Artigo Jorge e Raquel modelos didáticos

Artigo Jorge e Raquel modelos didáticos

(Parte 1 de 3)

Estudo dos modelos didáticos de um grupo de professores de química do município de Barreiras-BA

SANTOS,J.L.O. MACHADO,R.1 LOPES,E.S. 1

1UFBA – Universidade Federal da Bahia

ICADS – Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável

CEP: 47805-100 Barreiras (BA) erilopes@ufba.br

Resumo: Neste trabalho é investigado qual modelo ou quais modelos didáticos;Tradicional, tecnicista, espontanesísta e/ou alternativo, representam o fazer pedagógico de um grupo de professores de química atuantes na rede de ensino publico na cidade de Barreiras-Ba e em formação no ICADS-UFBA..

Palavras Chaves: Modelos didáticos,formação de professores .

1 Introdução.

Aprender a ensinar segundo Paulo

Freire(2001) faz parte da existência humana, histórica e social, como dela fazem parte a criação, a linguagem , o amor, o ódio e etc. Ainda, segundo o autor;

“ O impossível teria sido ser um ser assim, mas ao mesmo tempo não se achar buscando e sendo às vezes interditado de fazê-lo ou sendo às vezes estimulado a fazê-lo. O impossível seria, também, estar sendo um ser assim, em procura, sem que, na própria e necessária procura, não se tivesse inserido no processo de refazer o mundo, de dizer o mundo, de conhecer, de ensinar o aprendido e de aprender o ensinado, refazendo o aprendido, melhorando o ensinar. Foi exatamente porque nos tornamos capazes de dizer o mundo, na medida em que o transformávamos, em que o reinventávamos, que terminamos por nos tornar ensinantes e aprendizes. Sujeito de uma prática que veio tornando política, gnosiológica, estética e ética.”.

Partindo do contexto descrito por Paulo freire a cerca da necessidade humana do aprendizado e do ensino como agente transformador do ser e do mundo, é possível investigar, utilizando-se um instrumento adequado, as características dos professores de uma certa localidade.

O ensino de ciências, mais especificamente o ensino de química, como parte do conhecimento humano, portanto um agente transformador, possui influência marcante na mudança da realidade humana ao longo da história.

Essas mudanças tornam-se mais efetivas e significativas, quando em todos os momentos, é promovido criticas aos modelos de ensinoaprendizagem, afim de melhorá-los ou abandoná-los. Ainda utilizando-se das palavras de Paulo Freire;

“Se os seres humanos fossem puramente determinados e não seres “programados para aprender” não haveria por que, na prática educativa, apelar-mos para capacidade crítica do educando. Não havia por que falar em educação para decisão, para libertação. Mas, por outro lado, não havia também porque pensar nos educadores e nas educadoras como sujeito.”

Tendo em vista que o modo de ensinar ciência é fundamental na qualidade da formação do recurso humano, no qual está depositado os anseios por mudanças de uma população local, esse trabalho tem como objetivo traçar um perfil dos modelos didáticos dos professores atuantes e em formação no município de Barreiras-BA.

Ao Identificar os modelos nos quais os grupos de professores investigados se enquadram, pode-se estabelecer relações entre esses modelos e a partir daí verificar quais os viés na formação dos professores e que tipo de professor está atuando na rede de ensino.

O traçado desse perfil serve como referencial para que os professores e futuros professores venham refletir sobre sua prática pedagógica. Segundo Paulo Freire(1979);

“quando o homem compreende sua realidade, pode levantar hipóteses sobre o desafio dessa realidade e procurar soluções. Assim, pode transformá-la e com seu trabalhado pode criar um mundo próprio: seu e suas circunstâncias”

Assim, buscamos neste trabalho, investigar e analisar através do discurso de licenciandos e dos professores já atuantes em sala de aula, em quais modelos didáticos eles estão inseridos e qual a relação da prática docente – enquadrado nesses modelos – com o aprendizado dos alunos.

