Receptores e Sinalização celular I (PARTE 1 de 2)

Receptores e Sinalização celular I (PARTE 1 de 2)

(Parte 1 de 2)

13 Receptores de membrana e princípios de sinalização celular I

Ao fi nal desta aula, você deverá ser capaz de : • Entender como e por que as células se comunicam.

• Conceituar ligante e receptor.

• Entender como moléculas hidrofóbicas atuam na

sinalização.

• Entender como moléculas que não atravessam a membrana podem transmitir informação para o ambiente intracelular.

aula OBJETIVOS

Aula_13C.indd 78/7/2004, 14:2:36

Biologia Celular I | Receptores de membrana e princípios de sinalização celular I

CEDERJ8

Em organismos multicelulares, é essencial que as células se comuniquem, possibilitando ações coordenadas. Essa comunicação se dá através de moléculas que uma determinada célula produz e coloca no meio extracelular para serem então percebidas pelas outras células.

Se compararmos a comunicação entre células com a comunicação entre as pessoas, o assunto fi ca mais claro: a forma mais fácil de duas pessoas se comunicarem é pela linguagem verbal. Alguém diz uma frase que contém certa informação. Para que outra pessoa receba essa informação corretamente, é preciso primeiro que essa pessoa possa ouvir. Depois é preciso que ela entenda o idioma usado pela pessoa que disse a frase, só a partir daí o sentido da frase passa a valer.

Entre células, “dizer uma frase” não signifi ca emitir um som, mas liberar no meio extracelular uma ou mais moléculas. Para que a informação seja transmitida, é preciso que as outras células possam “ouvir”, ou seja, é preciso que as outras células tenham receptores capazes de perceber a presença daquela molécula no meio extracelular. Além disso, é necessário que as células que apresentam os receptores tenham condições de decodifi car a informação recebida, ou seja, “entendam o idioma”. Vamos chamar a célula que lançou a molécula de célula sinalizadora, a molécula que leva a informação de ligante e a célula que percebeu a presença do ligante no meio de célula-alvo (Figura 13.1).

Nem sempre o ligante é lançado no meio, ele pode permanecer exposto na membrana da célula sinalizadora, que precisa estar próxima o sufi ciente da célula-alvo para que haja contato com o receptor (Figura 13.1). Um sinal pode, portanto, alcançar apenas células vizinhas, se ele permanece ligado à membrana da célula sinalizadora. Mas se ele for secretado (isto é, lançado no meio extracelular), poderá se difundir e alcançar células próximas ou mesmo outras muito distantes, se ele for transportado pela corrente sanguínea.

Figura 13.1: A célula sinalizadora e a célula-alvo podem, ou não, entrar em contato.

Aula_13C.indd 8/7/2004, 14:2:39

CEDERJ 9

MÓDULO 3 Tipos de sinalização

De acordo com a meia vida (veja o boxe) da molécula sinalizadora e de quais células possuem receptores para aquele sinal, podemos classifi car os tipos de sinalização como: a) Parácrina – a molécula sinalizadora tem vida curta e os receptores estão nas células próximas (Figura 13.2.a). Nesse caso, a molécula sinalizadora é chamada de mediador local. b) Autócrina – a molécula sinalizadora tem vida curta e o receptor está na própria célula que emitiu o sinal. Para você entender melhor, compare a sinalização autócrina com algumas coisas que nós fazemos, como colocar um bilhete para nós mesmos a fi m de não esquecer de fazer alguma coisa, ou anotar um compromisso na agenda, ou colocar o despertador para tocar na hora que queremos acordar. Todos esses exemplos são sinais que colocamos e nós próprios percebemos; somos, assim, tanto emissores como alvos dos mesmos sinais, que são, portanto, autócrinos (Figura 13.2.b). c) Dependente de contato – a molécula sinalizadora não é secretada, fi cando exposta na superfície da célula sinalizadora, e a célula-alvo precisa fazer contato para que o receptor possa se ligar (Figura 13.1). d) Endócrina – a molécula sinalizadora tem vida longa, é lançada na corrente sanguínea e vai atingir células-alvo em locais distantes. Nesse caso, a molécula sinalizadora é chamada de hormônio (Figura 13.2.d). e) Neuronal é um caso especial de sinalização entre células que poderia ser classifi cado como parácrino ou endócrino. Nessa situação, a molécula sinalizadora, chamada neurotransmissor, viaja grandes distâncias, mas não no sangue ou no meio extracelular e sim dentro de prolongamentos celulares dos neurônios, os axônios, indo atingir a célulaalvo longe do corpo celular do neurônio que emitiu o sinal, mas próximo do axônio onde a molécula sinalizadora foi secretada (Figura 13.2.c).

