(Parte 1 de 5)

Programa de Formação Técnica Continuada

Seletividadee Continuidade de Serviço

1.1 Tensão nominal1
1.2 Corrente nominal1
1.3Tamanho nominal da estrutura1
sobrecarga1
curto-circuito1
1.6 Característica de seccionamento2
circuito2
1.8Tensão de isolação nominal2
1.9Tensão nominal admissível de impulso2
de curta duração2
1.11Capacidade de estabelecimento nominal3
1.12Limitação da corrente de falta3
1.13 Seleção de um disjuntor3
sistemas de distribuição3
retardo curto4
estabelecimento4
3. Continuidade e seletividade6
3.1 Introdução6
3.2 Arranjo dos circuitos6
BT6
energia7
4.1A continuidade do fornecimento de energia7

Índice

disjuntor1
uma fonte7
4.4 A subdivisão dos circuitos8
4.5Escolha de um sistema de aterramento8
ou fusíveis9
5. Seletividade9
5.1Os quatro tipos de seletividade9
6.1O disjuntor a jusante não é limitador10
6.2O disjuntor a jusante é limitador10
curto1 1
8. Seletividade Lógica1
exploração da energia do arco12
9.1 Princípio de operação12
9.2 Princípio da seletividade12

1. Características Fundamentais De um Disjuntor

É a tensão para a qual o disjuntor foi projetado para operar em condições normais (sem perturbações).

São também estipulados outros valores de tensão correspondentes a condições transitórias.

É a máxima corrente que o disjuntor (com um relé disparador de sobrecorrente) pode conduzir indefinidamente, a uma temperatura ambiente especificada pelo fabricante, sem superar os valores limites de temperatura das partes condutoras.

Exemplo:

Um disjuntor com uma corrente nominal In = 125 A para uma temperatura ambiente de 40°C possuirá um relé disparador de sobrecorrente adequadamente calibrado (para a corrente de 125 A).

Esse mesmo disjuntor pode ser usado em temperaturas ambientes mais altas se forem utilizados fatores de correção (reclassificado).

Assim, o disjuntor para uma temperatura ambiente de 50°C pode conduzir indefinidamente somente 117A ou 109A a 60°C conservando o limite especificado de temperatura.

"Reclassificar" o disjuntor implica em reduzir a corrente de ajuste do relé de sobrecorrente e remarcar o disjuntor. O uso de uma unidade de disparo do tipo eletrônico, projetado para suportar altas temperaturas, permite operar os disjuntores (reclassificados como descrito acima) a temperaturas ambientes de 60°C ou mesmo 70°C.

Nota: A corrente In para os disjuntores (na IEC - 947- 2) é igual a Iu para equipamentos de manobra de um modo geral onde Iu é a corrente nominal permanente (não interrompida).

A um disjuntor que pode ser equipado com unidades de disparo por sobrecorrente de diferentes faixas de níveis de ajuste é atribuída uma estrutura nominal que corresponde àquela da unidade de disparo para o maior nível de corrente de disparo que pode conter.

Ao contrário dos disjuntores pequenos que são facilmente substituídos, os disjuntores industriais são equipados com relés removíveis com disparo por sobrecorrente.

Mais ainda, de modo a adaptar um disjuntor aos requisitos do circuito controlado por ele, e para evitar a necessidade de instalar cabos superdimensionados, os relés de disparo são geralmente ajustáveis.

A corrente ajustada de disparo Ir ou Irth (ambas designações são de uso comum) é a corrente acima da qual o disjuntor irá disparar. Ela representa também a maior corrente que o disjuntor pode conduzir sem disparar.

Este valor precisa ser maior que a máxima corrente de carga IB, mas menor que a máxima corrente permitida no circuito.

Os relés de disparo térmico são geralmente ajustáveis de 0,7 a 1,0 vezes In, mas quando são usados dispositivos eletrônicos para esse serviço a faixa de ajustes é maior; tipicamente 0,4 a 1,0 vezes In.

overload trip current setting to suit the circuit Ir adjustment range rated current of the tripping unit to suit the circumstances In0.7 In circuit-breaker frame-size rating

224 A288 A320 A400 AI

Exemplo (fig. 1): Um disjuntor equipado com um relé de sobrecarga de 320A ajustado para 0,9, terá uma corrente de disparo ajustada de: Ir = 320 x 0,9 = 288A

Nota: Para os disjuntores equipados com relés com disparo por sobrecorrente não ajustáveis, Ir = In.

