não sabia o que fazer. Assim, eu desanimava e largava de mão.

Já nesses dias de frustração, descobri que a maioria dos cristãos quer estudar a Bíblia, mas não sabe como. Eles não precisam de mais exortação ("Estude a Bíblia!"), só precisam de algumas instruções sobre como estudar a Palavra de Deus. E este é o propósito deste livro — é um manual sobre "como" estudar a Bíblia. Parte do pressuposto de que você já sabe a importância do estudo pessoal da Bíblia, que você já foi exortado muitas vezes para esse dever cristão e que você espera que alguém lhe mostre como fazer.

A Bíblia nos ensina que não podemos ser discípulos de Jesus Cristo se não temos uma ingestão regular da Palavra de Deus. Em certa ocasião, Jesus disse aos seus seguidores: "Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará" (Jo 8.31,32). Quando olhamos a história da igreja cristã, descobrimos que o denominador comum de todo grande homem e mulher de Deus é que eles conheciam as Escrituras e passavam tempo de modo consistente e regular com o Senhor na sua Palavra.

Nunca antes na história da humanidade a Bíblia esteve mais acessível aos que vivem no mundo ocidental. Contudo, nunca houve tamanha fome pela Palavra de Deus. Temos Bíblias em hotéis, motéis, consultórios médicos, bibliotecas e na maioria de nossas casas; não obstante, grande parte das pessoas desconhece o que as Escrituras têm a dizer. Vivemos em dias de analfabetismo bíblico, até entre o povo de Deus.

Cada método de estudo constante neste livro é apresentado de tal modo que todo crente em Cristo poderá seguir os passos sugeridos e será capaz de extrair por conta própria algo do estudo das Escrituras. Tenho certeza de que a leitura, o estudo e o uso deste livro farão de você um discípulo biblicamente instruído do Senhor Jesus Cristo — útil como trabalhador em sua igreja local para alcançar os perdidos com o Evangelho e treinar os crentes no discipulado.

Entre as reivindicações do discipulado incluem-se a chamada ao compromisso de homens e mulheres que seguiriam Jesus. Eles crescem como discípulos embrenhando-se na Palavra como hábito de vida e aplicando-a consistentemente na vida cotidiana.

George Mueller (1805—1898), diretor de uma série de orfanatos em Bristol, Inglaterra, durante o século xix, era conhecido como homem de fé e oração. E espantoso ler as respostas à oração que este homem teve durante sua longa vida. O que o tornou homem de fé e oração? Durante a vida, ele leu a Bíblia do início ao fim mais de duzentas vezes, e em mais da metade dessas leituras, ele o fez de joelhos, orando em cima da Palavra e estudando-a diligentemente.

Quando conhecemos a Palavra de Deus tão bem assim, conhecemos a vontade de Deus para nossa vida. Quando conhecemos a vontade de Deus, podemos orar especificamente e obter respostas específicas.

Se numa reunião na igreja perguntássemos: "Quantos crêem na Bíblia de capa a capa?", provavelmente todos levantariam a mão. Entretanto, se perguntássemos: "Quantos a lêem regularmente de capa a capa?", poderíamos não obter sequer uma resposta. Parece que somos culpados de estar mais interessados em defender a Palavra de Deus do que em estudá-la.

Em uma noite típica, o cristão comum se senta e assiste à televisão por três horas, mas só lê a Bíblia por três minutos antes da hora de dormir. E ainda ficamos admirados com a falta de maturidade espiritual? Muitos cristãos são mais fiéis em ler colunistas famosos ou as páginas de esporte do jornal do que ler a Palavra de

Deus. Sei de não-cristãos que não saem de casa pela manhã sem que tenham lido o horóscopo. O que aconteceria se os cristãos se entregassem com empenho igual a ler a Bíblia cada manhã antes de ir para o trabalho, a escola ou o shopping? Mudaria suas vidas e as vidas dos que o cercam.

O apóstolo Paulo disse algo importante sobre as Escrituras. Escrevendo a Timóteo, ele declarou: Quanto a você, porém, permaneça na coisas que aprende e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu. Porque desde criança você conhece as Sagradas Letras, que são capazes de torná-lo sábio para a salvação mediante a fé em Cristo Jesus. Toda Escritura ê inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra (2Tm 3.14-17).

Paulo nos dá duas razões para conhecermos as Escrituras. O primeiro propósito é que venhamos a conhecer Jesus Cristo e receber sua salvação (v. 15). Aprendemos sobre ele e a redenção pela Palavra. O segundo propósito da Escritura é nos ajudar a crescer espiritualmente para que sejamos equipados a fazer o que quer que Deus queira que façamos (v. 17). Os meios desse crescimento são ensino (doutrina), repreensão, correção e instrução (v. 16). O ensino nos mostra o caminho no qual devemos andar; a repreensão nos indica onde saímos do caminho; a correção nos conta como voltar ao caminho direito; e a instrução na justiça nos ensina como ficar nesse caminho. Isto significa que a Bíblia é o guia completo para vivermos a vida cristã.

