Circuitos Elétricos Industriais

Circuitos Elétricos Industriais

(Parte 5 de 8)

Fig. 7.2: Diagrama esquemático para ligação de motor trifásico com terminais para bóia

Fig. 7.3: Montagem prática da chave bóia

Uma lista de materiais para um dos modelos é apresentada abaixo: Tab. 7.1: Lista de materiais para montagem da chave bóia

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC

EQUIPAMENTO:PDBC100 - CHAVE BOMBA 5HP/380V - 3HP/220V OBRA:

CAIXA1-
CONTATOR TRIPOLAR 12 A BOBINA 380 V1-
RELE TERMICO 4-6 A1-
CHAVE SELETORA 3 POSIÇÕES1-
TRILHO (15 cm)1-
TERMINAL DUPLO TUBOLAR 1,0 mm2-
FITA DE AMARAÇÃO T 18 R15-
TERMINAL TUBOLAR 1,0 mm8-
TERMINAL DUPLO TUBOLAR 4,0 mm2-
TERMINAL TUBOLAR 4,0 m6,0 mm4-
CABO 4 M PT 20 cm 3-
CABO 1,0 M VM 15 cm2-
CABO 1,0 M VM 7 cm2-
CABO 1,0 M VM 30 cm5-
PLAQUETA DE ACRILICO 50 X 201-
BORNE 4 MM2-
PLACA SEPARAÇÃO1-
POSTE FINAL1-
ETIQUETA ALERTA 1-
ETIQUETA TENSÃO 1-
PLACA DE MONTAGEM1-
PARAFUSOS FIXAÇÃO2-
MAO DE OBRA MONTAGEM1-
EMBALAGEM1-
TOTAL GERAL R$-

7.3.Partida estrela triângulo:

Esse tipo de partida é utilizado para cargas cuja inércia faça com que o motor demore em torno de 10 s para atingir a rotação nominal. Na prática ela é apropriada para motores desde 10HP até em torno de 60HP.

A partida Y-D (estrela triângulo) consiste em aplicar, durante a partida, na bobina do motor uma tensão menor do que a nominal. Isto faz com que o motor parta com potência menor e com isso obtém-se

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC uma redução na corrente de partida. Quando o motor atinge uma rotação adequada, em torno de 90% da rotação nominal, muda-se a tensão aplicada no motor para a nominal. Isso é conseguido através da mudança na ligação das bobinas. Essa comutação entre Y e D pode ser feita de modo manual ou automático. A mudança manual não é recomendada pelo fato do operador não saber o momento exato em que a comutação de vê ser feita. Observe que para conseguir realizar a partida Y-D é necessário que o motor tenha sempre uma tensão menor igual a tensão de linha (medida entre duas fases) da rede em que ele será instalado e uma outra tensão maior igual a 1,73 vezes a tensão menor do motor. O neutro não é necessário nas chaves Y-D. Ele somente pode ser utilizado para alimentação das bobinas dos contatores, caso elas não sejam na tensão de linha da rede.

Exemplo: Se a tensão da rede elétrica for 220/380V (220V = tensão de fase e 380V = tensão de linha) então a plaqueta do motor deverá especificar as seguintes tensões, 380/660V. Caso a rede seja 127/220V, a tensão de plaqueta do motor deverá ser 220/380V.

Na figura 7.4 um esquema completo desta chave.

Fig. 7.4: Esquema de força e de comando para partida estrela triângulo em motor trifásico

Antes de passar à explicação deste circuito é preciso entender como funciona o relé estrela triângulo. Veja na figura 7.5 o diagrama de temporização deste relé.

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC

Fig. 7.5: Aspecto visual e temporização do relé estrela triângulo

Este relé possui dois contatos de saída: o estrela (15-18) e o triângulo (25-28). Ao ser alimentado o relé inicia imediatamente a contagem do tempo em que o motor fica ligado em estrela. Este tempo é setado no próprio relé e, geralmente, varia de 1s até 30s. Após decorrido este tempo há um breve intervalo de tempo de 50ms em que as saídas estão ambas desligadas. Este tempo serve para desconectar o contator que faz a parte estrela da chave. Isso evita a possibilidade de ocorrer um curto circuito entre dois contatores. Passado este tempo entra o contato para o modo triângulo e a chave comuta para triângulo e assim permanece até que o motor seja desligado.

Explicação do funcionamento do chave do esquema da figura:

O processo inicia com o pressionamento da botoeira B1 e a conseqüente ligação do temporizador estrela triângulo KT1. A energização de KT1 liga K3, note que o contato 15-18 de KT1, ligado em série com K3, faz com que K3 ligue assim que o temporizador KT1 for ligado. Quando K3 liga é fechado o contato 13-14 de K3 ligado em série com K1 e K1 liga. Assim tem-se K1 e K3 ligados, formando a ligação estrela. Após decorrido o tempo setado em KT1 ocorre o tempo de 50ms. Durante este tempo o contator K3 é desligado ficando ligado o contator K1, através do seu contato NA (43-4) ligado em série com a sua própria alimentação. O motor agora está desligado porém está girando porque ficou um tempo ligado em estrela. Em seguida fecha o contato 25-28 de KT1 e liga o contator K2. Com K1 e K2 ligados tem-se a ligação em triângulo. E assim a chave permanece enquanto ela não for desligada através do botão B0. Se, durante a operação, o ocorrer uma sobrecarga o contato 95-96 do relé térmico RT abre e a chave é desligada como se tivesse sido pressiono o botão B0. Observe os intertravamentos de segurança entre K2 e K3. Esses dois contatores nunca podem estar ligados ao mesmo tempo, pois isso provocaria um curto circuito, então, em série com K2, é colocado um contato NF (21-2) de K3 e em série com K3 é colocado um contato NF (21-2) de K2.

