A brinquedoteca na escola e sua importante função para a educação infantil

A brinquedoteca na escola e sua importante função para a educação infantil

Titulo do Projeto: A brinquedoteca na escola e sua importante função para a educação infantil

Instituição Destinária: Creche Raimunda Mota, situada na Avenida São Vicente de Paula, S/n – Ibicaraí-Bahia

Público - alvo: Professores e alunos da Creche Raimunda Mota.

Local de Execução: Creche Raimunda Mota Período: 10 e 11de julho de 2008

Coordenadora: Cristiane Lessa de Santana

Atualmente, a maioria das escolas municipais de Educação Infantil destinadas a receber crianças de quatro a seis anos de idade adota o modelo escolar. Porém são pouco os espaços para as brincadeiras livres e tampouco a brinquedoteca. Os horários são rígidos, atividades padronizadas e pouca escolha da criança. Dessa forma, a socialização pela brincadeira fica ausente, pois, o que prioriza é a aquisição de rendimento de escrita e cálculo. Na verdade, o que acontece é que grandes espaços internos e externos como salões, salas e corredores estão sempre vazios, e muitas vezes, estes são utilizados para as ditas brincadeiras livres, que pela ausência de objetos ou cantos estimuladores favorecem correrias, empurrões e desordem.

Então, perante essas considerações, pode-se concluir que a criação de brinquedotecas nas escolas e creches seria uma grande ferramenta pedagógica para o Ensino Infantil contribuindo assim, para o aprimoramento da aprendizagem e, sobretudo, melhores rendimentos escolares. Como diz SANTOS (2003) ”acreditamos ser a creche um espaço a ser dividido entre o cuidar, por ser a criança um ser completo, que necessita de cuidados, bem como a promoção de seu desenvolvimento físico, psíquico e social. Deve as instituições de educação infantil favorecer a construção da autonomia, da criticidade, da criatividade, da responsabilidade, da formação de conceitos rumo a formação do cidadão”.

Durante muito tempo, confundiu-se “ensinar” como “transmitir” e, nesse contexto, o educando era um agente passivo da aprendizagem e o educador um transmissor, sem interesse e acomodado a buscar novos caminhos de aprendizagem. A idéia de ensino despertado pelo interesse do aluno acabou transformando o sentido do que se entende por material e espaço pedagógico.

É nessa circunstância, que a brinquedoteca surge, ganhando espaço, oportunizando novos meios, novas direções que tornam a aprendizagem mais autêntica, mais prazerosa e estimulante, fatores estes, que contribuiria por excelência como um instrumento pedagógico dando margem ao educador, trabalhar e estimular a aprendizagem e, por conseguinte determinar o brincar como conteúdo dinâmico colaborador para a formação infantil.

brincadeira e jogo são atividades que assumem função lúdica e educativa

De acordo com SANTOS (2003, p. 180) ela afirma que “o brinquedo, que se constituem em recursos auxiliares para promover o desenvolvimento físico, mental e socioemocional”. Diante disso, pode-se dizer que ao simples ato de brincar a criança desenvolve o aprendizado, sua imaginação, criatividade, exercita suas habilidades e, além disso, aprende a viver e neste momento de liberdade aprende quando estimulada, adquirir novos conhecimentos educativos.

Portanto, é nesse caminho que o tema proposto visa alcançar, conscientizando os educadores a buscar novos caminhos para aprimoramento da Educação Infantil. Incentivando assim, a valorização da Brinquedoteca como desenvolvimento intelectual, emocional e social da criança. Pois, segundo a pedagoga especialista no assunto, Nylse Cunha, afirma que

“A brinquedoteca tem uma mensagem a dar para a Escola porque pode ajudar as crianças a favorecer um bom conceito de mundo, um mundo onde a afetividade é acolhida, a criatividade estimulada e os direitos da criança respeitados” (CUNHA; In: SANTOS, 2002, p. 2).

Propor uma nova reflexão para a educação com a visão de estimular e conscientizar a importância da brinquedoteca no contexto escolar. Argumentando de tal forma a desejar que novos princípios pedagógicos sejam levantados em questão, incentivando assim, novos subsídios ao desenvolvimento da Educação Infantil.

Explicar seriamente a função da brinquedoteca na inclusão extracurricular do Ensino Infantil possibilitando dessa forma, a criança a vários tipos de brinquedos com fundos pedagógicos;

Incentivar a valorização da brinquedoteca como atividade geradora de desenvolvimento intelectual, emocional e social.

