Apostila Valor Nutricional das Frutas

Apostila Valor Nutricional das Frutas

(Parte 4 de 10)

            É necessária ao crescimento normal e à reprodução. Em doses adequadas serve de proteção contra o beribéri (doença que ataca os nervos e produz edemas), inapetência e fadiga (diminuição da resistência física) e é essencial ao bem-estar geral do organismo, além de proteger contra moléstias do sistema nervoso (irritabilidade e insônia). A carência de tiamina afeta o aparelho digestivo, a musculatura e a circulação com aparecimento de edemas (inchações) e má digestão.

            Segundo Thalino Botelho, a absorção da tiamina dá-se principalmente no intestino delgado, mas também no grosso , e , uma vez absorvida, dirige-se aos vários tecidos e órgãos, sobretudo para o fígado e coração que são os órgãos mais ricos em tiamina, mas também para os rins, cérebro, glândulas supra-renais, baço, pulmões e para os músculos que contêm, a despeito de sua concentração relativamente baixa, metade de toda a tiamina do organismo.

            As necessidades de tiamina requeridas pelo organismo humano dependem do suprimento de calorias e mais particularmente da ingestão de carboidratos, uma vez que ela está ligada ao metabolismo dos carboidratos. As necessidades diárias em tiamina ou vitamina B1 foram estabelecidas entre 0,3 e 1,4 miligrama diário na Inglaterra, sendo que muitos especialistas consideram necessária a ingestão diária de 1a 2 miligramas para um adulto normal (Manica. I).

Mesmo em doses elevadas, a tiamina não é tóxica. Os eventuais excessos ingeridos são eliminados pelos rins.

Os frutos que contêm maiores porcentagens de tiamina ou vitamina B1 são: tamarindo, amêndoa, amendoim assado, figo seco, ameixa seca, uva-passa, pomelo e laranja.

 

Vitamina B2 (Riboflavina)

 

            É um componente termoestável do complexo B, muito importante como fator preventivo da pelagra. Tem a função de co-enzima de sistemas que intervêm nas oxidações celulares.

            A riboflavina é fundamental ao funcionamento normal do sistema nervoso, à reprodução e à amamentação, além de estimular o apetite. Ela é essencial à nutrição e contribui para a boa saúde da pele.

            Quando há deficiência de riboflavina ou vitamina B2, a conseqüência imediata é o aparecimento de lábios doloridos, vermelhidão, pele seca e descascamento ao redor da orelha, boca, nariz, e a língua fica vermelha. Em alguns casos ocorre crescimento retardado, queda de cabelos e envelhecimento precoce.

 As carências de vitamina B2 costumam acompanhar as faltas de outras vitaminas.Manifestações de excesso, não é tóxica, mesmo em altas doses.

As quantidades diárias de riboflavina ou vitamina B2 para a alimentação humana, foram determinadas entre 0,4 a 1,7 miligrama por dia. Autoridades no assunto, porém, estimam as necessidades para um adulto normal entre 1 e 2 miligramas por dia (Manica. I).

           

Vitamina B3 (Niacina)

           

            A niacina é necessária ao crescimento normal, à pele e ao intestino. Em quantidades adequadas para o organismo evita a pelagra, cujos sintomas são: fraqueza geral, perda de apetite, perda de peso e, nos casos extremos, boca dolorida, distúrbios nervosos e erupções cutâneas.

 

Vitamina  B 6 (Piridoxina)

 

A principal função da vitamina B6 é uma coenzima que interferem no metabolismo das proteínas, gorduras e triptofano. Atua na produção de hormônios e é estimulante nas funções defensivas nas células. Participa no crescimento dos jovens e no combate da pelagra.

A necessidade diária de Piridoxina é diretamente proporcional à ingestão de proteínas na dieta. Por exemplo, quem ingere 100 g/dia de proteínas necessita receber 1,5 mg/dia de piridoxina. Mulheres grávidas, fumantes e alcoólatras têm necessidade de doses maiores da vitamina B6. As principais fontes são cereais, carnes, frutas e verduras. O cozimento reduz os teores de B6 dos alimentos.

