Artigo-Gestão de Estoques na Cadeia de Logística integrada

Artigo-Gestão de Estoques na Cadeia de Logística integrada

(Parte 1 de 5)

Resumo. Este trabalho enfoca bases teóricas da Logística e seus principais desafios; mostrando a ligação entre logística com suprimentos, fornecedores e estoques. Mostra a importância da logística para a distribuição de produtos e produção de uma empresa, em outras palavras, a execução das atividades relativas a movimentação de materiais e ao fluxo de informações, do fornecedor ao consumidor final. Através do tempo surgiram outras teorias integrando diversas áreas envolvidas na produção como a logística Integrada. No estudo de caso, procuramos mostrar como a Embraer, principal exportadora do país, administra sua área de logística, a fim de oferecer melhores serviços, reduzir seus custos e otimizar a sua produção.

Palavras-chave: Logística. Estoques.

Abstract. This work focuses theoretical bases of the Logistics and its main challenges; showing the connection among logistics with supplies, vendors and stocks. It shows the importance of the logistics for the distribution of products and production of a company, in other words, the execution of the relative activities the movement of materials and to the flow of information, of the vendor to the final consumer. Other theories have appeared integrating several areas involved in the production as the integrated logistics. This case demonstrates how EMBRAER, which is the Brazilian leader in export, manages its logistics, in order to provide better services, reduce costs and optimize it’s production level.

Key words: Logistics. Stocks.

∗ Orientado pelo professor Paulo Tadeu de Mello Lourenção, Doutor, da Univap.

Devido a atual fase de competitividade global, as empresas buscam cada vez mais melhorias, para garantir seu espaço no mercado. Numa época em que os consumidores estão cada vez mais exigentes e as empresas precisam atender as necessidades dos mesmos, ao mesmo tempo em que têm que reduzir seus custos é necessária uma eficiente área de logística.

O trabalho mostra como deve ser a gestão de estoques de uma empresa para que não haja altos custos e nem falte produtos para seus clientes. O estudo de caso é sobre a Embraer, que importa a maioria de seus equipamentos agregados a seus produtos e por isso tem que manter certo nível de estoque. Nesse estudo, procuramos mostrar como a empresa administra e tenta melhorar essa questão.

2. HISTÓRICO

A palavra logística é de origem francesa. Foi usada pela primeira vez na guerra, onde para se obter sucesso na frente de batalha é preciso um ótimo sistema de apoio.

As empresas que na história sempre se basearam nos modelos organizacionais da igreja e do exército, procuraram implantar a logística no mundo dos negócios. As empresas tinham que ser diferentes uma das outras, já que começava a haver abertura comercial, resultando em maior concorrência.

De acordo com Ching (1999, p.20-25), até

1950 as atividades da logística eram divididas entre diversas áreas. Com isso havia conflitos, já que nenhum departamento tinha responsabilidade e objetivos concretos a serem alcançados em relação à logística. Em meados de 1945, algumas empresas já tinham um departamento específico para cuidar de transporte e armazenagem de produtos.

Só houve um maior desenvolvimento da logística quando a área de Marketing das empresas começa a ter destaque e a produção volta-se mais para o consumidor. Após 1950, foram detectadas mudanças nos gostos dos consumidores e maiores variedades de mercadorias. Houve migração de pessoas na área rural para a urbana e vice-versa sendo necessário criar pontos de vendas adicionais. As empresas começam a perceber que manter estoques não é vantajoso, gera custos altos e com isso passam essa função para seu fornecedor ou centrais de distribuição, fazendo com que haja entregas mais freqüentes.

Com a recessão que veio após a Segunda

Guerra Mundial, as empresas foram forçadas a tentarem melhorar sua produtividade. As empresas americanas acreditavam que a única solução para a redução de custos e aumento da produtividade era empregar a logística.

A partir de 70, a logística já era adotada por várias empresas, porém algumas ainda só se preocupavam com o lucro, esquecendo dos custos. Com as crises que se sucederam, as empresas passaram a se preocupar com a gestão de suprimentos.

A logística integrada surgiu na década de 80 e evoluiu bastante nos 15 anos que se seguiram, isso devido à revolução da tecnologia da informação. Hoje, os mercados estão cada vez mais globalizados e dinâmicos e os clientes cada vez mais exigentes.

