ND10 Versão 3 Revisada - Elektro

ND10 Versão 3 Revisada - Elektro

(Parte 6 de 10)

7.2.7. Na extremidade superior do eletroduto deve ser instalado cabeçote ou curva de 135º, no mínimo, de forma a permitir que se faça a “pingadeira”. A curva ou cabeçote deve ser de fácil acesso ao empregado da ELEKTRO.

7.2.8. Alternativamente, podem ser utilizadas bengalas de mesmo material que os eletrodutos, com curvatura mínima de 135º.

7.2.9. Não é permitida a instalação de eletroduto no interior do poste de aço.

7.2.10. Os eletrodutos devem ter espessuras de parede e diâmetros externos conforme indicado na tabela 18.

8. PROTEÇÃO E SECCIONAMENTO

8.1. Condições Gerais

8.1.1. A proteção geral deve ser localizada após a medição, ser executada pelo consumidor de acordo com o que estabelece esta Norma e dimensionada conforme as tabelas 1 ou 2.

8.1.2. O condutor neutro não deve conter nenhum dispositivo de proteção capaz de causar sua interrupção assegurando assim, a sua continuidade.

8.1.3. Devem ser previstos dispositivos de proteção contra quedas de tensão ou falta de fase em equipamentos que pelas suas características possam ser danificados devido a essas ocorrências.

8.2. Dispositivos de Proteção e Seccionamento

8.2.1. Devem ser utilizados para proteção geral da entrada consumidora, preferencialmente, disjuntores termomagnéticos unipolares, bipolares ou tripolares, sendo também permitida a utilização de chaves seccionadoras com fusíveis tipo NH;

31Versão 03 – Maio/2004

ND.10

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais - NORMA

8.2.2. Quando utilizados disjuntores termomagnéticos unipolares, os mesmos não devem possuir intertravamento.

8.2.3. A proteção geral deve ser feita com um único tipo de dispositivo de proteção.

8.2.4. Nos casos de medição indireta. o consumidor deve instalar as chaves com as características abaixo e conforme mostrado nos desenhos 15 e 16. a) Chave seccionadora sem dispositivo de proteção, instalada antes dos transformadores de corrente, com classe de tensão mínima de 250 V (para tensões de fornecimento de 127/220 V) ou de tensão mínima de 500 V (para tensões de fornecimento de 220/380 V) e de acordo com a NBR-5355. Esse dispositivo não deve ser operado com carga, exceto quando utilizada chave seccionadora com abertura sob carga. b) Chave seccionadora com abertura sob carga com dispositivo de proteção ou disjuntor, instalada após a medição, com classe de tensão mínima de 250 V (para tensões de fornecimento de 127/220 V), ou classe de tensão mínima de 500 V (para tensões de fornecimento 220/380 V) e de acordo com a NBR-5355 (Chave Seccionadora) ou NBR-5361 (Disjuntores de Baixa Tensão).

9. MEDIÇÃO

9.1. Localização

9.1.1. A medição deve ser instalada dentro da propriedade do consumidor, preferencialmente no limite desta com a via pública. A caixa de medição deve ser instalada no muro divisório ou na parede externa da própria edificação, em varandas, ou no poste particular. As localizações preferenciais da caixa de medição estão indicadas no desenho 4.

9.1.2. Recomenda-se a instalação da caixa de medição com leitura voltada para calçada, quando se tratar de edificações no alinhamento da via pública.

9.1.3. A medição não deve ficar afastada mais de 1,0 m do limite do terreno com a via pública.

32Versão 03 – Maio/2004

ND.10

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais - NORMA

9.1.4. Deve ser instalada em local de fácil acesso para leitura por parte dos empregados da ELEKTRO. Para edificações com características industriais ou comerciais em que houver dificuldade na observância desta distância, o interessado deve apresentar um croqui para análise da área técnica competente da ELEKTRO.

