4 Aula Demanda Oferta e Equilíbrio de Mercado

4 Aula Demanda Oferta e Equilíbrio de Mercado

UTILIDADE – Alicerce para análise da demanda de bens. Representa o grau de satisfação quando se adquire um bem.

  • UTILIDADE – Alicerce para análise da demanda de bens. Representa o grau de satisfação quando se adquire um bem.

  • Teoria valor-trabalho (Malthus, Adam Smith, David Ricardo, Karl Marx) – Valor de um bem está do lado da oferta, onde a mão de obra era o fator de produção básico e determinava o custo da mercadoria.

  • Teoria valor-utilidade – Valor de um bem se forma do lado da demanda, pela satisfação que o bem representa para o consumidor.

Permitiu distinguir o valor de uso e valor de troca.

  • Permitiu distinguir o valor de uso e valor de troca.

  • Valor de Uso – é a utilidade que ele representa para o consumidor.

  • Valor de troca – forma o preço no mercado, pelo encontro da oferta e da demanda do bem.

Utilidade total – aumento da satisfação com o aumento do consumo do bem.

  • Utilidade total – aumento da satisfação com o aumento do consumo do bem.

  • Utilidade Marginal – Satisfação adicional (margem), tende a diminuir ao passo que se consome mais um bem, até chegar a saturação.

  • Exemplo: paradoxo da água e diamante.

  • A água tem grande utilidade total e baixa utilidade marginal (é abundante).

  • O diamante tem grande utilidade marginal (escassez)

  • É a quantidade de certo bem ou serviço que os consumidores desejam adquirir em determinado período de tempo.

  • Relação inversamente proporcional entre quantidade procurada e o preço do bem. (COETERES PARIBUS)

A escala de procura revelam preferências dos consumidores.

  • A escala de procura revelam preferências dos consumidores.

  • Estão maximizando sua utilidade ou grau de satisfação do produto.

  • Curva se inclina de cima para baixo.

  • Quantidade procurada varia inversamente ao preço, coeteris paribus.

Efeito Substituição: exemplo, se o preço da caixa de fósforo aumentasse, o que aconteceria com a demanda por isqueiros, coeteris paribus?

  • Efeito Substituição: exemplo, se o preço da caixa de fósforo aumentasse, o que aconteceria com a demanda por isqueiros, coeteris paribus?

  • Efeito renda: Exemplo ( se o preço do carro aumenta – coeteris paribus, renda do consumidor e preços de outros bens constantes – o consumo da gasolina diminui)

Preço;

  • Preço;

  • Renda;

  • Preço de bens substitutos;

  • Preço de bens complementares e;

  • Preferências ou hábitos dos consumidores.

Bem Normal – A renda do consumidor aumenta a demanda também aumenta.

  • Bem Normal – A renda do consumidor aumenta a demanda também aumenta.

  • Bem inferior – Um consumidor fica mais rico, diminui o consumo de carne de segunda.

  • Bem de consumo Saciado – a demanda não é influenciada pela renda (Arroz, farinha, sal).

  • Demanda – Toda curva.

  • Quantidade demandada – Ponto específico.

A curva de procura se desloca (em virtude das variações da renda ou de outras variáveis, que não preço do bem), temos uma mudança na demanda (não da quantidade demandada)

  • A curva de procura se desloca (em virtude das variações da renda ou de outras variáveis, que não preço do bem), temos uma mudança na demanda (não da quantidade demandada)

  • VÁRIAS QUANTIDADES QUE OS PRODUTORES DESEJAM OFERECER AO MERCADO EM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO.

Preço;

  • Preço;

  • Custo de fatores de produção;

  • Metas dos empresários.

  • A função oferta mostra uma correlação direta entre quantidade ofertada e nível de preços, coeteris paribus.

Inversamente proporcional.

  • Inversamente proporcional.

  • Exemplo: Aumento de salários ou custo das matérias primas deve provocar, coeteris paribus, uma retração da oferta do produto.

  • É diretamente proporcional.

  • Melhorias da produtividade aumenta a oferta.

  • Oferta é referente à escala (toda curva).

  • Quantidade ofertada é referente a um ponto específico da curva de oferta.

  • Interação das curvas de demanda e de oferta determina o preço e a quantidade de equilíbrio de um bem ou serviço

  • em um dado mercado

  • PONTO DE EQUILÍBRIO.

  • Preço e quantidade atendem às aspirações dos consumidores e produtores sumultaneamente.

