Seja o doutor do seu milho

Seja o doutor do seu milho

(Parte 1 de 2)

Seja o doutor do seu milho

mas que são ilustrados aquisinais que

Você já fez o "check-up" do seu milho este ano? Todo agricultor deveria aprender a reconhecer os sintodemonstram que uma cultura de milho está deficiente em um ou mais nutrientes essenciais para o crescimento sadio da planta e para produções lucrativas. Você pode ser o doutor do seu milho. Esta é uma parte importante do manejo da cultura: examinar regularmente as plantas e identificar os sinais que significam problemas para o seu desenvolvimento.

Os ótimos retornos econômicos de seu investimento na cultura dependem de um adequado suprimento de nutrientes em todo o período de desenvolvimento. Esses sintomas de deficiência nutricional indicam que as necessidades não estão sendo supridas. Examine a cultura várias vezes durante seu desenvolvimento. Algumas deficiências detectadas precocemente podem ser corrigidas por aplicação de fertilizantes em cobertura. Mesmo que elas não possam ser corrigidas este ano, o conhecimento de onde elas ocorrem pode ser de valia para o planejamento do programa de adubação para o próximo plantio.

As folhas de milho sadias devem ter coloração verde escura brilhante. Isso indica altos níveis de clorofila, essenciais para captar a energia solar e produzir açúcares, necessários para o crescimento e o desenvolvimento da planta. Qualquer estresse ou falta de nutriente irá alterar a coloração e diminuir a produção de açúcar.

ARQUIVO DO AGRÔNOMO - Nº 2

INFORMAÇÕES AGRONÔMICAS - Nº 63 - SETEMBRO/93

Traduzido do artigo escrito por K.C. Berger, Professor de Solos da University of Wisconsin - College of Agriculture; revisado e adaptado por Dr. Harold F. Reetz, Jr., Diretor do Potash & Phosphate Institute (PPI).

Doenças, como a causada por Helminthosporium, começam com pequenas manchas e gradualmente se espalham sobre a folha.

O tecido morre, a folha torna-se esbranquiçadaIlustrações: Maynard Reece

Produtos químicos ocasionalmente podem queimar a ponta, as margens e outras partes em que tiveram contato.

O sinal da fome de nitrogênio é um amarelecimento que começa na ponta e se move para o meio da folha, na forma de um V deitado.

A deficiência de potássio aparece como uma queimadura ou secamento da ponta e das margens das folhas inferiores.

A deficiência de fósforo marca as folhas com vermelho-púrpura, particularmente em plantas jovens.

Folhas saudáveis brilham com uma coloração verde escura quando adequadamente alimentadas.

A deficiência de magnésio causa listras esbranquiçadas (clorose internerval) paralelas à nervura principal e às vezes uma coloração púrpura na face inferior das folhas mais velhas.

A seca provoca uma coloração verde acinzentada nas plantas; as folhas podem se enrolar e ficar com o diâmetro de um lápis.

A deficiência de nitrogênio é menos provável de ser detectada precocemente, mas quando as plantas jovens apresentam leve coloração verde amarelada, pode significar falta de N. Se a deficiência for detectada no início, a adubação nitrogenada em cobertura pode ajudar a resolver o problema.

Depois que o milho alcançar a altura dos joelhos, a taxa de crescimento aumenta, e a demanda por N cresce rapidamente. Exigências de 3,5 kg de N/ha.dia são comuns e podem ser duas vezes maior durante os períodos de pico de demanda. Se não houver suficiente nutriente disponível, as folhas inferiores começam a amarelar no ápice, com amarelecimento progressivo ao longo da nervura principal.

Visto que o N é um nutriente móvel na planta, os sintomas caminham gradualmente para as folhas superiores da planta. As folhas inferiores morrem.

A análise de tecido para N pode ser feita no campo, usando indicadores químicos ou aparelhos eletrônicos de medida, como o medidor de clorofila, para auxiliar na diagnose da deficiência.

Morte prematura da planta e espigas pequenas e palhentas resultam da deficiência de N.

e torcidastambém indicam deficiên-

A deficiência de fósforo geralmente aparece quando as plantas são muito jovens. Um sintoma inicial é a coloração púrpura-avermelhada das folhas. Colmos frágeis e delgados improdutivos ou com espigas pequenas cia de fósforo. Condições de baixas temperatura e ar excessivamente seco ou úmido no período inicial de crescimento, ou qualquer restrição física ao desenvolvimento das raízes, podem induzir aos sintomas de deficiência, ainda que haja adequado suprimento de fósforo no solo. A deficiência de fósforo também resulta em maturidade atrasada.

As altas taxas de absorção por dia, principalmente do florescimento à granação, salientam a importância da alta fertilidade do solo para a nutrição adequada de fósforo.

A deficiência de potássio mostrase inicialmente como um amarelecimento e bronzeamento ao longo das

1. Colmos saudáveis têm tamanho normal. O corte de uma seção do colmo abaixo da espiga mostra a medula branca, sadia.

5. Os sintomas de doença encontrados nos colmos incluem tecidos vasculares escuros no corte de uma seção superior e medula mais escura no corte inferior. A podridão do colmo inicia-se no seu interior, causando sua ruptura e morte prematura, e enrugamento das espigas, com grãos palhentos e com baixo peso.

