Moradias Ecológicas

Moradias Ecológicas

(Parte 1 de 3)

INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO

MORADIAS ECOLÓGICAMENTE CORRETAS.

Trabalho entregue como parte das exigências da disciplina Organizações e Métodos, Tecnólogo em Gestão da Produção Industrial, IFSP - Campus SEDE.

Douglas Renan Padoan – 0973351

Felipe de Andrade Albieri – 0973343

Genival Lima Alves – 0973386

José Wandeilson Silva – 0973807

Professor: José Barrozo.

São Paulo

Junho/ 2010.

1. DESCRIÇÃO DA EMPRESA

1.1 Sumário Executivo

Este Plano de Negócio tem como objetivo apresentar os estudos e análise de potencialidade e viabilidade, nos aspectos mercadológico, financeiro e operacional da criação de uma indústria de construção civil, a DFGS Engenharia e Construção LTDA, que terá seu foco na construção de moradias práticas, eficientes, auto-suficientes, mais ao mesmo tempo inovadoras, que se diferenciam das demais pelo fato de facilitar a inclusão social e melhorar o padrão de vida, buscando o desenvolvimento sustentável.

O mercado de construção civil tem crescido cada vez mais nos últimos anos, principalmente fora das grandes cidades, buscando a criação de novos pólos industriais. Esse mercado movimenta bilhões de reais por ano. É neste contexto que propomos a abertura de uma nova empresa nesta área, dinâmica e prática, cujo diferencial produtivo pode se tornar um processo bastante lucrativo.

1.2 Dados da Empresa

DADOS DA EMPRESA

NOME: DFGS Engenharia e Construção LTDA.

ENDEREÇO: Av. Paulista, 1002 São Paulo SP

ENDEREÇO ELETRÔNICO: www.dfgs.com.br

TELEFONE: (11) 2574-5555

E-MAIL PARA CONTATO: contato@dfgs.com.br

1.3 Dados dos Dirigentes

DADOS DOS DIRIGENTES

NOME: Felipe de Andrade Albieri

RESPONSABILIDADE NO PROJETO: Presidente

TELEFONE: 9306 1196

E-MAIL PARA CONTATO: felipealbieri@dfgs.com.br

DADOS DOS DIRIGENTES

NOME: Douglas Renan Padoan

RESPONSABILIDADE NO PROJETO: Diretor Jurídico

TELEFONE: 8045-1344

E-MAIL PARA CONTATO: oimperadordepoa@dfgs.com.br

DADOS DOS DIRIGENTES

NOME: José Wandeilson Silva

RESPONSABILIDADE NO PROJETO: Diretor Financeiro

TELEFONE: 9728 5968

E-MAIL PARA CONTATO: ronaldo@dfgs.com.br

DADOS DOS DIRIGENTES

NOME: Genival Lima Alves

RESPONSABILIDADE NO PROJETO: Inovação Tecnológica

TELEFONE: 9217-9213

E-MAIL PARA CONTATO: genivalalves@dfgs.com.br

1.4 Visão

Tornar-se uma empresa grande e reconhecida pelo mercado e pelo público por nossa dedicação, qualidade de serviços e potencial criativo. Alcançar mercados cada vez mais impensáveis com coerência e seriedade, preocupando com a satisfação dos nossos clientes e o bem-estar do planeta

1.5 Missão

Oferecer construções criativas e eficazes, que satisfaçam nossos consumidores, a comunidade e ao meio ambiente objetivando a excelência empresarial e o crescimento sustentável, buscando a diminuição de emissões de carbono e melhor aproveitamento de formas renováveis e limpas de energia

2. ANÁLISE DO MERCADO

O incentivo governamental para o setor de construção civil e os benefícios para investimentos e empréstimos podem ser tomados como exemplos de tendências. Como exemplos de ameaças, podem ser considerados o aumento de competitividade no setor escolhido ou retração da economia. Através do cruzamento das informações disponíveis sobre o ambiente externo e interno, pode- se definir a viabilidade preliminar do empreendimento, bem como traçar um plano de ação para melhor aproveitar as brechas no mercado que não estão sendo atendidas. O ideal, evidentemente, é investir numa situação em que o ambiente externo apresente boas oportunidades e o empreendimento tenha pontos fortes

2.1 Identificação do Público Alvo

O tipo de cliente são as classes (B e C) espalhadas pelas regiões

Do sudeste do Brasil atingindo por volta de 20 milhões de pessoas. Além de ajudar ao Meio Ambiente, também permite que esse grupo de pessoas tenha acesso a materiais para a construção da casa própria a um preço mais acessível.

