Apostila Operação e Manutenção de Cabine primaria 2008

Apostila Operação e Manutenção de Cabine primaria 2008

(Parte 1 de 6)

Operação e Manutenção de subestação;

Introdução02
Tipos de Subestações04
Equipamentos07
- Ramal de Entrada07
- Pára-Raios07
- Disjuntores08
- Chaves Seccionadoras14
- Transformador16
Transformadores para Instrumentos31
Instrumentos de Medição36
Procedimentos de Segurança para Manobras37
Seqüência de operação de uma subestação38
Procedimento de Segurança em Manutenção Elétrica40
- Planejamento41
- Aterramento Temporário41
Procedimento Prático para Manutenção de Cabine42
- Manutenção Preventiva / Corretiva42
- Procedimentos, Verificações e ensaios43
- Pára-Raios43
- Seccionador43
- Disjuntores43
- Transformador4
-Ensaios.....................................................................................................................4
Bibliografia46

Operação e Manutenção de subestação;

Créditos

Curso de Operação e Manutenção de Subestação.

L&B CAPACITAÇÃO E TREINAMENTO -SP, 2008.

Trabalho editado a partir de conteúdos, conforme Bibliografia.

Equipe responsável:

Coordenação Técnica: Professor Benjamim Ferreira de Barros

Coordenação pedagógica: Professora Luciene Veloso

Elaboração e Adequação: Professor Benjamim Barros

Conteúdo Técnico: Material retirado conforme bibliografia,

Internet e Intranet

Revisão: Professor Engenheiro Ricardo Luis Gedra

Professor Engenheiro Reinaldo Borelli Professor Engenheiro Paulo Dias

Digitação: Irene Bueno Karen Regina de Barros

Em busca da melhoria contínua, críticas e sugestões podem ser direcionados para: treinamento@lbenergia.com.br

L&B Capacitação e Treinamento Rua Aragoiania Nº 153 - Sala 03 Vila Barros - Guarulhos / SP CEP 07193 - 120 Fone: (1) 6407-1281 / 95053480

E-mail

Home page treinamento@lbenergia.com.br http://www.lbenergia.com.br

Operação e Manutenção de subestação;

Introdução

A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem da água por turbinas geradoras transforma as energias mecânicas, originadas pela queda d’água, em energia elétrica. No Brasil a GERAÇÃO de energia elétrica é 80% produzida a partir de hidrelétricas, 1% por termoelétricas e o restante por outros processos. A partir da usina a energia é transformada, em estações elétricas, a elevados níveis de tensão e transportada em corrente alternada (60 Hertz) através de cabos elétricos, até as estações rebaixadoras, delimitando a fase de TRANSMISSÃO.

Já na fase de DISTRIBUIÇÃO, nas proximidades dos centros de consumo, a energia elétrica é tratada nas estações, com seu nível de tensão rebaixado e sua qualidade controlada, sendo transportada por redes elétricas aéreas ou subterrâneas, constituídas por estruturas (postes, torres, dutos subterrâneos e seus acessórios), cabos elétricos e transformadores para novos rebaixamentos, e finalmente entregue aos clientes Industriais, comerciais, serviços e residências em níveis de tensão variáveis, de acordo com a capacidade instalada de cada cliente consumidor.

As atividades pertencentes aos setores de CONSUMO, representados pela indústria, comércio, serviços. Basicamente as atividades em alta tensão neste setor estar restrita a estação de alta tensão entre 69 a 138 KV e as estações primaria e secundaria (cabines) em tensão de distribuição de 3.8 a 36 KV. Dependendo da concessionária Os serviços são basicamente projeto, montagem, operação e manutenção dos equipamentos das estações.

Operação e Manutenção de subestação;

4 Caminho da energia da geração ao consumo

Operação e Manutenção de subestação;

Tipos de Subestações

tanto para os equipamentos quanto para o pessoal envolvido

Estação primária de consumidor industrial é o conjunto de componentes de entrada consumidora em tensões acima de 36.2KV, compreendendo instalações elétricas e civis, destinada a alojar a medição, proteção e a transformação. Este conjunto de componentes deve atender a demanda da empresa, analizando-se sempre a flexibilidade (modificações do sistema), acessibilidade, quanto à manutenção corretiva e preventiva, confiabilidade quanto à proteção e a operação, e segurança

ETC Estação consumidora indústria basicamente alta tensão

Posto primário em media tensão é o conjunto de componentes de entrada consumidora em tensão primária de distribuição, compreendendo instalações elétricas e civis, destinada a alojar a medição, proteção e facultativamente à transformação. Entrada do consumidor ponto de recebimento da concessionária.

Operação e Manutenção de subestação;

Tipos de Postos Primários

Quanto ao tipo o posto primário pode ser classificado de: Simplificado: Com previsão para demanda máxima final 300 kVA, e com apenas um único transformador trifásico com potência máxima de 300 KVA. A medição é efetuada na baixa tensão e a proteção geral das instalações, no lado de alta tensão, esta proteção pode ser através de fusível sem necessidade, portanto de relé. Elas podem ser internas, (abrigada alvenaria) externas, (ao tempo, planta forma) ou Conjunto blindado.

Convencional: Quando a unidade consumidora tiver potência total instalada superior a 75kw devem possuir medição do lado da alta tensão, a proteção geral através de disjuntor com desligamento automático, e acionamento através de relés. Podendo ser abrigada em alvenaria ou conjunto blindado, as entradas podem ser aéreas ou subterrâneas.

Cabine convencional alvenaria

Posto Primário Simplificado alvenaria Posto Primário Simplificado em Pontalete

Operação e Manutenção de subestação;

Cabine Primaria convencional chapa Cabine secundaria posto de distribuição

Operação e Manutenção de subestação;

Equipamentos

Ramal de Entrada

É o conjunto de condutores, com respectivos materiais necessários a sua fixação e interligação elétrica do ponto de entrega aos terminais da subestação do consumidor. O ramal de entrada pode ser definido diferentemente, em função do tipo de subestação.

▪ Ramal de entrada aéreo: É aquele constituído de condutores nus suspensos em estruturas para instalações aéreas.

▪ Ramal de entrada subterrâneo: É aquele constituído de condutores isolados instalados dentro de eletroduto diretamente enterrado no solo.

Cabo de media tensão

Pára-Raios: É destinado a proteger os equipamentos de um circuito contra surto de tensão transitória provocado por descargas elétricas atmosféricas, e/ou eventos e anomalias.

Tipos: ▪ Cabo para-raio.

▪ Para-raio tipo haste reta (Franklin, Gaiola de faraday).

▪ Para-raio tipo válvula.

(Parte 1 de 6)

Comentários