2 Fundamentação.

Levando em conta que o ambiente escolar pode ser caracterizado pela sua natureza complexa, onde coexistem, uma grande diversidade cultural que reflete os valores e crenças dos indivíduos que o compõe. É de se esperar que à ação pedagógica é fundamentalmente influenciada por um conjunto de elementos da formação pessoal desses indivíduos e é conduzida por processos de tomada de decisões que muita das vezes não são conscientes.

Para Gil Pèrez, o fazer pedagógico incorporado das concepções e saberes tácitos, frequentemente discretos por estarem moldados por um forte componente ambiental é o que se denomina modelo didático (GUIMARÃES,2008).

Então, modelo didático é a representação do fazer do professor, esquema mediador entre a realidade e o pensamento do professor. Deste modo, o modelo didático é caracterizado pela estrutura onde se organiza o conhecimento do professor tendo um caráter provisório e de aproximação com uma realidade. (SANTOS Jr,2008).

De acordo com Garcia Pérez(2000) os modelos didáticos estão alicerçados em cinco dimensões didáticas: Qual o objetivo do ensino? O que deve ser ensinado ao aluno? Qual a relevância das idéias e interesses do aluno? Como ensinar? E como avaliar?

Uma variedade de autores, buscaram analisar as relações entre as concepções dos professores e sua atuação em sala de aula. Dentre esses autores destacam-se Porlán e Martín (1996) que, propuseram a partir dessas analises quatro modelos didáticos: o tradicional, o tecnológico, o espontaneísta e o alternativo.

O modelo didático tradicional é fundamentado na idéia do ensino através da transmissão da cultura predominante, onde o saber acadêmico é mais importante e o professor é o detentor desse saber,cabendo ao aluno somente a passividade, a submissão e o cumprimento acrítico de todas as regras. Os conhecimentos que os alunos trazem consigo não são considerados, o que vale é sua capacidade de absorver os conteúdos transmitidos pelo professor, e, por essa capacidade são avaliados.

O modelo didático tecnológico nada mais é que o modelo tradicional com uma “roupagem” moderna, que ganha força da necessidade de inserção dos contextos sócio-econômico determinados pelo desenvolvimento técnico-cientifico.

O modelo didático espontaneísta, possui um caráter de oposição ao modelo tradicional. O centro do processo de ensino, neste caso é o aluno,onde seus interesses determinam quais conteúdos serão trabalhados pelo professor. Nesse modelo, considera-se mais importante que o aluno aprenda a observar, a buscar informações, enquanto que os conhecimentos científicos não são tão importantes; o professor exerce mais função de coordenador do processo de ensino do que transmissor de conhecimento. A avaliação é realizada pela observação dos alunos ou análise de seus trabalhos, sem levar em consideração as habilidades adquiridas no processo, mesmo que de forma sistemática.

O modelo alternativo, que segundo Garcia

Pérez (2000) tem como finalidade educativa o enriquecimento do conhecimento dos alunos, numa direção que conduza para uma visão mais complexa e crítica da realidade. Esse modelo considera importantes, os conhecimentos disciplinares da mesma forma que considera os conhecimentos cotidianos. Não só os interesses dos alunos são levados em conta, mas também suas idéias em relação aos conteúdos propostos na perspectiva de construção ou reconstrução de conhecimentos. O aluno é sujeito ativo no processo de aprendizagem e o professor também o é, como investigador do processo de ensinoaprendizagem. Em consonância, a avaliação busca perceber a evolução dos conhecimentos dos alunos e da atuação do professor, utilizando diversos instrumentos individuais e coletivos.

