Atualização em Curativos

Atualização em Curativos

(Parte 1 de 10)

Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Diretoria de Saúde de Taguatinga Hospital de Taguatinga

I CURSO DE ATUALIZAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DO HOSPITAL REGIONAL DE TAGUATINGA (HRT) EM CURATIVOS – Material Didático

Organização: Ambulatório de Curativos e Ostomias do HRT

Apoio:

NETS/Educação Continuada do HRT

Ambulatório de Diabetes do HRT Núcleo Infecção Hospitalar do HRT

SES / DRST / HRT / Ambulatório de Curativos e Ostomias

Curso de Curativo do HRT: “Parabéns equipe de enfermagem pela sua semana 12 a 20 de maio de 2007”

Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Diretoria de Saúde de Taguatinga Hospital de Taguatinga

I CURSO DE ATUALIZAÇÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DO HOSPITAL REGIONAL DE TAGUATINGA (HRT) EM CURATIVOS – Material Didático

Taguatinga, DF - 2007

SES / DRST / HRT / Ambulatório de Curativos e Ostomias

Curso de Curativo do HRT: “Parabéns equipe de enfermagem pela sua semana 12 a 20 de maio de 2007”

Grupo de Trabalho e Organização do Curso

Patrocínio:

Senai

Dr. Marcos Belarmino da Silva (NCIH)

LF (Coloplast) NETS/DRST

SES / DRST / HRT / Ambulatório de Curativos e Ostomias

Curso de Curativo do HRT: “Parabéns equipe de enfermagem pela sua semana 12 a 20 de maio de 2007”

1. RECOMENDAÇÕES PARA O TRATAMENTO DE FERIDAS

O curativo é uma terapêutica que consiste na limpeza e quando necessário, na aplicação de uma cobertura estéril em uma ferida com a finalidade de protegêla contra infecções e traumas, mantendo-a limpa, proporcionando conforto para o paciente. O curativo deve ser o mais fisiológico possível e o aspecto mais importante do curativo é a limpeza. O tratamento adequado da ferida, não significa apenas utilizar uma tecnologia moderna de coberturas, pois não existe tratamento de lesão ideal. Este assunto é muito complexo e necessita de uma boa avaliação do paciente, da lesão e fazer um diagnóstico correto e daí discernir como, quando e por que utilizar determinado tratamento.

Figura 1: w.clinicacide.com.br/anatomia_pele.htm acessado em 26/04/07 às 16 horas.

A pele é composta de três camadas superpostas e de estruturas especializadas anexais.

a) Epiderme Camada mais externa – camada basal Composta de quatro estratos de epitélio escamoso:

SES / DRST / HRT / Ambulatório de Curativos e Ostomias

Curso de Curativo do HRT: “Parabéns equipe de enfermagem pela sua semana 12 a 20 de maio de 2007”

Córneo – mais externo Granuloso – mais espesso Basal – mais interno Compõe–se de queratinócitos Sua espessura varia com a localização, idade ou sexo Período de regeneração é de, aproximadamente, 4 semanas É uma camada isolante à água e protetora das radiações ultravioletas devido a pigmentos como a melanina e o caroteno. Derme 1. Camada intermediária 2. Também conhecida como cório ou pele verdadeira. 3. Composta de dois estratos: Papilar – mais próximo à epiderme. Reticular 4. Sua espessura varia com a localização - é mais espessa nos cotovelos e nos joelhos 5. Compõe-se de células de tecido conjuntivo - histiócitos, fibroblastos, mastócitos e as fibras colágenos, reticulares e elásticas 6. Nela se encontram as fibras nervosas, vasos sangüíneos e linfáticos, pêlos, glândulas sudoríparas e sebáceas. 7. Oferece estrutura e força de sustentação à pele c) Tecido adiposo subcutâneo

Compõe-se de fibras de tecido conjuntivo que sustentam o tecido adiposo É atravessada por vasos sangüíneos mais calibrosos É onde ocorre o metabolismo dos carboidratos e a lipogênese É uma camada de ligação e acolchoamento entre as camadas da pele e outras estruturas como músculos e ossos Permite a mobilidade da pele e é isolante do frio e calor exacerbados A quantidade de tecido adiposo varia de acordo com o sexo e o status nutricional

Anexos Principais funções Pêlos Proteção contra o frio e o atrito Unhas Proteção da função ultra-sensorial dos dedos Glândulas sebáceas Impermeabiliza e dá elasticidade a pele

Glândulas sudoríparas

Diminui temperatura corporal Ação bactericida e umectante

A pele, órgão mais extenso do corpo humano, é fundamental para manutenção da vida. Ela forma uma barreira entre o corpo e as agressões do ambiente externo. A seguir, estão relacionadas suas principais funções. Proteção

A pele é uma efetiva barreira contra fatores ambientais, como a invasão microbiana, agentes químicos, corpos estranhos e raio ultravioleta.

