Emergências em saúde mental - prática da equipe de enfermagem durante o período de internação

Emergências em saúde mental - prática da equipe de enfermagem durante o período...

(Parte 2 de 2)

Se o paciente está extremamente agressivo e não vai dar conta, tira as pessoas de volta, as pacientes e, enquanto não chegar ajuda você não vai poder fazer nada sozinha (E.1).

Sinto-me capacitada, aprendi muito aqui. Quando vejo o comportamento dos pacientes sinalizando que não estão bem, fica mais fácil perceber e até falar o que está acontecendo (E.2.)

O cuidado nas situações de emergência exige uma equipe capacitada, pois é necessária uma ação imediata. Ressalta-se que a capacitação deve ser direcionada para a avaliação do paciente e a importância da intervenção verbal como primeira estratégia de resolução do problema1.

Considerando que uma situação de emergência não possui hora nem local para acontecer, ressalta-se a necessidade de capacitação, e que para a ação em emergência em saúde mental deve-se incluir todos os trabalhadores da instituição (serviços gerais, apoio, administrativo, segurança, técnicos da área saúde ou que integram a equipe)14.

Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2008 jul/set; 16(3):399-403. • p.403

Estelmhsts P, Brusamarello T, Borille D, Maftum MA

Embora, na maioria das vezes, o paciente se encontre em intenso estado de agitação, risco e/ou confusão mental, o episódio deverá ser esclarecido a ele, se possível durante a realização da técnica. Também, posteriormente em grupo ou individualmente, deve ser discutido pelos membros da equipe, tanto com o paciente que recebeu a contenção como para os demais pacientes, o motivo, a necessidade e os sentimentos envolvidos no processo, para que a mesma se torne uma medida terapêutica, pois, caso contrário, a compreensão poderá ficar distorcida e ser entendida apenas como uma contenção ou uma medida de repressão1,3,7.

Em uma situação de extremo risco, na qual o paciente se encontra muito alterado, com possibilidades de agressão e, ainda, se porta objetos como arma de fogo, arma branca, caco de vidro e ameaça quem dele se aproxima, caso não se disponha de uma equipe em quantidade suficiente ou capaz para abordá-lo, é preciso chamar pessoal especializado, como corpo de bombeiros. Entretanto, um profissional deve tentar manter a situação sob controle dialogando com certa distância até chegar reforço, pois não é recomendado que uma pessoa sozinha atenda um paciente nessas condições1.

Neste estudo evidenciou-se diferentes ações da equipe de enfermagem nas situações de emergência, como o uso da comunicação terapêutica e controle dos movimentos do paciente mediante a técnica de contenção no leito. Os sujeitos relataram que se sentem preparados para atuar nas emergências, porém necessitam de ajuda dos colegas, evidenciando a importância do trabalho em equipe. Assim, considera-se importante uma educação permanente que reforce o trabalho em equipe e vise à capacitação profissional no atendimento de emergência em saúde mental para promover um cuidado de melhor qualidade ao paciente.

É necessária a consciência de que as emergências em saúde mental não ocorrem somente nas dependências dos hospitais psiquiátricos, elas podem eclodir em hospitais gerais, nas unidades básicas de saúde e em todos os espaços de convívio social. Para isso, os profissionais de saúde devem estar capacitados para intervir rapidamente nessas situações.

1.Stuart GW, Laraia MT. Enfermagem psiquiátrica: princípios e prática. Tradutora Dayse Batista. 6a ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2001. 2.Azevedo JMR, Barbosa MA. Triagem em serviços de saúde: percepções dos usuários. Rev enferm UERJ. 2007; 15:3-9. 3.Barros S, Rolim MA. Assistência de enfermagem nas emergências psiquiátricas. Rev Escol Enferm USP. 1992; (26):125-36. 4.Kaplan HI, Sadock B, Sadock V. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. 9a ed. Porto Alegre (RS): Artes Médicas; 2007. 5.Kantorski LP, Souza J, Willrich JQ, Mielke FB. O cuidado em saúde mental: um olhar a apartir de documentos e da observação participantes. Rev enferm UERJ. 2006; 14: 366-71. 6.Stefanelli MC, Carvalho EC. A comunicação nos diferentes contextos da enfermagem. Barueri (SP): Editora Manole; 2005. 7.Venetikides CH, Maceno DM, Oliveira EA, Fabre LV, Halboth NV, Simão MG. Protocolo integrado de saúde pública em Curitiba. [documento oficial da prefeitura de Curitiba]. 2002 [citado em 12 maio 2008]; [aproxim 111p.] Disponível em: w.curitiba.pr.gov.br/ saude/sms/protocolos/mental.pdf 8.Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.598, de 09 de agosto de 2000. Normatiza o atendimento médico a pacientes portadores de transtorno mental. [citado em 07 maio 2008]. Disponível em http:// w.cremers.com.br/cremers/Interface/biblioteca/pareceres_ resolucoes.jsp#15982000. 9.Timby BK. Atendimento de enfermagem: conceitos e habilidades fundamentais. Tradutora Regina Garcez. 6a ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2001. 10.Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8a ed. São Paulo: Hucitec; 2004. 1.Polit DF, Hungler BP, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. Tradutora Ana Thorell. 5a ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2004. 12.Governo Federal (Br). Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 26 Jun. 1986. Seção 1:1. 13.Organização Mundial da Saúde. Prevenção do suicídio: um manual para profissionais da saúde em atenção primária. [citado em 07 maio 2008]. Genebra (Swi); 2000. Disponível em http://www.who.int/mental_health/ prevention/suicide/en/suicideprev_phc_port.pdf 14.Souza MGG, Cruz EMTN, Stefanelli MC. Educação continuada e enfermeiros de um hospital psiquiátrico. Rev enferm UERJ 2007; 15:190-6.

Recebido em: 1.09.2007 Aprovado em: 2.05.2008

(Parte 2 de 2)

Comentários