Os relés de disparo por curto-circuito (instantâneos ou levemente retardados) são destinados a disparar rapidamente o disjuntor quando ocorrerem valores elevados de correntes de falta.

O limiar de disparo Im é:

disjuntores tipo doméstico
industrial de acordo com as normas

n fixado pelas normas como a IEC 898 para n indicado pelo fabricante para disjuntores do tipo correspondentes, principalmente a IEC 947-2.

Um disjuntor é adequado para isolar ou seccionar um circuito se ele preencher as condições prescritas para um seccionador (na sua tensão nomunal) na norma correspondente. Ele deve suportar na posição aberta as tensões e sobretensões de baixa ou de alta freqüência que possam surgir.

Todos equipamentos de manobra Multi 9, Compact NS e Masterpact LV da M-G estão nessa categoria.

É o maior valor eficaz (prospectivo) da corrente simétrica que o disjuntor é capaz de interromper sem ser danificado.

A verificação é feita em um ciclo 0 - 3min - CO

Se o ciclo de religamento for 0-3 min - CO-3 min - CO a capacidade de interrupção será designada por Ics (corrente de interrupção em serviço) e poderá ser de 25%, 50%, 75% ou 100% de Icu.

Após os ensaios de interrupção os disjuntores são submetidos a outros ensaios para assegurar se:

- a suportabilidade dielétrica - o comportamento como seccionador (função secionador ou de isolação) - a operação correta em proteção contra sobrecarga não foram prejudicadas.

É o valor de tensão ao qual são referidas a tensão de ensaios dielétricos (geralmente maior que 2 x Ui) e a distância de escoamento.

O valor máximo da tensão nominal não pode nunca exceder a tensão nominal de isolação, isto é, Ue < Ui.

Esta característica expressa em valores de crista (kV - dada sua forma e polaridade) o valor de tensão que o equipo é capaz de suportar sem falha, sob condições de teste (ensaio). São aplicados normalmente 15 impulsos de ambas polaridades e permitidas no máximo duas descargas disruptivas externas para a massa do disjuntor.

Para os últimos disjuntores existe uma variedade ampla de dispositivos de disparo que permitem ao usuário adaptar o comportamento protetor do disjuntor aos requisitos particulares da carga.

Tab.2:faixa de ajuste da corrente de disparo de dispositivos de proteção para disjuntores BT.

(1) 50 In na IEC898, que é considerado um valor não realista pela grande maioria dos fabricantes europeus (MG= 10 a 14 In)

(2) Para uso industrial, as normas IEC não especificam valores.

Os valores acima aplicados são de uso comum.

Imt (s) Ir PdC

Fig.3: curva típica de um disjFig.4: curva de
termo-magnético comportamento de um
disjuntor com esquema
de proteção eletrônica

Onde: Ir = Corrente ajustável de disparo por sobrecarga (térmica ou retardo curto) Im = Ajuste da corrente de disparo por curto-circuito (magnético ou retardo longo) I = Corrente ajustável de curto-circuito instantâneo Pdc = Capacidade de interrupção.

Outras normas pedem 5 aplicações e outras ainda 3 aplicações e se houver (em ambos os casos 1 falha da isolação externa para terra) deverão ser aplicados outros 5 (ou 3) impulsos durante os quais não pode haver mais nenhuma descarga em nenhuma parte do disjuntor.

Na posição aberta não pode haver descarga entre os contatos, mas só para a terra (massa) no lado em que for aplicado o impulso. Este último ensaio assegura a coordenação entre as distâncias para terra (massa) e entre contatos entrada/saída na posição aberta.

1.10Categorias A e B e corrente suportável nominal de curta duração (Icw)

A IEC 947-2 considera duas categorias de disjuntor:

n Categoria A, para a qual os disjuntores não podem ter seu disparo retardado e são geralmente do tipo caixa moldada (fig.5).

Figs 5 e 6-Disjuntores categoria A e B (respectivamente) n Categoria B, para a qual, de modo a se poder discriminar de outros disjuntores e, com base no tempo, é possível atrasar o disparo do disjuntor onde o nível de corrente de falta é menor que a corrente de curta duração I(cw) (fig.6).

Isto geralmente se aplica a disjuntores grandes do tipo aberto e a certos tipos de disjuntores de caixa moldada. Icw é a máxima corrente que o disjuntor categoria B pode suportar térmica e eletrodinamicamente, sem dano permanente, por um período de tempo dado pelo fabricante, geralmente 1s (outros valores também usados: 3s, 4s, 5s)

(Parte 1 de 5)

Comentários