Adubação das pastagens

Adubação das pastagens

(Parte 1 de 2)

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UVA/EMBRAPA

DISCIPLINA: FORRAGICULTURA E PASTAGENS

PROFESSOR: FABIANNO CAVALCANTE DE CARVALHO

ADUBAÇÃO DE PASTAGENS

LUIZA ELVIRA VIEIRA OLIVEIRA

SOBRAL-CE, 2010

1- INTRODUÇÃO

As áreas de pastagens cobrem 177 milhões de hectares do território brasileiro, sendo que destes 99 milhões são de cultivadas (Anuário... 1995). Dados estimados indicam que pelo menos 80% dessas pastagens são formadas por gramíneas do gênero Brachiaria. Caracterizam-se, portanto, como grandes áreas de monocultura que, associadas a um modelo de pecuária extrativista e apoiadas em solos com baixa disponibilidade de fósforo e nitrogênio, resultam em degradação de grande parte dessas áreas.

Uma das principais causas da redução na produção vegetal de pastagens de gramínea em monocultura, ao longo do tempo, é a baixa disponibilidade do nitrogênio para as plantas por causa da alta relação C:N dos resíduos (palha e raízes) reciclados no solo.

Ao se decomporem, esses resíduos provocam imobilização do nitrogênio (Schunke, 1998) e produzem no solo compostos orgânicos mais recalcitrantes e de mineralização mais lenta. Atualmente, assume-se que a palha depositada sobre o solo e as raízes são as principais responsáveis pela incorporação de N nos sistemas (Boddey et al., 1995; Cadish et al., 1994), especialmente, em pastagens tropicais.

Também as altas perdas de N das excretas dos animais afetam a produção. No caso do gado de corte, os animais excretam cerca de 90% do nitrogênio consumido. O nitrogênio na urina encontrase, principalmente, na forma de uréia ou amônia, e nas fezes, a maior parte está em forma orgânica (Vallis, 1984).

Considera-se que as maiores perdas de N ocorram pela urina, porque a uréia é facilmente hidrolisada à amônia. Ocorrem perdas de até 80% do N excretado, por meio de volatilização de amônia especialmente quando esta é depositada em solo descoberto e com baixa capacidade de troca de cátions (CTC) quando então são ainda maiores .

Um manejo eficiente poderá aumentar o aporte de nitrogênio aos sistemas de produção de pastagens, equilibrando suas transformações nos diferentes compartimentos do elemento no solo e garantindo a sustentabilidade desses sistemas.

Tal manejo envolve escolha da espécie forrageira apropriada e a manutenção da fertilidade do solo, aliada ao aumento da biodiversidade que pode ser alcançada com o uso de leguminosas fixadoras de nitrogênio atmosférico e ao manejo da pastagem adequado quanto ao uso da taxa de lotação correta e ao diferimento dessa.

É uma escolha complexa porque envolve uma interação de variáveis, tais como: a forrageira, o animal, o clima e o solo, em seus aspectos biológicos, econômicos, e de manejo da propriedade.

Portanto, a possibilidade de se regular a mineralização do N em diversos sistemas de utilização das pastagens, por meio da manipulação das entradas e saídas do N nos diversos compartimentos do ciclo do elemento, de acordo com o potencial de uso da pastagem, poderá ser o caminho para se garantir a sustentabilidade dessas pastagens ao longo do tempo.

2- ADUBAÇÃO DAS PASTAGENS

Os nutrientes mais limitantes nas pastagens, normalmente, são o fósforo e o nitrogênio. As forrageiras respondem significativamente à adubação fosfatada, resultando em prática economicamente viável tanto no estabelecimento como na manutenção. O fósforo é conservado no sistema, ligando-se aos compostos orgânicos e aos óxidos do solo num processo conhecido como fixação, com perdas insignificantes é exigido pelas plantas em pequenas concentrações, especialmente após a pastagem implantada.

A aplicação de fósforo contribui para aumentar a produção de matéria seca das pastagens, com conseqüente aumento do teor do elemento na planta e da qualidade da forragem disponível (Schunke et al., 1991).

