(Parte 1 de 2)

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOTECNIA UVA/EMBRAPA

DISCIPLINA: FORRAGICULTURA E PASTAGENS

PROFESSOR: FABIANNO CAVALCANTE DE CARVALHO

SOLOS SOB O BIOMA CAATINGA: CLASSIFICAÇÃO E MANEJO

LUIZA ELVIRA VIEIRA OLIVEIRA

SOBRAL-CE, 2010

SUMÁRIO

1 – INTRODUÇÃO PÁG. 03

1.1 - CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA PÁG. 03

1.2 - CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS SOB O BIOMA CAATINGA PÁG. 04

2 - CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS DA CAATINGA PÁG. 05

2.1 – PERFIL DO SOLOS PÁG. 06

2.2 - CLASSES DE SOLOS PÁG. 07

3 – MANEJO DOS SOLOS DA CAATINGA PÁG. 11

4- CONSIDERAÇÕES FINAIS PÁG. 14

5 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS PÁG. 14

1- INTRODUÇÃO

Solo pode ser bem definido por agrônomos como o material mineral ou orgânico, inconsolidado, que recobre a superfície do planeta e serve como o meio natural para o crescimento das plantas terrestres. Entre o solo e o material de onde ele é derivado, existem diferenças marcantes do ponto de vista físico, químico, biológico e morfológico (LEPSCH, 2002)

Caatinga (do Tupi: caa (mata) + tinga (branca) = mata branca) é o único bioma exclusivamente brasileiro, onde grande parte do seu patrimônio biológico não pode ser encontrado em nenhum outro lugar do planeta. A caatinga ocupa uma área de cerca de 750.000 km², cerca de 10% do território nacional, englobando de forma contínua parte dos estados do Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe, Bahia (região Nordeste do Brasil) e parte do norte de Minas Gerais (região Sudeste do Brasil) (SILVA, 2003).

A caracterização das classes de solos sob o bioma caatinga mostra a diversidade existente na região semi-árida, fornecendo informações precisas para diagnosticar o estádio atual em que se encontra, após a utilização desenfreada por centenas de anos pela agropecuária, em face de fragilidade e áreas severamente em estado de degradação (JACOMINE, 2002).

1.1- CARACTERIZAÇÃO DO BIOMA CAATINGA

Segundo Sampaio et al. (2000) a caatinga caracteriza-se como:

Apresenta uma vegetação típica de regiões semi-áridas com perda de folhagem pela vegetação durante a estação seca. A vegetação da caatinga também não é tão uniforme como se pensa. Tem, pelo menos, três níveis. O primeiro é arbóreo, com uma altura variada de oito a doze metros, árvores de ótimo porte; o segundo é arbustivo, com uma altura de dois a cinco metros; o terceiro é herbáceo, com menos de dois metros. É uma vegetação que se adaptou ao clima. No tempo da seca, perde as folhas, mas não morre; adormece, hiberna. Várias plantas armazenam água, como o umbuzeiro, que tem batatas nas raízes, onde guarda reservas para os tempos secos. Muitas têm raízes rasas, praticamente captando a água na superfície, no momento da chuva.

Tem uma fisionomia de deserto, com índices pluviométricos muito baixos, em torno de 500 a 700 mm anuais. Em certas regiões do Ceará, por exemplo, embora a média para anos ricos em chuvas seja de 1.000 mm, pode chegar a apenas 200 mm nos anos secos. A temperatura se situa entre 24 e 26 graus e varia pouco durante o ano. Além dessas condições climáticas rigorosas, a região das caatingas está submetida a ventos fortes e secos, que contribuem para a aridez da paisagem nos meses de seca.

O mês do período seco é agosto e a temperatura do solo chega a 60ºC. O sol forte acelera a evaporação da água das lagoas e rios que, nos trechos mais estreitos, secam e param de correr. Quando chega o verão, as chuvas encharcam a terra e o verde toma conta da região.