O grande crescimento da logística que houve no

Brasil se deu por vários fatores:- custos elevados nas empresas – mudanças no mercado e nos canais de distribuição. – aparecimento de sistemas como Kanban e Just in Time

O objetivo do trabalho é mostrar as mudanças

3. OBJETIVO ocorridas no setor logístico das empresas, principalmente com a globalização. O trabalho apresenta o que as empresas estão fazendo para satisfazer seus clientes, a fim de garantir sua preferência. O enfoque principal é a gestão de estoques. Procuramos mostrar que não são vantajosos, pois o investimento feito em estoques pode ser mais bem aproveitado em outro setor da empresa. Os estoques devem ser administrados de maneira eficiente para que não haja excesso de produtos ou falta que reduza a margem de lucro da empresa. Para tal, as empresas devem manter seus estoques em níveis aceitáveis, que não acarretem maiores custos para ela. Os estoques devem ser controlados baseando-se nos pedidos dos clientes e no tempo de entrega. Analisando o caso Embraer, o trabalho mostra como a empresa atualmente, está dando importância a área de logística, tentando minimizar os custos.

Logística é a parte do processo da cadeia de

4. LOGÍSTICA-ASPECTOS TEÓRICOS suprimento que aplica e controla com eficiência a estocagem e o fluxo de bens e serviços a partir do ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender todos os requisitos e necessidades dos consumidores.

Segundo Cavanha Filho (2001, p.4), “as

empresas de predominância logística/distribuição são fortemente apoiadas nos conceitos logísticos, sendo sua essência o tratamento correto dos fluxos logísticos. Apesar da não recente conceituação do assunto, mesmo porque desde os tempos mais remotos de invasões militares, guerras e dominações, o tema já recebia contribuição de diversos estudiosos, a questão da logística vem se transformando e adaptando rapidamente, inclusive ocupando importantes espaços em ciências e gerenciamento, mesmo com seus limites e interfaces e difícil circunscrição”.

Antigamente, as empresas só pensavam no lucro e não davam muita importância a outros fatores como: seleção de fornecedores, ótimo atendimento ao cliente, etc. Esse fato trazia alguns pontos negativos como custos elevados, ciclos logísticos de maior duração e nível de serviço prestado ao cliente insatisfatório.

5. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA

Segundo Ballou (1993, p.38), “administração de materiais e distribuição física integram-se para formar o que se chama hoje de logística empresarial. Muitas companhias desenvolveram novos organogramas para melhor tratar das atividades de suprimento e distribuição, freqüentemente dando tatus de alta administração para a função ao lado do marketing e produção”. Ver Fig. 1

Fig.1- Escopo da logística empresarial FONTE: Adaptado de Ballou (1993)

Segundo Ballou (1993, p.40), “distribuição física é o ramo da logística empresarial que trata da movimentação, estocagem e processamento de pedidos dos produtos finais da firma”. A preocupação da distribuição física é com os bens acabados ou semiacabados. Deve-se planejar o abastecimento aos clientes, filiais e depósitos com o objetivo de garantir maiores vendas com menores estoques. A logística tem total responsabilidade sob as mercadorias desde o instante em que a produção é finalizada e que o comprador adquire a mercadoria.

Serão apresentados a seguir três conceitos essenciais para o gerenciamento da distribuição física:

! Compensação de custos: segundo Ballou (1993, p.4), o conceito de compensação de custos reconhece que os modelos das diversas atividades da empresa são conflitantes entre si.

Fig.2 – Compensação de custos para determinação do total de depósitos em um sistema de distribuição.

FONTE: Adaptado de Ballou (1993)

Considere os padrões de custos, mostrados na

Fig. 2, das três atividades logísticas primárias em função do número de depósitos num sistema de distribuição. Note que à medida que o número de depósitos aumenta, o custo de transporte diminui. Isso acontece porque carregamentos volumosos podem ser feitos para os armazéns a fretes menores. Além disso, a distância percorrida pelas entregas de menor volume do armazém para o cliente se reduz, diminuindo o custo do transporte de ponta. Portanto, a combinação dos custos de transporte de e para os armazéns mostra um perfil que declina com o aumento da quantidade de depósitos. Por outro lado, os custos de estoque e de processamento de pedidos mostram um comportamento oposto ao custo de transporte e, portanto, estão em conflito com ele. Custos de transporte aumentam com o número de armazéns, porque mais estoque é necessário para manter o mesmo nível de disponibilidade do que quando há menor número de depósitos. Custos de processamento de pedidos, também aumentam porque os depósitos servem como pontos de processamento de pedidos.