A adubação fosfatada estimula a absorção de N pela planta como conseqüência da correção da deficiência de P do solo e de um aumento da eficiência no ciclo do N, porém seu efeito sobre a mineralização do nitrogênio do solo é menos consistente.

Em pastagem de Brachiaria decumbens, implantada em solo arenoso e adubada com fósforo, Schunke et al. (1992) obtiveram aumentos de 100% na produção de matéria seca da parte aérea da planta (Tabela 1), com aumento significativo da quantidade de palha depositada sobre o solo e da disponibilidade de raízes recicladas no sistema. A mineralização do nitrogênio do solo também foi beneficiada, porém de forma menos intensa.

Tabela 1. Efeito da adubação fosfatada em Brachiaria decumbens em solo arenoso,

durante o período chuvoso

Sem adubação

100 kg/ha de P2O5

-------------------- kg/ha --------------------

Matéria seca aérea

1.217 (65)

2.487 (201)

Palha

973 (99)

1.535 (139)

Raízes

1.851 (345)

3.744 (525)

-------------- µg N/g de solo ---------------

N mineralizado "in situ" (NH4 + NO3)

40,6

45,4

Fonte: Schunke et al., 1999.

2.1- AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO

No contexto da exploração intensiva, o conhecimento dos atributos do solo é relevante, e segundo Corsi e Nussio (1992) o nível de fertilidade do solo é certamente um dos principais fatores que determina o montante de produção e a qualidade da forragem. Quanto aos atributos físicos desses solos, nota-se uma amplitude grande para o teor de argila, que nas Areias Quartzosas pode ser de apenas 8%, enquanto que nos Latossolos pode atingir 80% naqueles muito argilosos, sendo de maneira geral profundos o que associados com o relevo geralmente plano, têm favorecidas às práticas mecanizadas. Embora ocorra grande variação no teor de argila dos solos, cerca de 95% são distróficos (V<50%), com caráter álico (m>50%) em sua maioria, com valor mediano de m = 59% apresentando teores baixos de K e principalmente de P em 92% desses solos.

2.2- INTERPRETAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO

A interpretação da fertilidade do solo é fundamental para o estabelecimento das recomendações de correção e adubação das pastagens, como será visto posteriormente, sendo que atualmente, ainda pode ser feita através da utilização de um dos métodos citados por Corsi e Nussio (1993), quais sejam: a) nível de suficiência de nutrientes disponíveis, e b) proporção de cátions na saturação por bases, ou pela interpretação conjunta deles.

O método das classes de teores dos nutrientes, que é muito usado para as recomendações, estabelecido através de uma rede de experimentação, principalmente com culturas anuais em condições de campo, considera as respostas para o(s) nutriente(s) aplicado(s) na adubação, expressos em termos de produção relativa, que são usados para o estabelecimento das curvas de calibração, que visa obter os limites entre as classes (Van Raij et al., 1997).

Alvarez et al. (1999) apresentam as classes de interpretação da fertilidade do solo para o estado de Minas Gerais com especial atenção dada ao fósforo - P, cujo método analítico é o Mehlich – 1, e a sua interpretação deve ser feita considerando-se o poder tampão, que está associado ao teor de argila ou ao valor de fósforo remanescente do solo. Caso semelhante ocorre com a interpretação do enxofre - S determinado pelo método Hoeft et al. (1973), que é influenciado pelo poder tampão, que por sua vez está ligado ao P remanescente.

Outro método baseia-se na ocupação do complexo de troca catiônica (CTC) do solo pelos nutrientes, decorrente do comportamento químico dos cátions trocáveis de interesse às plantas, em se ligar com as cargas negativas geradas no complexo do solo, segundo a sua valência e raio iônico. Desta forma, Corsi e Nussio (1993) a partir de dados de McLean (1976), apresentam as faixas de proporção de cátions na saturação por bases – PCSB. A análise do método leva à refletir sobre a importância da CTC do solo, como um “reservatório” potencial para os nutrientes, que determina a quantidade que o solo “comporta”, tornando-se um indicador para evitar as “perdas” do excesso de nutrientes por lixiviação, bem como a “carência” pela falta dos mesmos, ou seja, auxiliar no estabelecimento das quantidades e frequências das adubações.

