(Parte 3 de 12)

• Material necessário:

•. 1-balança;

•.2- papel para forrar a plataforma da balança.

A balança a ser usada para a pesagem deve ser antecipadamente aferida (nivelada, tarada) para o alcance de valores mais exatos e destravada somente quando o paciente encontra-se sobre ela. O piso da balança deve estar sempre limpo e protegido com papel-toalha, evitando que os pés fiquem diretamente colocados sobre ele. Para prevenir a ocorrência de quedas, fornecer auxílio ao paciente durante todo o procedimento. O paciente deve ser pesado com o mínimo de roupa e sempre com peças aproximadas em peso.Para obter um resultado correto, deve ser orientado a retirar o calçado e manter os braços livres. Após ter-se posicionado de maneira adequada , o profissional deve deslocar os pesos de quilo e grama até que haja o nivelamento horizontal da régua graduada; a seguir, travar e fazer a leitura e a anotação de enfermagem. Em pacientes internados, com controle diário, o peso deve ser verificado em jejum, sempre no mesmo horário, para avaliação das alterações. Para maior exatidão do resultado na verificação da altura, orientar o paciente a manter a posição ereta, de costas para a haste, e os pés unidos e centralizados no piso da balança. Posicionar a barra sobre a superfície superior da cabeça, sem deixar folga, e travá- la para posterior leitura e anotação. Para se tarar uma balança, faz-se necessário soltar a trava, colocar os pesos de quilo e grama no zero e observar o nivelamento do fiel da balança com a marca na trava. Quando há desnivelamento, movimentase o calibrador até o nivelamento . em todo esse processo não deve haver nada sobre a balança.

35-SINAIS VITAIS 3.5.1-Controlando a temperatura corporal

Muitos processos físicos e químicos, são controlados pelo hipotálamo, promovem a produção ou perda de calor, mantendo nosso organismo com temperatura mais ou menos constante, independente das variações do meio externo. A temperatura corpórea está intensamente ligada à atividade metabólica, ou seja, a um processo de liberação de energia através das reações químicas ocorridas nas células.

PROFESSORA IRIS MARINHO CORRÊA RODRIGUES8

Diversos fatores de ordem psicofisiológica poderão influenciar no aumento ou diminuição da temperatura, dentro dos limites e padrões considerados normais ou fisiológicos. Podemos citar :

•o sono e repouso, emoções, desnutrição e outros como elementos que influenciam na diminuição da temperatura; e os exercícios (pelo trabalho muscular), emoções (estresse e ansiedade) e o uso de agasalhos (provocam menor dissipação do calor), por exemplo, no seu aumento. Há ainda outros fatores que promovem alterações transitórias da temperatura corporal, tais como fator hormonal (durante o ciclo menstrual), banhos muito quentes ou frios e fator alimentar (ingestão de alimentos e bebidas muito quentes ou frias).

A alteração patológica da temperatura corporal mais comum caracteriza-se por sua elevação e está presente na maioria dos processos infecciosos e/ou inflamatórios. É muito difícil delimitar a temperatura corporal normal porque, além das variações individuais e condições ambientais, em um mesmo indivíduo a temperatura não se distribui uniformemente nas diversas regiões e superfícies do corpo. Assim, podemos considerar como variações normais de temperatura :

temperatura axilar: 35,8ºC - 37,0ºC; temperatura oral: 36,3ºC - 37,4ºC; temperatura retal: 37ºC - 38ºC. O controle da temperatura corporal é realizado mediante a utilização do termômetro - o mais utilizado é o de mercúrio, mas cada vez mais torna-se freqüente o uso de termômetros eletrônicos em nosso meio de trabalho.