Materiais envolvidos na montagem da chave estrela triângulo automática:

Contatores K1, K2 e K3Relé térmico RT Botoeira B0 e B1 Disjuntor D Temporizador YD KT1

Fig. 7.6: Material envolvido na montagem da chave de partida estrela triângulo

A título de exemplo é apresentada a seguir uma lista de matérias para uma chave estrela triângulo para um motor de 30HP/380V.

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC

Tab. 7.2: Lista de material para montagem da chave de partida estrela triângulo

DISJUNTOR TRIPOLAR 50 A

CONTATOR TRIPOLAR 18A BOBINA 380 V

BORNE 10 M PLACA SEPARAÇÃO

FITA DE AMARAÇÃO T 18 R

TERMINAL TUBOLAR 10,0 M TERMINAL TUBOLAR 6,0 M

REBITE FITA DE AMARAÇÃO T 50 R

CABO FLEXIVEL 10 M PRETO CABO FLEXIVEL 1,0 M VERMELHO PLAQUETA DE ACRILICO 50 X 20

CONTATOR TRIPOLAR 32 A BOBINA 380 V RELE TEMPORIZADOR Y-D 30 SEG

BOTAO DUPLO BLOCO DE CONTATO AUX PARA CONTATOR 1 NA + 1 NF

DISJUNTOR MONOPOLAR 5 A

TERMINAL TUBOLAR 1,0 m TERMINAL DUPLO TUBOLAR 1,0 m

PAINEL ESTRELA TRIANGULO 30 CV/380V

A figura 7.7 mostra a chave pronta.

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC

B0 e B1 Fig. 7.7: Aspecto visual da chave estrela triângulo montada

7.4.Inversão de rotação de motores trifásicos:

Nos motores trifásicos, para inverter a rotação basta inverter uma das fases. Assim fica bastante simples fazer essa operação. O esquema seguinte é de uma chave reversora trifásica:

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC

Fig. 7.8: Esquema de força e de comando para chave inversora de rotação com chave seletora

ligar após a ocorrência de alguma anormalidade

Observe o esquema da figura 7.8 e veja que se C1 estiver acionado, as fases RST chegam ao motor de uma maneira, se C2 estiver acionada as fases RST chegam ao motor com uma fase invertida em relação à situação anterior. A seleção é feita pela chave seletora 2 posições fixas CH. Na posição central o motor está desligado. Girando a chave para um dos lados o motor parte para a direita e girando para o outro lado o motor parte para a esquerda. O disjuntor de 5A no circuito de comando serve para proteger o comando. O disjuntor D protege o motor e seu valor vai depender da corrente nominal do motor. Note os intertravamentos: no circuito de C1 há um contato NF de C2 e no circuito de C2 há um contato NF de C1, com isso é impossível ligar os dois contatores ao mesmo tempo. A proteção contra sobrecarga é feita pelo relé térmico RT. Em caso de sobrecarga o relé térmico RT abre. Aqui deve-se observar uma nota muito importante: o relé térmico utilizado, se acionado não deve mais voltar a ligar sem intervenção do operador. Os relés térmicos da família JR18 da CCA possuem esse recurso (ver informativo referente a este assunto na área de downloads do site w.cca.ind.br), porém pode haver no mercado modelos que não permitem essa situação. Se o relé térmico se auto religar após cessada a sobrecarga, o motor parte direto sem intervenção do operador, o que representa um grave perigo. Jamais se deve permitir que uma máquina elétrica possa se auto Material envolvido na montagem da chave reversora

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC

Contatores C1 e C2Relé térmico Chave seletora 2 posições Disjuntor D Disjuntor DIN de 5A

Fig. 7.9: Material envolvido na montagem da chave reversora com chave seletora

Caso o relé térmico não possua a posição de permanência aberto após acionamento é necessário fazer uma alteração no circuito a fim de evitar que o motor se auto ligue após acionamento do relé térmico.

Fig. 7.10: Esquema de força e de comando para chave inversora com botões de retorno (push-button)

Este circuito é similar ao anterior, porém aqui foi introduzido um contator auxiliar C3. Observe agora que, quando o operador pressiona B0, C3 é energizado e o contato NA de C3 em série com ele mesmo fecha, de modo que quando B0 é solto, C3 mantém-se ligado via contato NA dele próprio. A seleção de sentido de rotação agora pode ser feito por uma chave seletora de 2 posições sem parada central, ou liga a esquerda ou a direita. Agora, para desligar o circuito, é necessário pressionar B1. Notar que agora, se o relé térmico atuar, ele abre o seu contato NF que corta a alimentação do contator C3 e isso desativa todo o circuito. Somente com a intervenção do operador, através de um novo pressionamento de B0, a chave pode ser religada.

Os materiais envolvidos na montagem da chave reversora com prevenção de auto partida são os mesmos mostrados para o primeiro modelo de chave e mais os botões B0 e B1. Os botões B0 e B1 podem ser qualquer um dos 3 modelos apresentados abaixo. Os de cor verde, preta e azul possuem um contato NA que quando pressionado fecha e logo após volta a posição de repouso que é posição aberta. Os de cor vermelha possuem um contato NF que quando pressionado abre e logo após volta a posição de repouso que é posição fechada.

Email/MSN: vendas.cca@cca.ind.br - Site: w.cca.ind.brSIBRATEC

(Parte 5 de 8)

Comentários