Relatório de Resistência dos materiais - ENSAIO DE IMPACTO

Relatório de Resistência dos materiais - ENSAIO DE IMPACTO

Universidade Federal de Itajubá

Instituto de Engenharia Mecânica

EME405 – Resistência dos Materiais I

Laboratório – Prof. José Célio

Ensaio 01 – Impacto

Matrícula: 14551

Nome: Cid Henrique Otoni de Carvalho

Assinatura:

Sumário

Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------- 2

Objetivo -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Desenvolvimento --------------------------------------------------------------------------------- 3

Conclusão ------------------------------------------------------------------------------------------ 7

Bibliografia ---------------------------------------------------------------------------------------- 7

Anexos --------------------------------------------------------------------------------------------- 8

I – Introdução

O ensaio de impacto revela o comportamento dos materiais segundo sua tendência de se comportar de uma maneira frágil. Embora seja um ensaio ultrapassado, no sentido de que existem ensaios mais elaborados e mais representativos, o ensaio de impacto é usado devido sua simplicidade e sua rapidez. O ensaio de impacto é um ensaio dinâmico que consiste na aplicação de uma carga instantânea sobre um corpo de prova, e na medida da energia necessária para fraturá-lo.

Os corpos de prova são padronizados e possuem um entalhe onde ocorre a fratura, são retirados da própria peça, pois assim fornecem as propriedades do material do qual a peça é feita. Os materiais podem ser classificados basicamente como:

Frágeis, que apresentam pequena deformação, absorvendo pouca energia antes da ruptura ou dúcteis, que apresentam grande deformação, absorvendo muita energia antes da ruptura. Em outras palavras, no ensaio, quanto menor a energia absorvida, mais frágil será o comportamento do material, e vice versa.

II – Objetivo

Este experimento proporciona a determinação da velocidade e da energia de impacto de um corpo de prova com entalhe em U, obtendo a resistência ao impacto do mesmo, além da analise do tipo de fratura sofrida pela peça.

III – Desenvolvimento

III.1 - Aspectos teórico

Um dos ensaios que permitem estudar os efeitos das cargas dinâmicas é o ensaio de impacto. Este ensaio é usado para medir a tendência de um metal de se comportar de maneira frágil. O choque ou impacto representa um esforço de natureza dinâmica, porque a carga é aplicada repentina e bruscamente. No impacto, não é só a força aplicada que conta. Outro fator é a velocidade de aplicação da força. Força associada com velocidade traduz-se em energia. O ensaio de impacto consiste em medir a quantidade de energia absorvida por uma amostra do material, quando submetida à ação de um esforço de choque de valor conhecido.

O método mais comum para ensaiar metais é o do golpe, desferido por um peso em oscilação. A máquina correspondente é o martelo pendular. O pêndulo é levado a uma certa posição, onde adquire uma energia inicial. Ao cair, ele encontra no seu percurso o corpo de prova, que se rompe. A sua trajetória continua até certa altura, que corresponde à posição final, onde o pêndulo apresenta uma energia final. A diferença entre as energias inicial e final corresponde à energia absorvida pelo material. De acordo com o Sistema Internacional de Unidades (SI), a unidade de energia adotada é o joule. Em máquinas mais antigas, a unidade de energia pode ser dada em kgf · m, kgf · cm ou kgf · mm. A máquina é dotada de uma escala, que indica a posição do pêndulo, e é calibrada de modo a indicar a energia potencial. Isso pode ser observado na figura a seguir.

A fórmula para o cálculo da energia potencial (Ep) é:

Ep=mgh, onde:

m = massa

g = aceleração da gravidade

h = altura

No ensaio de impacto, a massa do martelo e a aceleração da gravidade são conhecidas. A altura inicial também é conhecida. A única variável desconhecida é a altura final, que é obtida pelo ensaio. O mostrador da máquina simplesmente registra a diferença entre a altura inicial e a altura final, após o rompimento do corpo de prova, numa escala relacionada com a unidade de medida de energia adotada.

Nos ensaios de impacto, utilizam-se duas classes de corpos de prova com entalhe: o Charpy e o Izod. Há um tipo especial para ferros fundidos e ligas não ferrosas fundidas sob pressão. Esses corpos de prova seguem especificações de normas internacionais, baseadas na norma americana E-23 da ASTM. Os corpos de prova Charpy compreendem três subtipos (A, B e C), de acordo com a forma do entalhe. A figura a seguir mostra as formas e dimensões desses três tipos de corpos de prova e dos respectivos entalhes.