SES / DRST / HRT / Ambulatório de Curativos e Ostomias

Curso de Curativo do HRT: “Parabéns equipe de enfermagem pela sua semana 12 a 20 de maio de 2007”

Sensação

Através das terminações receptoras dos nervos cutâneos torna-se possível a vigilância constante do ambiente ao redor. Sensações como a dor, o calor e o frio, o toque e a pressão, ou o prurido nos alerta quanto ao perigo. Regulação da água A pele não é totalmente impermeável a água, de forma a evitar perda ou absorção excessiva de líquidos e eletrólitos. Por outro lado, através da perspiração insensível é permitida a evaporação contínua de água promovendo o equilíbrio hídrico. Regulação térmica A manutenção ou a diminuição da temperatura corporal é realizada primeiramente pela pele, através de mecanismos como a vasoconstrição periférica ou a sudorese. Produção de vitamina É na pele exposta ao sol que realiza a síntese de vitamina D, tão importante na prevenção de doenças como o raquitismo. Resposta imune

A pele tem importante função imunológica, principalmente através das células de Langherans que tem grande atuação na resposta cutânea antígenoanticorpo.

Figura 2: w.forp.usp.br/.../Luciana/fibroblasto.html acessado 26/04/07.

Ferida é toda e qualquer ruptura da integridade de um tecido ou órgão, podendo atingir desde a epiderme, que é a camada mais externa da pele, até estruturas mais profundas, como fáscias, músculos, aponeuroses e órgãos cavitários.

CLASSIFICAÇÃO DAS FERIDAS Existem muitas classificações, porém citaremos as mais usadas. As lesões devem ser classificadas pela causa, pelo agente e pelo conteúdo microbiano. Estas formas de classificação não são excludentes, mas complementares, e devem ser usadas, concomitantes, para a descrição e registro de qualquer tipo de lesão. a) Causa (origem da lesão) Intencional ou cirúrgica Acidental ou traumática

SES / DRST / HRT / Ambulatório de Curativos e Ostomias

Curso de Curativo do HRT: “Parabéns equipe de enfermagem pela sua semana 12 a 20 de maio de 2007”

Aberta ou fechada que se apresenta em ambos os casos anteriores b) Agente produtor (forma como as feridas ocorrem) Cortante ou incisiva Perfurante ou puntiforme Contusa Abrasiva Penetrante Térmica c) Potencial de infecção (ferida cirúrgica) c.1) Limpa – incisão realizada em tecidos estéreis ou de fácil descontaminação, sem patógenos, falhas técnicas e indícios de inflamação. Potencialmente contaminada – é a que ocorre em tecidos de baixa colonização, sem contaminação significativa prévia ou durante o ato operatório. c.2) Contaminada - é a realizada em tecidos altamente colonizados ou quando há contaminações grosseiras, resultando na presença de patógenos e detritos. c.3) Infectada – ocorre quando há manipulação de sítios com evidências de processo infeccioso instalado (secreção purulenta) ou por meio da presença de tecido desvitalizado ou sujidade prévia ao ato cirúrgico.

d) Quanto à profundidade da ferida d.1) Superficial ou parcial – atinge apenas a epiderme, podendo chegar à superfície da derme. d.2) Profunda ou total - estende-se além da pele, para dentro do tecido subcutâneo, músculos ou tecido ósseo.

e) Comprometimento tecidual As feridas denominadas úlceras por pressão têm classificação própria, baseada no comprometimento tecidual, e se dividem em quatro estágios, de acordo com a sua profundidade. Estágio I – a pele se encontra íntegra, não há perda tecidual, ocorre comprometimento apenas da epiderme, com sinais de hiperemia, descoloração ou endurecimento, com presença de eritema em pele intacta. Estágio I – perda parciais de tecido envolvendo a epiderme, a derme ou ambas (a úlcera é superficial e apresenta-se clinicamente como uma abrasão, flictema ou úlcera “cratera” rasa). Estágio I – perda total da pele, com ou sem necrose de tecido subcutâneo, sem comprometimento da fáscia muscular subjacente (a ferida apresenta-se clinicamente como uma úlcera “cratera” profunda). Estágio IV – ocorre destruição extensa de tecido, necrose tissular ou lesão de osso, músculo ou estrutura de suporte (tendões, articulações, cápsula articular). Neste estágio, assim como no I, pode haver o aparecimento de cavernas, túneis ou trajetos sinuosos.

SES / DRST / HRT / Ambulatório de Curativos e Ostomias

Curso de Curativo do HRT: “Parabéns equipe de enfermagem pela sua semana 12 a 20 de maio de 2007”

Compreender o processo cicatricial é de grande importância para a avaliação evolutiva da ferida. A lesão tissular estimula imediatamente uma série de processos metabólicos, visando o restabelecimento dos tecidos lesados. A cicatrização envolve processos catabólicos de degradação, limpeza e digestão enzimática e processos anabólicos de proliferação e reparação. As respostas metabólicas do organismo compreendem fatores celulares e bioquímicos de tecido agredido.

(Parte 1 de 10)

Comentários