•oral - o termômetro de uso oral deve ser individual e possuir bulbo alongado e achatado, o qual deve estar posicionado sob a língua e mantido firme com os lábios fechados, por 3 minutos. Esse método é contra-indicado em crianças, idosos, doentes graves, inconscientes, com distúrbios mentais, portadores de lesões orofaríngeas e, transitoriamente, após o ato de fumar e ingestão de alimentos quentes ou frios;

•retal - o termômetro retal é de uso individual e possui bulbo arredondado e proeminente. Deve ser lubrificado e colocado no paciente em decúbito lateral, inserido cerca de 3,5cm, em indivíduo adulto, permanecendo por 3 minutos. A verificação da temperatura retal . considerada a mais fidedigna é contra-indicada em pacientes submetidos a intervenções cirúrgicas do reto e períneo, e/ou que apresentem processos inflamatórios locais;

•axilar - é a verificação mais freqüente no nosso meio, embora seja a menos precisa. O termômetro deve permanecer por, no máximo, 7 minutos (cerca de 5 a 7 minutos). •As principais alterações da temperatura são:

•. hipotermia - temperatura abaixo do valor normal;

•. hipertermia - temperatura acima do valor normal;

•. febrícula - temperatura entre 37,2oC e 37,8oC.

Verificando a temperatura corporal-Cuidado de Enfermagem na obtenção da leitura do termômetro

• Material necessário: . bandeja . termômetro clínico . bolas de algodão seco . álcool a 70% . bloco de papel . caneta Para garantir a precisão do dado, recomenda-se deixar o termômetro na axila do paciente por 3 a 4 minutos; em seguida, proceder à leitura rápida e confirmar o resultado recolocando o termômetro e reavaliando a informação . atéa obtenção de duas leituras consecutivas idênticas.

PROFESSORA IRIS MARINHO CORRÊA RODRIGUES9

O bulbo do termômetro deve ser colocado sob a axila seca e o profissional deve requerer ao paciente que disponha o braço sobre o peito, com a mão em direção ao ombro oposto.

1.Manter o termômetro pelo tempo indicado, lembrando que duas leituras consecutivas com o mesmo valor reflete um resultado bastante fidedigno. 2.Para a leitura da temperatura, segurar o termômetro ao nível dos olhos, o que facilita a visualização. 3.Após o uso, a desinfecção do termômetro deve ser realizada no sentido do corpo para o bulbo, obedecendo o princípio do mais limpo para o mais sujo, mediante lavagem com água e sabão ou limpeza com álcool a 70% - processo que diminui os microrganismos e a possibilidade de infecções cruzadas.

3.5.2- Controlando o Pulso Também consideradas como importante parâmetro dos sinais vitais, as oscilações da pulsação, verificadas através do controle de pulso, podem trazer informações significativas sobre estado do paciente. Porque da verificação esta manobra, denominada controle de pulso, é possível porque o sangue impulsionado do ventrículo esquerdo para a aorta provoca oscilações ritmadas em toda a extensão da parede arterial, que podem ser sentidas quando se comprime brandamente a artéria contra uma estrutura dura. Assim como a freqüência, é importante advertir o ritmo e força que o sangue exerce ao passar pela artéria. Há fatores que podem provocar alterações passageiras na freqüência Cardíaca: São as emoções, os exercícios físicos e a alimentação.Lembrando que ao longo do ciclo vital seus valores vão se modificando, sendo maiores em crianças e menores nos adultos.

Freqüências da Pulsação normal :

1.freqüência do pulso no recém-nascido é, em média, de 120 batimentos por minuto (bpm), podendo chegar aos limites de 70 a 170 bpm 2.-Aos 4 anos, a média aproxima-se de 100 bpm, variando entre 80 e 120 bpm, assim se mantendo até os 6 anos;

3.a partir dessa idade e até os 12 anos a média fica em torno de 90 bpm, com variação de 70 a 110 bpm.

4.Aos 18 anos, atinge 75 bpm nas mulheres e 70 bpm nos homens.

5.A partir da adolescência observamos nítida diferenciação entre o crescimento físico de mulheres e homens, o que influencia a freqüência do pulso:

6.na fase adulta, de 65 a 80 bpm nas mulheres e de 60 a 70 bpm, nos homens.

Habitualmente, faz-se a verificação do pulso sobre a artéria radial e, eventualmente, quando o pulso está filiforme, sobre as artérias mais calibrosas - como a carótida e a femoral. Outras artérias, como a temporal, a facial, a braquial, a poplítea e a dorsal do pé também possibilitam a verificação do pulso. O pulso normal - denominado normocardia - é regular, ou seja, o período entre os batimentos se mantém constante, com volume perceptível à pressão moderada dos dedos.

