Didatica - planejamento educacional e planejamento do ensino

Didatica - planejamento educacional e planejamento do ensino

(Parte 1 de 2)

PLANEJAMENTO EDUCACIONAL E PLANEJAMENTO DO ENSINO

 Gilberto  Teixeira (Prof.Doutor FEA/USP )

 

I - INTRODUÇÃO

            Neste texto iremos analisar as diferenças básicas entre o que seja Planejamento Educacional e Planejamento do Ensino.

            Embora possam parecer sinônimos iremos verificar que há uma enorme diferença entre os dois termos que poderíamos definir como sendo uma questão de hierarquia de planejamento.

 

 

II - PLANEJAMENTO EDUCACIONAL

            A educação é hoje em dia concebida como fator de mudança, renovação e progresso. Por tais circunstâncias o planejamento se impõe, neste setor, como recurso de organização. É o fundamento de toda ação educacional.

            Como toda inovação ou mudança vai encontrar resistências o planejamento é a forma de gerenciar essas mudanças para que sua implantação se realize com o mínimo de resistências.

            A educação, por ser considerada um investimento indispensável à globalidade desenvolvimentista, passou, nos últimos decênios de nosso século a merecer maior atenção das autoridades, legisladores e educadores, pelo menos no mundo desenvolvido.

            Amparados em legislação pertinente, foram desencadeados processos de aceleração, principalmente no que diz respeito à expansão e melhoria da rede escolar e preparação de recursos humanos.

            O planejamento educacional põe em relevo esta área, integrando-a, ao mesmo tempo, no progresso global do país.

            Nessa ampla perspectiva constatamos que planejamento educacional é:

·       “processo contínuo que se preocupa com o “para onde ir” e “quais as maneiras adequadas para chegar lá”, tendo em vista a situação presente e possibilidades futuras, para que o desenvolvimento da educação atenda tanto as necessidades do desenvolvimento da sociedade, quanto as do indivíduo”.[1]

·       processo de abordagem racional e científica dos problemas da educação, incluindo definição de prioridades e levando em conta a relação entre os diversos níveis do contexto educacional.

 

II.1. - Objetivos do Planejamento Educacional

            São objetivos do planejamento educacional, segundo Joanna Coaracy:

“relacionar o desenvolvimento do sistema educacional com o desenvolvimento econômico, social, político e cultural do país, em geral, e de cada comunidade, em particular;

·       “estabelecer as condições necessárias para o aperfeiçoamento dos fatores que influem diretamente sobre a eficiência do sistema educacional (estrutura, administração, financiamento, pessoal, conteúdo, procedimentos e instrumentos);

·       alcançar maior coerência interna na determinação dos objetivos e nos meios mais adequados para atingi-los;

·       conciliar e aperfeiçoar a eficiência interna e externa do sistema”.[2]

            É condição primordial do processo de planejamento integral da educação que, em nenhum caso, interesses pessoais ou de grupos possam desviá-lo de seus fins essenciais que vão contribuir para a dignificação do homem e para o desenvolvimento cultural, social e econômico do país.

 

II.2. - Requisitos do Planejamento Educacional

            “Os requisitos fundamentais do planejamento educacional são:

·       aplicação do método científico na investigação da realidade educativa, cultural, social e econômica do país;

·       apreciação objetiva das necessidades, para satisfazê-las a curto, médio e longo prazo;

·       apreciação realista das possibilidades de recursos humanos e financeiros, a fim de assegurar a eficácia das soluções propostas;

·       previsão dos fatores mais significativos que intervêm no desenvolvimento do planejamento;

·       continuidade que assegure a ação sistemática para alcançar os fins propostos;

·       coordenação dos serviços da educação, e destes com os demais serviços do Estado, em todos os níveis da administração pública;

·       avaliação periódica dos planos e adaptação constante destes mesmos às novas necessidades e circunstâncias;

·       flexibilidade que permita a adaptação do plano a situações imprevistas ou imprevisíveis;

·       trabalho de equipe que garanta uma soma de esforços eficazes e coordenados;

·       formulação e apresentação do plano como iniciativa e esforço nacionais, e não como esforço de determinadas pessoas, grupos e setores”.[3]

            O planejamento educacional tem como pressupostos básicos:

·       o delineamento da filosofia da Educação do País, evidenciando o valor da pessoa e da escola na sociedade;

·       a aplicação da análise - sistemática e racional - ao processo de desenvolvimento da educação, buscando torná-lo mais eficiente e passível de responder com maior precisão às necessidades  e objetivos da sociedade.