Manifestações de carência são muito raras, mas podem apresentar lesões seborréicas em torno dos olhos, nariz e boca acompanhados de glossite e estomatite. Quanto ao sistema nervoso, a carência de vitamina B6 pode provocar convulsões e edema de nervos periféricos, havendo suspeitas de que possa provocar a síndrome do túnel carpiano. Distúrbios do crescimento e anemia são atribuídos à carência de vitamina B6.

 A Piridoxina tem baixa toxicidade aguda, mas doses de 200 mg/dia, tanto por via oral como parenteral, podem provocar intoxicações neurológicas, surgindo sintomas como formigamento nas mãos e diminuição da audição foram relatados casos de dependência da piridoxina.

 

 

 

Ácido Fólico

 

            O acido fólico, é também denominado de  “vitamina da futura mamãe”. É imprescindível para mulheres antes da concepção e no primeiro mês da gravidez, a fim de evitar doenças congênitas na criança, como anencefalia e espinha bífida.

            Atua em conjunto com a vitamina B12 na transformação e síntese de proteínas. É necessária na formação dos glóbulos vermelhos, no crescimento dos tecidos e na formação do ácido desoxiribonucleico que interfere na hereditariedade.

O ácido fólico tem um papel na prevenção de doenças cardiovasculares, principalmente nos portadores de distúrbios metabólicos em que há um aumento da hemocisteina no sangue, onde atua como redutor dessa substância tóxica.

            A dieta habitual contém em torno de 0,2 mg de ácido fólico. O cozimento

prolongado dos alimentos pode destruir até 90% do seu conteúdo em ácido fólico.

 

 

 Vitamina B 12 ( Cobalamina)

 

            Vitamina B12 é um dos mais poderosos antianêmico conhecidos, sendo uma substância que age favoravelmente sobre as degenerações nervosas decorrentes da anemia perniciosa. 

É essencial para o crescimento de replicação celular e importante na formação das hemácias (os glóbulos vermelhos do sangue).

As principais fontes são carne e fígado. As frutas e os  vegetais,não contêm vitamina B12. Isso poderia levar os vegetarianos a apresentarem a sua falta. Contudo, isso nem sempre acontece porque bactérias contaminantes dos vegetais, ou mesmo as do trato intestinal, agindo sobre os restos desses vegetais, formam a vitamina B12 e, assim, suprem parcialmente o organismo daqueles que não ingerem carne, fígado, ovos ou leite e seus derivados.

A carência de vitamina B12 é comum em pessoas operadas do estômago quando foi retirada a parte que produz o fator intrínseco, responsável pela absorção da vitamina B12. São propensos a apresentarem manifestações de falta de vitamina B12 os vegetarianos restritos (que não ingerem carnes, ovos, leite e seus derivados), os portadores de parasitoses intestinais, as pessoas operadas do pâncreas, os portadores de doenças inflamatórias crônicas dos intestinos e os idosos.

 

 

Vitamina C (Ácido Ascórbico).

 

            O acido ascórbico é, talvez, a mais conhecida das vitaminas. Age como antisséptico, protegendo os tecidos, as juntas e os ligamentos contra inflamações. Evita o amolecimento e os sangramentos das gengivas. Combate gripes e resfriados. Estudos recentes indicam que a vitamina C pode ajudar a prevenir o câncer gástrico e do esôfago.    

Tem atuação nos processos de respiração celular, na atividade das enzimas, na estimulação dos centros formadores dos glóbulos sangüíneos, no mecanismo de coagulação, na absorção do ferro, na fagocitose (destruição dos micróbios por meio de certas células vivas do organismo, que absorvem as bactérias e as digerem), na defesa do organismo contra infecções, no equilíbrio dos hormônios sexuais, na formação das substâncias intercelulares e no aumento da resistência ao frio e ao calor.