Nesse sentido, o manejo químico do solo fica vinculado ao conhecimento da CTC, que por sua vez é consequência de cargas permanentes, oriundas dos minerais do solo e portanto sendo sempre consideradas, e as cargas variáveis ou dependentes do pH, que são devidas aos óxidos hidratados de Fe e Al, bem como da hidroxilas dos grupos carboxílicos, fenólicos e outros presentes na matéria orgânica. Vitti (1997) apresenta a proporção de cátions na CTC, porém associada com a ordem de grandeza da V (%), o que é interessante, uma vez que no método a proporção é fruto da relação matemática do nutriente pela CTC, e para um mesmo valor percentual existem várias combinações entre esses valores. De qualquer forma, fica evidente a importância da CTC do solo, pois condiciona o potencial de suporte de fornecimento de nutrientes às pastagens. A constatação dessa informação, implica que somente através do aumento da M.O. do solo é que se consegue aumentar a CTC dos solos que apresentam teores considerados baixos, podendo ser questionada a possibilidade de intensificar o uso das pastagens nesses solos.

2.3- NUTRIÇÃO MINERAL DA PLANTA FORRAGEIRA

As práticas de calagem e adubação em pastagens, de uma maneira geral são ainda pouco utilizadas, principalmente no Brasil Central pecuário. Algumas razões pelas quais essas práticas não são empregadas em maior escala, poderiam ser destacadas, tal como, a grande capacidade de adaptação das forrageiras tropicais, aqui introduzidas que permitiram aos produtores aumentar parcialmente a capacidade de suporte e explorar a pecuária, sem que necessariamente utilizassem da adubação de manutenção por longos períodos ou até mesmo vários anos.

Todavia, atualmente nota-se elevada queda da capacidade de suporte, degradação evidente das pastagens, que culmina com a falta de sustentabilidade da produção, o que está provocando grandes alterações no cenário de extrativismo da pecuária brasileira. Por outro lado, não se deve perder de vista que, apesar dos investimentos necessários para a implantação, manutenção, recuperação e renovação de pastagens, como por exemplo o uso de calagem e da adubação, a utilização estratégica desses insumos, pode ser a forma mais eficaz de aumentar a eficiência da produção. Desta forma, aliar a capacidade de adaptação e resposta à adubação das plantas forrageiras aos diversos sistemas de produção pecuários e respectivas práticas culturais e manejo animal é o grande desafio para se manter no negócio agrícola.

Deve ser considerado que para um bom manejo da adubação, principalmente no sistema intensivo, torna-se importante conhecer a necessidade de nutrientes das plantas forrageiras, e consequentemente a sua capacidade de extração e nutrientes do solo. Esse procedimento tem sido em muitos casos, deixado de lado, pois conforme Aguiar (1997), os pesquisadores buscam incessantemente plantas forrageiras que tenham adaptabilidade a solos de baixa fertilidade, ou seja, pouco exigentes em nutrientes. Tal procedimento certamente conduziu os técnicos e por decorrência os pecuaristas, a um raciocínio no tocante à exigência nutricional das plantas forrageiras, no sentido de alimentar expectativas “falsas” de aferir resultados satisfatórios de suas pastagens, bem como na produção animal, quer de carne e, ou leite, de forma rápida e com baixo custo, tomando-se como premissa o fato de se obter pastagens implantadas em solos de baixa fertilidade e, ou esgotados pelo uso extrativista. Para gerar um dado montante de fitomassa produzida, é necessária a transformação da energia radiante, a disponibilidade de nutrientes e hídrica, para viabilizar todo o processo bioquímico e fisiológico da planta, que sob as condições tropicais, são muito superiores as de clima temperado, podendo atingir 80 t MS/ha.ano.

