Residuo Hospitalar

Residuo Hospitalar

(Parte 1 de 9)

OPAS/BRA/HEP/001/97

Organização Pan-Americana da Saúde

Centro Pan-Americano de Engenharia Sanitária e Ciências do Ambiente Divisão de Saúde e Ambiente

Programa de Saúde Ambiental

Organização Pan-Americana da Saúde

Escritório Regional da Organização Mundial da Saúde

Representação no Brasil

Brasília 1997

© Organização Pan-Americana da Saúde 1997

Título original: Guía para el manejo de residuos sólidos en centros de atención de salud. 2. ed. 1996

As denominações empregadas na presente publicação e a forma como são apresentados os dados nela contidos não implicam, por parte da Organização Pan-Americana da Saúde, juízo algum sobre a condição jurídica de qualquer país, território, cidade ou zona citada, sobre suas autoridades, nem sobre a delimitação de suas fronteiras.

As opiniões emitidas na presente publicação são de exclusiva responsabilidade dos autores.

O material contido nesta publicação pode ser citado ou reproduzido sem restrições, sempre que se indique a fonte e se faça referência ao número do documento. Deverá remeter-se à Representação da Organização Pan- Americana da Saúde/Organização Mundial da Saúde no Brasil um exemplar da publicação em que apareça o material citado ou reproduzido.

Tradução de Carol Castillo Argüello

Dados de catalogação na publicação

Centro Pan-Americano de Engenharia Sanitária e Ciências do Ambiente.

Guia para o manejo interno de resíduos sólidos em estabeecimentos de saúde / Tradução de Carol Castillo Argüello. – Brasília, DF : Organização Pan-Americana da Saúde, 1997.

60p.

Título original: Guía para el manejo interno de residuos sólidos en centros de atención de salud.

1. Resíduos sólidos. 2. Resíduos sólidos hospitalares.

Organização Pan-Americana da Saúde

Representação no Brasil

Setor de Embaixadas Norte - Lote 19

Brasília, DF 70800-400 Telefone (061) 312 65 65 Fax (061 321 19 2

As atividades cotidianas dos diversos serviços que se prestam em um estabelecimento de saúde produzem uma apreciável quantidade de resíduos, alguns com características que podem representar riscos à saúde da comunidade hospitalar e a população em geral.

O objetivo principal deste documento é oferecer de maneira sistemática e em linguagem simples os procedimentos básicos para um eficiente manejo intra-hospitalar dos resíduos sólidos, notadamente os considerados perigosos. Está fundamentalmente dirigido aos responsáveis pela gerência dos estabelecimentos de saúde em seus diferentes níveis.

Este guia consta de três capítulos principais, dedicados aos aspectos organizacionais, técnico-operacionais e de recursos humanos. Dois anexos, que explicam detalhadamente a classificação e caracterização dos resíduos hospitalares, além de referências bibliográficas, completam o documento.

Daily activities developed in the different health institutional services give way to a considerable quantity of waste. Some of these waste may pose important health risks, not only to the institutions, but also to the general public.

The principal aim of this guide is to offer a systematic view in a simple way of the several procedures needed to carry on an efficient handling of the intra-hospital solid waste, with special emphasis in those considered dangerous ones. The document is intended for those health agents who hold the managerial responsibilities in health institutions.

The guide presents three main chapters: organizational issues, technical and operative issues and human resources. Two annexes, dealing with classification and characterization of hospital wastes plus a section with bibliographic references are also part of the document.

Las actividades cotidianas desarrolladas en los distintos servicios de los establecimientos de salud producen una apreciable cantidad de residuos; algunos de ellos con características tales que pueden representar riesgos a la salud, tanto de la comunidad hospitalar como del público en general.

El objetivo principal de esta guía es ofrecer, de manera sistemática y en lenguaje simple, los procedimientos básicos para un eficiente manejo intrahospitalar de los residuos sólidos, con especial énfasis en aquellos considerados peligrosos. Está fundamentalmente dirigida a los responsables del gerenciamiento de los establecimientos de salud en sus diferentes niveles.

Esta guía consta de tres capítulos principales, dedicados a los aspectos oganizativos, a los aspectos tecnicooperacionales y a los de recursos humanos. Dos anexos, que explican detalladamente la clasificación y la caracterización de los residuos hospitalares, junto con las referencias bibliográficas, completan el documento.

SUMÁRIO Página

Nota de esclarecimento7
Prefácio7
1.Introdução9
2.Aspectos organizacionais9
2.1Subdivisão do estabelecimento de saúde de acordo com os serviços10
2.2Definições10
2.3Classificação dos resíduos sólidos gerados em um estabelecimento de saúde1
2.4Determinação de responsabilidades12
2.5Estudo inicial de caracterização dos resíduos gerados14
3.Aspectos técnico-operacionais15
3.1Geração, segregação, tratamento e acondicionamento no local de origem15
3.2Coleta e armazenamento interno21
3.3Reciclagem2
3.4Transporte, tratamento e disposição final23
3.5Plano de contingência24
4.Aspectos de recursos humanos25
4.1Seleção de pessoal25
4.2Capacitação26
4.3Segurança e higiene ocupacional27

