Mecanismos de ação farmacos

Mecanismos de ação farmacos

(Parte 1 de 3)

Profa. CarlotaRangel Yagui corangel @usp. br

InteraçõesF-R e Mecanismosde Ação

Fases de ação dos fármacos

Ação dos fármacos estruturalmente específicos estruturalmente inespecíficos

• ação na parede/me mbrana celular •supressão da função gênica

Forças envolvidas na ligação fármaco-receptor

Fatores estereoquímicos Efeitos de grupos específicos

• ação e mreceptores • ação e mtransportadores

•ação em enzimas absorção distribuição metabolis mo excreção

Interação com local de ação

Liberação do fár maco

Efeito far macológico

Alteração de um evento fisiológico

Fármaco NUNCA induz uma função não existente na célula

→desafia este conceito

PRINCÍPIO DE FERGUSSON: concentrações molares tóxicas são determinadas por um equilíbrio de distribuição

Exobiofase

(fluidos extracelulares)

Biofase (local de ação tóxica)

Atividade Termodinâmica grau de saturação em cada fase

EquilíbrioC

exobiofase ↔ C biofase

C exobiofase

Solubilidade fármaco distribuído no organismo

AT alta

Ação se deve às propriedades físico- químicas fármaco ligado a receptores

AT baixa

Ação se deve à estrutura química do fármaco

Fármacos estruturalmente inespecíficos

Fármacos estruturalmente específicos

Propriedades físico-químicas são responsáveis pelo efeito far macológico

Atuam em doses elevadas

Estruturas químicas variadas

Pequenas variações na estrutura não resultam em alterações na atividade

Fármacos estruturalmente inespecíficos

Fármacos estruturalmente específicos

Ação biológica decorre da estrutura química

Características estruturais em comum

Pequenas variações na estrutura resultam em alterações na atividade

Hipótese do receptor

Receptor X Aceptor

Em geral são proteínas, menos freqüentementeácidos nucléicos, partes de complexos lipoprotéicos (me mbranas)

-alta potência - especificidade química

- especificidade biológica

Forças relevantes para ligação com o receptor

Interações iônicas interações íon- dipolo Interações dipolo- dipolo prostaglandina endoperóxidosintase flurbiprofeno

Forças relevantes para ligação com o receptor FORÇAS DE WAN DER WAALS:

Aproximação de moléculas apolares por dipolo induzido polarização transitória das ligações C-C e C-H

Interações múltiplas →somadas contribuem significativa mente

Forças relevantes para ligação com o receptor INTERAÇÕES HIDROFÓBICAS:

receptores e fármacos →diversas regiões hidrofóbicas

(Parte 1 de 3)

Comentários