Da Silva (1995) ressalta a importância da adequação da planta forrageira às condições edafoclimáticas, particularmente as de fertilidade do solo, que por sinal podem ser manejadas. A capacidade de extração de nutrientes de Panicum spp. Para a produção de 20 t MS/ha/ano o referido autor destaca que qualquer deficiência nesse sentido, pode levar à subutilização de áreas potencialmente nobres para a produção, alimentando o ciclo vicioso de baixa produtividade, e reforçando a filosofia extrativista de produção reinante em nosso meio, o que marginaliza cada vez mais a nossa atividade pecuária”.

Os solos tropicais, em grande maioria são, segundo Rodrigues et al. (2000) em geral, pobres em bases (Ca, Mg e K), fósforo e enxofre, além de apresentarem elevados teores de hidrogênio livre e de alumínio tóxico. As plantas forrageiras apresentam-se diferentes quanto a capacidade de adaptação às condições edáficas. Desta forma, existem graus diferenciados de adaptação, entre e dentro de espécies às condições adversas de fertilidade do solo. Nesse sentido Werner et al. (1996) apresentaram 10 agrupamentos para as plantas forrageiras, para o Estado de São Paulo, com base no tipo de exploração e características botânicas (gramíneas e leguminosas).

2.4- RECOMENDAÇÃO DE CORREÇÃO E ADUBAÇÃO

No contexto do manejo químico das pastagens devem ser consideradas duas fases distintas para o dimensionamento das correções e adubações, ou seja, a implantação e a manutenção. No estabelecimento ou implantação, a necessidade dos nutrientes está relacionada diretamente com o crescimento das plantas e principalmente com o desenvolvimento do sistema radicular, desta forma a nutrição com o fósforo e cálcio assume grande importância.

Por outro lado, na manutenção de pastagens que tenham sido submetidas a um bom processo de formação, as plantas com sistema radicular bem desenvolvido, certamente explorarão um volume relativamente grande de solo. Segundo Rodrigues et al. (2000) normalmente acontecem associações simbióticas com fungos micorrízicos, aumentando a capacidade de absorção de fósforo e outros nutrientes pouco móveis como o zinco e o cobre. No sistema solo-planta-animal ocorre o ciclo dos nutrientes continuamente, uma vez que os excrementos e a mineralização da matéria orgânica dos resíduos estão permanentemente submetidos aos processos químicos, podendo contribuir com nutrientes para o sistema. No entanto, ocorrem perdas de nutrientes do sistema, pois a dinâmica pela qual os nutrientes estão sujeitos envolve, entre outros processos, a volatilização principalmente para o N, a lixiviação para a maioria dos nutrientes, principalmente N e K, a erosão que pode arrastar principalmente os nutrientes pouco móveis concentrados na superfície, tais como o P e Ca, e a exportação de produtos pela ingestão do animal, pelo corte mecânico, etc. No contexto exposto, resulta que a prática de adubação de manutenção é fundamental para permitir a permanência da produção da pastagem, e com isso evitar o ciclo vicioso de recuperação-degradação de pastagens que é muito comum no cenário pecuário, sobretudo na região de baixa fertilidade como no Cerrado brasileiro.

Para discutir o manejo químico das pastagens, considerando o sistema solo x planta x animal, num contexto intensivo, primeiramente serão mencionadas as plantas forrageiras, uma vez que apresentam diferentes potenciais produtivos e consequentemente necessidades diferenciadas, para depois discutir sobre as práticas corretivas e de adubação. Tal procedimento será denominado na prática de “esquema do funil” visando elucidar a sequência e importância das práticas de manejo químico do solo, que se adequa muito bem no contexto de pastagem.