Próximo do fim do ministério de Jesus, os líderes judeus tentavam enganá-lo com perguntas complicadas sobre a lei. A certa pergunta que os saduceus tinham projetado apanhá-lo em armadilha, Jesus respondeu: "Vocês estão enganados porque não conhecem as Escrituras nem o poder de Deus!" (Mt 2.29). As duas razões básicas para a doutrina falsa ou o erro são dadas aqui por Jesus. As pessoas desviam-se da doutrina básica, porque não conhecem a Bíblia nem o poder de Deus. Todo o erro provém destas duas coisas.

Com o atual aumento e popularidade de cultos, falsos ensinos e filosofias não-bíblicas, é imperativo que os cristãos sejam fundamentados na Palavra de Deus de forma que possam discernir o erro da verdade.

Por que é que a maioria dos cristãos não estuda a Palavra de Deus? Muitas razões podem ser dadas, mas três são muito comuns. A primeira razão é que as pessoas não sabem como estudar. Esta foi minha situação por muitos anos. Eu participava de conferências bíblicas, retiros ou cultos de avivamento e ouvia grandes pregações. Era habitual eu sair da reunião abismado com as compreensões intuitivas da Bíblia que os vários conferencistas possuíam. Então, ficava pensando: "Por que eu não vi isso?", e me dispunha a estudar sozinho. Mas porque ninguém tinha me mostrado como estudar a Bíblia sozinho, eu não sabia o que fazer e me sentia frustrado. Eu sabia que Deus queria que eu estudasse a Palavra, então me entreguei a aprender e a ensinar outros a fazê-lo.

Se eu encontrasse um homem faminto ao lado de um rio, lago ou oceano, poderia lhe fazer duas coisas: Apanhar minha vara de pescar e pescar um peixe que lhe satisfizesse a fome por algumas horas; ou, ensinar-lhe a pescar e satisfazer-lhe a fome pelo resto da vida. A segunda opção é obviamente a melhor maneira de ajudar o homem. Da mesma forma, cristãos famintos necessitam ser ensinados como se alimentar da Palavra de Deus.

A segunda razão por que as pessoas não estudam a Bíblia é que elas não são motivadas. E porque elas não experimentaram a alegria de descobrir pessoalmente as verdades da Palavra de Deus. Antigos esforços em estudar a Bíblia por conta própria foram infrutíferos, então desistem. Elas se contentaram em obter de alguém tudo de que precisam para a vida cristã em vez de descobrirem por si mesmas. Neste momento, tenho de dar um aviso importante concernente a este livro: Se você for sério em se dispor a estudar a Bíblia por conta própria, nunca mais ficará satisfeito com mero conhecimento de segunda mão das Escrituras. O dr. Paul Little comparou o estudo pessoal da Bíblia com comer amendoim. Se comer um, não pára mais! Assim que você descobrir o sabor "gostoso" de estudar a Bíblia, voltará em busca de mais e mais. O estudo pessoal da Bíblia é formador de hábitos!

A terceira razão por que as pessoas não estudam as Escrituras é porque elas são preguiçosas. Estudar a Bíblia é trabalho árduo, e não há atalhos. É como qualquer outra coisa na vida que valha a pena. Custa tempo, esforço, concentração e persistência. A maioria das grandes verdades da Palavra de Deus não está na superfície.

Você tem de trabalhar pertinazmente em busca delas. Da mesma forma que se pode achar ouro no fundo de uma mina ou uma pérola no fundo do mar, assim as verdades mais profundas de Deus devem ser buscadas com muita diligência.

Howard G. Hendricks, conferencista famoso e perito em educação cristã, fala de três fases pertinentes à atitude para com o estudo da Bíblia:

• A fase "óleo de rícino" — quando você estuda a Bíblia porque sabe que é bom para você, mas não é muito agradável.

• A fase "cereal" — quando o estudo da Bíblia é seco e desinteressante, mas você sabe que está sendo alimentado.

• A fase "pêssegos com chantilly' — quando você está realmente banqueteando-se com a Palavra de Deus.

No mundo ocidental, vivemos numa sociedade que prefere fazer com que outras pessoas pensem por nós. E por isso que a televisão e outras formas de entretenimento, inclusive jogos esportivos, são tão populares. Queremos relaxar e ser entretidos, sem ter de pensar ou mostrar esforço. No estudo da Bíblia temos de aprender algumas técnicas, métodos e então nos concentrar em trabalhar pertinazmente as mensagens que Deus tem para nós.

O propósito deste livro é lhe ensinar como esmiuçar as riquezas da Palavra de Deus. Exigirá pensamento sério, mas esforços foram empreendidos para manter os procedimentos simples.

