O ENFERMEIRO NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMILIA E AS FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS:

  • ENFERMAGEM

  • Acadêmicos:

  • João Carlos Freire de Andrade

  • Reinaldo de Sousa e Silva

  • Orientadora:

  • Enfermeira Esp. Marta Juliane Paranhos

METODOLOGIA

  • Tipo de Estudo

  • O estudo consiste em um trabalho descritivo de revisão bibliográfica.

  • Fontes:

  • Livros de acervos de bibliotecas públicas e particulares, artigos, revistas, jornais científicos, e endereço eletrônicos que tiveram suas datas de publicações entre: 1979 e 2008.

INTRODUÇÃO

  • O Programa saúde da família é o resultado de vários movimentos e políticas sociais que visavam a melhora da saúde publica no Brasil.

  • Com a criação do PSF, consequentemente veio novas atribuições para o enfermeiro, que assumiu em sua maioria a coordenação das USF.

  • Assim o surgimento dessas novas atribuições juntamente com as já existentes levaram os profissionais da área a ter que enfrentar um novo desafio: conciliar tais atividades, buscando superar as dificuldades encontradas.

JUSTIFICATIVA

  • O interesse pela realização deste estudo advém de nossa experiência no campo do estágio supervisionado, na atenção primária, que ocorreu entre setembro e dezembro de 2009, no qual foi observada a dificuldade do profissional enfermeiro em exercer uma coordenação eficaz dentro de uma USF.

OBJETIVOS

  • Objetivo Geral

  • Elaborar estudo acerca da criação e evolução do Programa Saúde da Família (PSF), que geraram a partir de sua criação as atribuições ao enfermeiro da ESF, no qual está inserida a parte de coordenação da USF, que, até então, o enfermeiro tem assumido.

OBJETIVOS

  • Objetivos Específicos

  • Descrever os objetivos a ser alcançado com a criação do PSF;

  • Descrever como o enfermeiro exerce suas atribuições dentro da USF;

  • Identificar as principais dificuldades encontradas pelo enfermeiro ao coordenar uma USF;

  • Descrever os benefícios da relação enfermeiro e comunidade.

Referencial teórico

  • Saúde Publica

  • Em meados de 1900 o governo começou a se preocupar com as condições de vida e de saúde de uma parte da população.

  • Ainda em meados de 1900 foi criado o Departamento Nacional de Saúde Pública (DNSP).

  • Em 1930 surgiram os centros de saúde em todos os estados brasileiros. O centro de saúde representou o local em que seriam realizadas as ações de promoção e proteção da saúde através da educação sanitária.

Referencial teórico

  • De 1945 a 1960, implantou-se um modelo de maior abrangência na assistência à saúde. O Estado deu ênfase à construção e à compra de serviços próprios na assistência médico-hospitalar dos institutos.

  • Com a adoção dessa política de saúde e, posteriormente sua centralização num único instituto – Instituto Nacional da Previdência Social (INPS), houve um crescimento considerável dos serviços médicos próprios e da aplicação de maior verba para as despesas.

  • No Brasil, a necessidade de construir novos modelos e práticas de saúde que pudessem dar conta das diversidades dos vários municípios e regiões do país, fez com que, diversas estratégias passassem a ser adotadas a partir da promulgação da Constituição, em 1988.

Criação do Programa Saúde da Família (PSF)

  • O processo de construção do Programa Saúde da Família (PSF) começou com a nova concepção de saúde, firmada na Constituição Brasileira de 1988.

Criação do Programa Saúde da Família (PSF)

  • Em 1990 as políticas de saúde foram marcadas pela construção do Sistema Único de Saúde (SUS), no qual foi proposta a descentralização das ações dos serviços e da gestão.

Criação do Programa Saúde da Família (PSF)

  • Em 1993 inicia-se o processo para melhorar o acesso da população ao serviço de saúde.

Criação do Programa Saúde da Família (PSF)

  • O ano de 1994 foi considerado um dos mais ricos em contribuições para a elaboração do arcabouço do Programa Saúde da Família (PSF).

Implantação

  • Para definição dos locais de implantação das primeiras unidades o Ministério da Saúde (MS) levou em conta a grande carência da comunidade e dificuldades para se obter profissionais de saúde para a região.

Objetivos a ser alcançado com a criação do PSF

  • O Programa Saúde da Família (PSF) tem o objetivo de mudança.

Objetivos a ser alcançado com a criação do PSF

  • O PSF Trata-se de uma forma especial para reverter a maneira como sempre se fez a prestação de assistência à saúde no Brasil, construindo, consequentemen-te, um novo modo de cuidar da saúde.