Para decidir o número de depósitos, o administrador deve tentar balancear ou compensar esses custos conflitantes. Isso leva ao menor custo para o sistema de distribuição.

! Custo total: Segundo Ballou (1993, p. 45), o conceito do custo total reconhece que os custos individuais exibem comportamentos conflitantes e que os mesmos devem ser analisados de maneira geral a fim de se chegar ao ponto ótimo.

Como mostrado na Fig. 2, o custo total para determinado número de armazéns é a soma dos três custos, formando a curva do custo total. Note que o ponto de custo total mínimo não corresponde à mesma condição para a qual o custo de transporte é mínimo ou que os custos de estoque ou processamento de pedidos são mínimos. Pelo contrário, o ponto de mínimo custo fica num lugar intermediário entre eles. Reconheceu-se que administrar estoques, transportes e processamento de pedidos conjuntamente poderia levar a substanciais reduções no custo quando comparado com a administração dessas atividades em separado. A idéia do custo total foi importante para decidir quais atividades da firma deveriam ser agrupadas conjuntamente e chamadas de distribuição física. Entretanto, a idéia de compensação de custos nos alerta para não basearmos a seleção do modal apenas nos custos de transporte.

As compensações mais importantes estão generalizadas na Fig. 3. Os custos específicos para cada alternativa estão na tabela 1.

Fig.3 – Compensações de custo na seleção do modal de transporte.

FONTE: Adaptado de Ballou (1993)

Custos de estoques mostram padrões que geralmente conflitam com custos de transporte. Como regra geral da distribuição, quanto mais rápido e confiável for o serviço de transporte, menor será o estoque requerido em ambas a pontas da movimentação de mercadorias. Além disso a velocidade do fluxo de mercadorias afeta o tempo no qual os custos financeiros estão associados ao estoque em trânsito.

Tabela 1 – Custo anuais para três alternativas de transportes para um fabricante de instrumentos eletrônicos.

Classe de custo Carga aérea Caminhão Trem

Transporte $756,080 $673,296 $645,216 Manutenção de estoques 378,450 530,478 530,478

de pedidoSR SR SR

Processamento Custo total $1.134,530 $1.203,774 $1,175,694

FONTE: Adaptado de Ballou (1993)

Observando a tabela 1, podemos perceber que o modo ferroviário tem o menor custo de transporte, mas não o menor custo total. O transporte aéreo, por outro lado, pode compensar com vantagens custos substancialmente elevados de movimentação pelos custos menores de manutenção de estoques. O custo total é mínimo para o modo aeroviário. Assim, na essência do conceito do custo total é considerar todos os fatores relevantes de custo numa decisão particular e procurar pela alternativa de mínimo custo total.

! Sistema total: é uma extensão do conceito do custo total. É uma filosofia de gerenciamento que analisa todos os fatores alterados de alguma maneira pela tomada de decisões.

Ballou (1993, p.46), afirma que “o enfoque do sistema total observa os problemas de distribuição em termos abrangentes para descobrir relações que, caso neglicenciadas, poderiam levar a decisões subótimas. Esse enfoque é particularmente importante na logística, porque a administração logística relaciona-se diretamente com muitas outras áreas funcionais dentro e fora dos limites legais da empresa”.

A administração de materiais trata do fluxo de produtos para a firma, gerencia as atividades de movimentação e estoque no lado do suprimento da organização, sendo responsável pelas atividades de compras e pelo abastecimento da empresa.

As atividades do canal de suprimento são fundamentais para a administração de materiais, pois afetam a economia e a eficácia do movimento de materiais. As atividades mais importantes do canal de suprimento são: inicialização e transmissão de ordens de compra, transporte até o local da fábrica e manutenção de estoques.

(Parte 1 de 5)

Comentários