residuos solidos industriais

residuos solidos industriais

(Parte 1 de 6)

A experiência da A experiência da

Fiesp/Ciesp no Fiesp/Ciesp no gerenciamento de resíduos gerenciamento de resíduos sólidos industriais sólidos industriais

Departamento de meio ambiente e Departamento de meio ambiente e desenvolvimento sustentável - DMA desenvolvimento sustentável - DMA

VI - Semana de Meio Ambiente - Os caminhos da Indústria - Junho de 2004

Dados Dados

Gerais Gerais

Resíduos Classe I – Perigosos: apresentam características de toxicidade, corrosividade, reatividade, inflamabilidade, patogenicidade ou explosividade, apresentem significativo risco à saúde pública ou à qualidade ambiental.

Fonte: Política Nacional de Resíduos Sólidos - COEMA/CNI - 2003

Resíduos sólidos - Classificação

Resíduos Classe I – Não-perigosos:

a) Resíduos Classe I A – Inerte: não tiverem nenhum de seus constituintes solubilizados a concentrações superiores aos padrões de potabilidade de água, vigentes, excetuando-se os padrões de aspecto, cor, turbidez e sabor.

Resíduos Classe I B – Não-inerte: aqueles que não se enquadram nas classificações de resíduos Classe I – Perigosos ou de Resíduos Classe I A - Inertes, nos termos desta lei, podendo apresentar propriedades, tais como: biodegradabilidade, combustilidade ou solubilidade em água.

Fonte: MDIC - 1999, Câmara de Comércio Brasil-Alemanha e ABETRE, Análise setorial - Resíduos Industriais, Julho de 2002.

Valor desconheci do

Resíduos industriais - Geração

Estima-se a geração de 2,9 milhões de toneladas por ano de resíduos perigosos

Es ta d o

Classe IClasse IIClasse I To tal

* Envolve as Região Metropolitana de Curitiba e a cidade de Londrina **Baía da Guanabara, Paraíba do Sul, Baía de Sepetiba, Lagoa de Jacarepaguá e Oceânicas

***Região de Joinville

****Levantamento realizado em 1992 e atualizado para 1997

Fonte: Levantamento de dados ABETRE - 2002

Leg end a

Aterro Classe I Aterro Classe I

Inc iner adores Copr oc essamento

AL Aterros Classe I e I

Aterros Classe I

Estado de São Paulo

Incin era çã o

Locais de tratamento e disposiçãoLocais de tratamento e disposição final - final -

Resíduos industriais - Brasil Resíduos industriais - Brasil

Copr oc essamento Com postagem

ESSENCIS - Caieiras e Itab erab a

SILCON - Paulínia e Ma uá

Tecori

Su zaquim Apliq uim Silc on

Tra ta men to

Tra ta men tos

Custos para disposição de resíduos* Custos para disposição de resíduos*

Os custos para Tratamento de RESÍDUOS CLASSE I em Incineradores variam de R$ 1.0,0 a 2.0,0/Tonelada.

Os custos para o tratamento de RESÍDUOS CLASSE I, I e II em Fornos de

Cimento variam de R$ 150,0 A 60,0/Tonelada.

Os custos para disposição final de RESÍDUOS CLASSE I E II em Aterros

Industriais variam de R$ 60,0 a R$ 130,0/Tonelada.

* Os valores relativos aos custos com autorizações (CADRI) e transporte dos resíduos até o destino final não incluídos

Responsabilidade do gerador de resíduos Responsabilidade do gerador de resíduos industriais industriais

Completa Completa - na geração, passando pela - na geração, passando pela coleta, pelo armazenamento interno, pelo coleta, pelo armazenamento interno, pelo transporte externo, pelo tratamento transporte externo, pelo tratamento

(incluindo reciclagem, incineração, (incluindo reciclagem, incineração, coprocessamento etc.) e finalizando na coprocessamento etc.) e finalizando na disposição final. disposição final.

≈ 270.0 toneladas/dia ≈ 149.0 toneladas/dia

Estado de São Paulo 38.200 toneladas/dia * 18.200 toneladas/dia

(Parte 1 de 6)

Comentários