Gestão de Compras

Gestão de Compras

(Parte 2 de 2)

A rede está estruturada com 12 sócios-conselheiros, 1 coordenador e 1 presidente, que são as pessoas que formam o conselho administrativo da organização, sendo responsáveis por analisar a entrada de novos franqueados a rede, definir os fornecedores e escolher os produtos promocionais.

5.3 Prática da Empresa

A empresa utiliza o EDI (Troca Eletrônica de Dados), para o sistema de compras, sendo que cada loja possui um computador (terminal) ligado via modem ao computador central da rede (servidor), onde estão armazenados todos os fornecedores e também os produtos ofertados por eles, com seus respectivos preços. Através desse sistema, as lojas recebem uma listagem diária de produtos e seus preços para efetuarem suas compras.

É importante salientar que os supermercados que compõem a Rede Super são de pequeno porte. Dessa forma, os mesmos não têm condições de escolher seus fornecedores, sendo obrigados a trabalhar com um grande número, que está atualmente em 400 fornecedores.

lotes e também dos preços

No relacionamento entre a empresa e seus fornecedores, busca-se a parceria ganhaganha, mas ainda estão na primeira fase do comakership. Periodicamente - semanalmente, quinzenalmente ou mensalmente -, de acordo com o que foi acordado entre as partes, são pedidos lotes de produtos. Pedidos com preços promocionais pré-estabelecidos. Isto acontece de forma automática, não havendo a necessidade de confirmação do tamanho dos

Embora o número de fornecedores seja elevado, não está sendo permitida a entrada de outros, o que acontece somente com a saída de um atual. Pode-se citar como exemplo o caso de um fornecedor que demorou 5 anos para ingressar no sistema da rede. Num primeiro momento, o fornecedor não acreditava no sucesso do sistema de compras implementado pelos pequenos supermercados. Depois, ele teve que esperar outro fornecedor se retirar para poder fazer parte do banco de dados de fornecedores da Rede Super.

A empresa busca em seus fornecedores uma relação de parceria baseada no processo de agilidade, sinceridade e rapidez. Preços e prazos de pagamento são importantes, porém não representam todo o desejo que a Rede Super tem em relação a um fornecedor. Isto se explica pela existência de fornecedores que não cumprem com o acordo de compra e acabam prejudicando a empresa com a falta do produto.

Sendo uma parceria, existe a responsabilidade da empresa de respeitar os prazos de pagamento e pagar um preço justo ao fornecedor, para que nenhum dos lados saia prejudicado.

O sistema de pedidos da Rede Super é feito da seguinte forma: cada loja entra no seu próprio sistema , analisa seu estoque, verifica suas necessidades de produto e a partir daí

XI Encontro Nacional de Engenharia de Produção Curitiba – PR, 23 a 25 de outubro de 2002

ENEGEP 2002 ABEPRO 5 envia seu pedido ao computador central, o qual compila os pedidos de todas as lojas integrantes da rede e fornece as planilhas de pedidos. Posteriormente os pedidos são enviados via fax aos fornecedores, ou os mesmos retiram os pedidos na sede da rede através de seus representantes.

Após os fornecedores receberem os pedidos, cada franqueado recebe sua respectiva nota fiscal e o boleto bancário para realizar o pagamento. Os prazos dos pagamentos são negociados e de acordo com o que foi estabelecido na relação de compra. Os produtos podem ser entregues em cada loja ou no próprio depósito da empresa.

Em certos casos, os fornecedores exigem um número mínimo de produtos a serem comprados. Assim, a empresa Rede Super adquire os mesmos, deixando-os armazenados em seu depósito central em Santa Maria, RS e posteriormente repassa para as lojas que fazem parte da rede. Nesse caso, a Rede Super é ressarcida apenas dos tributos gerados pelo faturamento destes produtos, já que não visa lucro. A figura abaixo exemplifica como funciona o sistema Rede Super de compras.

Figura 01: Sistema de compras Rede Super

Outra finalidade da Rede Super é atuar como transportadora. Há casos, em que a entrega dos produtos para todas as lojas da rede encareceria muito o custo de transporte das mercadorias adquiridas. Para resolver este problema, os lotes dos produtos chegam consolidados ao depósito central da rede, que fraciona os mesmos e repassa para os franqueados e estes buscam seus lotes de produtos diretamente no depósito.

Se a Rede Super não atuasse também como uma transportadora, tal transação não seria possível, pois nas notas fiscais, o endereço especificado de cada loja não é o mesmo

XI Encontro Nacional de Engenharia de Produção Curitiba – PR, 23 a 25 de outubro de 2002

ENEGEP 2002 ABEPRO 6 do depósito central da rede. Com isso, as empresas transportadoras de mercadorias não fariam as entregas neste local.

