trabalho sobre uso de plantas medicinais

trabalho sobre uso de plantas medicinais

(Parte 1 de 2)

AUGUSTO JOSÉ DA SILVA ALBUQUERQUE CAVALCANTE

FERNANDO MEDEIROS ANSELMO

GLAUCO SCHMITT

AVALIAÇÃO DO USO DE FITOTERÁPICOS POR PACIENTES ASSISTIDOS EM POSTOS DE SAÚDE DE TUBARÃO - SC

Tubarão

2008

AUGUSTO JOSÉ DA SILVA ALBUQUERQUE CAVALCANTE

FERNANDO MEDEIROS ANSELMO

GLAUCO SCHMITT

AVALIAÇÃO DO USO DE FITOTERÁPICOS POR PACIENTES ASSISTIDOS EM POSTOS DE SAÚDE DE TUBARÃO - SC

Universidade do Sul de Santa Catarina.

Orientador: Rodrigo Rebelo Peters

Tubarão

2008

SUMÁRIO

lista de Nomes comerciais e fórmulas ...

lista de chás e suas formulações ...

1introdução 09

1.1 Justificativa 10

2OBJETIVOS 11

3MATERIAL E MÉTODOS 12

3.1 Tipo de estudo12

3.2 População de estudo 12

3.3 Critérios de inclusão............. 12

3.4 Critérios de exclusão 12

3.5 Método de coleta de dados 12

3.6 Variáveis....................... 13

3.7 Aspectos éticos ....................... 13

3.8 Métodos de processamento e análise de dados....................... 14

4Resultados 15

5conclusão24

6 referências bibliográficas25

aPENDICE 1 – QUESTIONÁRIO 27

LISTA DE NOMES COMERCIAIS E FÓRMULAS

  1. Abrilar® => Hedera helix.

  2. Acheflan® => Cordia verbenacea.

  3. Ad-muc® => Chamomilla recutita.

  4. Água de Melissa => Melissa officinalis

  5. Água Inglesa => Cinchona calisaya, Matricaria recutita, Artemisea absinthium, Jatrorrhiza palmata, Baccharis triaera, Centaurium erythraea, Cinnamomum cássia.

  6. Alcachofra Composta => Cynara scolymus, Peumus boldus.

  7. Alcoolato de Camomila Camposta Catarinense® => Anthemis nobilis, Gentiana lutea, Picrasma excelsa, Rheum palmatum, Marsdenia cundurango, Centaurium erythraea, Artemisia absinthium, Aloe ferox, Papaver somniferum, Pimpinela anisum, Melissa officinalis, Mentha piperita.

  8. Atepes® => Cimifuga racemosa.

  9. Bálsamo Branco® => Lavandula angustifólia, Cinnamomum zeylanicum, Carum carvi, Caryophyllus aromaticus, Foeniculum vulgare, Citrus limon, Melissa officinalis.

  10. Berinjela => Solanum melongena.

  11. Calmapax® => Matricaria camomila, Passiflora incarnata, Erythrina mulungu.

  12. Castanha da Índia => Aesculus hippocastanum.

  13. Elixir Paregórico® => Papaver somniferum.

  14. Emplastro Sabiá® => Capsicum annuum.

  15. Eparema® => Peumus boldus, Rhamnus purshiana, Rheum palmatum.

  16. Figatil® => Cynara scolymus, Peumus boldus, Fel tauri inspissatum.

  17. Galenogal® => Salix alba.

  18. Gamaline V® => Borago officinalis.

  19. Garra do diabo => Harpaphytum procumbens.

  20. Ginkgo biloba => Ginkgo biloba.

  21. Ginseng => Panax ginseng

  22. Gotas preciosas® => Gentiana lutea, Rheum palmatum, Aloe ferox, Cynara scolymus, Atropa belladona, Peumus boldus, Baccharis trimera.

  23. Guacoflus® = Mikania glomerata.

  24. Guaraná => Paulínia cupana.

  25. Hepatozan® => Cynara scolymus.

  26. Hipérico => Hypericum perforatum

  27. Isoflavona® => Glycine max

  28. Kava-Kava => Piper methysticum.

  29. Maracugina® => Passiflora alata, Erythrina mulungu, Crataegus oxyacantha.

  30. Mel rosado => extrato de rosas rubras em mel.

  31. Melagrião® => Aconitum napellus, Nasturtum officinale, Myroxylon balsamum, Mikania glomerata, Cephaelis ipecacuanha, Polygala senega. .