Quando chove, no início do ano, a paisagem muda muito rapidamente. As árvores cobrem-se de folhas e o solo fica forrado de pequenas plantas. A fauna volta a engordar. Através de caminhos diversos, os rios regionais saem das bordas das chapadas, percorrem extensas depressões entre os planaltos quentes e secos e acabam chegando ao mar, ou engrossando as águas do São Francisco e do Parnaíba (rios que cruzam a Caatinga). Porém, o solo raso e pedregoso não consegue armazenar a água que cai e a temperatura elevada (médias entre 25oC e 29oC) provoca intensa evaporação. Por isso, somente em algumas áreas próximas às serras, onde a abundância de chuvas é maior, a agricultura se torna possível.

1.2 - CARACTERIZAÇÃO DOS SOLOS DA CAATINGA

Conforme o Sistema Brasileiro de classificação de solos (1999) de forma geral, o solo é raso, rico em minerais, mas pobre em matéria orgânica, já que a decomposição desta matéria é prejudicada pelo calor e a luminosidade, intensos durante todo ano na caatinga.

Fragmentos de rochas são freqüentes na superfície, o que dá ao solo um aspecto pedregoso. Este solo com muitas pedras dificilmente armazena a água que cai no período das chuvas.

Há vários tipos diferentes de rochas. Nas áreas de planície as rochas são cobertas por uma camada de solo bastante profunda, com afloramentos rochosos ocasionais, principalmente nas áreas com maiores altitudes. Tais solos (latossolos) são solos argilosos (embora a camada superficial possa ser arenosa ou às vezes pedregosa) e minerais, com boa porosidade e rico em nutrientes. Afloramentos de rocha calcárea de coloração acinzentada ocorrem a oeste.

A região planáltica é composta de arenito metamorfoseado derivado de rochas sedimentares areníticas e quartzíticas, uma concentração alta de óxido férreo dá a estas rochas uma cor de rosa a avermelhada. Os solos gerados a partir da decomposição do arenito são extremamente pobres em nutrientes e altamente ácidos, formando depósitos arenosos ou pedregosos rasos, que se tornam mais profundos onde a topografia permite; afloramentos rochosos são uma característica comum das áreas mais altas. Estes afloramentos rochosos e os solos pouco profundos formam as condições ideais para os cactos, e muitas espécies crescem nas pedras, em fissuras ou depressões da rocha onde a acumulação de areia, pedregulhos e outros detritos, juntamente com o húmus gerado pela decomposição de restos vegetais, sustenta o sistema radicular destas suculentas.

A presença de minerais no solo da caatinga é garantia de fertilidade em um ambiente que sofre com a falta de chuvas. Por isso, nos poucos meses em que a chuva cai, algumas regiões secas rapidamente se transformam, dando espaço a árvores verdes e gramíneas.

A caatinga é coberta por solos relativamente férteis. Embora não tenha potencial madeireiro, exceto pela extração secular de lenha, a região é rica em recursos genéticos, dada a sua alta biodiversidade. Por outro lado, o aspecto agressivo da vegetação contrasta com o colorido diversificado das flores emergentes no período das chuvas.

Os grandes açudes atraíram fazendas de criação de gado. Em regiões como o Vale do São Francisco, a irrigação foi incentivada sem o uso de técnica apropriada e o resultado tem sido desastroso. A salinização do solo é, hoje, uma realidade. Especialmente na região onde os solos são rasos e a evaporação da água ocorre rapidamente devido o calor, a agricultura tornou-se impraticável.

Outro problema é a contaminação das águas por agrotóxicos. Depois de aplicado nas lavouras, o agrotóxico escorre das folhas para o solo, levado pela irrigação, e daí para as represas, matando os peixes. Nos últimos 15 anos, 40 mil km2 de Caatinga se transformaram em deserto devido à interferência do homem sobre o meio ambiente da região. As siderúrgicas e olarias também são responsáveis por este processo, devido ao corte da vegetação nativa para produção de lenha e carvão vegetal.