            A ingestão diária de alimentos ou produtos que contenham vitamina C é necessária ao funcionamento normal do organismo e, particularmente, nos casos agudos e crônicos de hipovitaminose C.

 A vitamina C, quando presente em quantidades adequadas no organismo, evita e  cura o escorbuto (tendência a hemorragias), mantém a energia dos vasos capilares, promove a cicatrização de ferimentos e protege o corpo contra doenças ou enfraquecimento geral.

Quando o organismo está carente de vitamina C, há enfraquecimento geral, grande perda da capacidade física e psíquica, predisposição a outros distúrbios fisiológicos e ao aparecimento de doenças.

No caso de deficiência prolongada de vitamina C no organismo, podem ocorrer sangramentos das gengivas, dentes frouxos, juntas doloridas, perda de apetite e de peso, fadiga geral e, em caso extremo, o aparecimento do escorbuto.

A vitamina C tem sido empregada em altas doses como medicação auxiliar no tratamento de gripe, resfriado, afecções pulmonares, tuberculose, hepatite e cirrose (endurecimento do órgão em conseqüência do aumento de tecido conjuntivo), esclerose, câncer, colecistite (inflamação da vesícula biliar) e coletíases (cálculos biliares). Foram observados resultados positivos no tratamento de reumatismo, stresse, doenças febris, diabetes, no choque pós-operatório, em acidentes e no controle de hemorragias (MANICA, I).

As frutas que mais contêm  vitamina C são : acerola,laranja,limão,goiaba, mamão,caju, pomelo, abacaxi, maracujá amarelo, maracujá roxo, etc.

O suco de frutas, consumido em grande quantidade é importante como fonte de vitamina C. O hábito de tomar suco oferece todos os componentes de vitamina existente na fruta, inclusive os bioflavonóides, que se encontram nas partes brancas das frutas cítricas, nas nervuras dos pimentões e nas folhas das hortaliças verdes.

As quantidades de vitamina C recomendadas na alimentação humana para as diferentes idades e atividades, variam de 15 a 60 miligrama.   

 

 

Vitamina D

 

            É um grupo de vitamina (D¹,D²,D³). São indispensáveis para manter e mobilizar o cálcio e o fósforo no organismo. Tornam fortes e bem conformados os dentes e fazem parte integrante dos ossos. Sua carência provoca o raquitismo e é uma causa predisponente da cárie dentária. São produzidas no corpo pela ação dos raios ultra-violeta do Sol sobre a pele, onde se acha o ergosterol, uma provitamina D.

            “A fonte de eleição (da vitamina D) é, sempre que possível, a exposição à luz solar e isso porque mesmo pela superirradiação está apurado não haver sinais de hipervitaminose que surgem quando do abuso de doses de preparações ou concentrados de vitamina D (supercalcificação de ossos que se tornam então frágeis, calcificações de artérias, etc.)”. – Thalino Botelho, Acesso à Alimentação Racional, pág. 128.

            Expondo ao sol, de manhã, as frutas, muitas das quais, como a banana, que contêm o ergosterol, que, com esse recurso, se transformam em vitamina D.

            Alguns especialistas aconselham, principalmente em países de clima frio e temperado, o uso de alimentos enriquecidos ou fortificados com vitamina D, com uma dose diária de 5mcg.

Vitamina E

 

            Conhecem, nesse grupo, três tipos: alfa, beta e gama tocoferóis. Sua função específica é garantir a normalidade da reprodução e do metabolismo muscular e previne contra distúrbios cardiovasculares e neurológicos. Sua deficiência provoca a esterilidade. No macho, verifica-se a degeneração do epitélio germinativo testicular, azoospermia (esterilidade irreversível). Na fêmea, o embrião desenvolve-se por alguns dias, depois se atrofia, morre e é reabsorvida com a própria placenta (esterilidade por reabsorção do ovo). Alguns autores aconselham a dose de 2miligramas durante a puberdade e  4 ou 5 no estado de gravidez (BALBACH, A).

 

 

Vitamina k

 

(Parte 4 de 10)

Comentários