            Podemos, portanto, considerar que o planejamento educacional constitui a abordagem racional e científica dos problemas da educação, envolvendo o aprimoramento gradual de conceitos e meios de análise, visando estudar a eficiência e a produtividade do sistema educacional, em seus múltiplos aspectos.

 

 

III - O PLANEJAMENTO CURRICULAR

            Para posicionar-se ante o sistema educacional e a nova dinâmica de ensino, o educador é chamado a refletir, num primeiro momento, em torno de certos elementos que recebem hoje um novo enfoque decorrente do progresso científico e tecnológico.

            Atualmente a escola é vista como o centro da educação sistemática, integrada na comunidade da qual faz parte. Cabe-lhe oferecer aos alunos situações que lhes permitam desenvolver suas potencialidades de acordo com a fase evolutiva em que se situam  e com os interesses que os impelem à ação.

            A escola atual visa ao preparo de pessoas de mentalidade flexível e adaptável para enfrentar as rápidas transformações do mundo. Pessoas que aprendem a aprender e, consequentemente, estejam aptas a continuar aprendendo sempre.

            Portanto, o currículo de hoje deve ser funcional. Deve promover não só a aprendizagem de conteúdo e habilidades específicas, mas também fornecer condições favoráveis à aplicação e integração desses conhecimentos. Isto é viável através da proposição de situações que favoreçam o desenvolvimento das capacidades do aluno para solucionar problemas, muitos dos quais comuns no seu dia-a-dia.

            A previsão global e sistemática de toda ação a ser desencadeada pela escola, em consonância com os objetivos educacionais, tendo por foco o aluno, constitui o planejamento curricular. Portanto este nível de planejamento é relativo à escola. Através dele são estabelecidas as linhas-mestras que norteiam todo o trabalho. Expressa, por meio dos objetivos gerais a linha filosófica do estabelecimento.

            Planejamento curricular é:

·       “uma tarefa multidisciplinar que tem por objeto organização de um sistema de relações lógicas e psicológicas dentro de um ou vários campos do conhecimento, de tal modo que se favoreça ao máximo o processo ensino-aprendizagem”.[4]

·       a previsão de todas as atividades que o educando realiza sob a orientação da escola para atingir os fins da educação.

 

III.1 - Objetivos do Planejamento Curricular

            São objetivos do planejamento curricular:

·       ajudar aos membros da comunidade escolar a definir seus objetivos;

·       obter maior efetividade no ensino;

·       coordenar esforços para aperfeiçoar o processo ensino-aprendizagem;

·       propiciar o estabelecimento de um clima estimulante para o desenvolvimento das tarefas educativas.

 

III.2. - Requisitos

            O planejamento curricular deve refletir os melhores meios de cultivar o desenvolvimento da ação escolar, envolvendo, sempre, todos os elementos participantes do processo .

            Seus elaboradores devem estar alertas paras novas descobertas e para os novos meios postos ao alcance das escolas. Estes devem ser minuciosamente analisados para verificar sua real validade naquele âmbito escolar. Posto isso, fica evidente a necessidade dos organizadores explorarem, aceitarem, adaptarem, enriquecerem ou mesmo rejeitarem tais inovações. O planejamento curricular é de complexa elaboração. Requer um contínuo estudo e uma constante investigação da realidade imediata e dos avanços técnicos, principalmente na área educacional. Constitui, por suas características, base vital do trabalho. A dinamização e integração da escola como uma célula viva da sociedade, que palmilha determinados caminhos conforme a linha filosófica adotada, é o pressuposto inerente a sua estruturação.

            O planejamento curricular constitui, portanto, uma tarefa continua a nível de escola, em função das crescentes exigências de nosso tempo e dos processos que tentam acelerar a aprendizagem. Será sempre um desafio a todos aqueles envolvidos no processo educacional, para busca dos meios mais adequados à obtenção de maiores resultados.

 

 

IV - O PLANEJAMENTO DE ENSINO

            Alicerçado nas linhas-mestras de ação da escola, isto é, no planejamento curricular, surge, em nível mais específico, o planejamento de ensino. Este é a tradução, em termos mais próximos e concretos, da ação que ficou configurada a nível de escola. Indica a atividade direcional, metódica e sistematizada que será empreendida pelo professor junto a seus alunos, em busca de propósitos definidos.

(Parte 1 de 2)

Comentários