Figura 13.2: Tipos de sinalização entre células: parácrina (a), autócrina (b), neuronal (c) e endócrina (d).

Aula_13C.indd 98/7/2004, 14:2:40

Biologia Celular I | Receptores de membrana e princípios de sinalização celular I

CEDERJ10

A meia-vida de uma substância é o tempo que leva para que uma determinada quantidade dela perca metade de sua atividade. Esta medida da atividade é muito utilizada para compostos radioativos, mas também se aplica a hormônios, drogas e outras moléculas com atividade em sistemas bioquímicos. Algumas substâncias sinalizadoras, como o neurotransmissor acetilcolina, se degradam alguns milissegundos após serem secretadas. Já alguns hormônios permanecem ativos na circulação por várias semanas, antes de serem degradados.

Um sinal pode gerar muitas respostas diferentes

Quando a molécula sinalizadora é secretada no meio extracelular, ela entrará em contato com várias células, mas apenas um pequeno número restrito delas responderá ao sinal, porque apenas algumas expressam o receptor capaz de reconhecer a molécula sinalizadora (Figura 13.3.a).

Figura 13.3: (a) Na corrente sanguínea circulam muitos hormônios, secretados por diferentes células, que atingirão várias células, mas só algumas expõem o receptor adequado. (b) Do mesmo modo, um neurônio possui diferentes prolongamentos para alcançar as células que possuem os receptores capazes de reconhecer o neurotransmissor.

Um exemplo disso é novamente o neurotransmissor acetilcolina, que serve de sinalizador para células-alvo diversas, que reagem de modo diferente ao mesmo sinal: uma célula muscular esquelética vai se contrair quando seu receptor de acetilcolina reconhecer esse neurotransmissor no meio; já no músculo cardíaco, a freqüência de contração da célula muscular cardíaca até diminui na presença dessa molécula. Se a acetilcolina atingir uma célula da glândula salivar, que expressa o mesmo receptor da célula cardíaca, vai provocar uma resposta diferente: a secreção de saliva (Figura 13.4). Os receptores que essas células apresentam em sua superfície são diferentes, apesar de reconhecerem a mesma molécula sinalizadora.

Várias células sinalizadoras Sangue

Várias células-alvoHormônios

Várias células sinalizadoras

Várias cél las-alvob u

Aula_13C.indd 108/7/2004, 14:2:41

CEDERJ 1

MÓDULO 3 Figura 13.4: Diferentes células podem responder de modo diferente à mesma molécula sinalizadora, por apresentarem diferentes receptores, como as células musculares esquelética e cardíaca, ou mesmo apresentando receptores iguais, como as células cardíaca e secretória.

Célula que não se comunica se “trumbica”

Cada célula recebe ao mesmo tempo vários sinais trazidos por diferentes moléculas sinalizadoras e ela os reconhece porque possui em sua superfície muitos receptores diferentes. Uma importante mudança de comportamento dessa célula pode depender da interação de vários sinais (Figura 13.5). Veja nessa fi gura que, se não recebesse nenhum sinal, essa célula morreria. Só para sobreviver ela precisa receber várias informações do meio externo, como por exemplo: sobre a disponibilidade de nutrientes, sobre o número total de células do órgão de que ela faz parte etc. Para se dividir, além dos sinais de sobrevivência, também são necessários sinais de proliferação. Para que ela se diferencie em célula especializada, é preciso que os sinais de proliferação não estejam presentes (ou que a célula não os reconheça mais porque deixou de expor os receptores para eles) ao mesmo tempo em que sinais de diferenciação apareçam. Alguns desses sinais são moléculas conhecidas, outros ainda não. Assim, quando células são mantidas in vitro, acrescentamos soro ao meio de cultura. O soro contém os sinais de proliferação conhecidos e também os que ainda não conhecemos.