Como o enfermeiro exerce suas atribuições dentro da USF

  • No Programa Saúde da Família (PSF), o enfermeiro ganhou um espaço no qual ele tem conhecimento para suprir as necessidades exigidas.

  • A enfermagem, como categoria profissional que visa à saúde individual e coletiva, sempre buscou a interface entre a comunidade e os serviços de saúde, sendo vista como uma prática social .

Como o enfermeiro exerce suas atribuições dentro da USF

  • A atuação do profissional de enfermagem no cenário do Programa Saúde da Família (PSF) implica qualificação técnica, ética e legal.

Como o enfermeiro exerce suas atribuições dentro da USF

  • O enfermeiro precisa fundamentar sua prática profissional na legislação específica vigente no Brasil. Precisa fundamentar sua prática ainda em modelos e subsídios que favoreçam a qualidade da atenção à saúde na ESF.

Principais dificuldades encontradas pelo enfermeiro ao coordenar uma USF

  • No Programa Saúde da Família (PSF), o enfermeiro administrador da Unidade Saúde da Família (USF) fica diante de várias dificuldades.

  • Em uma pesquisa citada por Ferraz; Santos (2007) com 19 enfermeiros são evidenciados as principais dificuldades na realização das atividades do PSF.

  • (FERRAZ; SANTOS, 2007)

  • Outra dificuldade muito importante no desenvolvimento da função supervisão é a existência de uma política de trabalho centralizadora, autoritária e tarefista.

Benefícios da relação enfermeiro e comunidade

  • A participação da população permite ao usuário acompanhar e fiscalizar as políticas de saúde, constituindo uma forma de controle social permanente.

Benefícios da relação enfermeiro e comunidade

  • A participação da comunidade estimula uma maior responsabilidade por parte dos profissionais e do gerente, pois no momento em que os usuários reconhecem que têm direitos, há uma maior cobrança para que se qualifiquem as políticas de saúde.

Benefícios da relação enfermeiro e comunidade

  • A relação com a comunidade, quando mantida de forma correta e amigável, se torna um fator importante para o desenvolvimento do trabalho na ESF.

Liderança na Unidade Saúde da Família (USF)

  • O enfermeiro diferentemente de outros profissionais que têm o conhecimento voltado para sua área especifica, tem uma visão do todo. No decorrer do curso é passado para o acadêmico, conhecimentos em várias áreas, inclusive conhecimento para liderança, supervisão e gerenciamento.

Liderança na Unidade Saúde da Família (USF)

  • O enfermeiro precisa ter como requisito para o desenvolvimento da supervisão: competência profissional, habilidades para relacionar-se com as pessoas, motivação para o desenvolvimento do pessoal, crença no potencial do ser humano e na importância do envolvimento de todos os funcionários nas decisões relativas às rotinas de trabalho, visando à manutenção de uma assistência de enfermagem eficaz.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

  • As diversas pesquisas realizadas sobre a ESF, mostram que os enfermeiros têm dificuldades notórias para desenvolver os trabalhos práticos e coordenativos simultaneamente na USF, um forte indicador disso se dá pela pesquisa citada por Ferraz; Santos (2007),a qual destaca o acumulo de funções como a principal dificuldade.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

  • A Enfermagem no âmbito da saúde coletiva, configura-se na interrelação do seu espaço com outras práticas de saúde.

RESULTADOS E DISCUSSÕES

  • Para superar tais dificuldades é de suma importância que o enfermeiro priorize o trabalho em equipe. É fundamental que as equipes busquem a integralidade nos seus vários sentidos e dimensões.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

  • A análise do tema proposto nos leva a conhecer a ESF, desde sua criação, a qual veio para mudar o contexto de saúde no Brasil.

  • Conceitualmente, a qualidade será sempre uma construção social, produzida a partir das referências dos sujeitos envolvidos, os quais atribuem significados as suas experiências, privilegiando ou excluindo determinados aspectos segundo uma hierarquia de preferência.

REFERÊNCIAS

  • ALMEIDA, M. C. P. O trabalho de enfermagem e sua articulação com o processo de trabalho em saúde coletiva: rede básica de saúde em Ribeirão Preto. Tese. (Livre Docência em Saúde Coletiva) - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto de Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1991.

  • BRASIL. Ministério da saúde. Avaliação normativa do Programa Saúde da Família no Brasil. Monitoramento da Implantação e fundamento das equipes de saúde da família-2001 e 2002. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

  • BRASIL. Ministério da Saúde. Manual para a organização da atenção básica. Brasília: 1998.

  • BRASIL. Ministério da saúde. Vigilância em saúde: Cadernos de Atenção Básica, 2. ed. revisada. Brasília: 2008.

