Hanseniase

Hanseniase

Um caso de Hanseníase é uma pessoa que apresenta uma ou mais de uma das seguintes caracteristicas e que requer quimioterapia:

  • Um caso de Hanseníase é uma pessoa que apresenta uma ou mais de uma das seguintes caracteristicas e que requer quimioterapia:

  • Lesão (ões) de pele com alteração de sensibilidade

  • Acometimento de nervo (s) com espessamento neural

  • Baciloscopia positiva

DETECÇÃO ATIVA:

  • DETECÇÃO ATIVA:

  • INVESTIGAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DE CONTATOS;

  • INQUÉRITOS;

  • CAMPANHAS.

  • CASO NOVO – CASO DE HANSENÍASE QUE NUNCA RECEBEU QUALQUER TRATAMENTO ESPECÍFICO.

  • NOTIFICAÇÃO – É UMA DOENÇA DE NOTIFICAÇÃO COMPULSÓRIA.

  • OBS: NOTIFICA-SE APÓS CONFIRMAÇÃO DO CASO!!!

MANCHAS ESBRANQUIÇADAS, ACASTANHADAS OU AVERMELHADAS, COM ALTERAÇÃO DE SENSIBILIDADE.

  • MANCHAS ESBRANQUIÇADAS, ACASTANHADAS OU AVERMELHADAS, COM ALTERAÇÃO DE SENSIBILIDADE.

  • PÁPULAS, INFILTRAÇÕES, NÓDULOS, NORMALMENTE SEM SINTOMAS;

  • DIMINUIÇÃO OU QUEDADOS PÊLOS, LOCALIZADA OU DIFUSA, ESPECIALMENTE NAS SOBRANCELHAS;

  • FALTA OU AUSÊNCIA DE SUDORESE NO LOCAL.

DOR E/OU ESPASSAMENTO DOS NERVOS PERIFÉRICOS;

  • DOR E/OU ESPASSAMENTO DOS NERVOS PERIFÉRICOS;

  • DIMINUIÇÃO OU PERDA DE SENSIBILIDADE NAS ÁREAS DOS NERVOS AFETADOS, PRINCIPALMENTE OLHOS, MÃOS E PÉS;

  • DIMINUIÇÃO OU PERDA DA FORÇA DOS MÚSCULOS (MMSS,MMII, PÁLPEBRAS);

  • EDEMA DE PÉS E MÃOS;

  • FEBRE E ARTRALGIA;

  • ENTUPIMENTO, FERIDAS E RESSECAMENTO DO NARIZ;

  • MAL ESTAR GERAL;

  • RESSECAMENTO DOS OLHOS.

ORGANIZE-SE

  • ORGANIZE-SE

  • TESTE DE SENSIBILIDADE – ESTESIÔMETROS, ALGODÃO, TUBOS DE ENSAIO, CANETA ESFEROGRÁFICA.

  • FORMULÁRIOS

  • FIO DENTAL, SEM SABOR, COM CERA

  • ACUIDADE VISUAL

  • LATERNA CLÍNICA

  • RÉGUA

  • CANETAS DE CORES AZUL, VERDE, VERMELHO PRETA.

CLÍNICO:

  • CLÍNICO:

  • Anamnese

  • Avaliação Dermatológica: térmica, dolorosa e tátil.

  • Avaliação Neurológica: neurite

  • Diagnóstico dos Estados Reacionais

  • Diagnóstico Diferencial

  • Classificação do Grau de Incapacidade Física

LABORATORIAL:

  • LABORATORIAL:

  • Baciloscopia: negativa e positiva

  • DIFERENCIAL:

  • - Doenças Dermatológicas

  • - Doenças Neurológicas

  • PAUCIBACILARES (PB): casos com até 5 lesões de pele

  • MULTIBACILARES (MB) : casos com mais de 5 lesões de pele

Esquema Paucibacilar (PB):

  • Esquema Paucibacilar (PB):

