Medicamentos que interferem em exames laboratoriais

Medicamentos que interferem em exames laboratoriais

(Parte 1 de 13)

TCC do Curso de Biomedicina Maurício Pardo dos Reis

SÃO PAULO 2005

TCC apresentado à Universidade Bandeirante de São Paulo – (UNIBAN) como Requisito parcial para obtenção do Título de Bacharel em Biomedicina. Maurício Pardo dos Reis

Orientador: Paulo Pardi

SÃO PAULO 2005

Pardo dos Reis, Maurício

Medicamentos que interferem em exames laboratoriais./

Maurício Pardo dos Reis. – São Paulo, 2005. ix, 34p.

Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) – Universidade Bandeirante de São Paulo. Bacharelado – Curso de Biomedicina

Título em inglês: Interference of drugs with laboratory tests 1. Medicamentos. 2. Exames. 3. Interferentes

Maurício Pardo dos Reis Medicamentos que interferem em exames laboratoriais

Presidente da banca: Prof. Dr
Prof. Dr
Prof. Dr
Prof. Dr

BANCA EXAMINADORA Aprovado em: _/_/_

Dedico este trabalho

A todos os profissionais que leiam e façam uso desse conteúdo em benefício à saúde.

Agradecimentos

A Universidade Bandeirante de São Paulo.

Ao Professor Dr. Paulo Pardi, meus sinceros agradecimentos pelo verdadeiro sentido de orientação, pelos ensinamentos durante todo período da pesquisa, pela confiança e pela amizade, acima de tudo.

À minha mãe, Irene, e ao meu pai, José, pelo incentivo e apoio em todos os momentos.

A minha namorada Alessandra, que esteve ao meu lado o tempo todo e me auxiliou na realização deste trabalho.

Ao primo e amigo, Rodney, pois boa parte do meu TCC foi feita em uso do seu Notebook.

Aos meus amigos do Curso de Biomedicina, Bruno, Theus, Fidele, Tio Leo, Batata, Cristina, Amanda, Priscila, Juliana, Fernanda por estarem ao meu lado em todos os momentos.

Aos meus amigos da Liga de Hematologia.

À minha amiga Christiane Pardi, pelo apoio e amizade. A Deus.

Dedicatóriaiv
Agradecimentov
Lista de Abreviaturasvii
Resumoviii
Abstractix
Introdução01
Objetivo02
Método02
Desenvolvimento02
Considerações Finais3

vii Lista de Abreviaturas

GIGastro intestinal
CPKProteína Quinase
TPTempo de protrombina
G6PDGlicose-6-fosfato desidrogenase
ADHHormônio antidiurético
AcAnticorpos
ISRSInibidor seletivo da recaptação de serotonina
PSAAntígeno prostático específico
ANAAnticorpos antinucleares
NSAIDAntinflamatório não esteroidal
TTempo de trombina

TTPA ...................................................Tempo de tromblopastina parcial ativada viii Resumo

Foi realizado um levantamento bibliográfico com o objetivo de estudar os efeitos dos medicamentos nos resultados dos exames laboratoriais. A correlação da Biomedicina com a Farmácia é raramente investigada. Essa união pode auxiliar na análise dos resultados laboratoriais e reconhecer o interferente medicamentoso. Para isso, é necessário entender os efeitos farmacocinéticos e farmacodinâmicos. Assim, a Farmacoterapia é beneficiada na escolha do fármaco, e sua de dosagem ideal, e pode ainda ser monitorada com a analise laboratorial. Já a Biomedicina, é beneficiada através da interpretação segura do resultado laboratorial, conforme o conhecimento dos interferentes medicamentosos. Para melhor entendimento dessa correlação foi elaborado um quadro que monitora as interferências e seus mecanismos. Nota-se que é importante a realização de estudos envolvendo diversos profissionais da área da saúde, pois a Interprofissionalidade promove benefícios na avaliação clínica, no diagnóstico e no tratamento do paciente.

ix Abstract

A bibliographical survey with the objective was carried through to study the effect of medicines in the results of the laboratory test. The correlation of the Clinical Chemistry with the Pharmacy rare is investigated. This union can assist in the analysis of the laboratory tests results and recognize drugs interferences. For this it is necessary to understand pharmacokinetics and pharmacodynamics effects. Thus, the Pharmacoterapy is benefited in the choice of the drug, ideal e its of dosage, e can still be monitored with analyzes laboratorial. Already the Clinical Chemistry, it is benefited through the safe interpretation of the laboratory tests results, as the knowledge of the drugs interferences. For better agreement of this correlation a picture was elaborated that monitorial the interferences and its mechanisms. It is noticed that the accomplishment of studies is important involving diverse professionals of the area of the health; therefore the multidisciplinary promotes benefits in the clinical evaluation, in the diagnosis and the treatment of the patient.

1. INTRODUÇÃO

A Farmácia e a Biomedicina são duas áreas científicas que, quando unidas, proporcionam questionamentos sobre os resultados obtidos em exames laboratoriais como métodos diagnósticos, e uma visão mais apurada de formas eficazes, com menos efeitos colaterais, para indicar um determinado tratamento medicamentoso.

Ao estudar a metabolização e a ação dos medicamentos no organismo, sabe-se que esse processo leva a algumas alterações no próprio funcionamento orgânico e também produzem metabólitos (ativos ou não). Os metabólitos têm o auxílio do sistema circulatório para transporte (na excreção e ou ao sítio de ação), do sistema urinário (na excreção), dentre outros sistemas.