2 - CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS DA CAATINGA

Em relação aos indivíduos solos, existem vários sistemas de classificação. O Brasil, através do Sistema Nacional de Classificação dos Solos (1999), está desenvolvendo um sistema de classificação ao qual tem sofrido modificações muito rápidas. Dentre as características usadas para classificação dos solos brasileiros, existem os horizontes diagnósticos, que são extremamente importantes tanto do ponto de vista da sistematização dos solos, como também de grande interesse prático. Esta caracterização é feita por uma pequena porção da superfície da terra que possui horizontes ou camadas, que nos permite a interpretação, identificação, classificação do solo. Esses horizontes e camadas são nomeados com letras, nesse caso podemos dividir proximadamente os horizontes e camadas do perfil. A natureza e o número de horizontes variam de acordo com os diferentes tipos de solo. Os solos geralmente não possuem todos esses horizontes bem caracterizados, entretanto, pelo menos possuem parte deles (OLIVEIRA, 1992)

2.1 - PERFIL DO SOLO:

Oliveira (1992) definiu os perfis do solo em:

Horizonte O: camada orgânica superficial. É constituído por detritos vegetais e substâncias húmicas acumuladas na superfície, ou seja, em ambientes onde a água não se acumula (ocorre drenagem). É bem visível em áreas de floresta e distingui-se pela coloração escura e pelo conteúdo em matéria orgânica (cerca 20%).

Horizonte A: camada mineral superficial adjacente à camada O ou H. É o horizonte onde ocorre grande atividade biológica o que lhe confere coloração escurecida pela presença de matéria orgânica. Existem diferentes tipos de horizontes A, dependendo de seus ambientes de formação. Esta camada apresenta maior quantidade de matéria orgânica que os horizontes subjacentes B e C.

Horizonte E ou B: camada mineral situada mais abaixo do horizonte A. Apresenta menor quantidade de matéria orgânica, e acúmulo de compostos de ferro, argila e minerais. Ocorre concentração de minerais resistentes, como quartzo em pequenas partículas (areia e silte). É o horizonte de máximo acúmulo, com bom desenvolvimento estrutural.

Horizonte C: camada mineral de material inconsolidado, ou seja, por ser relativamente pouco afetado por processos pedogenéticos, o solo pode ou não ter se formado, apresentando-se sem ou com pouca expressão de propriedades identificadoras de qualquer outro horizonte principal.

Horizonte R: camada mineral de material consolidado, que constitui substrato rochoso contínuo ou praticamente contínuo, a não ser pelas poucas e estreitas fendas que pode apresentar (rocha).

A presença dos vários tipos de horizontes mencionados está subordinada às condições que regulam a formação e evolução do solo. Como as condições variam de acordo com as circunstâncias do ambientes (material de origem, vegetação, clima, relevo, tempo) o tipo e número de horizontes de um perfil de solo são diferentes.

A qualidade do solo de define pela: espessura (quanto mais espesso for, maior será o tempo a ser explorado) e fertilidade (solos férteis são aqueles que possuem minerais e matéria orgânica, os solos inférteis necessitam de adubação).

2.2 - CLASSES DE SOLOS DA CAATINGA

As diferentes características dos solos permitem compará-los e classificá-los. A classificação dos solos da caatinga conforme Jacomine (2002) é:

2.2.1 – LATOSSOLOS

Destacam-se os latossolos amarelos e os vermelho-amarelo. Ocupam grandes extensões no Sul do Piauí, sertão da Bahia e de Pernambuco (156.721 km²). Apresentam relevo suave, grande profundidade, alta permeabilidade e baixa capacidade de troca catiônica. São solos profundos, drenados, porosos, friáveis e com baixos teores de matéria orgânica. Ocorre a predominância de óxidos de ferro, de alumínio e caulinita, que é uma argila de baixa atividade, sendo predominante na fração argila dos latossolos. Esta combinação química, juntamente com matéria orgânica e alta permeabilidade e aeração conferem ao latossolo uma estrutura fina, muito estável que facilita o cultivo. Em caso de compactação subsuperficial, a erodibilidade destes solos aumenta, exigindo cuidados redobrados no seu manejo. Dentro da classificação de latossolos, ainda existe uma subdivisão, ou seja, eles podem ser classificados de acordo com sua coloração, a qual reflete maior ou menor riqueza em óxidos de ferro.