  • RIFAMPICINA (RFM): uma dose mensal de 600mg (2 cápsulas de 300mg) com administração supervisionada

  • DAPSONA (DDS): uma dose mensal de 100mg supervi-sionada e uma dose diária auto-administrada

  • DURAÇÃO DO TRATAMENTO: 6 doses mensais supervisionadas de RFM

  • CRITÉRIO DE ALTA: 6 doses supervisionadas em até 9 meses

  • RIFAMPICINA (RFM): uma dose mensal de 600mg (2 cápsulas de 300mg) com administração supervisionada

  • CLOFAZIMINA (CFZ): uma dose mensal de 300mg(3 cápsulas de 100mg) com administra-ção supervisionada e uma dose diária de 50mg auto-administrada

  • DAPSONA (DDS): uma dose mensal de 100mg supervisionada e uma dose diária auto-administrada

  • DURAÇÃO DO TRATAMENTO: 12 doses mensais supervisionadas de RFM

  • CRITÉRIO DE ALTA: 12 doses supervisionadas em até 18 meses

  • Hanseníase e gravidez

  • Hanseníase e tuberculose (RFM:600mg/dia)

  • Hanseníase e AIDS

  • Mensal (28/28 dias)

  • Caso MB: Inicio com lesões graves

  • Interrupção da medicação

  • Unidade de Referência: casos graves

  • Recidiva: conceito

  • Reações pós-alta

FORMA INDETERMINADA: apresenta manchas planas, esbranquiçadas e com alterações de sensibilidade.

  • FORMA INDETERMINADA: apresenta manchas planas, esbranquiçadas e com alterações de sensibilidade.

  • FORMA TUBERCULÓIDE: nem sempre há manchas na pele do doente. Quando aparecem, podem ser acastanhadas, com bordas bem definidas, podendo apresentar alopécia. Pode afetar apenas os nervos, sendo chamada de forma neural pura

FORMA DIMORFA: pode apresentar manchas avermelhadas ou arroxeadas, sem bordas definidas, com edema, algumas vezes semelhante a forma tuberculóide ou virchowiana

  • FORMA DIMORFA: pode apresentar manchas avermelhadas ou arroxeadas, sem bordas definidas, com edema, algumas vezes semelhante a forma tuberculóide ou virchowiana

  • FORMA VIRCHOWIANA: apresenta deformações no nariz e orelhas, caracterizando a “face leonina”. Há espessamento e formações de granulomas em várias partes do corpo, aparentando “caroços na pele”

HANSENÍASE VIRCHOWIANA – Infiltraçào maciça da face. Lóbulos auriculares bem infiltrados. Baciloscopia nestes casos sempre positiva e alta.

  • HANSENÍASE VIRCHOWIANA – Infiltraçào maciça da face. Lóbulos auriculares bem infiltrados. Baciloscopia nestes casos sempre positiva e alta.

Hanseníase Tuberculóide com Mal Perfurante Plantar: Paciente neste caso já com alta medicamentosa há anos , entretanto houve agressão de tronco nervoso ( Ciático Popliteo Externo E. ),levando à diminuição de sensibilidade do pé E, com isso, por microtraumatismos em áreas de maior pressão, como a base do quinto metatarsiano, ocorre o aparecimento de úlceras de bordos calosos, totalmente anestésicas . A conduta  cuidados locais e adaptações de calçados com técnicas simples para melhor distribuição do peso do corpo.

  • Hanseníase Tuberculóide com Mal Perfurante Plantar: Paciente neste caso já com alta medicamentosa há anos , entretanto houve agressão de tronco nervoso ( Ciático Popliteo Externo E. ),levando à diminuição de sensibilidade do pé E, com isso, por microtraumatismos em áreas de maior pressão, como a base do quinto metatarsiano, ocorre o aparecimento de úlceras de bordos calosos, totalmente anestésicas . A conduta  cuidados locais e adaptações de calçados com técnicas simples para melhor distribuição do peso do corpo.