Escassez – quantidade ofertada abaixo do ponto E. (provoca elevação dos preços).

  • Escassez – quantidade ofertada abaixo do ponto E. (provoca elevação dos preços).

  • Excesso ou Excedente de Produção – Acúmulo de estoques, alta competição e diminuição dos preços.

  • Quando há competição de ofertantes e consumidores, a tendência do mercado é aproximar do ponto de equilíbrio.

O bem X é um bem normal, não inferior.

  • O bem X é um bem normal, não inferior.

  • Ponto E inicial é P0 e Q0 (ponto A).

  • Aumento de renda irá pressionar aumento de demanda. (excesso de demanda provoca escassez do produto e assim seu preço)

  • Curva de demanda muda de D0 para D1.

  • Novo ponto de equilíbrio (ponto B).

  • Imagine diminuição do preço da matéria prima usadas na produção de um bem.

  • Exemplifique em 15 minutos através de um gráfico o deslocamento do ponto de Equilíbrio.

O governo intervém na formação

  • O governo intervém na formação

  • de preços de mercado através:

  • Fixação de impostos;

  • Subsídios;

  • Critérios de reajusta do salário mínimo;

  • Fixa preços mínimos ou máximos (tabelamento) e;

  • Congela preços e salários.

Impostos indiretos – Incidentes sobre o consumo ou vendas. ( Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ou IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados); dentre os indiretos...

  • Impostos indiretos – Incidentes sobre o consumo ou vendas. ( Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) ou IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados); dentre os indiretos...

  • Imposto específico – valor fixo ou valor unitário. (Exemplo: imposto de R$1,00 sobre c ada lâmpada vendida);

  • Imposto ad valorem – Percentual (alíquota) sobre o valor da venda. (Exemplo – alíquota de 10% de IPI sobre o valor do carro vendido).

  • Impostos diretos – Incidentes sobre a renda e o patrimônio (IR e IPTU)

Dá garantia de preços ao produtor agrícola.

  • Dá garantia de preços ao produtor agrícola.

  • Proteger contra as flutuações de preços.

  • Garante renda agrícola.

  • Governo antes do plantio garante um preço que pagará após colheita.

  • Se os preços de mercado forem maiores que o preços do governo o produtores vendem ao mercado.

  • Se o preço do governo for maior que no mercado o produtor vende ao governo.

  • O governo usa o excedente de produção como estoque regulador para momentos subsequentes.

  • Comprar o excedente (Qo menos Qó) ao preço mínimo (Política de compras);

  • Pagar subsídio no preço (Política de subsídios). O governo banca a diferença entre Pmín – Pcons.

  • Reflete o grau de reação ou sensibilidade de uma variável quando ocorrem alterações de outra variável, coeteris paribus.

EMPRESAS

  • EMPRESAS

  • Pode ser feita a previsão de vendas;

  • Reação dos consumidores em face das alterações nos preços, concorrentes e salários.

  • PLANEJAMENTO MACROECONÔMICO

  • Saber do impacto da desvalorização de 30% sobre o saldo da balança comercial.

  • Sensibilidade dos investimentos privados;

  • Alteração na tributação;

  • Taxa de juros.

É a variação percentual na quantidade do bem X em relação a uma variação percentual em seu preço, coeteris paribus.

  • É a variação percentual na quantidade do bem X em relação a uma variação percentual em seu preço, coeteris paribus.

  • EpD = Variação percentual em Qd

  • Variação percentual em P

  • Lembrete: Variação entre o preço e quantidade demandada é sempre negativa. O sinal negativo não deverá ser problema.

P0 = preço inicial = R$ 20,00

  • P0 = preço inicial = R$ 20,00

  • P1 = preço final = R$ 16,00

  • Q0 = quantidade demandada, ao preço Q0 = 30

  • Q1 = quantidade demandada, ao preço Q1 = 39

  • Cálculo da variação de preço:

  • P1 - P0 = -4 = -0,2 ou -20%

  • P0 20

  • Cálculo da variação da demanda:

  • Q1 - Q0 = 9 = 0,3 ou 30%

  • Q0 30

Então

  • Então

  • EpD = Variação percentual em Qd = +30% = -1.5

  • Variação percentual em P -20%

  • Ou EpD = 1,5

  • Ou seja, em uma queda de 20% no preço, a quantidade demandada aumenta em 1,5 vez os 20%, os 30%. Produto com grande sensibilidade.

Demanda Elástica – Variação da quantidade demandada supera a variação do preço. Ou, há grande sensibilidade da quantidade demandada à variação de preço.

