pneus para tratores

pneus para tratores

(Parte 1 de 3)

Pneus Agrícolas – Apostila de uso interno – Mecânica e Mecanização Agrícola – pág1 PNEUS AGRÍCOLAS

A última parte de ligação do motor do trator agrícola com o solo é o rodado.

Uma parte considerável do desempenho do trator depende dele.

Os pneus montados num trator têm a função de suportar o peso que sobre ele incide, tanto em condições estáticas como dinâmicas, e de garantir a transmissão das forças motrizes ou frenantes do trator ao terreno e vice-versa. Para atender a essas exigências o pneu tem que apresentar determinadas características de resistência de carcaça, de aderência ao solo e de autolimpeza.

É necessário conhecer bem os pneus, para fazer uso correto da pressão de inflação e ter os cuidados necessários na manutenção.

Para começar, é preciso familiarizar-se com a linguagem do pneu, isto é, com sua nomenclatura.

Os pneus são constituídos por duas partes distintas: o pneu propriamente dito, que forma o invólucro externo e a câmara de ar, localizada no interior do pneu.

A câmara de ar é um tubo fechado, constituído de borracha muito fina, elástica e impermeável ao ar (característica que lhe é conferida pela adição de enxofre). O único contato com o exterior é feito por uma válvula que permite a introdução de ar, mantendo-o no seu interior.

Neste texto, ao nos referirmos ao “pneu” estaremos referindo-nos ao pneu propriamente dito.

São denominados pneus agrícolas aqueles que tem como local de emprego essencialmente o campo, onde participam diretamente dos trabalhos de preparo de solo, plantio, cultivo e colheita de produtos agrícolas. Estes pneus distinguem-se dos utilizados nos transportes rodoviários por terem pressões mais baixas, apresentarem grande superfície de contato com o solo e serem mais macios.

Para o usuário a identificação de um pneu agrícola é importante quando da aquisição de um pneu novo. Não se chega numa loja pedindo pneu para o trator X, porque o trator admite mais de uma medida de pneu. É necessário dar, pelo menos, as medidas de largura do pneu e de diâmetro do aro para que se compre o pneu adequado. Querendo ser mais criterioso, é bom acrescentar as demais informações copiadas do pneu antigo.

A correta identificação do pneu também é importante para a calibração. A consulta às tabelas de calibração requer o conhecimento das medidas principais

Professor Rogério de Araújo Almeida – EA/UFG - 2000

Pneus Agrícolas – Apostila de uso interno – Mecânica e Mecanização Agrícola – pág2 associadas à capacidade de lonas e ao peso sobre a roda do trator, para a seleção da pressão correta.

Assim como as pessoas possuem RG, CPF, que as identificam, os pneus agrícolas têm seus números e letras de identificação; cada uma com seu significado. Basta dar uma olhada no flanco, ou lateral de um pneu, e lá está, por exemplo:

a) FIRESTONE 20.8-38 R-1 10 PR SAT 230 - Firestone é a marca do fabricante;

- o traço (-) indica ser um pneu de construção diagonal;

- R-1 indica ser um pneu de tração regular de uso geral;

- 10 PR indica a resistência ou capacidade de carga/lonas (PR é a abreviação da expressão Ply Rating - capacidade de carga);

- SAT é a abreviação da expressão Super All Traction (uma designação dada pelo fabricante que caracteriza o modelo da banda de rodagem); - 230 é o ângulo das garras, na banda de rodagem.

b) MICHELIN 650/75 R 32 X M28 - Michelin é a marca do fabricante;

- 650 é a largura do pneu em milímetros;

- 75 é a relação percentual entre a altura e a largura da secção do pneu;

- R é pneu de construção radial;

- X é a marca do fabricante para pneus radiais;

- M28 caracteriza o modelo da banda de rodagem.

Nos exemplos acima observa-se a utilização de alguns termos referentes às partes constituintes dos pneus, que veremos a seguir.

O pneu agrícola é constituído de vários elementos básicos, mostrados no corte de um pneu traseiro, abaixo. Compreendendo a função de cada parte, você poderá conhecer melhor esses pneus, cujo trabalho é altamente especializado.

Carcaça ou corpo de lonas

É formada por lonas emborrachadas constituídas de cordonéis resistentes que estão dispostos de talão a talão. É ela que retém o ar sob pressão, suporta o peso total da máquina e resiste a todas as solicitações a que o pneu é submetido.

Professor Rogério de Araújo Almeida – EA/UFG - 2000

Pneus Agrícolas – Apostila de uso interno – Mecânica e Mecanização Agrícola – pág3

Fonte: Manual técnico pneus para agricultura - Pirelli. OMBRO

Banda de rodagem

É a parte do pneu que entra diretamente em contato com o solo, sendo que o desenho da banda de rodagem varia de acordo com o tipo de serviço para o qual foi desenvolvido. Contudo, todas são desenvolvidas para resistir ao desgaste, proporcionar tração e proteger a carcaça do pneu contra avarias. Seu composto de borracha é particularmente resistente ao desgaste e a cortes, para aumentar a vida do pneu no campo. Contém as principais propriedades exigidas do pneu: estabilidade direcional, tração e resistência ao desgaste e cortes. É na banda de rodagem que se encontram as garras dos pneus de tração.

Ombros São os limites da banda de rodagem.

Talões

Os talões seguram os pneus na roda. São constituídos internamente de frisos (fios de aço de grande resistência, cobertos com cobre e isolados com borracha e tecido), onde as lonas são ancoradas. Têm por finalidade manter o pneu acoplado ao aro, impedindo-o de ter movimentos independentes.

Professor Rogério de Araújo Almeida – EA/UFG - 2000

Pneus Agrícolas – Apostila de uso interno – Mecânica e Mecanização Agrícola – pág4

Flanco

É a porção do pneu entre os ombros e os talões. O composto especial de borracha dos flancos proporciona alto grau de flexibilidade e funciona como uma capa de proteção que resiste às condições climáticas, causadoras de rachaduras ou quebras. Ela também protege a carcaça contra roçamentos e cortes. Nos flancos são encontradas as inscrições que identificam os pneus.

Inscrições codificadas nos flancos

As inscrições encontradas nos flancos identificam os pneus nas suas medidas, resistência, finalidade de uso, fabricante, etc. Normalmente são utilizados os seguintes códigos:

a) Pneus dianteiros de tratores

F1 - uma barra F2 - duas ou três barras F3 - múltiplas barras b) Pneus traseiros de tratores (de tração)

R1 - rodagem normal R2 - cana e arroz R3 - industrial e areia R4 - industrial tipo Lug c) Implementos agrícolas

I1 - implementos agrícolas I2 - Utility Button tread I3 - implemento tração d) medidas 18.4/15-34 18.4 - corresponde a largura da seção do pneu no aro recomendado 15 - largura da seção montado em um aro mais estreito 34 - diâmetro do aro

No passado as medidas de pneus agrícolas de tração eram compostas por apenas dois conjuntos de números como por exemplo 15-34, sendo que neste caso o pneu apresentava uma largura nominal da secção de apenas 15 polegadas, porque era montado na época em aros muito estreitos.

Professor Rogério de Araújo Almeida – EA/UFG - 2000

(Parte 1 de 3)

Comentários