Prática de Sistema muscular II

Prática de Sistema muscular II

(Parte 1 de 2)

Prof. Geraldo Majela Moraes Salvio

Laboratório de Anatomia e Fisiologia Humanas 1

UNIS – Centro Universitário do Sul de Minas Laboratório de Anatomia e Fisiologia Humanas

Disciplina: Processos Funcionais do Corpo Humano I Prof. Geraldo Majela Moraes Salvio

Prática de Sistema Muscular I: Tórax, abdômen pelve e genitais

Músculos do Tórax

O tórax é a porção mais superior do tronco. Possui um formato cônico com o vértice superior e base inferior. O limite superior do tórax se faz na abertura superior do tórax por onde da continuidade ao pescoço. Seu limite inferior é dado pelo diafragma, que o separa a cavidade torácica da abdominal e belo rebordo costal da caixa torácica. Seu arcabouço, que forma seu limite externo, pode ser dividido em caixa torácica e parede torácica. A caixa torácica é constituída pelas vértebras torácicas, costelas, cartilagens costais, esterno e músculos intercostais. A parede torácica é formada por todos os tecidos de revestimento e músculos dessa região.

Músculo Peitoral Maior (19, 20 e 21)

È um músculo espesso, triangular e plano que recobre a região ântero-superior do tórax. Possui origem ampla e inserção única no úmero, adotando assim uma forma de leque. Origem: Clavícula (Parte clavicular - 19), manúbrio (Parte esternocostal – 20) e corpo do esterno (Parte abdominal – 21); cartilagens costais da 2ª a 6ª e bainha do m. reto abdominal. Inserção: Crista do tubérculo maior do úmero. Inervação: Nervos peitorais mediais e laterais. Ação: Rotação medial, flexão e adução do braço O m. peitoral maior juntamente com a m. deltóide e a clavícula forma o trígono deltoclavipeitoral.

OBS: Trígono deltoclavipeitoral

Também conhecido como fosseta de Morenhien, é um espaço com forma de triangulo com a base na clavícula. Nele se localiza na camada mais superficial a veia cefálica e mais profundamente o ramo acromial da artéria acrômico-torácica.

Prof. Geraldo Majela Moraes Salvio

Laboratório de Anatomia e Fisiologia Humanas 2

Músculo peitoral menor (24)

É um músculo delgado, plano e triangular que está recoberto pelo m. peitoral maior. E como o próprio nome já diz, é menor que o peitoral maior. Origem: 2ª a 5ª costelas. Inserção: Processo coracóide da escápula. Inervação: Nervos peitorais mediais e laterais. Ação: Anteversão do membro superior e auxilia na inspiração forçada

Músculo serrátil anterior (2)

É um músculo delgado e quadrangular, situado na parede latero-posterior da caixa torácica, recobrindo as costelas e em sua parte posterior é recoberto pela escápula. Também é considerado músculo do tórax. Mas isso é apenas um detalhe, esse tipo de divisão regional se presta somente para facilitar o estudo. O aluno deve ter em mente que o corpo humano é um todo, por isso as divisões regionais e sistêmicas às vezes se misturam. Origem: Através de digitações nas 9 primeiras costelas. Inserção: Angulo superior e inferior da escapula e borda medial da escapula. Inervação: Nervo torácico longo. Ação: Abdução da escapula e fixa-a junto ao corpo. Auxilia na inspiração elevando as costelas

Músculo serrátil posterior superior (23)

É um músculo plano, quadrangular e bastante delagado. Está recoberto pelo m. rombóide maior e se estende desde as primeiras vértebras torácicas até espáduas. Origem: Processos espinhosos de C6 a T3. Inserção: 2ª a 5ªcostelas lateralmente aos ângulos costais. Inervação: Nervo cervical C6 até o nervo torácico T12. Ação: Elevação da 2 ª a 5ª costelas, auxilia a inspiração.

Músculo subclávio (25)

È um músculo estreito e cilíndrico. Está situado entre a clavícula e a 1º costela.

Origem: 1ªcostela. Inserção: Extremidade acromial da clavícula. Inervação: Nervo subclávio. Ação: Estabiliza e abaixa a clavícula.

Prof. Geraldo Majela Moraes Salvio

Laboratório de Anatomia e Fisiologia Humanas 3

Músculos intercostais externos (26)

São músculos curtos, planos, delgados e bastante tendinosos.

Origem: Borda inferior do lábio externo da 1ª a 12ª costela. Inserção: Borda superior da costela subjacente. Inervação: Ramos intercostais anteriores de T1 a T11. Ação: Ajuda na inspiração elevando as costelas

Músculos intercostais internos (27)

Também são curtos, planos e delgados. Suas fibras cruzam posteriormente e no sentindo contrário ao músculo intercostal externo, de forma perpendicular, formando um “X”. Origem: Borda inferior do lábio interno da 1ª até 1 ª costela. Inserção: Borda superior da costela subjacente. Inervação: Ramos intercostais anteriores de T1 a T11. Ação: Ajuda na expiração abaixando as costelas

Músculo subcostal

É um músculo muito variável, de difícil visualização. Tem formato triangular e é bastante delgado.

