intubação

intubação

Intubação Traqueal e Traqueostomia

Por: Enf° Herberth Moreira

Enf°. Especialista

INTUBAÇÃO TRAQUEAL

  • Quatro objetivos básicos:

    • Garantir a manutenção da permeabilidade da via aérea;
    • Permitir a instalação de ventilação mecânica com pressão positiva;
    • Proteger a via aérea de aspiração;
    • Possibilitar a remoção de secreções.

Intubação endotraqueal

  • Três tipos de paciente:

    • Os que apresentam PCR
    • Os que apresentam insuficiência respiratória
    • Os que necessitam assegurar manutenção da via aérea e instalação de suporte ventilatório por causa de anestesia geral ou outro procedimento.

Intubação Traqueal

  • Avaliação da Via aérea:

    • Anamnese
      • Associação entre patologias congênitas e anomalias de vias aéreas;
      • Estados traumáticos;
      • Procedimentos prévios.
    • Exame físico:
      • Espaço mandibular.
    • Exames Complementares.

Intubação Traqueal

  • Equipamento:

    • Reanimador manual com reservatório para O2;
    • Anestésico tópico aerossol;
    • Medicações selecionadas para analgesia, anestesia, amnésia e sedação;
    • Coxim de toalha ou almofada;
    • Oxímetro.

Intubação Traqueal

  • Equipamento:

    • Monitor cardíaco;
    • Monitor de pressão não invasiva;
    • Luvas,máscara e óculos;
    • Laringoscópio com lâminas curvas e retas n°s 3 e 4;
    • Tubo endotraqueal (n°);
    • Estilete flexível;
    • Equipamento e cateteres para aspiração.

Intubação Traqueal

  • Equipamento:

    • Pinça de Magill;
    • Seringa de 10 ml;
    • Lubrificante hidrossolúvel;
    • Capnógrafo;
    • Fita adesiva;
    • Carro de parada.

Intubação Traqueal

  • Preparação

  • Técnica

LARINGOSCÓPIO E LÂMINA CURVA

COMPLICAÇÕES DA INTUBAÇÃO

  • IMEDIATAS:

    • Apnéia secundária à inibição respiratória;
    • Broncoespasmo;
    • Quebra de dentes;
    • Lacerações em lábios, boca, mucosas da faringe e laringe;
    • Aspiração de sangue ou vômito durante a intubação;
    • Impossibilidade de intubação.

COMPLICAÇÕES DA INTUBAÇÃO

  • MEDIATAS OU TARDIAS:

    • Lesões na faringe;
    • Lesões irreversíveis de cordas vocais;
    • Infecções;
    • Intubação seletiva;
    • Oclusão do TOT com secreção;
    • Estenose de traquéia;
    • Traqueomalácia (perda do suporte cartilaginoso da parede traqueal);
    • Fístula traqueoesofágica.

Intubação Nasotraqueal

Traqueostomia

TRAQUEOSTOMIA

  • Indicações

    • Obstrução:
      • Processos traumáticos, malignos e inflamatórios;
        • SUPORTE VENTILATÓRIO
      • Qual o momento ideal?
        • INTOLERÃNCIA DO TOT PELO PACIENTE

Indicações

  • Procedimento eletivo

  • Obstrução das VAS

- traumas

- queimaduras

- neoplasias

  • Suporte ventilatório prolongado

  • Limpeza das VAS

Vias Aéreas Artificiais

VANTAGENS DA TRAQUEOSTOMIA

  • Maior conforto para o paciente;

  • Menor risco de deslocamento do tubo;

  • Maior facilidade de limpeza das vias aéreas.

MATERIAL

  • Caixa cirúrgica;

  • Lâmina de bisturi;

  • Cânulas de acordo com a característica do paciente;

  • Seringas de 10 e 20ml;

  • Luvas estéreis;

  • Fios cirúrgicos;

PREPARO DO PACIENTE

  • Anti-sepsia da pele;

  • Nos pacientes do sexo masculino, tricotomia da área se necessário;

  • Colocação de um coxim sob os ombros do paciente, para manter a cabeça e pescoço em hiperextensão.

COMPLICAÇÕES

  • Estenose

  • Fístula traqueo-esofágica.

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA EXTUBAÇÃO TRAQUEAL

  • Extubação endotraqueal consiste em remover a via aérea artificial desde que o paciente esteja apto a respirar de forma independente.

INDICAÇÕES

  • Necessidade de intubação foi revertida;

  • Estabilidade hemodinâmica foi alcançada e não há razão para a manutenção da via aérea artificial;

  • Paciente está apto a remover as secreções pulmonares;

  • Os problemas com as vias aéreas estão resolvidos;

INDICAÇÕES

  • Existe risco mínimo de aspiração;

  • Não será necessária a utilização de ventilação mecânica.

PROCEDIMENTO

  • Lavar as mãos e utilizar EPI;

  • Orientar o paciente sobre o procedimento;

  • Manter monitorização de ECG e oximetria;

  • Hiperoxigenar o paciente e realizar aspiração traqueal de VAS;

  • Remover o cadarço de fixação do tubo;

  • Instruir o paciente a respirar profundamente;

PROCEDIMENTO

  • Conectar a seringa à válvula do cuff e esvaziá-lo no pico da inspiração profunda, retirando o tubo imediatamente;

  • Estimular o paciente a respirar profundamente e tossir;

  • Oferecer suplementação de oxigênio;

  • Monitorar o paciente em intervalos reduzidos nas primeiras horas após extubação.

Comentários