2.2.2 - PODZÓLICOS OU ARGISSOLOS

São solos profundos e menos intemperizados do que os Latossolos podendo apresentar maior fertilidade natural e potencial. Ocupam os estados do Ceará, Bahia, Pernambuco, rio Grande do Norte e Paraíba (110.00km²). São solos moderamente profundos a bem drenados. Esses solos são desenvolvidos basicamente a partir de produtos da intemperização de arenitos, com seqüência de horizontes A, B e C bem diferenciados e com suas transições geralmente bem definidas. A principal característica deste solo é a diferença textural entre os horizontes A e B, visto que no horizonte B concentra-se teor mais elevado de argila do que no horizonte A, onde, entretanto, a atividade biológica apresenta-se intensa. O acúmulo de argila no horizonte B torna os solos podzólicos menos permeáveis, portanto mais propensos à erosão hídrica;

2.2.3 - BRUNOS NÃO CÁLCICOS

São solos rasos a pouco profundos, bem drenados, com espessura ao redor de 50cm. Ocupam grandes extensões dos Estados do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte (98.938km²). Solos ricos em bases, B textural de cor vermelha ou bruno avermelhada. São poucos espesso, maciço ou estrutura fracamente desenvolvida. Solos minerais, não hidromórficos, com argila em alta atividade. Moderamente ácidos a praticamente neutros com pH 6,0 a 7,6 e com saturação por bases.

2.2.4 - PLANOSSOLOS

Solos rasos a pouco profundos com horizonte superficial de cores claras e textura mais leve, contrastando com o horizonte B mais argiloso, adensado, pouco permeável, com cores de redução, acinzentadas com ou sem mosqueado em decorrência da lenta permeabilidade e das condições imperfeitas ou más de drenagem. Ocupam, sobretudo, a zona do Agreste de Pernambuco e áreas de clima similar ao dos Estados do Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Bahia, Sergipe e Paraíba (68.188k²).

2.2.5- SOLONETZ-SOLONIZADO

Solos pouco desenvolvidos, rasos a muito rasos, possuindo apenas um horizonte A diretamente sobre a rocha (R), ou sobre materiais desta rocha em grau mais adiantado de intemperização. Nestes solos pode-se, constatar, pois, seqüência de horizontes A-C-R ou A-R e, por vezes, o início da formação de um horizonte (B) incipiente.Estes solos podem ser eutróficos ou distróficos, quase sempre apresentando bastante pedregosidade e rochosidade na superfície. Possuem drenagem variando de moderada a acentuada e são, comumente, bastante susceptíveis à erosão, em decorrência de sua reduzida espessura.Os de caráter eutrófico possuem, no horizonte A ou AC, reação moderadamente ácida a praticamente Destacam-se nas margens do rio São Francisco entre Xique-Xique e Sento Sé, BA; a leste do rio Real no município de Tobias Barreto, SE; a oeste de Angicos e sudoeste de Açu, RN; nos municípios de Soledade e Juazeirinho, PB e parte do CE (10.312km²). Caracterizam-se por uma concentração elevada de sódio e outros sais solúveis. São comuns nas partes baixas do relevo nas regiões áridas, semi-áridas e naquelas próximas do mar. São desprovidos de cobertura vegetal devido à elevada salinidade.

