Assistência de Enfermagem no Pós-operatório

Assistência de Enfermagem no Pós-operatório

(Parte 1 de 2)

Assistência de Assistência de

Enfermagem Enfermagem

Pós--operatoperatóóriorio

Curso: EnfermagemCurso: Enfermagem

Disciplina: Enfermagem CirDisciplina: Enfermagem Cirúúrgicargica ProfProfªª. Danielle Neris. Danielle Neris

Pós--operatoperatóório rio

O O perperííodo podo póóss--operatoperatóórioriotem intem iníício logo apcio logo apóós o to téérmino da operarmino da operaçção e vai atão e vai atééa alta do a alta do paciente, podendo ainda se estender a uma paciente, podendo ainda se estender a uma fase de atendimento ambulatorial e/ou fase de atendimento ambulatorial e/ou domiciliar.domiciliar.

Pós--operatoperatóóriorio

O O pós--operatoperatóóriorio(PO) (PO) ééo pero perííodo que se odo que se inicia apinicia apóós o ato cirs o ato cirúúrgico e que caracteriza pelo rgico e que caracteriza pelo processo de reparaprocesso de reparaçção dos tecidos lesados ão dos tecidos lesados cirurgicamente e pelas alteracirurgicamente e pelas alteraçções funcionais e ões funcionais e orgânicas induzidas pela agressão tecidual e orgânicas induzidas pela agressão tecidual e pelos fpelos fáármacos utilizados no prrmacos utilizados no préée pe póóss-- operatoperatóório (BERNINI, 2007).rio (BERNINI, 2007).

A pA póós o ts o téérmino do ato cirrmino do ato cirúúrgico o paciente rgico o paciente é encaminhado encaminhado ààUnidade de RecuperaUnidade de Recuperaçção Pão Póóss-- anestanestéésica (URPA). sica (URPA).

TrataTrata--se de uma unidade dentro do centro se de uma unidade dentro do centro circirúúrgico, onde o paciente rgico, onde o paciente éémantido mantido monitorado, enquanto o efeito residual do monitorado, enquanto o efeito residual do anestanestéésico sico é depurado.depurado.

As aAs açções de enfermagem no pões de enfermagem no póóss-- operatoperatóório imediato visam a rio imediato visam a promopromoçção e a ão e a manutenmanutençção dos ão dos parâmetrosparâmetrose das e das funfunçções orgânicasões orgânicas vitaisvitais(SILVA; FIGUEREIDO; SILVA, (SILVA; FIGUEREIDO; SILVA,

Unidade de InternaUnidade de Internaççãoão

HistHistóórico: avaliarico: avaliaçção da enfermeira logo ão da enfermeira logo

que o paciente for transferido, que o paciente for transferido, considerando o histconsiderando o históórico e avaliarico e avaliaçção ão ffíísica.sica.

Parâmetros: Parâmetros: respiratrespiratóóriosrios,, cardcardííacosacos,, neurolneurolóógicos gicos eetecido epitelialtecido epitelial..

Objetivos da AssistênciaObjetivos da Assistência

CicatrizaCicatrizaçção da ferida cirão da ferida cirúúrgica livre de rgica livre de complicacomplicaçções;ões;

Padrão respiratPadrão respiratóório eficiente;rio eficiente; ManutenManutençção da circulaão da circulaçção;ão; ManutenManutençção da funão da funçção renal;ão renal; PresenPresençça de eliminaa de eliminaçções intestinais;ões intestinais; DeambulaDeambulaçção precoce;ão precoce;

DiagnDiagnóósticos de Enfermagemsticos de Enfermagem

Risco de infecRisco de infecççãoão Padrão respiratPadrão respiratóório ineficazrio ineficaz DDéébito cardbito cardííaco diminuaco diminuíídodo Dor agudaDor aguda Integridade tissular prejudicadaIntegridade tissular prejudicada

DiagnDiagnóósticos de Enfermagemsticos de Enfermagem

Mobilidade fMobilidade fíísica prejudicadasica prejudicada Intolerância a atividadeIntolerância a atividade TermorregulaTermorregulaççãoão ineficazineficaz

NutriNutriçção desequilibrada: menos que as ão desequilibrada: menos que as necessidades corporaisnecessidades corporais

Risco de constipaRisco de constipaççãoão RetenRetençção urinão urinááriaria

Assistência de EnfermagemAssistência de Enfermagem Risco de infecRisco de infecççãoão