Em cada capítulo você tomará conhecimento de um dos doze métodos pessoais básicos de estudo da Bíblia. Por motivo de clareza, cada capítulo seguirá o mesmo formato básico: 1. Esboço condensado de cada método. A finalidade é capacitá-lo a obter num relance a visão geral de cada método. Você descobrirá a utilidade desse recurso sempre que precisar se referir à seqüência de etapas em certo método. 2. Breve definição do método. 3. O fundamento lógico para cada método. O propósito é familiarizá-lo com os benefícios e limitações de cada método. 4. O procedimento para cada método. Isto será explicado de maneira simples, passo a passo. 5. Um exemplo de cada método (um formulário preenchido). 6. Possíveis passagens ou assuntos sugeridos para fazê-lo começar o estudo por conta própria. Porque cada capítulo é independente dos outros, você pode pular capítulos e ler primeiramente os métodos que lhe interessarem mais. Todavia, com exceção do 12.° método, esses métodos são apresentados por ordem de dificuldade. Há uma progressão lógica ao longo do livro. À medida que você passa de capítulo a capítulo, ser-lhe-ão apresentados outros jeitos de estudar a Bíblia. A fim de obter os melhores resultados, você deve dominar cada método na ordem dada antes de proceder para a próxima. O capítulo 1, "O método devocional", é jundamentak você deve lê-lo e entendê-lo antes de se inteirar de outro método. Esse método lhe ensinará a escrever a aplicação pessoal da Escritura, a qual você usará como etapa final na maioria dos outros métodos.

Tenho certeza de que este livro se tornará ferramenta de referência constante que o guiará a estudar a Bíblia por toda vida e a ensinar os outros a fazer o mesmo.

I - Como estudar a Bíbllia

PRINCÍPIOS DE ESTUDO DINÂMICO DA BÍBLIA O estudo dinâmico da Bíblia não requer nada de mágico. Uma vez tendo compreendido os princípios básicos, é simples de fazer. A seguir, apresentamos cinco princípios gerais que você precisará lembrar, independente do método de estudo que esteja usando. 1. O segredo do estudo dinâmico da Bíblia ésaber fazer o tipo certo de perguntas. Os doze métodos de estudo da Bíblia expostos neste livro exigem que você faça perguntas para o texto bíblico. A principal diferença nestes métodos é o tipo de pergunta que você fará. Você terá tipos diferentes de perguntas com cada método diferente de estudo da Bíblia. Fazer perguntas é uma habilidade que pode ser desenvolvida. À medida que você aumentar em proficiência no estudo da Bíblia, você desenvolverá a arte de fazer perguntas. Quanto mais perguntas você fizer sobre o texto em estudo, mais extrairá dele. Você perceberá que pode bombardear o texto com ilimitado número de perguntas. Um dos benefícios em estudar a Bíblia é o desenvolvimento de uma mente mais inquisitiva. Você descobrirá insights empolgantes que foram negligenciados no passado. Parecerá que você ganhou novos olhos! De repente, toda vez que você apanha a Bíblia para estudar, novas verdades saltam do texto.

2. O estudo dinâmico da Bíblia envolve anotar o que foi observado e descoberto. Você na verdade não considerou cuidadosa e detalhadamente um texto bíblico até que tenha escrito os pensamentos tidos. Não se pode estudar a Bíblia sem escrever algo. Esta é a diferença entre ler a Bíblia e estudar a Bíblia. Na leitura da Bíblia, você lê do princípio ao fim uma porção selecionada da Escritura, ao passo que no estudo da Bíblia, você toma notas extensas. Dawson Trotman, fundador da organização cristã Os Navegantes, dizia: "Os pensamentos se desembaraçam quando atravessam os lábios e as pontas dos dedos". Se você não colocou suas observações no papel, na realidade você não as considerou de modo cuidadoso e detalhado.

Este princípio é verdadeiro não apenas para o estudo da Bíblia, mas também para muitas outras áreas da vida cristã. Uma das coisas mais lucrativas que você pode fazer em sua vida espiritual é começar um tipo de caderno espiritual no qual você escreva pensamentos e compreensões intuitivas que Deus lhe deu.

Em nenhuma outra atividade, tomar notas é mais importante do que no estudo da Bíblia. Se você realmente estima as pepitas da verdade que for descobrindo, tomará nota de tudo o que pesquisar das Escrituras. Mesmo que não veja nada em determinado versículo, escreva isso. Cada método de estudo da Bíblia neste livro tem uma forma de estudo projetada a ser usada com o método, de modo que você possa escrever várias notas sobre o que está estudando. 3. A meta final do estudo dinâmico da Bíblia é a aplicação, não só a interpretação. Não queremos nos conformar apenas em entender; queremos aplicar os princípios bíblicos no nosso viver diário. Dwight L. Moody, grande evangelista e pedagogo cristão de uma geração passada, dizia: "A Bíblia não foi dada para aumentar nosso conhecimento, mas para mudar nossa vida". Foi dada para mudar nosso caráter e nos levar mais em conformidade com Jesus Cristo. Todos os nossos esforços no estudo da Bíblia não têm valor se, na análise final, não mudamos e nos tornamos mais semelhantes a Jesus. Temos de ser não apenas ouvintes, mas praticantes da Palavra (Tg 1.2).

(Parte 1 de 11)

Comentários