2.2.6 – SOLONCHAKS

São solos salinos que apresentam altas concentrações em sais solúveis, tendo consequentemente a elevada condutividade elétrica do extrato de saturação. Durante o período seco é bastante freqüente encontrar crostas de sais cristalinos à superfície do solo ou na parte das trincheiras. O horizonte superficial é pouco espesso e apresenta cores desde tonalidades claras até pretas, o horizonte C de cores acinzentadas, bruno-amareladas e até pretas, com ou sem mosqueados proeminentes. A textura é variável de arenosa até argilosa. O pH é moderamente alcalino (7,0 a 8,0). Compreendem áreas baixas da zona costeira onde há influencia de lençol freático salgado e em várzeas do interior da zona semi árida, destacando-se o litoral do CE, próximo à desembocadura dos rios Jaguaribe, Piranji, Aracatiaçu, Aracatimitim, Acaraú, Coreaú, entre outros. Ocupam áreas litorâneas do Rio grande do Norte, destacando-se as dos rios Mossoró e Açu. Total de área ocupada 1.625 km².

2.2.7 - CAMBISSOLOS OU PODZÓLICOS

São solos pouco desenvolvidos em relação aos Latossolos e Podzólicos. Apresentam horizonte B em formação. São rasos e de elevada erodibilidade podendo em curto espaço de tempo ocorrer exposição de subsolo. A fertilidade do horizonte A está condicionada ao tipo de rocha formadora inicial. São desenvolvidos a partir de diversas rochas, destacando-se os calcários, granitos e migmatitos, em área de relevo variando de plano a forte ondulado, sob vegetação do tipo hipo e heperxerófila. Por serem muito susceptíveis à erosão, normalmente não permitem um uso intensivo podendo, em condições naturais, ser observada a ocorrência de erosão laminar moderada, ou severa, bem como em sulcos e voçorocas. Predominam solos de alta fertilidade natural, com grande potencial agrícola. Ocupam áreas da Bahia, Rio Grande do Norte e demais estados do NE (27.500 km²)

2.2.8 – VERTISSOLOS

São solos argilosos que se caracterizam por apresentar pronunciadas mudanças em volume resultantes da grande movimentação da massa de solo que se contrai e fendilha quando seco e se expande quando molhado, tornando-se muito plástico e pegajoso. São solos rasos a profundos, com moderada ou imperfeitamente drenados, de permeabilidade lenta ou muito lenta, baixa condutividade hidráulica e horizonte superficial pouco desenvolvido, com baixos teores de matéria orgânica. Ocupam áreas planas, suavemente onduladas, depressões e locais de antigas lagoas. Na região da caatinga destacam-se as áreas de Juazeiro e Baixio do Irecê na Bahia e Souza na Paraíba, ocupando uma extensão total de 10.187 km² da região das caatingas.

2.2.9 - AREIAS QUARTIZOSAS

Solos arenoquartizosos profundos ou muito profundos, excessivamente drenados, de cores desde vermelhas até quase brancas, sendo freqüentes as cores amarelas. São ácidos ou muito ácidos com pH de 4,5 a 5,5 e apresentam baixa fertilidade natural. São pobres, praticamente sem reservas de minerais primários pouco resistentes ao intemperismo que possam constituir fonte de nutrientes para os vegetais. Ocupam maiores extensões nos estados do Piauí, Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Ceará, totalizando uma área de 69.625 km².

2.2.10 – REGOSSOLOS

Solos minerais pouco desenvolvidos, pouco profundos a profundos, tendo seqüência horizontes A, C, com teores médios a altos de minerais primários menos resistentes ao intemperismo. São arenosos, cascalhentos ou não, de cores acinzentadas claras, excessivamente drenados, com horizontes pã. O pH varia de 5,0 a 6,0, podendo ser encontrado entre 4,0 a 5,0 no agreste Pernambucano. Presentes em todos os estados, porem ocupam maiores extensões nos Estados da Bahia, Alagoas e Pernambuco, totalizando 32.750 km² de extensão.

(Parte 1 de 2)

Comentários