O recente uso terapêutico de células-tronco (veja a Aula 4, de Cultura de células) é conseqüência natural desses conceitos e da melhoria das técnicas de obtenção de células-tronco dos tecidos de adulto (você vai saber mais numa aula específi ca sobre células-tronco em Biologia Celular I).

Acetilcolina Célula muscular esquelética

Contração

Diminuição de freqüência

Secreção

Célula muscular cardíaca Célula secretória

Aula_13C.indd 118/7/2004, 14:2:42

Biologia Celular I | Receptores de membrana e princípios de sinalização celular I

CEDERJ12

Tipos de receptores

a) se a molécula sinalizadora for pequena e/ou hidrofóbica o sufi ciente para atravessar a
membrana, o receptor deve ser intracelular;
b) se a molécula sinalizadora não puder atravessar a membrana, o receptor terá de estar
obrigatoriamente na membrana plasmática, exposto na superfície celular.

Qual o tipo de receptor mais adequado para receber um determinado sinal? Isso depende de que tipo de molécula esse sinal for (Figura 13.6):

Essas características de afi nidade, isto é, permeabilidade entre as moléculas sinalizadoras e as membranas celulares, mais especifi camente a bicamada lipídica, já foram abordadas na Aula 8.

Figura 13.6: Os receptores para moléculas hidrofílicas fi cam voltados para o meio extracelular (a) enquanto os receptores para sinalizadores pequenos e hidrofóbicos são intracelulares (b).

Morte celular Sobrevivência

Proliferação

Diferenciação

Figura 13.5: Diferentes sinais recebidos por uma célula-alvo podem modular seu comportamento. A célula que não recebe nenhum sinal acaba morrendo. A simples manutenção da vida celular já depende de várias informações sinalizadas pelas moléculas A, B e C. Comportamentos mais complexos, como a proliferação e a diferenciação, requerem sinalizadores específi cos, representados por D, E, F e G.

Aula_13C.indd 128/7/2004, 14:2:43

CEDERJ 13

MÓDULO 3 Sinalização por ligantes hidrofóbicos

O exemplo mais notável desse tipo de sinalização é o do óxido nítrico (NO). Essa pequena molécula age sobre as células musculares lisas que envolvem os vasos sanguíneos, provocando vasodilatação local. Promovendo o relaxamento dessas células musculares, o NO faz com que o vaso aumente de calibre, deixando o sangue fl uir mais facilmente. O NO é produzido nas células endoteliais que revestem os vasos, isto é, bem perto das células sobre as quais ele age. Quando um impulso nervoso chega a essas células, elas ativam uma enzima, a óxido nítrico sintase (NOS), que produz NO a partir do aminoácido arginina. O NO é um gás e, assim como o O2 e o CO2, ele atravessa as membranas por difusão simples (a Aula 8), saindo da célula na qual foi produzido e se espalhando rapidamente pelas células vizinhas. Nas células musculares lisas, o NO ativa outras enzimas, o que leva à vasodilatação. O NO é um mediador local, fazendo sinalização parácrina.

VIAGRA É NO. VOCÊ SABIA? Muitas células nervosas também usam o óxido nítrico como mediador local. No pênis, por exemplo, a liberação de NO pela inervação autônoma local age sobre a musculatura lisa, ativando enzimas cujos produtos dilatam os vasos que se enchem de sangue, causando a ereção. A sinalização mediada por óxido nítrico dura pouco porque o NO é rapidamente degradado e vira nitrito. O produto das enzimas que ele ativa também dura pouco porque também é degradado rápido. O mecanismo de ação de alguns medicamentos, como o Viagra, é impedir a degradação do produto das enzimas ativadas por NO, fazendo, assim, a vasodilatação durar mais tempo.