Monitorar SV;Monitorar SV; Acompanhar e monitorar exames laboratoriais;Acompanhar e monitorar exames laboratoriais; Estimular o paciente a respirar profundamente;Estimular o paciente a respirar profundamente; Estimular a ingesta hEstimular a ingesta híídrica e alimentar;drica e alimentar; Monitorar drenagem em drenos;Monitorar drenagem em drenos; Trocar curativo caso necessTrocar curativo caso necessáário;rio;

Assistência de EnfermagemAssistência de Enfermagem Padrão respiratPadrão respiratóório ineficazrio ineficaz

Monitorar FR e expansão torMonitorar FR e expansão toráácica;cica; Auscultar os pulmões;Auscultar os pulmões; Estimular de tosse;Estimular de tosse;

Posicionar a cama em Posicionar a cama em fowlerfowler(quando poss(quando possíível);

Tratar das condiTratar das condiçções decorrentes da dor;ões decorrentes da dor;

Estimular o uso de dispositivos de auxilio Estimular o uso de dispositivos de auxilio à respirarespiraçção;ão;

Assistência de EnfermagemAssistência de Enfermagem Padrão respiratPadrão respiratóório ineficazrio ineficaz

Estimular a mudanEstimular a mudançça de posia de posiçção ao menos de 2 ão ao menos de 2

Estimular a deambulaEstimular a deambulaçção precoce;ão precoce; Estimulo a ingesta hEstimulo a ingesta híídrica;drica;

DDéébito cardbito cardííaco diminuaco diminuíídodo

Observar sinais e sintomas de choque;Observar sinais e sintomas de choque; Monitorar SV, principalmente P e PA;Monitorar SV, principalmente P e PA; Manter permeabilidade do acesso vascular;Manter permeabilidade do acesso vascular; Controlar infusão endovenosa;Controlar infusão endovenosa; Monitorar eletrMonitorar eletróólitos, hematlitos, hematóócrito e hemograma;crito e hemograma; Controlar perdas sanguControlar perdas sanguííneas por drenos;neas por drenos; Realizar balanRealizar balançço ho híídrico;drico;

Assistência de EnfermagemAssistência de EnfermagemAssistência de EnfermagemAssistência de Enfermagem Dor agudaDor aguda

Estimular o paciente a relatar a dor;Estimular o paciente a relatar a dor; Aplicar escala de dor;Aplicar escala de dor; Considerar a subjetividade do individuo;Considerar a subjetividade do individuo; Registrar a avaliaRegistrar a avaliaçção da dor;ão da dor; Verificar outras medidas de alivio da dor;Verificar outras medidas de alivio da dor; AdministraAdministraçção de medicaão de medicaçção analgão analgéésica CPM;sica CPM;

Assistência de EnfermagemAssistência de Enfermagem Integridade tissular prejudicadaIntegridade tissular prejudicada

Verificar tipo de cicatrizaVerificar tipo de cicatrizaçção da ferida cirão da ferida cirúúrgica;rgica; Avaliar ferida cirAvaliar ferida cirúúrgica;rgica; Monitorar drenagem da ferida;Monitorar drenagem da ferida; Verificar tipo e posicionamento do dreno;Verificar tipo e posicionamento do dreno; Trocar dispositivo coletor de dreno;Trocar dispositivo coletor de dreno; Realizar curativo oclusivo limpo e seco;Realizar curativo oclusivo limpo e seco;

Assistência de EnfermagemAssistência de Enfermagem Mobilidade fMobilidade fíísica prejudicadasica prejudicada

Estimular a mudanEstimular a mudançça de posia de posiçção no leito;ão no leito;

Antes de iniciar a deambulaAntes de iniciar a deambulaçção, deixar o ão, deixar o paciente em posipaciente em posiçção sentadaão sentada**;;

Verificar auxilio para deambulaVerificar auxilio para deambulaçção;ão;

Ensinar no uso adequado dos dispositivos de Ensinar no uso adequado dos dispositivos de auxilio;auxilio;

Assistência de EnfermagemAssistência de Enfermagem Intolerância a atividadeIntolerância a atividade

Encorajar o paciente a sair do leito;Encorajar o paciente a sair do leito; Iniciar a deambulaIniciar a deambulaçção precoce;ão precoce; Avaliar a dor;Avaliar a dor; Monitorar padrão respiratMonitorar padrão respiratóório;rio; RealizaRealizaçção de exercão de exercíícios no leito;cios no leito;

TermorregulaTermorregulaçção ineficazão ineficaz

Monitorar SV;Monitorar SV; Avaliar circulaAvaliar circulaçção perifão periféérica;rica; Observar a ocorrência de calafrios;Observar a ocorrência de calafrios; Manter paciente aquecido;Manter paciente aquecido;

(Parte 1 de 2)

Comentários