(Parte 1 de 3)

a) Hoffmann - baseado na sedimentação espontânea das fezes após duas horas. É um método específico para pesquisa de Schistosoma mansoni, porém por mostrar-se altamente eficiente também nas pesquisas de protozoários, este método é amplamente utilizado para a pesquisa dos demais parasitas.

b) Baermann & Moraes - Método baseado no Hidrotermotropismo das larvas de Strogilóides stercoralis.

c) Direto :O método direto é específico para a pesquisa de trofozoítos nas fezes (forma adulta dos protozoários).

d) Kato e Stoll - Métodos para contagem de ovos de Helmintos. e) Willis (flutuação em salina saturada) f) MIF sedimentação g) Teste da fita adesiva (pesquisa de Oxiúrus)

São inúmeros os métodos de exames coprológicos descritos na literatura, os quais podem ser qualitativos ou quantitativos, apresentando diferentes sensibilidades na detecção de ovos e larvas de helmintos e cistos de protozoários. Descrevemos a seguir alguns dos métodos e soluções utilizados de rotina em laboratórios para análise.

A coleta:

Cada amostra deve conter no mínimo as seguintes informações: nome do paciente, número de identificação, nome do médico, data e horário de coleta.

O recipiente deve ser limpo e seco, com a boca larga, de capacidade aproximada de 250ml para que possa conter uma amostra significativa e que tenha vedação hermética

Fezes obtidas de vaso sanitário não podem ser aproveitadas, porque a água e a urina poderiam destruir as formas trofozoíticas.

Fezes excretadas no solo não podem ser aproveitadas, porque larvas de vida livre e outros contaminantes do solo poderiam confundir o diagnóstico (principalmente veterinário).

Os recipientes com amostras fecais de pacientes com AIDS devem ser protegidos por um invólucro de plástico e identificados com etiqueta vermelha ou HIV positivo.

Os trofozoítos de protozoários morrem e se degeneram fora do corpo humano.

O tempo recomendado para amostras líquidas é 30 minutos, enquanto das amostras pastosas é o de uma hora após a evacuação.

Fezes formadas podem ser examinadas após um dia.

Fixação: Fixador de Schaudinn: Usado na preservação de fezes frescas ou amostras da superfície da mucosa intestinal;

Esta solução fixadora é usada para a preparação de esfregaços permanentes corados para demonstração de protozoários intestinais;

Solução de Lugol:

Lugol 2,0 g Iodeto de Potássio - KI 4,0 g Água destilada Completar para 100 ml

Conservantes de fezes: MIF (Mertiolato, Iodo e Formaldeído)

Glicerina 5 ml Formaldeído (40%) 25 ml Mertiolato (ou mercurocromo) 0,1% 200 ml Água destilada 200 ml Solução de lugol 43 ml Total 473 ml

Solução Mertiolato-Iodo-Formaldeído (MIF)

Este método permite obter ao mesmo tempo a preservação e a coloração de quase todos os estágios dos protozoários, de ovos e larvas de helmintos que se encontram nas fezes.

Este procedimento também permite o exame direto a fresco do material fecal ou depois de várias semanas, sem a necessidade de outra coloração

Vantagens:

 Além de fixador, é corante;  Fácil preparo;

 Útil em trabalhos de campo;

 Adequado para os métodos de concentração

Desvantagens:

 Inadequado para a preservação da morfologia de trofozoítos de protozoários.  O iodeto interfere com outros métodos de coloração;

 O iodeto pode causar distorção em protozoários.

SAF (Acetato de Sódio, Ácido Acético e Formaldeído)

Acetato de Sódio 15 g Ácido Acético 20 ml Formadeído (40%) 40 ml Água destilada 925 ml Total 1.0 ml

Utilizado para pesquisa de cistos de protozoários e ovos de helmintos. método pouco sensível e só apresenta resultados positivos em infecções massivas. Procedimento: Adicionar solução de lugol às fezes, preparar a lâmina e observar direto ao microscópio em aumento de 100X e 400X.

Específico para a pesquisa de Trofozoítos em fezes frescas. MATERIAL

1. Fezes recém emitidas 2. Lâmina e lamínula de vidro 3. Espátula de madeira 4. Solução de NaCl a 0,85%

Aplicar diretamente na lâmina de vidro pequena quantidade de fezes frescas fazendo misturar com algumas gotas de solução salina fisiológica, homogeneizando suavemente. Cobrir com lamínula e observar imediatamente ao microscópio.

MÉTODO DE HOFFMAN, PONS & JANER ou HPJ – (Sedimentação espontânea)

Utilizado na pesquisa de cistos de protozoários e ovos de helmintos.

Método baseado na sedimentação espontânea, específico para a pesquisa de ovos de Schistosoma mansoni, porém é altamente eficiente e amplamente utilizado para a pesquisa de todos os parasitas.

1. Cálice de decantação 2. Peneira 3. Gaze dobrada em 4 4. Água corrente ou destilada 5. Espátula de madeira (tipo abaixador de língua) 6. Lâmina e lamínula

Tomar cerca de 4 g de fezes recém emitidas, dissolvê-las no próprio recipiente de coleta (frasco padrão para coleta de amostra) utilizando um pouco de água. Transferir o material dissolvido para um cálice de decantação fazendo filtrar em peneira contendo gaze em 4. Completar até ¾ do volume de água e deixar repousar em superfície firme e livre de vibrações por no mínimo 2 horas.

Retirar o sedimento com um canudo ou pipeta Pasteur e transferir para lâmina de vidro adicionando 2 gotas de solução de Lugol e cobrindo com lamínula. Observar ao microscópio em objetiva de 10x.

Técnica Prática: 1. Dissolver cerca de 4g de fezes em 10 ml de H2O em frasco pequeno 2. Filtrar em gaze dobrada em quatro, utilizando um cálice de sedimentação 3. Completar o cálice com água e homogeneizar com bastão de vidro. 4. Deixar em repouso de 2 a 24 horas. 5. Com uma pipeta de pasteur, retirar uma amostra do fundo do vértice do cálice. 6. Examinar ao microscópio, adicionando uma gota da solução de lugol.

MÉTODO DE WILLIS FLUTUAÇÃO SIMPLES (flutuação em salina saturada)

Essa técnica se baseia na propriedade que alguns ovos de helmintos apresentam de flutuarem na superfície de uma solução de densidade elevada e de aderirem ao vidro. Este procedimento é específico para a pesquisa de ovos de Ancilostomídeos.

1. A solução saturada de cloreto de sódio é feita adicionando aproximadamente 40g de NaCl a 100mL de água sob aquecimento até o ponto em que o sal não se dissolva mais na água. A densidade desta solução deve ser de aproximadamente 1,20g/mL.

2. Colocar uma quantidade de fezes coletadas de várias partes do bolo fecal em uma pequena cuba contendo uma parte de solução saturada de cloreto de sódio, dissolver as fezes nesta solução e acrescentar água até a borda.

3. Colocar sob a borda da cuba uma lâmina de vidro quase tocando a solução saturada e deixar de 30 a 45 minutos . Após este tempo, inverter a lâmina rapidamente e observar ao microscópio.

Técnica Prática: 1. Dissolver cerca de 5g de fezes em uma solução saturada de NaCl.

2. Filtrar em gaze dobrada em quatro em frasco de Borrel (frasco comum)e completar com a solução saturada de NaCl até formar um menisco convexo na boca do frasco.

(Parte 1 de 3)

Comentários