O que chamamos de hormônios não passam de sinalizadores

Como vimos, o NO age sobre uma enzima que já está pronta na célula, precisando apenas ser ativada. Nem sempre é assim com outras moléculas sinalizadoras. O NO difunde-se rápido porque é gasoso, mas tem vida curta. Outras moléculas sinalizadoras hidrofóbicas também são capazes de atravessar membranas e têm vida muito mais longa (são moléculas muito mais estáveis). Elas são produzidas e secretadas por células glandulares, viajando grandes distâncias pela corrente sanguínea até achar células-alvo. Essas moléculas sinalizadoras são chamadas hormônios. Como são hidrofóbicas, têm problemas para viajar pela corrente sanguínea e o meio extracelular, que são aquosos.

Aula_13C.indd 138/7/2004, 14:2:4

Biologia Celular I | Receptores de membrana e princípios de sinalização celular I

CEDERJ14

Figura 13.7: O cortisol, produzido pelas glândulas supra-renais, é um sinalizador hidrofóbico que forma um complexo receptor ligante, entrando no núcleo, onde vai ativar a transcrição de um gen.

Claro que essa resposta demora muito mais para aparecer do que aquela que depende apenas da ativação de uma molécula que já estava pronta. Mas também permanece mais tempo, já que o gen ativado produzirá uma proteína que não será degradada de imediato. Alguns dos hormônios mais conhecidos agem assim, como por exemplo os hormônios esteróides (testosterona, estrogênio, cortisol e outros) e os tireoidianos.

Sinalização por ligantes hidrofílicos

Mas e se o ligante não consegue atravessar a membrana? O que você faria para passar uma informação para alguém que está num lugar onde você não pode entrar? Não vale telefonar! Acho que o jeito seria mandar um recado por alguém que estivesse na porta (ou na janela!). E recomendar muita atenção para que o recado chegue direitinho.

Quando a molécula sinalizadora é hidrofílica e/ou grande, não podendo, portanto, atravessar a bicamada lipídica, o receptor vai ter de funcionar como um verdadeiro garoto de recados, mas sem sair

Por isso, precisam associar-se a moléculas hidrofílicas que tenham um sítio capaz de acomodá-la. Essa molécula hidrofílica, que chamamos carreadora (Figura 13.6.b), freqüentemente é a albumina do soro. Ao chegar bem perto da membrana de uma célula, a molécula sinalizadora (ligante) se solta da carreadora e se difunde pela bicamada lipídica, entrando na célula. O receptor para este ligante deve estar no citoplasma e, com a chegada deste, fi ca ativo, desempenhando suas funções.

É muito freqüente, porém, que o receptor seja um fator de transcrição, isto é, uma molécula que, com a chegada do ligante, forma um complexo que entra no núcleo e vai ativar a transcrição de um gen (Figura 13.7).

Aula_13C.indd 148/7/2004, 14:2:4

CEDERJ 15

MÓDULO 3 da membrana onde tem de estar obrigatoriamente exposto (Figura 13.6.a).

Quando o receptor recebe a molécula sinalizadora, ele invariavelmente muda de conformação. A mudança conformacional passa a informação adiante porque muda o comportamento do receptor. Vamos ver quais são as principais classes de receptores para ligantes hidrofílicos e o que acontece depois da chegada do ligante a cada um deles, passando a informação adiante.

Existem três tipos de receptor de sinalização na membrana plasmática: a) os receptores do tipo canal; b) os associados à proteína G e c) os receptores enzimáticos. Em comum eles possuem o fato de serem proteínas transmembrana e de não entrarem na célula (a não ser que devam ser degradados), o que os diferencia dos receptores de endocitose (você vai conhecê-los na Aula 19), que entram na célula junto com o ligante. Vamos ver as características básicas de cada um. a) Receptores do tipo canal Esses você já conhece das Aulas 10 e 1, de transporte. São os canais controlados por ligante. Esses receptores podem ser os canais eles próprios ou estar associados a um canal iônico, de modo que a mudança conformacional induzida pelo ligante ativa o canal associado, que se abre (Figura 13.8). Um bom exemplo é o receptor de acetilcolina em células musculares esqueléticas.

(Parte 1 de 2)

Comentários