Sendo assim, na parte mais larga do funil, ou seja, na qual “um líquido” passa inicialmente, destaca a atenção que deve ser dada às práticas corretivas do solo, iniciando pela calagem, devido a elevada acidez da maioria dos solos onde normalmente se implanta os projetos pecuários, além dos baixos teores e, ou baixa participação do Ca e do Mg no complexo de troca – CTC, além da saturação por alumínio ser, em muitos casos, elevada. Ainda, nas práticas corretivas, ou seja, na boca do funil, deve-se considerar a gessagem em determinadas situações, que serão discutidas posteriormente, bem como especial atenção, e por que não dizer preocupação com o fósforo, que nessa etapa seria tratado através da fosfatagem, podendo ser essa feita em área total, utilizando-se fontes de solubilidade intermediária, podendo ser incorporado ao solo, visando elevar seu “padrão” no solo. Rodrigues et al. (2000); destacam que o fósforo constitui-se de um grande limitante no solos sob pastagem, por apresentar normalmente níveis baixos de disponibilidade, devido aos teores diminutos do elemento no material de origem aliado ao elevado poder de fixação do fósforo apresentado pela natureza oxídica de seus solos com presença elevada de óxidos de Fe e Al. Afirmam, também, que o potencial de produção de matéria seca aumenta à medida que a adubação fosfatada eleva o teor de P no solo e com isso permite maximizar o potencial que os demais nutrientes disponibilizariam.

3- CALAGEM E GESSAGEM

3.1- Calagem

Segundo Vitti e Luz (1997), os critérios para recomendação de calagem em pastagens são bastante complexos, pois dependem em muito da espécie forrageira, bem como da região do Brasil, desta forma, serão apresentados separadamente os vários métodos de recomendação de calagem para algumas regiões específicas.

3.1.1- Método da elevação da saturação por bases

Van Raij (1983) propôs o método de recomendação de calcário através da saturação por bases, em função da existência de uma correlação positiva entre pHH2O e a porcentagem de saturação por bases do solo (V%). A regressão polinomial resultou numa equação linear, em cuja aplicação verifica-se que para as saturações por bases de 40, 60 e 70% correspondem respectivamente a valores de pHH2O de 5,5; 6,0 e 6,5.

Com base na correspondência entre o pHH2O e a V (%), e por decorrência na saturação por alumínio – m (%), elevar o grau de saturação por bases corresponde a aumentar o pH e consequentemente diminuir a m (%). Observando-a nota-se que para pHH2O acima de 5,5 o Al não estaria mais ativo, refletindo no valor da m (%) que seria nulo. Sendo assim, conforme comentário de Vitti e Luz (2001) a acidez potencial do solo seria devida somente à acidez não trocável (H0). O método da elevação da saturação por bases é muito interessante, pois na fórmula são considerados atributos relacionados ao solo, exigência das plantas forrageiras, através da V2 (%) requerida, bem como características de reatividade do corretivo a ser empregado

Para a região do Cerrado, considerando as espécies mais utilizadas como plantas forrageiras, Vilela et al. (1998) sugerem o estabelecimento de três grupos para leguminosas e dois para gramíneas, segundo o nível de exigência e indicações dos respectivos graus de adaptação a baixa fertilidade do solo. Os diferentes graus de adaptação das plantas forrageiras às condições de fertilidade do solo foram criados considerando, principalmente, a acidez e a disponibilidade de fósforo. A partir da sua capacidade de adaptação quanto à fertilidade do solo, estipula-se faixas para a saturação por bases adequadas para o desenvolvimento das plantas.

3.2 ADUBAÇÃO DE IMPLANTAÇÃO

3.2.1 Fósforo

A adubação fosfatada é de grande importância para o adequado estabelecimento da pastagem (Werner 1994), pois afeta o desenvolvimento inicial das plantas recém germinadas, favorecendo o crescimento das raízes e estimulando o perfilhamento. Todavia, Corsi e Nussio (1993) alertam para as “frustações” dos técnicos e pecuaristas em relação às adubações fosfatadas, pela dificuldade de se elevar os teores após a aplicação dos fertilizantes, devido a pequena mobilidade do elemento, associado ao processo de fixação.