2.2 Tendências de Mercado

Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE analisa a composição dos gastos e do consumo das famílias segundo as classes de rendimento, entre julho de 2006 e julho de 2009 e permite verificar, na comparação com as pesquisas anteriores, algumas mudanças expressivas nas despesas e nos hábitos dos brasileiros. Uma das grandes mudanças foi à forma de alocação dos recursos

Pesquisa promovida pelo Instituto Akatu Pelo Consumo Consciente mostra que 80% dos brasileiros estão dispostos a pagar mais para empresas que realizam projetos em favor do meio-ambiente. 40% dizem ter adotado o chamado consumo consciente. Em pesquisas promovidas pelo Instituto Araku pelo consumo consciente. O mercado é estimado pelas empresas envolvidas neste processo em torno de 120 milhões de reais para os próximos 10 anos, atendendo principalmente as regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste do Brasil. Ainda segundo estudos da Alcoa/Tetra Park, esses valores podem atingir o patamar de R$ 1 Bilhão de Reais, caso espalhasse esse tipo de tecnologia no Brasil.

2.3 Diferencial Competitivo

O diferencial competitivo da DFGS esta na causa ambiental.

Tubos de creme dental, garrafas plásticas, embalagens longa-vida e chupetas velhas ganharam um novo destino: ao invés de se juntarem ao lixo, servem de matéria-prima para a construção civil, tornando-se produtos valorizados pela arquitetura eco-eficiente. No dia-a-dia da construção civil, a mudança de hábito começa na primeira lição dos ambientalistas: a prática dos "3R" (reduzir, reutilizar e reciclar). Cada vez mais comprometidos com questões ambientais, engenheiros e arquitetos passam a ter também o respaldo da indústria na fabricação de produtos ecologicamente corretos.

2.4 Metas Específicas

A empresa DFGS pretende penetrar no mercado em curto prazo nas regiões de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, tornando-se reconhecida no segmento de construções eficazes disponibilizando a maior variedade de moradias ecologicamente corretas.

2.5 Marketing

De Acordo com Churchill (2000), Marketing é “a visão de que uma organização deve procurar satisfazer as necessidades e os desejos dos seus clientes como modo de alcançar os objetivos da organização”. Nesse sentido a DFGS busca atender seus clientes com qualidade, buscando sempre a inovação de seus produtos e serviços para melhor satisfação dos mesmos.

A empresa DFGS terá como diferencial competitivo o bom atendimento aos clientes, o melhor serviço de construção civil da região e a garantia da qualidade e higiene de seus produtos. Além disso, estarão sendo atendidas as necessidades dos clientes em casos de mordias para portadores de necessidades especiais.

3 DESCRIÇÃO DO PROJETO MORADIAS ECOLOGICAMENTE CORRETAS

O projeto Moradia Ecologicamente Correta consiste em uma moradia com a estrutura eco eficiente utilizando resíduos que seriam jogados em lixões para a produção de materiais usados na construção civil. A iniciativa resulta em muitas recompensas, tais como: evitar agressões ao meio ambiente, custo benefício e o direito a uma moradia digna aos cidadãos brasileiros. O trabalho pretende resgatar e reintroduzir os materiais recicláveis como tecnologia opcional para construção da moradia. Além de encontrar uma nova utilização para um resíduo gerado de forma aceleradamente e em larga escala, o uso desses materiais reduz o preço de produção de uma construção e ocupa o lugar de outros insumos que seriam extraídos da natureza. Os materiais reciclados atendem aos requisitos de desenvolvimento ambientalmente responsável, que equilibra o consumo com a sustentabilidade do planeta.