  32. Metamucil® => Plantago ovata Forsk

  33. Naturetti® => Senna alexandrina, Cassia fistula, Tamarindus indica, Coriandrum sativum, Glycyrrhiza glabra.

  34. Nerviton® => Anemopaegma mirandum, Cola nitida, Passiflora alata, Paullinia cupana, Ptychopetalum olacoides, Cloridrato de Tiamina.

  35. Óleo de rícino => Ricinus communis.

  36. Olina® => Angelica archangelica, Alpina officinarum, Commiphora myrrha, Rheum palmatum, Gentiana lutea, Aloe ferox, Cinnamomum zeylanicum.

  37. Pilogênio® => Pilocarpus pinnatifolis.

  38. Plantaben® => Plantago ovata.

  39. Porangaba => Cordia salicifolia.

  40. Serenus® => Passiflora alata, Crataegus oxyacantha, Adonis vernalis.

  41. Tamarine® => Cassia angustifolia, Tamarindus indica, Cassia fistula, Coriandrum sativum, Glycyrrhiza glabra.

  42. Tintura de arnica => Arnica Montana.

  43. Umckan® => Pelargonium sidoides.

  44. Valeriana => Valeriana officinalis.

  45. Verilax® => Rhamus purshiana..

LISTA DE CHÁS E SUAS FORMULAÇÕES

  1. Alcachofra => Cynara scolymus.

  2. Alho => Allium sativum

  3. Araçá => Psidium albidum

  4. Boldo => Peumus boldus.

  5. Bugre => Casearia silvestris.

  6. Calêndula => Calendula officinalis.

  7. Capim cidreira => Cymcopogon citratus.

  8. Camomila => Matricaria recutita

  9. Carqueja => Baccharis genistelloides

  10. Cáscara Sagrada => Rhamnus purshiana

  11. Cavalinha => Equisetum arvense

  12. Chapéu de couro => Echinodorus macrophylus.

  13. Cipó Mil-homens => Aristolochia cymbifera

  14. Endro => Abethum graveolens

  15. Erva-doce => Pimpinella anisum

  16. Espinheira santa => Maytenus ilicifolia

  17. Eucalipto => Eucalyptus globulus.

  18. Funcho => Foeniculum vulgare

  19. Goiaba => Psidium Guayaba.

  20. Guaco => Mikania glomerata

  21. Hortelã => Mentha piperita

  22. Laranja => Citrus aurantium

  23. Lima => Citrus sinensis

  24. Louro => Laurus nobilis

  25. Malva => Malva sylvestris

  26. Melissa => Melissa officinalis

  27. Pata de vaca => Bauhinia forticata

  28. Poejo => Cunila microcephala

  29. Porangaba => Cordia salicifolia

  30. Preto => Camelia sinensis

  31. Quebra-pedra => Phyllanthus niruri

  32. Rescue® => Prunus cerasifera, Clematis vitalba, Impatiens glandulifera, Helianthemum nummularium, Ornithogalum umbellatum.

  33. Sangue de dragão => Cróton lechleri.

  34. Sene => Cassia angustifolia

  35. Sete Sangrias => Cuphea balsamona

  36. Verde => Camelia sinensis.

1 INTRODUÇÃO

De acordo com o Ministério da Saúde, medicamento fitoterápico é aquele medicamento obtido empregando-se exclusivamente matérias-primas ativas vegetais. É caracterizado pelo conhecimento da eficácia e dos riscos de seu uso, assim como pela reprodutibilidade e constância de sua qualidade. Sua eficácia e segurança é validada através de levantamentos etnofarmacológicos de utilização, documentações tecnocientíficas em publicações ou ensaios clínicos fase 3. Não se considera medicamento fitoterápico aquele que, na sua composição, inclua substâncias ativas isoladas, de qualquer origem, nem as associações destas com extratos vegetais.1  

Segundo relata Roberto Adrianete,2 em seu artigo na Revista Brasileira de Psiquiatria, houve um aumento na comercialização de fitoterápicos para os transtornos mentais. Ballone GJ3 relata o uso de Hypericum perforatum como antidepressivo leve-moderado e Valeriana officinalis como ansiolítico e indutor do sono.