5.Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

ANEXO I Página

I.Classificação dos resíduos sólidos em estabelecimentos de saúde31
1.Classificação proposta neste guia31
1.1Resíduos infecciosos31
1.2Resíduos especiais32
1.3Resíduos comuns3
2.Classificação Alemã3
2.1 Dejetos comuns (Tipo A)3
2.2 Dejetos potencialmente infecciosos (Tipo B)3
2.3 Dejetos infecto-contagiosos (Tipo C)3
2.4 Dejetos orgânicos humanos (Tipo D)3
2.5 Dejetos perigosos (Tipo E)3
3.Classificação da Organização Mundial da Saúde34
3.1Resíduos gerais34
3.2Resíduos patológicos34
3.3Resíduos radioativos34
3.4Resíduos químicos34
3.5Resíduos infecciosos34
3.6Objetos perfurocortantes34
3.7Resíduos farmacêuticos34
4.1 Culturas e amostras armazenadas35
4.2 Resíduos patológicos35
4.3Resíduos de sangue humano e hemoderivados35
4.4 Resíduos perfurocortantes35
4.5 Resíduos de animais35
4.6 Resíduos de isolamento35
4.7 Resíduos perfurocortantes não usados35

4.Classificação da Environmental Protection Agency dos Estados Unidos da América 35 5.Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .36

ANEXO I Página

I.Caracterização dos resíduos sólidos nos estabelecimentos de saúde37
1.Procedimento para a coleta da amostra40
2.Modelo e código de identificação das amostras41
2.1Modelo de identificação da amostra41
2.2Código de identificação da amostra43
3.Procedimentos e formulários para a coleta de dados43
resíduos sólidos (F-1)43
resíduos sólidos (F-2)4
3.3Formulário para determinar a composição física dos resíduos (F-3)4
4.Método de análise para determinar a quantidade de resíduos48
5.Método de análise para determinar a densidade48
6.Método de análise para determinar a composição física49
7.Preparação da amostra para as análises físico-químicas50
8.Método de análise para determinar a umidade51
8.1Método 1 (referência 1)51
8.2Método 2 (referência 2)52
9.Método para determinar o poder calórico54
9.1Método 1 (Método analítico; referência 2)54
9.2Método 2 (Método teórico para calcular o poder calórico do lixo)56
10.Método para determinar sólidos voláteis e cinzas (referência 2)58
1.Método de análise para determinar o enxofre (referência 1)58
12.Medidas de segurança no trabalho de análise de amostras60

3.1Formulário para a coleta de dados em análise para determinar a quantidade de 3.2Formulário para a coleta de dados em análises para determinar a densidade dos 13.Referências bibliográficas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

A primeira edição do presente documento, intitulada Guía para el manejo interno de residuos sólidos hospitalarios, publicada em 1994, e patrocinada pelo Escritório de Representação da OPAS/OMS no Peru, foi preparada por Jorge Villena Chávez, consultor contratado pela OPAS, com a colaboração dos seguintes profissionais do Centro Pan-Americano de Engenharia Sanitária e Ciências do Ambiente (CEPIS):

Alvaro Cantanhede, Assessor em Resíduos Sólidos Gladys Monge, Residente Pilar Tello, Residente Gina Wharwood, Residente

Esta publicação é uma edição revista do documento anterior e apresenta-se com o título Guia para o manejo interno de resíduos sólidos em estabelecimentos de saúde. O guia, na versão original em espanhol, foi publicado com o patrocínio da GTZ, agência de cooperação técnica da República da Alemanha. As seguintes pessoas contribuíram para a revisão:

Participantes do Seminário-Workshop de Minimização de Resíduos; Grupo de Resíduos Hospitalares, Colômbia, agosto 1995; Juan Carlos Burgos, Ministerio de Salud, Argentina; Wanda Maria de Risso, Ministério da Saúde, Brasil; Martín Chinchilla, Ministerio de Salud, Costa Rica; Consuelo Meneses, Ministerio de Salud, Equador;

A recente publicação deste guia, assim como sua distribuição nos países de língua espanhola, resultou num sucesso importante, num campo onde não existe uma variedade de documentos relacionados ao tema.

Portanto, a Representação da OPAS/OMS no Brasil, decidiu traduzi-lo e publicá-lo em sua série

Brasil, Saúde e Ambiente, como uma forma de oferecer apoio aos profissionais e funcionários brasileiros que trabalham no campo dos resíduos hospitalares.

Os resíduos perigosos gerados nos estabelecimentos de saúde representam um grave problema que incide na alta taxa de doenças infecciosas que registram os países da América Latina. Seu potencial patogênico e a ineficiência de seu manejo, aí incluídos a geração, o manejo, a segregação inadequada e a falta de tecnologia para seu tratamento e disposição final, constituem um risco para a saúde da comunidade hospitalar e da população em geral.

Em 1994, a necessidade de se encontrar uma tecnologia apropriada para o manejo interno dos resíduos hospitalares motivou a elaboração do Guía para el manejo interno de residuos sólidos hospitalarios pelo Centro Pan-Americano de Engenharia Sanitária e Ciências do Ambiente (CEPIS) e o ministério da Saúde do Peru (MINSA). A preparação do guia ficou a cargo do profissional peruano Eng. Jorge Villena Chávez e contou com o patrocínio do Escritório da Representação da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) no Peru.

No seminário-workshop sobre minimização de resíduos organizado pela Rede Pan-Americana de Manejo de Resíduos (REPAMAR), em Santafé de Bogotá, em agosto de 1995, um grupo de trabalho composto por profissionais de diversos países da região analisou o guia original publicado em 1994. O grupo de trabalho enriqueceu o documento com diferentes modificações e contribuições, que foram incorporadas à presente versão pelo Eng. Jorge Villena, representante do Peru no evento.

O seminário-workshop foi patrocinado pela GTZ, agência de cooperação técnica da República da Alemanha, que também financia a segunda etapa do projeto Fortalecimento Técnico do CEPIS, cujo principal componente é a REPAMAR.

(Parte 1 de 9)

Comentários