2. O potássio está faltando quando a parte seccionada mostra uma cor marrom escura nos nódulos.

3. A deficiência de fósforo causa colmos delgados e quebradiços, muitas vezes sem espigas. Note a coloração púrpura das folhas inferiores.

4. Perfilhos podem se formar quando o milho recebe muito nitrogênio no início do crescimento. O corte de uma seção do colmo também mostra danos causados pela broca.

Nas plantas saudáveis e produtivas as raízes se extendem em profundidade e exploram um grande volume do solo.

Espigas pequenas podem ser sinal de baixa fertilidade, população excessiva ou outros problemas.

A deficiência de potássio se traduz em espigas com poucos grãos na extremidade e com sementes soltas, não compactas no sabugo.

Corte de raízes causado pelo cultivador. As enxadas estavam muito próximas do colmo e muito profundas.

A deficiência de fósforo durante as primeiras semanas de desenvolvimento torna o sistema radicular superficial, com pouca expansão.

Solos adensados em subsuperfície são os principais responsáveis pelo sistema radicular superficial. O milho com poucas raízes não pode resistir à seca e é facilmente derrubado por ventos fortes.

O solo ácido é revelado quando a parte inferior do sistema radicular está descolorida e deteriorada, particularmente quando as raízes secundárias laterais nascem do 3º ou 4º nós.

A deficiência de fósforo interfere na polinização e no enchimento dos grãos. As espigas são pequenas, freqüentemente retorcidas, e com grãos pouco desenvolvidos.

O nitrogênio é essencial em todo período de crescimento. Se a planta esgotar o N no período crítico, as espigas ficam pequenas e com baixo conteúdo de proteína. Os grãos da extremidade da espiga não enchem.

Cabelos verdes na maturidade podem ter como causa o excesso de nitrogênio em relação a outros nutrientes.

Condições de seca atrasam o embonecamento; os grãos não são bem polinizados.

Espigas normais, de milho bem adubado e produtivo, normalmente pesam de 150 a 225 g. A extremidade das espigas pode não estar completamente ocupada com grãos.

Espigas enormes, com mais de 225 g de peso e com sementes cobrindo a extremidade do sabugo indicam que a população de plantas pode estar abaixo da desejável para produtividade máxima econômica.

As brocas de raízes desbastam e engrossam as raízes, conforme se alimentam delas, e constroem túneis nas maiores.

O dano por produto químico tornou as raízes torcidas e encurvadas. Raízes secundárias laterais entrelaçadas é outro sintoma.

INFORMAÇÕES AGRONÔMICAS - Nº 63 - SETEMBRO/93 das folhas. Ela pode ser uma indicação de solo ácido, especialmente em plantas jovens, sob cultivo mínimo. A aplicação de calcário dolomítico pode ajudar a corrigir o problema nos anos subseqüentes. Se o problema não for pH ácido, as fontes de Mg, tais como sulfato de potássio-magnésio, podem corrigir a deficiência.

A seca e o encurvamento das folhas superiores podem indicar deficiência de cobre (Cu). A deficiência de zinco (Zn) é indicada por listras cloróticas paralelas à nervura central das folhas jovens, encurtamento dos internódios e plantas raquíticas. Colmos sem espigas ou espigas estéreis em solos bem fertilizados, com alta população de plantas, podem ocorrer devidos à deficiência de boro (B).

A acidez do solo afeta a absorção de muitos nutrientes pela planta e pode causar deficiências mesmo quando há suprimento adequado de nutrientes no solo. A análise de solo deve ser usada regularmente para identificar problemas de pH e monitorar os níveis de P e K no solo.

A análise de nitrato no perfil do solo fornece informações seguras que auxiliam na aplicação de N em regiões onde ele é retido no solo de uma safra para outra. Em regiões mais úmidas, o teste para nitrato pode ser menos seguro que os testes para pH, P e K.

Como um doutor em milho, seja meticuloso na avaliação do "paciente".

Observe a aparência geral da cultura e compare as áreas problemas com a aparência "normal" das áreas saudáveis. Arranque ou desenterre algumas plantas das áreas "normal" e "problema". Inspecione cuidadosamente as raízes, quebre o colmo e examine o desenvolvimento da espiga. Observe, também, os problemas causados por insetos e doenças. Amostras coletadas nas áreas "problema" e "normal" durante o período de crescimento podem fornecer informações úteis para o diagnóstico através das análises de laboratório.

Faça anotações detalhadas sobre o que você vê e sua exata localização no campo. Use a câmera para documentar as áreas "normal" e "problema" em fotos, slides ou video. Se você usar uma câmera de video, discorra sobre os sintomas e as condições de campo conforme você filma. Anote a localização no campo e a data em todas as fotos. Tal documentação em anotações e fotos será valiosa no planejamento da próxima safra.

(Parte 1 de 2)

Comentários