Insuficiência renal aguda

Insuficiência renal aguda

INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA

CONCEITO

A IRA é caracterizada por uma redução abrupta da função renal que mantém por períodos variáveis, resultando na inabilidade dos rins em exercer suas funções básicas de excreção e manutenção da homeostase hidroeletrolítica do organismo.

A supressão abrupta da função renal em conseqüência de alterações renais agudas, caracterizada pela oligúria (volume urinário menor que 20ml/h) ou anúria (ausência de urina). Menor que 400ml p/dia.

Há três tipos de IRA dependendo do local onde se dão as alterações agudas: antes do rim, no rim e depois do rim: pré-renal, renal ou pós-renal.

Pré-renal: É uma alteração que ocorre antes do rim, levando à insuficiência funcional ou lesão orgânica. Ocorre por insuficiência circulatória aguda, por falta de líquidos (hipovolêmia), por desidratação grave ou perda de sangue. Pode ocorrer, também, por queda da pressão arterial do sangue circulante. Quando a pressão arterial cai a menos de 90mmHg o sangue tem pouca pressão para filtrar e por isso se torna insuficiente. As situações mais comuns de hipotensão são o choque hemorrágico, traumático ou infeccioso (bactérias).hipoperfusão do rin.

Renal: É a lesão que atinge agudamente o rim seja por tóxicos (químico ou medicamentoso), seja por inflamações (nefrites) ou por morte de células do rim (necrose do glomérulo ou do túbulo renal).

Pode ser causado por: Queimadura, esmagamento (mio globina e hemoglobulina), infecções, nefro tóxicos (medicamentos), agentes antiinflamatórios ñ-esteroides.

Pós-renal: É a que ocorre por obstrução das vias urinárias, impedindo a passagem da urina pela via urinária. A obstrução pode ocorrer em qualquer parte da via urinária: pelve renal, ureter, bexiga ou uretra. (ponto distal do rim). Obstrução do fluxo urinário.

A queda abrupta da filtração glomerular faz com que várias substâncias tóxicas normalmente eliminadas pelo rim, principalmente os catabólitos finais dos compostos nitrogenados, como a uréia, passem a ser retidas. Essa retenção provoca disfunções em vários órgãos e sistemas e origina o quadro clínico de uremia, que é a manifestação mais dramática da insuficiência renal. Apesar do nome, sabe-se hoje que a uréia não é o principal responsável pela síndrome urêmica, não havendo ainda consenso acerca de qual ou quais são as principais toxinas causadoras desse quadro.

Na IRA renal oligúrica, em que ocorre lesão renal grave, os rins perdem, além de sua função de eliminar escórias, também a capacidade de regular o balanço de água e sódio, o que provoca retenção de fluidos e o desenvolvimento de hipertensão e edema, incluindo o edema agudo pulmonar, com conseqüências obviamente graves e potencialmente mortais.

Se o balanço positivo de água predominar em relação ao de sódio, pode ocorrer hiponatremia e edema intracelular, com graves conseqüências neurológicas.

A IRA compromete também a excreção de outros eletrólitos além do sódio.

A alteração eletrolítica potencialmente mais perigosa provocada pela IRA é a hipercalemia, que pode causar arritmias graves e mesmo mortais.

Usualmente, a recuperação da diurese precede a normalização da filtração glomerular, o que possivelmente reflete o tempo necessário a que se refaça completamente a anatomia dos túbulos e a polarização das células. Vale ressaltar que essa regeneração nem sempre acontece: cerca de 1 a 5% dos pacientes com IRA jamais recuperam a função renal evoluindo para IRC terminal e tornando-se permanentemente dependentes de diálise.

Principais manifestações clínicas da IRA

Digestivo:

Inapetência, náuseas, vômitos incoercíveis, sangramento digestivo

Cárdio-respiratório:

Dispnéia, edema, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, edema agudo de pulmão, arritmias, pericardite

Neurológico:

Sonolência, tremores, agitação, convulsão, coma

Hematológico:

Sangramentos, anemia

Imunológico:

Depressão imunológica, tendência a infecções

Nutricional:

Catabolismo aumentado, balanço nitrogenado negativo, perda de massa muscular

Cutâneo:

Prurido

 

Cuidado Até que tenha perdido cerca de 50% de sua função renal, os pacientes permanecem quase que sem sintomas.

Cuidados de enfermagem

Fase oligúrica ou anúrica:

  • Observar e registrar as características da urina

  • Incentivar a restrição hídrica

  • Avaliar o peso diário

  • Avaliação e registro de sinais vitais

  • Manter a integridade cutânea

  • Incentivar o repouso moderado

  • Vigiar o estado de consciência

  • Administrar medicamento CPM

Fase poliúrica

  • Observar e registrar as características da urina

  • Incentivar a ingestão hídrica

  • Avaliação e registro dos sinais vitais

  • Incentivar a independência nas atividades de vida diária

  • Envolver o doente e os familiares no tratamento

  • Administrar medicamento CPM

Sinais e Sintomas das Alterações Renais - Alteração na cor da urina (fica parecida com coca-cola ou sanguinolenta) - Dor ou ardor quando estiver urinando - Passar a urinar toda hora - Levantar mais de uma vez ->noite para urinar - Inchaço dos tornozelos ou ao redor dos olhos - Dor lombar - Pressão sangüínea elevada - Anemia (palidez anormal) - Fraqueza e desânimo constante - Náuseas e vômitos freqüentes pela manhã. Patogenia da Insuficiência Renal - A diminuição da excreção de escórias metabólicas pode ocorrer como uma consequência da diminuição do fluxo sanguíneo para o rim (pré-renal), obstrução aguda do fluxo urinário do rim (pós-renal), ou lesão do próprio rim (intra-renal).

EQUIPE

ANDRELIZE

LUCILENE

Comentários