A Simplicidade no

Controle das Operações

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Kanban

•DesmistificandoJIT e Kanban;

•O Problema dos altos estoques;

•O Sistema MRP

•Os desperdícios

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Just in Time

•A Filosofia “Just inTime”;

–Desperdício é qualquer coisa além do mínimo necessário de recursos para se produzir uma unidade de determinado produto. Prof. Maurício Kuehne Jr.

Desperdícios

•Transportes; •Tempo de Espera;

•Inspeção;

•Estoques...

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Ferramentas JIT

Troca Rápida

MPT Pedidos em aberto

Colaborador multifuncional

Qualidade Assegurada

5S’s Kanban Layout

Células Prof. Maurício Kuehne Jr.

Objetivo do JIT

InícioLote=1Red. 1 unid.

Problemas Resolva FimLote=1

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Programação tradicional

instante,longe do

•Alguém, em algum lugar, em determinado mandava comprar as peças.

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Programação Tradicional

Onde colocar tanto material??

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Programação

Tradicional •É como se o estoque empurrasse a produção

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Desvantagens do

Método Tradicional

•Grandes instalações para armazenagem

Prof. Maurício Kuehne Jr.

•Controles mais difíceis necessitando de ES

Desvantagens do Método Tradicional

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Desvantagens do Método Tradicional

•Difícil balanceamento dos estoques;

•Necessita de pessoas especializadas;

•Colaboradores do

não estão inseridos no processo

Prof. Maurício Kuehne Jr.

História do Kanban

Após a 2ª guerra o Japão verificou a necessidade de melhorar sua produtividade para baixar custos.

Prof. Maurício Kuehne Jr.

História do Kanban

A idéia do Kanban nasceu em 1953 em uma pequena indústria de caminhões chamada

Toyota

Prof. Maurício Kuehne Jr.

História do Kanban

•O empresário da Toyota, em visita aos EUA observou o funcionamento de um supermercado, nos seguintes aspectos:

Prof. Maurício Kuehne Jr.

História do Kanban

•Mercadorias distribuídas em prateleiras;

•Informações necessárias em um pequeno cartão

•Mercadoria retirada pelo próprio consumidor

•Reposição é feita de acordo com a demanda

Prof. Maurício Kuehne Jr.

História do Kanban

•Este executivo chamava-se Taiichi Ohno

•Ligou o processo a um

Kanban -Achou um bom nome para o método

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Características do

Kanban

•O processo posterior deve respeitar o processo anterior

•Qualquer retirada sem um cartão Kanban será proibida(puxar a produção)

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Características do

Kanban

•Qualquer produção que seja maior que o número de Kanbans será proibida

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Vantagens do Kanban

JSimples JAuto-Controlado JDesburocratizante JMotivacional JLimita Estoque

JBaseia-se na Demanda real

Hummm!!!

Funciona para tudo?

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Ambiente KANBAN

ØFlexibilidade -tudo todo dia ØLotes e prazos pequenos ØQualidade Assegurada ØTrocas Rápidas ØPadronização ØKaizen ØCélulas

ØManutenção corretiva nula Prof. Maurício Kuehne Jr.

Kanban e os Estoques

•No sistema tradiconal os estoques escondem os problemas

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Kanban e os

Estoques

•No sistema Kanban, devido à redução dos estoques, os problemas tendem a aparecer

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Metodologia Kanban

•Existem dois métodos: –1 cartão

–2 cartões

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Quadro KANBAN

Prof. Maurício Kuehne Jr.

TÉCNICAS -MRP x KANBA N

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do KANBA N

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do KANBA N

•Vamos rever velhos conceitos:

–O TR engloba os ciclos de fabricação mais os tempos de Set-up.

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do

KANBA N •QK -quantidade de peças em cada contentor

•K -n°. De contentores;

•a-Eficiência da estação de trabalho (kanban produção);

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do KANBAN •Seja:

então:onde:

•Seja no Kanban:

xTRD K

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do KANBAN

•Entretanto, conhecemos a ineficiência de muitas fábricas, xTRxDK a

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do KANBA N

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do KANBAN

O LE poderá ser o LEC ou o LEF dependendo do tipo de Kanban que estamos calculando. Prof. Maurício Kuehne Jr.

Cálculos do KANBAN Onde teremos:

xTRxDESLEK a

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Exemplode Cálculo KANBA N

Para um produto cujas características são:

Demanda/Mês: 1000 pç

TR = 3 dias ES = 1 semana

Container com capacidade p/ 100pç

LEC = 200 pç. Prof. Maurício Kuehne Jr.

Exemplo Cálculo KANBA N xTRxDESLEK a

= 200 + 23 + 3*3*1+1 100 = 6 contentores

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Painel KANBAN:

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Dimensionar o KANBAN para: A B C D

Lembrete: Usar o mês com 20 dias e a semana com 5 dias

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Quando Calculamos o KANBAN

JNa implantação;

JQuando ocorrerem grandes mudanças;

Jnosso desafio: menos 1 contentor sempre.

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Estudo de Caso. O que devemos fazer quando:

Aumenta a demanda?

Quando este aumento excede a capacidade?

Peça nunca fica crítica?

Peça fica crítica freqüentemente?

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Estudo de caso. O que fazer quando?

ÄExistem perdas no processo? Quadro sempre vazio?

Quando a fábrica trabalha sob encomenda?

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Perguntas sobre KANBAN

ØComo definimos por qual peça iniciaremos a fabricação?

ØSe houver mais de uma máquina capaz de fabricar a mesma peça, como informar no painel?

ØE se houver empate no número de Kanban’s?

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Perguntas sobre Kanban?

ØO que fazer quando formos buscar uma peça e esta não estiver pronta?

ØComo proceder com peças de lote especial?

ØQue fazer quando o painel estiver cheio?

Prof. Maurício Kuehne Jr.

Perguntas sobre KANBAN

E agora? Se eu não fizer nada o chefe manda eu para a rua?!?!?!?!

Prof. Maurício Kuehne Jr.Prof. Maurício Kuehne Jr.

FILOSOFIA JIT Movimentação -não

O que agrega e o que não agrega valor ao produto

Estoque -não

Inspeção -não Operação -sim

Esperas -não

Comentários