Na realização de exames laboratoriais diagnósticos utilizam-se, na maioria das vezes, do sangue e da urina. Os exames pesquisam o tipo e a quantidade de substâncias que indicam ou quantificam para definição do diagnóstico de uma determinada doença. Essas substâncias e os medicamentos são de origem química e muitas vezes se assemelham em estrutura. Os equipamentos diagnósticos e os quites reagentes utilizam dessas informações químicas para identificar e quantificar, mesmo não sendo tão precisos para diferenciá-las. Assim, algum medicamento pode ser identificado como outra substância, levando a um resultado errôneo.

Vale ressaltar que os medicamentos interferem no harmônico funcionamento orgânico durante o período de uso ou uso prolongado, dependendo da medicação. Esse descontrole orgânico pode também levar a resultados laboratoriais alterados.

Sabe-se que na população, em geral, cada indivíduo faz uso de muitos medicamentos. As informações sobre os medicamentos que interferem em exames laboratoriais é de suma importância para que o profissional da saúde possa diagnosticar, de maneira exata, uma determinada doença, e proporcionar ao indivíduo uma terapêutica adequada, sem o uso excessivo de medicamentos.

1. 1. Objetivo

Estudar qual e que tipo de interferência os medicamentos tem sob os resultados de exames laboratoriais e classificar esses medicamentos correlacionando-os.

2. Método

Exames

Foi realizado um estudo bibliográfico por meio de publicações científicas e as seguintes bases de dados: (1) Medline, (2) Lilacs, (3) Clinical Chemistry, (4) Scielo, (5) Pubmed, (6) Md Consult, (7) Science, (8) The Lancet. As palavras chaves utilizadas foram: (1) Droga, (2) Medicamento, (3) Interferentes laboratoriais, (4)

3. Desenvolvimento

3 1. Medicamento e o Organismo

O efeito dos medicamentos no organismo humano depende de dois princípios básicos da Farmacologia - ciência que estuda os medicamentos. Esses princípios são (WANNMACHER E FERREIRA, 1999; YAGIELA et al., 2000; GILMAN et al., 2001):

3 1. 1. Farmacocinética

É um processo que o medicamento passa pelo organismo através das vias de absorção, distribuição, metabolismo e excreção, até chegar ao efeito no sítio de ação. Essas vias alteram a concentração do medicamento no sítio de ação sendo diferente da concentração inicialmente administrada. São também de extrema importância para que a absorção não influencie no efeito do medicamento, que o metabolismo medicamentoso produza formas da droga ativa e metabólitos (de preferência inativos facilmente excretados, não causando efeitos indesejados para o organismo) e que a distribuição seja efetiva no transporte até o órgão de metabolização, excreção e sítio de ação.

A absorção é definida como a transferência medicamentosa do local de administração para a corrente sanguínea e é dependente da via de administração, que influencia no tempo e na extensão da absorção do medicamento.

As vias de administração são: Oral que é o método mais utilizado para introduzir um fármaco. Poderá ter alteração na dosagem, se tiver influencias como: do pH, da área de superfície da mucosa, do tempo de esvaziamento gástrico, da forma farmacêutica (comprimido, cápsula, drágea, elixir, xarope) e da inativação dos medicamentos (quelatos, ação enzimática).

Inalatória que necessita do medicamento em forma gasosa (gases terapêuticos, anestésicos) ou em forma de aerossóis (partículas líquidas ou sólidas pequenas, o suficiente para se manter suspensas no ar durante longos períodos de tempo). É utilizada em maior freqüência na emergência, é pouco difundida e tem ação rápida.

Parenteral: que é quando a forma de ingestão oral é impedida, por motivos de condições clínicas do paciente ou quando há necessidade de uma dosagem mais alta e de rápido efeito. É subdividida em via intravenosa, intramuscular, subcutânea ou intra-arterial. Pode oferecer risco ao paciente, sendo necessário cuidado, controle e um profissional qualificado para administração.

Tópica: que é mais utilizada para administração de drogas com ação local, tem pouca absorção sistêmica, tendo grande influência devido ao grau de queratinização epitelial. É subdividida em: pele (que tem como característica de proteção do corpo ao meio externo, então dificulta a entrada do medicamento, tem influência da temperatura, controla a dose do medicamento) e mucosa (que a rica vascularização no local facilita a entrada do medicamento, minimiza os efeitos sistêmicos, facilita a superdosagem medicamentosa).

A distribuição é o movimento dos medicamentosos no organismo e é dependente de numerosos fatores, como: propriedades físico-químicas medicamentosa, débito cardíaco, fluxo sanguíneo, características anatômicas e celulares. Para que os medicamentos sejam transportados e distribuídos, se ligam a proteínas plasmáticas (como a albumina) e celulares (como o eritrócito). Essa ligação é reversível porque a proteína (plasmática ou celular) não atravessa a parede capilar e, também, tem função de reservatório do fármaco na corrente sanguínea. A fração do fármaco livre age no sítio de ligação e a fração ligada a essas proteínas, fica inerte.

O metabolismo ou biotransformação do medicamento envolve reações químicas que geralmente são mediadas por enzimas (que são as enzimas do citocromo P450), e que converte o medicamento em um composto diferente do originalmente administrado (que é chamado de metabólito). As reações mais comuns da biotransformação de fármacos são: oxidação, redução, hidrólise e conjugação ou acetilação. As reações de oxidação, redução e hidrólise, são classificadas como: fase I (de conjugação e acetilação), e fase I (do processo de biotransformação).

(Parte 1 de 13)

Comentários