Princípios Gerais em Farmacologia

Princípios Gerais em Farmacologia

(Parte 1 de 5)

Farmacologia Princípios Gerais

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Para mais acesse: awmonteiro.blogspot.com

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais awmonteiro.blogspot.com

Conceituação:

farmakos= droga, medicamento; logos= estudo (origem grega)

Estuda a forma que a função dos sistemas biológicos é afetada pela ação de agentes químicos (drogas).

Ações desempenhadas pelos farmacologistas:

fazer a prospecção de drogas com uma determinada atividade; determinar o modo de ação de drogas, e

medir a atividade de determinada droga.

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais awmonteiro.blogspot.com

Terminologia:

Droga: composto biologicamente ativo, utilizado no diagnóstico, cura, alívio ou prevenção de doenças.

Toxicologia: estuda os efeitos maléficos de substâncias biologicamente ativas, utilizando para isso os mesmos princípios da farmacologia.

Farmacodinâmica: estuda o mecanismo de ação das drogas.

Farmacocinética: estuda os mecanismos de absorção, distribuição, metabolização e excreção das drogas pelo organismo.

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais awmonteiro.blogspot.com

Terminologia:

Farmacoterapêutica: emprego de drogas no tratamento de doenças com o objetivo de alterar os sintomas e sinais, para substituir substâncias presentes em quantidades insuficientes ou ausentes, e destruir parasitas.

Farmacoepidemiologia: estuda os efeitos benéficos e adversos de uma droga em uma população.

Farmacoeconomia: estuda o custo de produção do medicamento, levando em conta a doença envolvida, a pesquisa, a manufatura e a comercialização da droga.

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais

awmonteiro.blogspot.com

Desenvolvimento histórico:

Até o séc. XIX relutava-se em unir a terapêutica qualquer princípio científico (empirismo puro). Tratamentos a base de ervas e misturas.

ex.: mistura de vermes, estrume, urina e musgos do crânio de um morto. Robert Boyle (Uma coleção de remédios de escolha, 1692)

No séc. XIX Virchow afirmou que a terapêutica aplicada por médicos e clínicos era totalmente empírica, mas que quando estivesse associada à fisiologia poderia ser considerada ciência.

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais

awmonteiro.blogspot.com

Desenvolvimento histórico: Empirismo Terapêutico:

Homeopatia (Samuel Hahnemann). princípios: semelhantes curam-se pelos semelhantes; e a atividade pode ser potencializada pela diluição.

ex.: diluição de 1:1060 1 molécula para uma esfera do tamanho da órbita de Netuno.

Alopatia (James Gregory). utilização de sangrias, eméticos e purgativos até que os sintomas principais fossem suprimidos. Tais tratamentos freqüentemente levavam os pacientes à morte.

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais

awmonteiro.blogspot.com

Desenvolvimento histórico: Fisiológico:

(1809) François Magendie descreve a ação convulsivante da estricnina

(1842) Claude Bernard descreve a ação paralisante do curare na junção neuromuscular

Farmacológico:

(1847) Rudolph Buchheim ocupa a 1ª cadeira universitária de Farmacologia na Estônia

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais

awmonteiro.blogspot.com

Desenvolvimento histórico:

Farmacológico:

Oswald Schmiedeberg

(1869) demonstra que a aplicaçao de muscarina no coração tem o mesmo efeito da estimulação elétrica no nervo vago. Sucede Buchheim.

(1872) Funda o Instituto de Farmacologia de Strasburg. Estuda a farmacologia do clorofórmio.

(1885) introduz a uretana como hipnótico.

considerado o pai da farmacologia moderna, foi o responsável pela hegemonia alemã na indústria farmacêutica até a 2ª guerra mundial.

Prof. André Walsh-Monteiro, M.Sc. Farmacologia –Princípios Gerais awmonteiro.blogspot.com

Desenvolvimento histórico:

(Parte 1 de 5)

Comentários