Ronald Brenner4, professor de Psiquiatria do Clinical Psyquiatry State of New York, relata estudo multicêntrico na Alemanha (realizado por Vorback E. U. et al) comparando imipramina com extrato de Hipérico mostrando que este tem uma eficácia similar e menos efeitos colaterais. Outro estudo "Comparison of Hypericum perforatum L. Extract LI 160 (St. John's Wort) and sertraline in the treatment of depression" mostrou que não há diferença entre o tratamento com 75mg de sertralina e o LI160 com 900mg de extrato de Hipérico.4

Calixto5 refere que para se registrar um medicamento fitoterápico no Brasil tem que haver um estudo de eficácia clínica, toxicologia, controle de qualidade e estabilidade e que, na pratica usual brasileira, usa-se quase sempre ervas frescas moídas com pouco ou nenhum estudo científico sem controle de qualidade adequado do produto não chegando este a ser um medicamento fitoterápico.

Estudos mostram que Valeriana officinalis tem propriedades sedativas comprovadas em ensaios clínicos controlados com placebo6,7 e também que a camomila, Matricaria recutita, e o maracujá, Passiflora incarnata, estão entre os produtos naturais considerados sedativos7.

1.1 Justificativa

Com o exposto anteriormente, este trabalho justifica-se pela importância de se saber o conhecimento da população sobre o assunto e, com isso, poder agir no futuro para uma melhor abordagem ao paciente que não conhece os fitoterápicos e verificar o real conhecimento da população acerca dessa classe medicamentosa.

2 OBJETIVOS

2.1 Geral

Caracterizar o perfil de utilização de medicamentos fitoterápicos em postos de saúde de Tubarão - SC.

    1. Específicos

  • Saber para quais sintomas ou doenças as pessoas utilizam medicamentos fitoterápicos em Tubarão - SC;

  • Conhecer quais são os fitoterápicos usados.

  • Avaliar a satisfação com o tratamento fitoterápico.

3 MATERIAL E MÉTODOS

3.1 Tipo de estudo

Foi realizado um estudo observacional com delineamento transversal.

3.2 População de estudo

Foram entrevistados indivíduos que utilizam os serviços disponibilizados pelos postos de saúde de Tubarão – SC.

    1. Critérios de inclusão

Todas as pessoas que assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido, com idade mínima de 18 anos.

3.4 Critérios de exclusão

Foram excluídas todas as pessoas que não quiseram participar do trabalho, assim como aquelas que preencheram erradamente o questionário.

3.5 Método de coleta de dados

A coleta de dados ocorreu com a aplicação de um questionário com perguntas abertas e fechadas (apêndice 1) aos pacientes que esperaram na fila do posto de saúde por algum tipo de atendimento, sem horário específico. Aqueles pacientes que responderam apenas chás entre os medicamentos fitoterápicos foram considerados como se não soubessem o que seja um fitoterápico, porém, daqueles que agruparam chás e fitoterápicos na mesma resposta foram considerados como conhecedores da classe fitoterápica, apesar da não inclusão dos chás nesta classe e, devido a isso, foi realizado uma tabela a parte para os chás.

    1. Variáveis

Foram avaliadas variáveis como: gênero, idade, conhecimento acerca do medicamento fitoterápico, utilização de tal medicamento, tipo e sua forma de apresentação, qual sintoma ou doença o fez utilizar o medicamento, quem o indicou, e resultados mediante o uso, o motivo da não utilização, se utilizaria caso fosse prescrito por um médico e conhecimento sobre disponibilização dessa classe no SUS.

Na confecção do questionário foi esquecido o item idade e foi, então, preenchida a idade do paciente no canto superior a direita acima da primeira pergunta.

    1. Aspectos éticos

Foi solicitado para que cada participante do trabalho preenchesse o termo de consentimento livre e esclarecido e os mesmos foram orientados que o trabalho respeitará os direitos humanos fundamentais sobre a confidencialidade da identidade e que o projeto somente irá valorizar as informações colhidas.

O projeto foi submetido à avaliação do Comitê de Ética em Pesquisa da Unisul – CEP, o qual segue as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos, propostas pela Resolução do Conselho Nacional de Saúde n 196/1996, sendo aprovado sob o número: 07.430.4.01.III

    1. Métodos de processamento e análise de dados

Os dados serão armazenados e analisados, utilizando os programas Microsoft Excel 2003 e Epi Info 6.04. As variáveis quantitativas serão avaliadas por medidas de tendência central (média, moda e mediana) e dispersão (desvio-padrão), as variáveis categóricas apresentadas em percentuais simples. As diferenças dos desfechos serão aferidas pelo método do Qui-quadrado. Fixou-se valor de p menor que 0,05 como significantes e intervalo de confiança de 95% para as diferenças e associações.

  1. RESULTADOS

(Parte 1 de 2)

Comentários