Origem: Face interna da 4ª até 11ªcostelas. Inserção: Face interna da costela subjacente. Inervação: Nervos intercostais anteriores de T4 a T11. Ação: Revestem a parede torácica e auxiliam na expiração.

OBS: Oco Axilar

Pode ser chamado também de fossa axilar. Mas deve ser considerada mais do que a fossa externamente visível e sim um compartimento com forma de pirâmide, preenchido com tecido adiposo, vasos, nervos e linfonodos, localizado entre o membro superior e o tórax. Está limitado anteriormente pelo m. peitoral maior, formando a parede anterior da pirâmide, posteriormente pelo m. grande dorsal, que forma a parede posterior da pirâmide. A parede medial ou torácica é formada pela parede do tórax e é revestida pelo m. serrátil anterior, a parede lateral é limitada pelo úmero e pelo m. coracobraquial. O ápice do oco axilar é formado pela clavícula, margem superior da escapula e pela margem externa da 1º costela. É por esse espaço delimitado por esses três ossos que os elementos do pescoço ganham o tórax e vice-versa.

Prof. Geraldo Majela Moraes Salvio

Laboratório de Anatomia e Fisiologia Humanas 4

Músculos do Abdome

O abdome forma a porção média do tronco, situado entre o tórax e a pelve. Ao contrario das outras estruturas do tronco, o abdome não tem proteção óssea. Sendo seu esqueleto formado unicamente pela coluna vertebral e suas paredes laterais e anteriores constituídas eminentemente por músculos, isso confere a essa região a maior mobilidade encontrada no tronco. Os músculos do abdome podem ser divididos em músculos ântero-laterais e músculos posteriores. Os músculos posteriores, ilíaco e psoas, são comuns ao quadril e ao membro inferior e serão estudados juntamente com os músculos do membro inferior, com exceção do quadro lombar que será abordado adiante. Os músculos ântero-laterais são: reto do abdome, obliquo externo e interno, transverso e o piramidal.

Músculo Reto do Abdome (39)

Este músculo está recoberto por uma bainha, a bainha do reto do abdome. Esta bainha mantém o músculo em sua posição e é formada pelas aponeuroses do m. obliquo externo, m. obliquo interno e m.

transverso do abdome. Pode ser observada na figura acima, é a estrutura branca situada no meio do abdome, entre os oblíquos externos.

O músculo reto do abdome é longo e aplainado, recobre toda a face anterior do abdome. Ele é intercedido por faixas fibrotendinosas chamadas interseções tendíneas. O numero dessas interseções variam de pessoa para pessoa. Origem: Da 5ª a 7ª cartilagens costais, processos xifóide e ligamento costoxifoide. Inserção: Púbis e sínfise púbica. Inervação: 7 últimos nervos intercostais. Ação: Flexão do tronco, comprime o abdome e auxilia a expiração forçada.

Músculo Piramidal É pequeno e plano, tem forma triangular. Está situado no interior da bainha do reto do abdome, na região inferior do abdome próximo ao púbis. Origem: Púbis (face ventral). Inserção: Linha Alba. Inervação: Ramo ventral do 12º nervo torácico (nervo subcostal). Ação: Tenciona a linha Alba.

Prof. Geraldo Majela Moraes Salvio

Laboratório de Anatomia e Fisiologia Humanas 5

Músculo Oblíquo Externo (36)

É amplo, plano e quadrangular. Mais extenso em sua parte ventral que na parte dorsal. Recobre a face lateral do abdome com sua porção muscular e a face anterior com sua porção aponeurótica. Origem: da 5° a 12° costelas (bordas inferiores). Inserção: Crista ilíaca, ligamento inguinal e lâmina anterior da bainha do reto abdominal. Inervação: Ramos ventrais dos nervos torácicos, nervo ílio-hipogástrico e nervo ílio-inguinal. Ação: Comprime o abdome, flete e rota o tronco para o lado oposto; auxilia a expiração forçada.

Músculos Oblíquo Interno (40)

É menor e mais fino que o m. obliquo externo do abdome e está recoberto por este. Recobre a face anterior e lateral do abdome, está situado entre dois músculos, o m. obliquo externo do abdome e o m. transverso do abdome. Algumas de suas fibras se continuam com o funículo espermático para formar o m. cremaster. Essas fibras formam uma lâmina compacta quando estão no interior do canal inguinal, mas quando emergem pelo anel inguinal superficial formam umas serie de alças que alcançam o testículo e se inserem na túnica vaginal. Tem função de tracionar o testículo cranialmente e é inervado pelo ramo genital do nervo genitofemoral. Origem: Crista ilíaca, fáscia toracolombar e dois terços laterais do ligamento inguinal. Inserção: Bordas inferiores das ultimas 3 costelas e linha Alba. Inervação: Ramos ventrais dos nervos torácicos, nervo ílio-hipogástrico e nervo ílio-inguinal. Ação: Comprime, flete e rota o tronco para o mesmo lado; auxilia na expiração forçada.

Músculo Transverso do Abdome (42)

(Parte 1 de 2)

Comentários