  • Demanda Elástica – Variação da quantidade demandada supera a variação do preço. Ou, há grande sensibilidade da quantidade demandada à variação de preço.

  • EpD > 1

  • Exemplo: EpD = 1,5 ou -1,5 (demanda elástica, grande sensibilidade da quantidade demandada à variação de preço)

Ocorre quando uma variação percentual no preço provoca uma variação percentual relativamente menor nas quantidades procuradas, coeteris paribus.

  • Ocorre quando uma variação percentual no preço provoca uma variação percentual relativamente menor nas quantidades procuradas, coeteris paribus.

  • EpD < 1

  • Exemplo: EpD = 0,5 ou -0,5 (demanda inelástica, os consumidores reagem pouco nas variações de preço do produto)

EpD = 1,0 ou -1,0

  • EpD = 1,0 ou -1,0

  • As variações percentuais no preço e na quantidade são da mesma magnitude.

Disponibilidade de bens substitutos – Quanto mais bens substitutos mais elástica será a demanda.

  • Disponibilidade de bens substitutos – Quanto mais bens substitutos mais elástica será a demanda.

  • Essecialidade do bem – Se o bem for essencial, será pouco sensível à variação de preço. (Demanda inelástica)

  • Importância do bem, quanto seu gasto no orçamento do consumidor. Exemplo: a carne terá sua elasticidade maior que o fósforo, pois a pessoa tende gastar mais com a carne do que com o fósforo.

Elasticidade num ponto fixo: Cálculo da elasticidade apenas para um dado preço e quantidade demandada. Exemplo anterior.

  • Elasticidade num ponto fixo: Cálculo da elasticidade apenas para um dado preço e quantidade demandada. Exemplo anterior.

  • Elasticidade no ponto médio (ou no arco): agora considera as médias de preços e quantidades.

  • Exemplo: ΔQd 9

  • média de Qo e Q1 = 34,5 = -0,26 = -1,18

  • ΔP -4 0,22

  • média de Po e P1 18

  • A demanda é elástica entre os preços R$20,00 e R$16,00 (a quantidade damandada varia 1,18 vezes a variação de preços do produto).

RT = P x Q

  • RT = P x Q

  • RT = Receita total (gasto total dos consumidores)

  • P = Preço Unitário

  • Q = Quantidade vendida

  • Demanda Elástica – Redução do preço acarreta no aumento da receita, ou aumento do preço acarreta redução da receita.

  • Demanda Inelástica – Redução do preço acarreta no redução da receita, ou aumento do preço acarreta aumento da receita.

  • Demanda de elasticidade unitária – Aumento ou redução no preço afetam a receita total.

As empresas recolhem impostos aos cofres do governo;

  • As empresas recolhem impostos aos cofres do governo;

  • Parte do imposto recolhido pelas empresas são repassadas para o consumidor final;

  • Demanda inelástica – maior será proporção do imposto repassado ao consumidor.

  • Demanda elástica – Menor será a proporção do imposto repassado ao consumidor.

ER = Variação percentual na quantidade demandada

  • ER = Variação percentual na quantidade demandada

  • Variação percentual na renda do consumidor

  • Elasticidade renda da demanda negativa (bem inferior), aumento da renda leva a redução do consumo de um bem.

  • Elasticidade renda da demanda positiva, mas menor que 1 (bem normal), aumento da renda leva o aumento do consumo de um bem.

  • Elasticidade renda da demanda positiva e maior que 1 (bem superior), o aumento da renda leva o aumento mais que proporcional do consumo desse bem.

Exy = Variação percentual na quantidade demandada de um bem X

  • Exy = Variação percentual na quantidade demandada de um bem X

  • Variação percentual no preço de um bem Y

  • Se X e Y forem substitutos, Exy será positiva. Aumento do preço do guaraná eleva a quantidade demandada de soda.

  • Se X e Y forem complementares, Exy será negativa. Aumento no preço carro eleva a quantidade demandada de gasolina.

ER = Variação percentual na quantidade ofertada

  • ER = Variação percentual na quantidade ofertada

  • Variação percentual do preço do bem

  • O resultado da elasticidade será positivo – correlação do preço e oferta é direta.

  • Quanto maior o preço, maior a quantidade ofertada (coeteris paribus).

  • Não é um raciocínio muito difundido.

  • É mais estuda por produtos agrícolas, apontando uma das causas da inflação. (corrente estruturalista).

Comentários