Divulgar a importância do lúdico como estratégia do desenvolvimento infantil;

Conscientizar aos educadores a iniciativa de buscar novos caminhos para o aprimoramento da Educação Infantil.

O projeto “A brinquedoteca na escola e sua importante função para a educação infantil” baseia-se especificamente em referências bibliográficas que serviu como suporte para o tema proposto.

Diante das referencias teóricas e supostas análises sobre a referente temática, foi possível a elaboração e, por conseguinte execução do projeto.

O projeto será executado em dois dias da semana, sendo que no primeiro dia, dez de julho, numa terça-feira acontecerá uma palestra para os docentes da instituição destinária, ressaltando a importância da Brinquedoteca no Ensino Infantil. Os palestrantes serão professores do curso de Educação Física das Faculdades Montenegro, na qual a mesma durará apenas por três horas aproximadamente, iniciando-se das noves ás doze horas.

No segundo e ultimo dia do evento, onze de julho, numa quarta-feira, será efetivada uma brinquedoteca adaptada com jogos e brinquedos educativos e também algumas atividades lúdicas, direcionada para crianças de dois a seis anos de idade, com o intuito de estimular e oferecer novos desafios de aprendizagem. Serão utilizadas duas salas, uma para os brinquedos e jogos e a outra para as atividades recreativas e musicais (canções seguido de gestos).

No inicio das atividades serão divididos dois grupos para cada sala programada, no qual sucederá a cada trinta minutos um rodízio, para que todas as crianças envolvidas tenham as mesmas oportunidades de conhecer e vivenciar cada momento de alegria. O andamento da brinquedoteca se perdurará por cincos horas, iniciando-se das oito às doze horas.

Todas as atividades da brinquedoteca será monitorada pela motivadora do projeto junto com os professores da instituição.

A avaliação do projeto será feita mediante a participação e interesse dos professores da instituição envolvidos no projeto e principalmente o desempenho das crianças durante a execução das atividades na Brinquedoteca.

Mesas Cadeiras Microfone CDs Brinquedos Som

Professores e alunos da creche Raimunda Mota Docentes do curso de Educação Física Comerciantes

Levantamento bibliográfico X

Elaboração do projeto X

Entrega do projeto a instituição X Execução do projeto x

SANTOS, Santa Marli Pires dos. Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico: - 4ª ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

CUNHA, Nylse Helena da Silva. A brinquedoteca brasileira. In: _, Santa Marli Pires dos (org.). Brinquedoteca: O lúdico em diferentes contextos. 8º ed, Petrópolis: Vozes, 2002.

É necessário que a escolha de brinquedos obedeça a critérios bem fundamentados, seja compatível com a idade da criança e possa ser capaz de estimular seu desenvolvimento.

Na faixa etária de 1 a 2 anos sugere-se brinquedos para os seguintes tipos de atividades: Manuais – cubos de encaixe, blocos de construção com base grande. Dramatização – bichinhos de pelúcia, bonecas, carrinhos de plástico, conjuntinhos de mobília, panelinhas. Ritmo e música – chocalho, guizos, violinha.

De 3 a 4 anos, sugere-se brinquedos para as seguintes atividades:

Manuais – blocos de construção, lápis de cor e papel sem pauta, quebra-cabeça simples. Dramatização – bonecas, moveizinhos, panelinhas, pratinhos; objetos de vestuário para dramatizar. Ritmo e música – tambores, apitos, cornetinhas, sanfonas; cânticos que associem a marcha; palmas; brinquedos de roda, de bola, de boneca. Livros – resistentes com gravuras coloridas, de histórias simples, com repetições freqüentes (como três porquinhos).

De 5 a 6 anos, sugere-se brinquedos para atividades:

Manuais – blocos de construção de vários tamanhos, lápis de cor, papel sem pauta, massa para modelagem, cola, papeis coloridos, tesoura com ponta, giz de várias cores. Dramatização – bonecas, mobília, louças, panelinhas e talhares de brinquedos, palhaços de circo (bonecas), frutas e legumes de plástico, miniaturas de animais, navios, aviões. Ritmo e música – tambores, reco-reco, corneta, sanfoninha, violinha, xilofone etc. Livros – histórias simples, com ilustrações coloridas, gênero “chapeuzinho vermelho” etc.

Comentários