•O pulso apresenta as seguintes alterações:

. bradicardia: freqüência cardíaca abaixo da normal; . taquicardia: freqüência cardíaca acima da normal; . taquisfigmia: pulso fino e taquicárdico; . bradisfigmia: pulso fino e bradicárdico;

PROFESSORA IRIS MARINHO CORRÊA RODRIGUES10

Cuidados na verificação da Pulsação

. Verificando a pulsação Material necessário: . relógio . papel e caneta

A pulsação da artéria radial pode ser verificada exercendo moderada pressão dos dedos médio e indicador sobre o rádio e o polegar oposto a estes dedos sobre a parte posterior dos punhos (movimento de preensão). O profissional não deve usar o polegar para fazer a palpação do pulso, pois pode vir a confundir sua própria pulsação com a do paciente. Contar o número de pulsações por um minuto, observados no relógio na outra mão. Registrar o procedimento, destacando as características observadas.

3.5.3-Controlando a P.A A pressão arterial é um indicador importante na avaliação do doente. . Pressão Arterial: A pressão arterial resulta da tensão que o sangue exerce sobre as paredes das artérias e depende:

a) do débito cardíaco relacionado à capacidade de o coração impulsionar sangue para as artérias e do volume de sangue circulante; b) da resistência vascular periférica, determinada pelo lúmen (calibre), elasticidade dos vasos e viscosidade sangüínea, traduzindo uma força oposta ao fluxo sangüíneo; c) da viscosidade do sangue, que significa, em outros termos, sua consistência resultante das proteínas e células sangüíneas. O controle compreende a verificação da pressão máxima ou sistólica e da pressão mínima ou diastólica, registrada em forma de fração ou usando-se a letra x entre a máxima e a mínima. Por exemplo, pressão sistólica de 120mmHg e diastólica de 70mmHg devem ser assim registradas: 120/70mmHg ou 120x70mmHg. O resultado real da verificação de Pressão Arterial se faz quando :

•o indivíduo esteja em repouso por 10 minutos ou isento de fatores estimulantes (frio, tensão, uso de álcool, fumo). Hipertensão arterial é o termo usado para indicar pressão arterial acima da normal; e hipotensão arterial para indicar pressão arterial abaixo da normal.

•Quando a pressão arterial se encontra normal, dizemos que está normotensa.

A pressão sangüínea geralmente é mais baixa durante o sono e ao despertar. A ingestão de alimentos, exercícios, dor e emoções como medo, ansiedade, raiva e estresse aumentam a pressão arterial. Habitualmente, a verificação é feita nos braços, sobre a artéria braquial.

•A pressão arterial varia ao longo do ciclo vital, aumentando conforme

PROFESSORA IRIS MARINHO CORRÊA RODRIGUES11 a idade. •Crianças de 4 anos podem ter pressão em torno de 85/ 60mmHg; aos 10 anos, 100/65mmHg.

•Nos adultos, são considerados normais os parâmetros com pressão sistólica variando de 90 a

140mmHg e pressão diastólica de 60 a 90mmHg.

Verificando a pressão arterialMaterial necessário:

. Cuidado de Enfermagem na Verfificação de pressão . estetoscópio . esfigmomanômetro . algodão seco . álcool a 70% . caneta e papel Antes e após a realização do procedimento deve-se realizar a desinfecção do diafragma e olivas do estetoscópio promovendo a autoproteção e evitando infecção cruzada.

Cuidados para medirmos um a pressão arterial adequadamente:, 1.o braço do paciente deve estar apoiado ao nível do coração;

2.o manguito deve ser colocado acima da prega do cotovelo, sem folga, e a colocação do diafragma sobre a artéria braquial não deve tocar a borda inferior do manguito.

3.O tamanho do manguito deve ser adequado à circunferência do braço.

4.Na verificação da pressão arterial, insuflar o manguito rapidamente e desinsuflá-lo lentamente. O som do primeiro batimento corresponde à pressão sistólica (máxima) e o desaparecimento ou abafamento do mesmo corresponde à pressão diastólica (mínima).

(Parte 3 de 12)

Comentários