A recomendação da adubação fosfatada através das classes de resposta dos teores de P no solo, pelo método da resina para o estado de São Paulo, segundo Werner et al. (1996) segundo os agrupamentos de exigência de nutrientes. Os autores comentam que as pastagens Spoderiam responder a doses de cerca de 30% superiores às estabelecidas na tabela de recomendação, porém não se deve esquecer do retorno econômico da atividade.

Para Cantarutti et al. (1999), especial atenção deve ser dada à adubação fosfatada, quando se pensa em intensificar a exploração das pastagens, cuja recomendação de doses de P2O5, baseadas no método de Mehlich, respeitando as classes de teores de P no solo tendo como variáveis o teor de argila. Para as condições dos solos de Cerrado, Villela et al. (1998) recomendam a adubação fosfatada para o estabelecimento de pastagens, em função da disponibilidade do nutriente no solo e do grupo de exigência da planta forrageira.

Cabe comentar, que numa situação de teor limitante ou muito baixo, dependendo da classificação, caberia a prática da fosfatagem, com o intuito de elevar o padrão de P na área, lembrando que nesse caso, deve-se continuar considerando a colocação da adubação fosfatada na semeadura ou plantio, pois a fosfatagem poderia ser tida como uma “poupança” para o P no solo. Nessa situação, poder-se-ia adotar para a fosfatagem doses de P na ordem de 80 a 150 kg P2O5/ha, dependendo da textura do solo ou, em média, valores de 100 kg P2O5/ha. Rodrigues et al. (2000) teceram comentários com relação as fontes de P a serem usadas para a formação de pastagens, principalmente em solos da região do Cerrado, indicando haver atualmente, diversas fontes disponíveis no mercado. Os fosfatos solúveis (superfosfato simples e triplo), os termofosfatos apresentam a mesma eficiência, todavia, os fosfatos naturais reativos como os de Gafsa, Arad, Daoui e Carolina do Norte têm apresentado eficiência agronômica na fase de implantação das pastagens da ordem de 75% a 85% no primeiro ano e 100% a partir do segundo ano.

O interesse crescente pelos fosfatos reativos, prende-se ao fato da busca de fontes de P mais baratas, segundo Corsi et al. (2000), pois apresentam menor custo do kg P2O5, embora os teores de P2O5 solúvel em água seja muito baixo, porém apresentam teores razoáveis em ácido cítrico, o que explica o desempenho superior aos fosfatos naturais brasileiros. Os fosfatos de Araxá e de Patos de Minas são considerados pouco reativos, assumindo 50% de eficiência em relação aos solúveis, com resultados controversos e geralmente insignificantes. Werner et al. (1997) comentam que quando se optar por usar fosfatos naturais ou termofosfatos, hiperfosfato, de menor solubilidade, não substituir com essa fonte, mais de 40% do P total a ser aplicado. Cabe comentar que recentemente o Ministério da Agricultura baixou resolução no sentido de paralisar a comercialização de fosfato natural, com o intuito de preservar o material para futura industrialização, com vistas a potencializar a eficiência de utilização com fontes que contenha o nutriente em forma mais disponível. Classicamente, recomenda-se que as fontes pouco solúveis, como os fosfatos naturais e os termofosfatos deveriam ser sempre aplicados a lanço e incorporados ao solo (Werner et al., 1997). Os solúveis podem ser aplicados a lanço, em superfície sem incorporação ou no sulco de plantio.

No caso de estabelecimento de pastagens consorciadas (2/3 leguminosas e 1/3 gramíneas) é conveniente aplicar metade da necessidade de fósforo a lanço, como fosfato natural e a outra metade no sulco como fonte solúvel para favorecer a leguminosa plantada em linha. Se a leguminosa for semeada a lanço como a gramínea, recomendam-se fontes de fósforo solúveis ou reativas.

Com relação à granulometria das fontes, Werner et al. (1997) chamam atenção que as fontes solúveis devem preferencialmente ser granuladas, enquanto que as pouco solúveis teriam melhor possibilidade de resposta na forma pó, e os fosfatos de solubilidade intermediária, como os reativos, termosfosfato, a granulometria farelada seria uma alternativa.

