Cópia de relatorio de hematologia

Cópia de relatorio de hematologia

(Parte 2 de 3)

Óleo de imersão

Procedimento: Em um tubo de vidro, acrescentar 2 gotas de sangue. E 2 gotas do reagente Cresil Brilhante,homogeneizar e colocar em banho- Maria a 37°C por 15 minutos cronometrados.Após o 15 minutos retirou--se do Banho-Maria e confeccionou esfregaço em lamina ,observando- a em M.O na objetiva de 100x com óleo de imersão para a realização da contagem.

Resultados: amostra 174

Contagem

Campos

Campos

1. 2

6. 1

2. 0

7. 1

3. 1

8. 1

4. 0

9. 1

5. 2

10. 1

Total: 10 dividido por 10 = 1,0 %

Valores de referência: Uma pessoa normal apresenta de 0,5 a 2,7% de reticulócitos circulantes.

O resultado da amostras 174 esta dentro dos valores de referência, não indicando alterações.

Reagente azul de Cresil Brilhante

Solução corante para contagem de reticulócitos.

HEMATÓCRITO – O hematócrito representa um dos mais importantes exames da série vermelha. È um exame rápido e preciso que exige pequena quantidade de sangue para se procedimento. O hematócrito corresponde ao volume ocupado pelos eritrócitos contidos numa certa quantidade de sangue total.

Objetivo: Diagnósticos de anemias, leucemias e hemorragias.

Tipo de amostra: Sangue colhido em tubo de EDTA

Interferências: Rejeitar amostras que se apresentem hemolisadas, coaguladas ou com micro-coágulos.

Matérias utilizadas para o procedimento:

Capilar

Amostra

Régua para hematócrito

Massa de modelar

Microcentrifuga para hematócrito.

Procedimento: homogênea-se o tubo contendo a mostra cuidadosamente, acrescenta-se uma quantidade se sangue no capilar vedando com a massa de modelar uma de sua extremidade, centrifugando - o em Microcentrifuga por 10 minutos a 4.000 rpm.Após a centrifugação fazer a leitura do plasma com o auxilio de uma régua especifica para medição de hematócrito.

Resultados: amostra 187

Valor obtido do hematócrito foi de 45%.

O hematócrito está dentro dos limites de normalidade.

Valores de referências: Os valores de referência são diferentes segundo o sexo e idade, e variam entre 0,42 – 0,52(42% - 52%) nos homens e 0,36 – 0,48 (36% - 48%) nas mulheres.

FALCIZAÇÃO – Anemia falciforme é uma doença hereditária (passa dos pais para os filhos) caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos do sangue, tornando-os parecidos com uma foice, daí o nome falciforme. Essas células têm sua membrana alterada e rompem-se mais facilmente, causando anemia. A hemoglobina, que transporta o oxigênio e dá a cor aos glóbulos vermelhos, é essencial para a saúde de todos os órgãos do corpo. Essa condição é mais comum em indivíduos da raça negra. No Brasil, representam cerca de 8% dos negros, mas devido à intensa miscigenação historicamente ocorrida no país, pode ser observada também em pessoas de raça branca ou parda. O fenômeno da falcização pode ser provocado nas hemácias portadoras de HbS pela adição de agentes que promovem a desoxigenação.  O grau e a rapidez da formação das hemácias  falciformes depende da quantidade relativa da HbS.

Objetivo: Diagnóstico anemia falciforme.

Tipo de amostra: Sangue colhido em tubo de EDTA

Interferências: Rejeitar amostras que se apresentem hemolisadas, coaguladas ou com micro-coágulos.

Matérias utilizadas para o procedimento:

Sangue total com EDTA

Câmara úmida (placa)

Lâmina

Lamínula

Metabissulfito a 2%.

Esmalte

Tubos de vidro

Água destilada

Algodão

Pipeta pasteur

Pipeta automatica

Pipeta de vidro

Balança analitica

Microscópio optíco

Caneta permanente

H2O destilada

Preparo de metabissulfito de sódio 0,2%

Pesou-se 20 g de matabisslfito de sódio em um tubo de vidro,acrecendo 10 ml de H2O destidada e homogeinizou.

A solução de metabissulfito deve ser preparado somente no momento do uso, pois ele é um “oxigênio redutor”.

A presença de bolhas pode determinar resultados falso-negativos “presença de O2” assim como falha na vedação.

O excesso de amostra dificulta a visualização.

Procedimento: identificou-se um tubo com o numero da amostra, acrescentou-se 100µl do preparado de metabissulfito, com 50µl da amostra de sangue, homogeinizando cuidadosamente, tranferiu-se 10µl para um lamina combrido-a com uma laminula, vedodo-a com esmalte em todas as suas laterais para que não ente O2.

Após a confecção da lamina efetuar a 1° visualização em M.O, em seguidadeixou-se em uma câmara úmida (placa de petri fechada com pedaços de algodão umidecidos).

Efetuou-se a última leitura após 24h.

Resultados: amostra 178 Positiva

Devido ao metabissulfito responsável pela retirada do oxigênio das hemácias, pode-se observar a formação de hemácias em foices na amostra 178, sendo positiva para anemia falciforme.

FIBRINOGÊNIO- O fibrinogênio (Fator I) origina-se no fígado e é convertido em fibrina durante a coagulação. Em razão da fibrina ser necessária para a formação de coágulos, a deficiência de fibrinogênio pode produzir desordens de sangramento de caráter leve a grave.

Este teste é usado para medir a quantidade de fibrinogênio em uma amostra de plasma sangüíneo. Observar que a deficiência de fibrinogênio pode também prolongar o TTPA, TP e tempo de trombina. 

Objetivo: Auxiliar no diagnóstico de suspeita de desordens de sangramento ou coagulação causadas por anormalidades nos valores de fibrinogênio. 

Tipo de amostra: Sangue colhido em tubo citrato.

Coleta: 8 horas em jejum.

Interferências: Rejeitar amostras que se apresentem hemolisadas, coaguladas ou com micro-coágulos.

Matérias utilizadas para o procedimento:

Amostra colhida em tudo de citrato

Centrifuga

Banho- Maria

Massa de modelar

Tubo de vidro

H2O destilada

Microcentrifuga

(Parte 2 de 3)

Comentários