As diferentes formas de entalhe são necessárias para assegurar que haja ruptura do corpo de prova, mesmo nos materiais mais dúcteis. Quando a queda do martelo não provoca a ruptura do corpo de prova, o ensaio deve ser repetido com outro tipo de corpo de prova, que apresente entalhe mais severo, de modo a garantir a ruptura. Dos três tipos apresentados, o C é o que apresenta maior área de entalhe, ou seja, o entalhe mais severo.

O corpo de prova Izod tem a mesma forma de entalhe do Charpy tipo A, localizada em posição diferente (não centralizada). O corpo de prova Charpy é apoiado na máquina e o Izod é engastado, o que justifica seu maior comprimento. Corpos de prova de ferro fundido e ligas não ferrosas fundidas sob pressão não apresentam entalhe.

A única diferença entre o ensaio Charpy e o Izod é que no Charpy o golpe é desferido na face oposta ao entalhe e no Izod é desferido no mesmo lado do entalhe. As dimensões do corpo de prova, a forma e o tamanho do entalhe usado determinam um dado estado de tensões que não se distribuem de modo uniforme por todo o corpo de prova, no ensaio. Por isso, esse ensaio não fornece um valor quantitativo da tenacidade do metal.

A energia medida é um valor relativo e serve apenas para comparar resultados obtidos nas mesmas condições de ensaio. Isso explica por que os resultados desse ensaio não têm aplicação nos cálculos de projetos de engenharia.

Mesmo tomando-se todos os cuidados para controlar a realização do ensaio, os resultados obtidos com vários corpos de prova de um mesmo metal são bastante diversos. Para chegar a conclusões confiáveis a respeito do material ensaiado, é recomendável fazer o ensaio em pelo menos três corpos de prova.

Tudo o que foi dito até agora sobre o ensaio de impacto pressupõe sua realização à temperatura ambiente. Em condições de temperatura diversas da temperatura ambiente, os resultados deste ensaio variam sensivelmente. A temperatura, especificamente a baixa temperatura, é um fator de extrema importância no comportamento frágil dos metais. Isso pode ser observado no gráfico abaixo.

III.2 – Ensaio

Utilizando-se a máquina de ensaio de impacto, ensaiou-se um corpo de prova Charpy com entalhe em U, determinando, antes, as suas dimensões através de um paquímetro. Primeiramente, o ensaio foi realizado sem o corpo de prova, para analisar a perda por atrito. Em seguida, realizou-se o ensaio com o corpo de prova, analisando todo o procedimento. Os equipamentos e materiais utilizados estão especificados em anexo, assim como o esquema com as dimensões do corpo de prova.

Os dados obtidos foram:

Energia perdida por atrito: Ua = 0,02 J

Energia potencial: Up = 2,7 J

Energia absorvida no instante da fratura do corpo de prova: Uc = 0,64 J

Área resistente ao impacto: A = 3,34 . 10-3 . 4,44 . 10-3 = 14,83 . 10-6 m

A seguir analisou-se o corpo de prova rompido para se determinar o tipo de fratura ocorrida.

Com os dados acima, pode-se calcular o valor da resistência ao impacto (RI), como é demonstrado abaixo.

IV – Conclusão

O experimento proporcionou uma análise adequada do corpo de prova segundo os objetivos propostos.

Seguindo os procedimentos do ensaio Charpy e da norma ASTM – E23, foi possível obter a energia de impacto de um corpo de prova com entalhe em U e, utilizando certas variáveis obtidas a partir do corpo de prova e da máquina de ensaio, conseguiu-se determinar a resistência ao impacto do mesmo.

A partir da análise de falha do corpo de prova após o ensaio e da observação do gráfico da Energia de impacto X Temperatura, concluiu-se que a falha foi do tipo semi-frágil, lembrando que a temperatura de ensaio foi 23ºC.

V – Bibliografia

  • Souza, S. Augusto,

Ensaios Mecânicos de Materiais Metálicos, 5° ed. – Edgard Blücher, (1982).

VI – Anexos

Equipamentos e materiais utilizados:

  • Máquina de ensaio de impacto: Charpy - EMIC, com capacidade de carga de 21,7 J;

  • Paquímetro – Mitutoyo, precisão 0,02 mm;

  • 1 corpo de prova de acrílico.

Informações:

  • Norma utilizada: ASTM - E23;

  • Temperatura de ensaio: ambiente, 23ºC.

Dimensões do corpo de prova:

Comentários