3.1 Tijolos Pet

O PET (polietileno tereftalato de etila) é hoje uma resina muito popular e com uma das maiores taxas de crescimento em aplicação como material e embalagem. Isso se deve, sem dúvida, às suas excelentes propriedades: reciclável, elevada resistência mecânica, aparência nobre (brilho e transparência), barreira a gases, etc. Ao analisar um produto que aliasse resistência a praticidade e benefício para o meio ambiente criaram o “tijolo com PET”. Ele é primeiro produto a reutilizar uma garrafa PET inteira em sua fabricação que traz inovação para a construção civil. O tijolo ecológico é fabricado de maneira manual e a matéria-prima básica é garrafas PET, cimento, quartzo e areia. Os tijolos não precisam ser queimados em um forno, logo não proporcionam agressão ao ecossistema e, por isso são conhecidos como ecológicos. Não se trata de reciclagem - a garrafa não passa por nenhum processo termoplástico de despolimerização, quando lhe é retirada a resina básica do PET. O projeto desenvolve blocos de concreto para a construção de moradias, contendo em seu interior garrafas fechadas e vazias de PET. O objetivo é o de economizar areia, tornando as paredes mais leves. Ao reduzir substancialmente a quantidade de insumo, o novo tijolo tende a baixar os custos na construção de casas. O tijolo pode ser empregado na construção de paredes de casas. Enquadra-se na categoria bloco de vedação, de acordo com a NBR 10007/04 da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Bloco de vedação é todo aquele que consegue suportar a própria carga. Não pode, porém, ser empregado como bloco estrutural, ou seja, como um pilar capaz de suportar o peso de um telhado. Outras vantagens existentes são os isolamentos - térmico e acústico. A literatura afirma que o PET é uma barreira térmica. Como o tijolo é projetado com saliências e reentrâncias, o encaixe dispensaria cimento na liga. O resultado seria uma parede lisa que também dispensaria emboço e reboco. Uma camada de argamassa leve seria suficiente para deixar a parede em condições de receber a pintura final.

Em estudos comprovou-se que o monobloco PET não sofre nenhuma dilatação no interior do tijolo mesmo quando este é colocado à prova com maçarico a 75º C, temperatura limite para a despolimerização da resina.

Mesmo economizando 40% de argamassa com a utilização da garrafa PET, tijolo possui uma resistência bem maior que a exigida pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). A norma brasileira requer a resistência mínima de (3Mpa) no teste de esmagamento do tijolo de vedação, mas em testes realizados com a prensa, o Tijolo com PET indicou de 6 a 17 Mega pascal, o que significa uma resistência de compactação enorme, superior à do tijolo feito de barro.

Os tijolos de cimento estruturados com garrafas PET são fabricados utilizando-se de formas desenhadas e desenvolvidas, que possuem características próprias, oferecendo vantagens técnicas, funcionais e ecológicas. Dentro do espaço entre os painéis são colocadas garrafas verticalmente e o espaço entre elas pode receber a mistura de areia, cimento e água. Destacam-se por apresentarem duas juntas subseqüentes (machos) e duas juntas subseqüentes (fêmeas), que se encaixam mutuamente no sentido vertical e horizontal, permitindo ótimo encaixe e superposição. Vale ressaltar que o tijolo é confeccionado em três tamanhos, a fim de evitar o corte de blocos a serem utilizados nas amarrações de paredes. Depois de seco, a estrutura deve ser removida e os painéis estarão prontos para a construção das paredes de concreto que podem ser revestidas ou simplesmente pintadas. Nessas paredes são embutidas, onde necessários, tubos para água, esgoto e eletricidade, também as janelas e portas nos lugares adequados. Assim poderiam ser construídas quaisquer casas, edifícios, muros, paredes de contenção, divisórios, móveis de alvenaria, estuques, forros ou quaisquer outras coisas que requeiram construção.

(Parte 1 de 3)

Comentários