HANSENÍASE DIMORFA EM REAÇÃO – Placas generalizadas pelo dorso, de tom eritematoso. Paciente está em tratamento PQT/MB, na vigência da sétima dose supervisionada, apareceram-lhe placas reacionais por todo o corpo.

  • HANSENÍASE DIMORFA EM REAÇÃO – Placas generalizadas pelo dorso, de tom eritematoso. Paciente está em tratamento PQT/MB, na vigência da sétima dose supervisionada, apareceram-lhe placas reacionais por todo o corpo.

HANSENÍASE TUBERCULÓIDE REACIONAL, placas eritematosas, de aparecimento abrupto com limites bem definidos e regulares. De permeio pele normal, sem sinais de infiltração. A baciloscopia nesses casos pode ser fracamente positiva, principalmente na vigência do surto reacional. A sensibilidade está alterada; porém, pode ser normal na face, devido à intensa irrigação nervosa.

  • HANSENÍASE TUBERCULÓIDE REACIONAL, placas eritematosas, de aparecimento abrupto com limites bem definidos e regulares. De permeio pele normal, sem sinais de infiltração. A baciloscopia nesses casos pode ser fracamente positiva, principalmente na vigência do surto reacional. A sensibilidade está alterada; porém, pode ser normal na face, devido à intensa irrigação nervosa.

HANSENÍASE DIMORFA – Este caso poderia ser classificado clinicamente como Hanseníase Tuberculóide, entretanto no histopatológico, já se observa granulomas frouxos e baciloscopia de +++. Isto tem importância pelo fato de ser a única lesão deste paciente, onde o atual tratamento ROM, para casos com lesão única, tem de ter sua aplicação revista.

  • HANSENÍASE DIMORFA – Este caso poderia ser classificado clinicamente como Hanseníase Tuberculóide, entretanto no histopatológico, já se observa granulomas frouxos e baciloscopia de +++. Isto tem importância pelo fato de ser a única lesão deste paciente, onde o atual tratamento ROM, para casos com lesão única, tem de ter sua aplicação revista.

  • CONCEITO: caso de recidiva é aquele que completa com êxito o tratamento PQT, e que após curado venha eventualmente desenvolver novos sinais e sintomas da doença

A pessoa deverá receber tratamento anti-reacional, sem reiniciar, porém, o tratamento PQT

  • A pessoa deverá receber tratamento anti-reacional, sem reiniciar, porém, o tratamento PQT

  • TIPOS: - REAÇÃO TIPO 1 (reação reversa)

  • - REAÇÃO TIPO 2 (Eritema Nodoso Hansênico - ENH)

  • Terapêutica anti-reacional: prednisona e talidomida

  • MEDIDAS RECOMENDADAS:

    • Doente sob tratamento PQT
    • Reação tipo 1: Corticosteróide: prednisona (1 a 2 mg/kg/dia)
    • Reação tipo 2: Talidomida (100 a 400 mg/dia)

Auto cuidado com o nariz

  • Auto cuidado com o nariz

  • Doença de notificação compulsória

  • Notificação do caso

  • Investigação epidemiológica

  • Contato intradomiciliar: conceito

  • Vacinação BCG

Alta por cura

  • Alta por cura

  • Completou tratamento – idem anterior, exceto a avaliação clínica

  • Óbito

  • Transferências

  • Em tratamento

  • Abandono

  • No diagnóstico

  • No controle

  • Na vigilância de contatos

  • No suprimento de medicamentos

  • No preenchimento de fichas

Realizar a programação de atividades

    • Realizar a programação de atividades
    • Planejar ações de assistência e controle do paciente, família e comunidade
    • Avaliar o estado de saúde do indivíduos
    • Realizar ações educativa
    • Realizar medidas de controle de contatos

      • Prescrever medicamentos
      • Realizar previsão de medicamentos
      • Fazer aprazamento da clientela
      • Realizar busca ativa dos casos
      • Solicitar exames

Comentários