5.4 Resultados

O carro chefe da Rede Super é o seu sistema de compras. Foi através deste sistema que a empresa conseguiu se estabelecer no mercado com uma marca forte e competitiva. Partindo do princípio de quem compra bem, consegue vender com preços bons e que estes representem ganhos para a empresa, foi concebida a empresa, uma rede de supermercados de pequeno porte.

Esta rede foi formada tendo como referência o sinal de uma emissora de televisão.

Hoje, há cidades que não recebem o sinal da emissora de televisão oficial da rede, mas que fazem parte dela para usufruir deste benefício de gestão de compras. Onde todas as lojas estão conectadas via EDI ao computador central da rede e elas se unem através deste sistema para fazer compras. Dessa forma, comprando em grandes quantidades, elas conseguem benefícios e descontos com os fornecedores, que uma loja sozinha não conseguiria.

Convém ressaltar que o sucesso da Rede Super não se restringe apenas a seu sistema de compras, pois o conjunto se torna completo com o sistema de mídia adotado por ela. Este sistema é composto por uma marca própria presente em todas as lojas da rede, também inclui uma ampla divulgação com propagandas na televisão, outdoors nas ruas com cores fortes e vibrantes, a fim de chamar a atenção dos consumidores em geral.

Em 5 cinco anos, a Rede Super se posicionou como líder de mercado na sua área de atuação e mesmo com a entrada de uma rede de supermercados multinacional em 1999, que adquiriu os 2 maiores supermercados da cidade de Santa Maria, RS, ela não foi prejudicada pois estava consolidada há 2 anos nesta cidade e já buscava a expansão regional.

Através da estrutura utilizada pela empresa, gestão de compras em conjunto com seu sistema de mídia, possibilitou a empresa ser a terceira maior de rede de supermercados do RS, com um faturamento mensal superior a R$ 5.0.0,0.

6. Conclusão

Tendo em vista os métodos de compras das empresas modernas, como EDI, comércio eletrônico e cartões de crédito, é de suma importância para as empresas regionais utiliza-los para agilizar e tornar seus processos mais simples, reduzir a margem de erro e garantir maior comodidade e praticidade para os envolvidos com a área de compras destas empresas.

A empresa pesquisada utiliza algumas práticas modernas como o processo informatizado de pedidos, tornando mais rápidas e fáceis as negociações de compras. Porém o processo de modernização desta empresa, ainda é lento e não possui vários sistemas disponíveis atualmente no mercado para modernizar a ação de suas compras. Utiliza-se a interação através de troca digital de dados apenas entre as lojas da rede, excluindo desse processo os fornecedores. Isso contribui para a geração de atrasos no sistema de compras e deixa a empresa vulnerável a falhas humanas, já que ela possui um elevado número de fornecedores e a comunicação com os mesmos é feita por métodos obsoletos de comunicação, como o fax e a busca pessoal de pedidos na própria sede da empresa.

Um ponto positivo identificado - que é o fator chave de sucesso da empresa - é que a

Rede Super visualizou 5 anos atrás que os pequenos supermercados locais deveriam trabalhar com cooperação entre si. Dessa forma, criou-se um sistema integrado de compras

XI Encontro Nacional de Engenharia de Produção Curitiba – PR, 23 a 25 de outubro de 2002

ENEGEP 2002 ABEPRO 7 o qual possibilitou ganhos exponenciais através da economia de rede, onde cada ganho possibilitou o crescimento e a consolidação desta empresa como líder de mercado na região central do Rio Grande do Sul.

Bibliografia

Desenvolvimento Local. São Paulo: Atlas, 1999

BALLOU, Ronald H. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. 4 ed. Porto Alegre: Bookmann, 2001. CASAROTTO FILHO, Nelson. Redes de Pequenas e Médias Empresas e GAITHER, Norman; FRAZIER, Greg, Administração da Produção e Operações, 8 ed. São Paulo: Pioneira, 2001. KOTLER, Philip. Brasil: o país do presente. Sinopse Empresarial, São Paulo, n. 72 ago./set. 2001. p. 4-6. MARTINS, Petrônio G.; ALT, Paulo R. C. Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais, São Paulo: Saraiva, 2001. PORTER, Michael. Clusters e competitividade. HSM Management. n 15. jul./ago. 1999. p. 100-110. Brasil.

(Parte 2 de 2)

Comentários