3.2.2- Nitrogênio

Na etapa de implantação das pastagens, Werner et al. (1997) recomendam aplicar nitrogênio em cobertura cerca de 30 dias após a germinação, somente quando as plantas apresentarem sintomas de deficiência desse nutriente, caracterizados por crescimento lento, coloração verde pálida ou amarelecimento generalizado Na fase de desenvolvimento, em áreas velhas, Rodrigues et al. (2000) cujos solos estejam com nível muito baixo de matéria orgânica, o nitrogênio é recomendado apenas em pastagens exclusivas de gramíneas. Nesse caso, recomenda-se aplicar 40 a 50 kg/ha de nitrogênio em cobertura cerca de 40 dias após o plantio, de preferência sob a forma de sulfato de amônio, que também é fonte de enxofre. Em áreas recém desmatadas, a mineralização da matéria orgânica supre a demanda de nitrogênio nessa fase.

Cantarutti et al. (1999) ressaltam que a adubação nitrogenada deve ser restrita à implantação de pastagens que venham atender à sistemas intensivos. Sugerem aplicar 50 kg N/ha em sistemas de nível tecnológico médio, e para os intensivos doses entre 100 e 150 kg N/ha, de forma parcelada, de modo que não ultrapasse 50 kgN/ha por vez. Recomendam que a adubação de N em cobertura deva ser feita quando a pastagem cobrir cerca de 60 a 70% do solo, e que aplicações anteriores devam ser realizadas quando se detectar sintomas de deficiência. Sugerem que especial atenção deva ser dada à fonte de N, lembrando que o sulfato de amônio é o mais recomendado para aplicações a lanço em superfície, e que o uso da uréia é possível desde que se leve em conta a adequada umidade associada a dias não muito quentes.

Nas condições de maiores latitudes ao sul, a Comissão de Fertilidade do Solo – RS/SC apresentam recomendação de N com base no teor de matéria orgânica do solo, sugerindo aplicar 20 kg N/ha na semeadura ou plantio, e o restante parcelar em 2 ou 3 vezes iguais, aplicando-se no perfilhamento e após a utilização da pastagem. Se o teor de MO > 4,5%, suprimir a adubação com N na semeadura/plantio.

3.2.3 Potássio

Para as pastagens exploradas sob baixo nível tecnológico, os solos do Estado de Minas Gerais, conforme Cantarutti et al. (1999) atendem, em geral, à demanda de K, no entanto à medida que se intensifica o manejo, a adubação potássica torna-se indispensável, para a etapa de estabelecimento das pastagens, levando-se em conta as classes de disponibilidade de K no solo. Recomendam que nos solos arenosos/médios a fertilização com K deva ser realizada em cobertura, quando a planta forrageira cobrir 60 a 70% do solo, possibilitando-lhe maior absorção e consequentemente menores perdas por lixiviação.

Em solos do Estado de São Paulo, para Werner et al. (1997), a recomendação de K segue as classes de teores de K no solo, dispensando o uso do mesmo na classe média para as gramíneas, independente do grupo de exigência, porém recomendam doses de K2O para as leguminosas, que são mais exigentes.

Em solos do Estado de São Paulo, para Werner et al. (1997), a recomendação de K segue as classes de teores de K no solo, dispensando o uso do mesmo na classe média para as gramíneas, independente do grupo de exigência, porém recomendam doses de K2O para as leguminosas, que são mais exigentes

A fonte mais disponível no mercado é o cloreto de potássio (KCl), e segundo Rodrigues et al. (2000) sua aplicação pode ser feita a lanço misturado com a fonte de P. Outra alternativa é aplicar todo o potássio em cobertura 30 a 40 dias após a semeadura das plantas forrageiras. Deve-se lembrar que dependendo da fonte de P, no caso o superfosfato simples, possibilita a mistura com as sementes de gramíneas para uso na semeadora, todavia, com o KCl seria conveniente evitar, pois pode provocar problemas devido ao seu poder salino.

(Parte 1 de 2)

Comentários