Relatório preparo de sabão

Relatório preparo de sabão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS-UFAL

INSTITUTO DE QUÍMICA E BIOTECNOLOGIA – IQB

CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

UFAL

IQB-UFAL

PREPARO DE SABÃO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ÓLEOS RESIDUAIS

ROBERTO CAVALCANTE GOUVEIA

Relatório apresentada ao Instituto de Química e Biotecnologia da Universidade Federal de Alagoas, para a obtenção de nota na disciplina de Química Experimental, sob a orientação do Professora Yariadner Spineli.

Maceió - Alagoas

Novembro de 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS-UFAL

INSTITUTO DE QUÍMICA E BIOTECNOLOGIA – IQB

CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA

UFAL

IQB-UFAL

PREPARO DE SABÃO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ÓLEOS RESIDUAIS

ROBERTO CAVALCANTE GOUVEIA

Maceió - Alagoas

Novembro de 2010

ÍNDICE

TEMA

Pág.

Resumo

01

Introdução

02

Materiais e Reagentes

03

Preparação do sabão

03

Propriedades do sabão

03

Questão Prévia

03

Propriedades emulsificantes

04

Procedimentos

04

Conclusão

05

Referências bibliográficas

06

RESUMO

Neste relatório está descrito a maneira “caseira” de se preparar sabão a partir do óleo utilizado em cozinha.

Foi utilizado vidrarias específicas de laboratório e equipamentos de proteção individual (EPI), já que foi necessário manusear soda cáustica concentrada.

INTRODUÇÃO

Durante centenas de anos os sabões foram usados para processos de limpeza e lavagem, em todo o mundo, sendo conhecido há mais de 2.500 anos. Os fenícios se banhavam fazendo uso de uma pasta obtida fervendo banha de cabra com cinzas de madeira.

Os antigos romanos apreciavam muito os diferentes e perfumados tipos de sabões em suas termas, mas com a queda do Império Romano ninguém mais ouviu falar de tal produto.O sabão só veio reaparecer no século IX na cidade de Savona, Itália (eis aí a origem do seu nome), mas era usado apenas pelos nobres. A difusão em larga escala do sabão só veio ocorrer cerca de dez séculos depois

Os sabões são produzidos a partir de óleos e gorduras através de reações de saponificação, que é basicamente a interação (reação química) que ocorre entre um ácido graxo existentes em óleos e gorduras com uma base forte em aquecimento.

MATERIAIS E REAGENTES

- Béquer de 250mL

- Bastão de vidro

- Funil

- Chapa

- Papel de filtro

- 30 mL de óleo vegetal

- 20 mL de etanol

- 80 mL de solução de NaOH a 25%

- 150 de solução saturada de NaCl

- Gelo

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

PREPARAÇÃO DO SABÃO

Foi transferido 30mL de óleo vegetal para um béquer de 250mL . Em seguida foi adicionado a esse béquer 20mL de etanol e 80mL de NaOH.

Em outro béquer de 500mL foi colocado uma determinada quantidade de água destilada para que fosse utilizado como banho-maria, já que o laboratório não dispõe de equipamentos específicos para esse fim.

Depois de realizada as ações acima, o béquer de 250mL foi colocado em banho-maria e com o auxílio de um bastão de vidro e uma pinça os produtos foram sendo agitados durante 20 minutos, até que se notou a formação de uma massa pastosa.

Para resfriar o béquer que continha a massa, o mesmo foi colocado em uma bandeja com gelo.

Em seguida foi adicionado ao béquer 150mL de salmoura (solução saturada de NaCl) para que o sabão precipitasse.

Após realizado todos os procedimentos foi utilizado funil, papel de filtro e água gelada para a obtenção.

PROPRIEDADES DO SABÃO

Este experimento tem como objetivo verificar algumas propriedades do sabão produzido anteriormente.

QUESTÃO PRÉVIA

“As donas de casa normalmente associam a eficiência de um detergente ou sabão com a quantidade de espuma que os mesmos provocam.”

Para um químico, a frase acima está correta ou incorreta? Por quê?

Resposta: Incorreta. Ao contrário do que se pensa o sabão por si só não limpa coisa alguma. Essa aparente contradição pode ser entendida quando se sabe que os detergentes são agentes umectantes que diminuem a tensão superficial observada nos solventes, permitindo maior contato dos corpos com os líquidos que realmente limpa.

PROPRIEDADES EMULSIFICANTES

MATERIAIS

- Tubo de ensaio

- Suporte para tubos de ensaio

- Papel indicador

PROCEDIMENTOS

Foram separados dois tubos de ensaio e colocados em um suporte. No primeiro tubo foi colocado 5mL de água destilada e em seguida adicionado 5 gotas de óleo. Com o auxílio de um bastão de vidro o óleo e a água foram agitados.

Na ação descrita acima, foi observado à formação temporária de uma emulsão água-óleo.

O mesmo procedimento foi feito no segundo tubo, no entanto foi adicionado um pedaço do sabão obtido no primeiro experimento, em seguida agitado.

Neste segundo tubo foi observada a formação de uma emulsão permanente.

A coloração dessa solução foi branco gelo.

Ao final foi medido o pH da solução que estava contida no segundo tubo com um papel indicador. A cor apresentada foi verde claro, ou seja, levemente alcalino.

CONCLUSÃO

Nos experimentos realizados foi possível observar que produtos consumidos diariamente por nós não precisam ser descartados, como o óleo, e sim devemos procurar uma maneira de reutilizá-los, ou verificar se estes podem servir de componente para se obter outros produtos para o consumo doméstico.

Dessa maneira estaremos poupando dinheiro e ajudando o meio ambiente.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFIAS

[1]- http://www.cdcc.sc.usp.br/quimica/experimentos/sabao.html

[2]- Brady, Russell e Holum, Química a matéria e suas tranaformações, vol 1

[3]- James E. Brady, Gerard E. Humiston, vol 1, 2ª edição

[4]- James E. Brady, Gerard E. Humiston, vol 2, 2ª edição

[5]- http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://1.bp.blogspot.com/_4qz_2

[6]- http://quimicaambiente.blogspot.com/2007/11/produo-artesanal-de-sabo.html

Comentários