(Parte 5 de 6)

Profundidade útil mínima e máxima , por faixa de volume útil

Volume útil (litros) Profundidade útil mínima (m) Profundidade útil máxima (m)

Até 6000 1,20 2,20

De 6000 a 10000 1,50 2,50 Mais que 10000 1,80 2,80

Taxa de acumulação de lodo (K), em dias, por intervalo de limpeza e temperatura média do mês mais frio.

Instalação de Esgoto Doméstico

Intervalo entre limpezas (anos) Valores de K por faixa de temperatura ambiente (t), em °C t ≤ 10 10 ≤ t ≤ 20 t ≥ 20 1 94 65 57 2 134 105 97 3 174 145 137 4 214 185 177 5 254 225 217

5.4.4 Tanques sépticos de duas câmaras em série

Seu volume é calculado como se fosse um tanque de câmara única, acrescido de 30%. Seu volume mínimo é de 1650 litros. A segunda câmara destina-se fundamentalmente à estabilização da matéria orgânica ainda contida no líquido que sai da primeira câmara. As seguintes relações devem ser observadas: - profundidade útil mínima: 1,1m

- largura interna mínima: 0,8m

- relação comprimento/largura deve ficar entre 2 e 4

- a largura não deve ultrapassar duas vezes a profundidade

- diâmetro interno mínimo para fossas cilíndricas: 1,1m

- o diâmetro interno não deve ser superior a duas vezes a profundidade.

- os volumes da primeira e segunda câmaras devem ser, respectivamente, 2/3 e 1/3 do volume total - as aberturas de passagem entre as câmaras devem corresponder de 5 a 10% da área as seção transversal útil da fossa - a menor dimensão de cada abertura será de 3cm

- a geratriz superior da abertura ficará no mínimo a 30cm do nível do líquido.

- a geratriz inferior da abertura ficará no mínimo a 2h/3 do fundo do tanque.

5.4.5 Principais erros na construção de tanques sépticos - Dimensões inferiores ao mínimo necessário.

PrimeiraSegundaTanque séptico de duas câmaras em série

Instalação de Esgoto Doméstico

- Localização incorreta da entrada e saída( devem estar diametralmente opostos na maior dimensão. - Dispositivos de entrada e saída inadequados.

- Separação incorreta das câmaras em série.

- Falta de acesso para inspeção e limpeza.

5.5 Sumidouro

Como o sumidouro tem a função de infiltrar o esgoto no solo, não interessa seu volume, mas interessa a área de contato entre o solo e as paredes do sumidouro. Então:

Instalação de Esgoto Doméstico

A = V / C1

Onde: A = Area de infiltração necessária em metros quadrados, para sumidouro ou vala de infiltração. V = Volume de contribuição diária em litros/dia. C1 = Coeficiente de infiltração em Litros/metro quadrado x dia. Obtido no gráfico do ensaio. Observações: - O menor diâmetro interno do sumidouro deve ser de 0,30m.

- A altura útil do sumidouro deve ser determinada de modo a manter distância vertical mínima de 1,50m entre o fundo do poço e o nível máximo do lençol freático.

5.5.1 Ensaio para determinação do coeficiente de infiltração

2° No fundo de cada vala, abrir um buraco de 30cm x 30cm x 30cm.As faces devem ficar retas ,
porém ásperas. Colocar 5cm de brita n° 1 bem limpa no fundo.

Em seis pontos do terreno que vai ser utilizado para disposição do efluente da fossa séptica: 1° Proceder à abertura de uma vala , cujo fundo deverá coincidir com o plano útil de absorção. 3° Encher o buraco com água e manter cheio durante 4 horas. 4° No dia seguinte encher o buraco com água e aguardar que a mesma se escoe completamente.

que o nível da mesma baixe 1cm. Se este tempo for menor que 3 min. repetir o ensaio 5 vezes
e adotar o quinto valor.

5° Encher novamente o buraco com água até a altura de 15cm, marcando o intervalo de tempo em 6° Consultar o gráfico, para tirar diretamente o coeficiente de infiltração.

Instalação de Esgoto Doméstico

Possíveis faixas de variação do coeficiente de infiltração

Faixa Constituição provável do solo Coef. de Infiltração litros/m2 x dia

Rochas, argilas compactas de cor branca ou preta, variando a rochas alteradas e argilas medianamente compactas de dor vermelha Menor que 20

2 Argilas de cor amarela, vermelha ou marrom medianamente

compacta, variando a argilas pouco siltosas e/ou arenosas. 20 a 40

3 Argilas arenosas e/ou siltosas, variando a areia argilosa ou silte argiloso de cor amarela, vermelha ou marrom. 40 a 60

Areia ou silte argiloso, ou solo arenos com humus e turfas, variando a solos constituídos predominantemente de areias e siltes. 60 a 90

5 Areia bem selecionada e limpa, variando a areia grossa com cascalhos. Maior que 90

5.6 Valas de infiltração

Instalação de Esgoto Doméstico

Obs. : A área de infiltração é determinada pela mesma fórmula usada para o sumidouro, deve-se considerar, porém, somente o fundo da vala como área de infiltração. Filtro anaeróbico

Instalação de Esgoto Doméstico

N = número de contribuintes
C = contribuição diária por pessoa
T = período de detenção ( dias )

Material de enchimento: brita número 4 Altura do leito filtrante ( altura de brita + altura do fundo falso ) = 1,20 m Volume útil mínimo do leito filtrante = 1000 litros Altura útil ( altura de brita + altura do fundo falso) = 1,20 m Altura total = altura útil + altura sobressalente acima da calha coletora. V = 1,60 x N x C x T V = volume útil ( l ) OBS.: C e T constam em tabelas da NBR 7229.

S = V ÷ 1,80S = seção horizontal do filtro
V = volume útil.

5.8 Vala de filtração

Instalação de Esgoto Doméstico Instalação de Esgoto Doméstico

Exercício - 1

Determinar os diâmetros do ramal de ventilação, da coluna de ventilação, dos ramais de descarga , dos ramais de esgoto, a declividade dos ramais de descarga e de esgoto do BWC residencial abaixo:

Exercício - 2 Projetar o esgoto do BWC residencial abaixo:

(Parte 5 de 6)

Comentários