Separação de misturas homogêneas e heterogêneas

Separação de misturas homogêneas e heterogêneas

(Parte 1 de 2)

Relatório do experimento 2: Separação de misturas homogêneas e heterogêneas

Aluno: Diêgo Flávio Rodrigues de Andrade Lima Turma: Eng. Mecânica 2010.2 - MA Disciplina: Química Experimental. Prof: Msc. Fernanda Anjos.

Juazeiro - BA, Agosto de 2010.

1. Introdução Teórica

Na natureza a maioria das substâncias que conhecemos encontram-se misturadas umas as outras. Por isso, sentiu-se a necessidade de criar técnicas e procedimentos que permitam isolar as substâncias contidas em nessas misturas.

É considerada mistura a associação de duas ou mais sustâncias diferentes, sejam simples ou compostas, que não reagem entre si, ou seja, não ocorre reação química entre elas. As misturas podem ser classificadas em: homogêneas e heterogêneas, a depender das substancias nelas envolvidas.

A mistura homogênea é uniforme, as substancias envolvidas não podem ser identificadas, pois possuem mesmas propriedades, sofrem dissolução e produzem somente uma fase.

Na mistura heterogênea os componentes constituintes são perceptíveis podem ser percebidos a olho nu ou com o auxilio de um microscópio. As misturas heterogêneas possuem duas ou mais fases.

Em uma separação podemos usar diversos métodos. Alguns são descritos abaixo:

Evaporação - o componente líquido é separado do sólido após se deixar evaporar o líquido presente. Ex.: separar o sal da água.

Filtração - separa a fase líquida da sólida por meio de uma superfície porosa que retém o sólido. Usam-se papel filtro ou filtro de porcelana. Ex.: coar o café, filtrar a água, aspirar o pó com aspirador.

Decantação - separa dois líquidos imiscíveis (não se misturam entre si) com o auxílio de um funil de decantação (chamado também de pêra de decantação). Ao se abrir a torneira o líquido mais denso escoa separando-se do outro líquido. Ex.: água e óleo.

Além dos métodos citados acima existem vários métodos, como por exemplo:

Centrifugação Cristalização

Destilação

Destilação fracionada

Peneiração

Ventilação

2. Objetivo

Fazer separações da mistura1 (contendo água destilada, cloreto de sódio e areia) e da mistura 2 (contendo água e óleo vegetal), utilizando os processos de evaporação, filtração e funil de decantação.

3. Parte experimental 3.1. Materiais e equipamentos

Água destilada Cloreto de sódio

Areia

Óleo vegetal

Filtro de papel

Vidro de relógio

Balão de vidro

Funil de decantação

Becker de 50 e 250ml

Suporte universal com garras tipo argola

Erlenmeyer

Pipeta Volumétrica

Estufa

Balança analítica

3.2. Procedimento 3.2.1 Mistura1 (água destilada, cloreto de sódio e areia).

Inicialmente foi anotado o código de identificação das amostras,

Pesou-se na balança analítica o vidro de relógio, becker e o filtro de papel;

Montou-se no suporte universal com argola o funil e o becker;

Misturou-se os componentes (NaCl e areia) em cerca de 15ml de água;

Com o auxilio do bastão de vidro, transferiu-se pelo funil a mistura, fazendo a mesma fluir para o becker;

Colocou-se o becker com o NaCl diluído na placa de aquecimento.

A areia que ficou retida no papel de filtro foi levada à estufa.

Esquema de montagem da filtração simples.

Montou-se no suporte o balão de decantação; Adicionou-se no balão volumétrico a mistura (água e óleo)

Após repouso, separou-se a fase mais densa

Esquema de montagem da decantação.

4. Resultados e Discussão Mistura1 (água destilada, cloreto de sódio e areia).

Antes de iniciar o experimento foram anotados os códigos de identificação e as respectivas massas das amostras:

Tanto as vidrarias, que foram usadas durante o experimento, quanto o papel de filtro foram previamente pesados em balança analítica:

O filtro de papel, o vidro de relógio e areia seca pesaram 28,2407g, como o valor da areia e do papel de filtro já foram conferido anteriormente concluímos que ainda restaram vestígios de sal junto a areia pois o valor obtido subtraindo a massa do papel e do vidro de relógio foi 3,7792g.

(Parte 1 de 2)

Comentários