9.1.5. Não serão aceitas caixas de medição instaladas nos seguintes locais: copas, cozinhas, dependências sanitárias, interior de vitrines, área entre prateleiras ou pavimento superior de qualquer edificação. Não serão aceitos ,também, locais com má iluminação e sem condições de segurança, tais como proximidades de máquinas, bombas, tanques ou reservatórios, escadarias, locais sujeitos a gases corrosivos e/ou explosivos, inundações e trepidações excessivas.

9.1.6. A caixa de medição direta deve ser instalada de maneira que sua face superior fique a uma altura compreendida entre 1,40 e 1,60 m em relação ao piso acabado, e para medição indireta 1,60 e 1,80 m.

9.2. Medição para Dois Consumidores no Mesmo Terreno

Sistema de medição destinado a atender dois consumidores monofásicos e/ou bifásicos localizados no mesmo terreno. Os ramais de entrada dos consumidores serão independentes (um circuito para cada consumidor), dimensionados conforme as tabelas 1 ou 2, e serão instalados num único eletroduto dimensionado conforme tabela 20. Para montagem do padrão da entrada ver desenho 14. Não é permitida a instalação de 2 (dois) postes num mesmo terreno.

9.3. Medição na Divisa de Duas Propriedades

É permitida a ligação de dois consumidores através de um único ramal de ligação encabeçado em um único poste, desde que o poste fique situado na divisa das duas propriedades e que as medições sejam monofásicas e/ou bifásicas. Para montagem do padrão de entrada, ver desenho 13.

9.4. Medição Direta

Para instalações com corrente de demanda até 100 A, a medição será direta. Para montagem do padrão de entrada, ver desenhos de 5 a 14.

3Versão 03 – Maio/2004

ND.10

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais - NORMA

Para instalações com corrente de demanda superior a 100 A a medição será indireta. Neste caso, deve ser apresentada a ART do responsável técnico pela execução do padrão de entrada. Para montagem do padrão de entrada, ver desenhos 15 e 16.

10. ATERRAMENTO

10.1. Condições Gerais

10.1.1. A entrada consumidora deve possuir um ponto de aterramento onde serão interligados o condutor neutro do ramal de entrada e os aterramentos da caixa de medição metálica e poste de aço, conforme desenho 19;

10.1.2. O condutor de proteção destinado ao aterramento de massa da instalação interna do consumidor - PE (NBR-5410) pode ser interligado a haste de aterramento da entrada consumidora.

10.2. Dimensionamento

Estão indicados nas tabelas 1 e 2 os dimensionamentos dos condutores de aterramento em função da categoria de atendimento do consumidor e tensão de fornecimento;

10.3. Montagem

10.3.1. O aterramento deve estar próximo da caixa de medição e situado a uma distância de até 0,50 m, (em qualquer direção). As indicações do aterramento nos desenhos de 5 a 16 são ilustrativas;

10.3.2. O condutor de aterramento deve ser de cobre nu, tão curto e retilíneo quanto possível, sem emenda e não ter dispositivo que possa causar sua interrupção.

10.3.3. O condutor de aterramento deve ser protegido mecanicamente até a caixa de inspeção por meio de eletroduto de PVC.

34Versão 03 – Maio/2004

ND.10

Fornecimento de Energia Elétrica em Tensão Secundária a Edificações Individuais - NORMA

10.3.5. O ponto de ligação do condutor de aterramento à haste deve estar protegido com massa calafetadora e ser acessível por ocasião da vistoria do padrão de entrada. Somente depois de liberada a montagem dá entrada consumidora, a haste pode ser coberta, visando reconstituir o piso.

1. MATERIAIS DO PADRÃO DE ENTRADA

Somente são aceitas caixas de medição e postes, de fabricantes homologados na ELEKTRO. A relação destes fabricantes e os respectivos materiais homologados encontram-se à disposição para consulta na ELEKTRO.

(Parte 6 de 10)

Comentários