  • BRASIL. Ministério da saúde. Avaliação para Melhoria da Qualidade da Estratégia Saúde da Família. Brasília: 2006.

  • BRASIL. Ministério da saúde. Portaria GM/MS Nº. 648. De 28 de março de 2006.

  • BRASIL. Ministério da saúde. Políticas de educação e desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde. Brasília: 2003.

  • BRASIL. Revista Brasileira Saúde da Família. 2002 maio; 5(esp): 24-32.

  • CECILIO. L.C.O. As necessidades de saúde como conceito e estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. Rio de Janeiro (RJ): UERJ, 2001.

  • CUTOLO, L.R.A. Estilo de Pensamento em Educação Médica: Um estudo do currículo de graduação em medicina da UFSC. 2001. f 230 tese (Doutorado em Educação)- Centro de ciências da educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

  • DANTAS, T.C.C. A prática gerencial de enfermeiras em unidades básicas de saúde. Salvador. 2000.

REFERÊNCIAS

  • DA ROS, M.A. Estilos de pensamento em saúde publica: Um estudo da produção FSP-USP e ENSP-FIOCRUZ, entre 1948 e 1994 a partir da epistemologia de Ludwik Fleck. 2000. 207 f. tese (Doutorado em Educação) – centro de ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

  • FERRAZ, L.N; SANTOS. A.S. O Programa de Saúde da Família e o enfermeiro: Atribuições Previstas e Realidade Vivencial. Saúde Coletiva. v. 4. São Paulo: 2007.

  • FIGUEIREDO. N.M.A: Ensinando a cuidar em saúde pública: São Caetano do Sul, SP: Yendis Editora, 2005.

  • GIROTI. K. O; NUNES. E. F. P.A; RAMOS. M. L.R. As práticas das enfermeiras de uma unidade de saúde da família de Londrina, e a relação com as atribuições do exercício profissional. Londrina: 2008.

  • HORTA, W.A. Processo de Enfermagem. São Paulo (SP): EPU, 1979.

  • LIMA, C.B. Enfermagem Atual em cursos: estomaterapia, incontinências urinária e anal, Programa Saúde da Família – PSF, Feridas, Atualização de enfermagem, em dermatologia. – Petrópolis, RJ: EPUB, 2005.

  • NEGRI, B; FARIA. R.; VIANA, A. L. D. Recursos humanos em saúde: política, desenvolvimento e mercado de trabalho. Campinas: Unicamp/Instituto de Economia, 2002.

  • MARCONI, M.A; LAKATOS. E.M. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2006.

  • MARTINS, G.A.; PINTO. R.L. Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos. São Paulo: Atlas, 2001.

  • MATUMOTO, S.; MISHIMA, S. M.; PINTO, I. C. Saúde Coletiva: um desafio para a enfermagem. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 233-241, fev. 2001.

  • MINAYO, M.C.S. DESLANDES. S.F. Caminhos do Pensamento: Epistemologia e método. Rio de janeiro: Fiocruz: 2002.

REFERÊNCIAS

  • PAIM, J.S. Descentralização das ações e serviços de saúde no Brasil e a renovação da proposta “Saúde para Todos”. Rio de Janeiro: Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Medicina Social; 2002. (Série Estudos em Saúde Coletiva, 175).

  • RIO DE JANEIRO. (Estado) Secretaria de Estado de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. Ações de Saúde: Programa Saúde da Família. Rio de Janeiro. Disponível em: http://www.saude.rj.gov.br/Acoes/objetivos psf.shtml. Acesso em 20 outubro 2003.

  • ROCHA, S. M. M.; ALMEIDA, M. C. P. O processo de trabalho da enfermagem em saúde coletiva e a interdisciplinaridade. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 8, n. 6, p. 96-101, dez. 2000.

  • SANTOS, CUTOLO. A Interdisciplinaridade e o trabalho em equipe no Programa de Saúde da Família. Arquivos catarinenses de Medicina, Florianópolis, v. 32 n.4 p. 65-74: 2003

  • SILVA, E. M.; NOZAWA, M. R.; SILVA, J. C. Práticas das enfermeiras e políticas de saúde pública em Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p.989-998, jul./ago. 2001.

  • TEXEIRA, C.F. A mudança do modelo de atenção à saúde no SUS: desatando nós, criando laços. Brasil. Saúde em Debate, 2003.

  • VENACIO, V.R. O Enfermeiro no Programa Saúde da Família: reflexões sobre sua atuação na perspectiva da teoria da contingência, São Paulo: 2003.

  • KURCGANT, P. Administração em Enfermagem: São Paulo: 1991.

t

Comentários