traumatismo do esôfago

traumatismo do esôfago

A lesão traumática do esôfago é normalmente decorrente de agressão por arma branca,arma de fogo,atingindo e perfurando o esôfago em sua porção cervical,torácica e abdominal.Sendo frequente a associação de lesões com orgãos vizinhos.

  • A lesão traumática do esôfago é normalmente decorrente de agressão por arma branca,arma de fogo,atingindo e perfurando o esôfago em sua porção cervical,torácica e abdominal.Sendo frequente a associação de lesões com orgãos vizinhos.

  • É mais rarade acontecer porém quando ocorre pode atingir o mediastino que quase sempre há comprometimento do coração e vasos da base.

Ocorre em pessoas com vômitos frequentes e constantes ou que ja tenham alguma patologia esofágica prévia, como: úlcera, esofagite, azia intensa dentre outras.

  • Ocorre em pessoas com vômitos frequentes e constantes ou que ja tenham alguma patologia esofágica prévia, como: úlcera, esofagite, azia intensa dentre outras.

Ocorridas durante dilatações endoscópicas, esôfago com patologia existente ou para retirada de corpos estranhos.

  • Ocorridas durante dilatações endoscópicas, esôfago com patologia existente ou para retirada de corpos estranhos.

Tanto proposital como acidental ocorre queimadura química, necrose tecidual e perfuração tardia.

  • Tanto proposital como acidental ocorre queimadura química, necrose tecidual e perfuração tardia.

A evolução clínica da lesão esofágica e as complicações decorrentes dela dependem do segmento de esôfago lesado, do tempo decorrido do traumatismo, do diagnóstico e da abordagem terapeutica. O conteúdo esofágico constitui de saliva, detrito alimentar e líquido gaseificado, sendo altamente contaminado.

  • A evolução clínica da lesão esofágica e as complicações decorrentes dela dependem do segmento de esôfago lesado, do tempo decorrido do traumatismo, do diagnóstico e da abordagem terapeutica. O conteúdo esofágico constitui de saliva, detrito alimentar e líquido gaseificado, sendo altamente contaminado.

Quando perfurado ocorre estravasamento do conteúdo esofágico para os tecidos vizinhos, ocorrendo rápida proliferação bacteriana disseminando se para o mediastino atraves dos espaços anatômicos, causando mediastinite.

  • Quando perfurado ocorre estravasamento do conteúdo esofágico para os tecidos vizinhos, ocorrendo rápida proliferação bacteriana disseminando se para o mediastino atraves dos espaços anatômicos, causando mediastinite.

O conteúdo é aspirado para o mediastino devido a pressão intratorácica a repercussão é rápida e grave ocorrendo em 12 a24 horas.

  • O conteúdo é aspirado para o mediastino devido a pressão intratorácica a repercussão é rápida e grave ocorrendo em 12 a24 horas.

  • Sintomas: hipertermia, dispnéia,taquicardia, desidratação, bacteremia, choque séptico.

Esvaziamento do seu conteúdo, associado a refluxo de secreção gástrica para a cavidade abdominal causando irritação e contaminação peritoneal.

  • Esvaziamento do seu conteúdo, associado a refluxo de secreção gástrica para a cavidade abdominal causando irritação e contaminação peritoneal.

É importante confirmar precocimente a presença da perfuração esofágica ou a sua ausência.

  • É importante confirmar precocimente a presença da perfuração esofágica ou a sua ausência.

Associa-se á presença de um ferimento penetrante na região cervical, causando dor no local ou durante a deglutição, salivação através do orifício.

  • Associa-se á presença de um ferimento penetrante na região cervical, causando dor no local ou durante a deglutição, salivação através do orifício.

Devido a contaminação mediastinal as manifestações clínicas são mais evidentes, principalmente após algumas horas de evolução. Ex: vômitos alimentares, disfagia, dor retroesternal e dispnéia.

  • Devido a contaminação mediastinal as manifestações clínicas são mais evidentes, principalmente após algumas horas de evolução. Ex: vômitos alimentares, disfagia, dor retroesternal e dispnéia.

É a irritação da cavidade pelo o conteúdo esofágico extravasadoe evidente ao exame físico.

  • É a irritação da cavidade pelo o conteúdo esofágico extravasadoe evidente ao exame físico.

Radiografia:Simples da região cervical, em duas incidências e radiografiaaa simples do toráx poderam evidenciar sinais radiologicos indiretos que induzem a suspeita da lesão esofágica, como a presença de enfisema subcutâneo cervical e retrofaringeo.

  • Radiografia:Simples da região cervical, em duas incidências e radiografiaaa simples do toráx poderam evidenciar sinais radiologicos indiretos que induzem a suspeita da lesão esofágica, como a presença de enfisema subcutâneo cervical e retrofaringeo.

  • Endoscopia: Com aparelho rígido, sob anestesia geral, poderá mostrar lesões.

sangramento ou hematoma no local provável da perfuração ou o orificio da própria lesão.

  • sangramento ou hematoma no local provável da perfuração ou o orificio da própria lesão.

  • Radiológico simples do toráx: Incidência ântero-posterio, evidenciara uma serie de sinais decorrentes da passagem de ar atraves da lesão esofágica.

  • Broncoscopia: Útil para diagnóstico de lesão esofágica.

Perfuração do esôfago torácico com presença de mediastinite torna muito controversa a conduta tomada, constituindo um desafio para o cirurgião aliada a técnica cirúrgica, será importante a utilização precoce de medidas de suporte nutricional, antibiótico, terapia e cuidados pós-operatórios em unidade de terapia intensiva.

  • Perfuração do esôfago torácico com presença de mediastinite torna muito controversa a conduta tomada, constituindo um desafio para o cirurgião aliada a técnica cirúrgica, será importante a utilização precoce de medidas de suporte nutricional, antibiótico, terapia e cuidados pós-operatórios em unidade de terapia intensiva.

O diagnóstico precoce permite indicar o tratamento cirurgico imediato da lesão esofágica.

  • O diagnóstico precoce permite indicar o tratamento cirurgico imediato da lesão esofágica.

  • Tratamento da lesão esofágica cérvica: consiste na exploração cirurgic através de uma cervicotomia obliquia esquerda sobre a borda anterior do músculo esternocleidomastoídeo.

Tratamento da lesão esofágica torácica diagnosticada em tempo hábil deverá ser realizado através da abordagem cirúrgica direta da lesão com exposição debridamento e sutura primária.

  • Tratamento da lesão esofágica torácica diagnosticada em tempo hábil deverá ser realizado através da abordagem cirúrgica direta da lesão com exposição debridamento e sutura primária.

PIRES, M. T. B.; STARLING, S. V. Manual de urgência em pronto socorro. 7. ed. Ed. Medsi, 2002.

  • PIRES, M. T. B.; STARLING, S. V. Manual de urgência em pronto socorro. 7. ed. Ed. Medsi, 2002.

Comentários