Para Garcia Pérez (2000), o conceito de modelo didático pode ser utilizado para discutir os problemas educativos, permitindo definir a conexão entre a abordagem teórica e a intervenção prática. É necessário ter a consciência de que os modelos didático permitem fazer um tratamento, de maneira simplificada, a complexidade da realidade escolar, ao mesmo tempo em que ajuda a propor procedimentos de intervenção na mesma e a fundamentar, portanto, linhas de investigação educativa e de formação dos professores (CAVALCANTE,2008)

3 Metodologia

Essa investigação consta de um estudo de caso com três professores de química do Ensino Médio em exercício nas escolas Estaduais da rede de ensino da cidade de Barreiras–Ba, três estudantes que cursam licenciatura de química no ICADS – UFBA e um professor que atua na rede publica de ensino e também é aluno do ICADS

Os professores em formação entrevistados não estão no mesmo período do curso de química e fazem parte de um universo de aproximadamente 50 alunos regulares do curso e química. Os professores da rede publica que foram escolhidos estão atuando nas principais escolas do município.

Baseado em Santos Jr e Marcondes(2008) realizamos a construção de um instrumento composto por cinco perguntas chaves, relacionadas às cinco dimensões didáticas.

Para cada uma dessas perguntas chaves, estavam alocados quatro proposições. Cada proposição possuíam características que representavam um dos quatro modelos;Tradicional(T), Tecnicista(TC), Espontaneísta (E) e Alternativo(A).(Ver anexo)

Os investigados deveriam atribuir um valor para cada proposição,esse valor indicaria o nível de aceitação do professor; seguindo o critério 0, rejeição completa, 1 e 2 intermediários entre rejeição e aceitação e 3, completa aceitação. Uma observação importante está relacionada ao fato de que o entrevistado deveria assinalar com números diferentes cada proposição, de modo a não repeti-los. Visando assim, identificar qual o grau de aceitação dos modelos didáticos entre os professores investigados.

Os dados foram categorizados e analisados de acordo com a descrição das cinco dimensões propostas por Garcia Pérez para cada modelo didático.

4Resultados e discussões

Os dados foram coletados de sete professores de química (Figura 1,2,3,4 e5), sendo três (P1,P2 e P4) são professores em formação do ICADS-UFBA e três são atuantes (P3,P5 e P6) na rede de ensino público do estado da Bahia. O professor P7, transita nos dois grupos, porque ele já está atuando na rede publica de ensino e também está cursando licenciatura em química no ICADS-UFBA

Observando os dados da Figura 1, para a primeira dimensão didática, nota-se no discurso dos professores uma maior aceitação ao modelo alternativo, ou seja, os professores investigados consideram imprescindível proporcionar ao aluno uma compreensão cada vez mais complexa do mundo e de como atuar nele. Essa maior aceitação é reforçada pelo fato de que dois dos professores (P1 e P7) atribuíram a máxima aceitação ao modelo espontaneísta, por jugarem que o maior objetivo ao ensinar química é tornar os alunos cidadãos mais críticos, éticos e atuantes no mundo. Entretanto percebe-se que a segunda maior aceitação neste caso, foi para o modelo tradicional mostrando que os investigado, diante de uma sala de aula ainda consideram importante a transmissão de conteúdo.

Qual é o meu maior objetivo ao ensinar química para os meus alunos?

A c e i t a ç ã o

Professor

Figura 1 Dados da aceitação dos modelos didáticos na primeira dimensão didática.

A explicação para essa contradição é que a maioria dos professores têem a crença de que o professor é o detentor do conhecimento, e se conseguirem transmitir o conteúdo previsto o aluno poderá adquirir uma melhor compreensão de mundo.

Os dados da Figura 2, referente a segunda dimensão didática, nos revela que a maior aceitação foi ao modelo espontaneísta. Neste caso os professores consideram mais importante ensinar os conceitos químicos que estejam presentes nos fenômenos que se apresentam no cotidiano do aluno. A segunda maior aceitação foi para o modelo alternativo, apontando uma tendência dos professores em se identificar com esse modelo. É notório, para este caso, uma maior rejeição ao modelo tradicional e uma segunda maior rejeição para o modelo tecnicista, evidenciando que os professores não consideram importante ensinar somente os assuntos importantes, ainda que aplicados em um contexto tecnológico, mas sim assuntos integrados em um contexto mais amplo.

Que conteúdos de química devo ensinar aos alunos ?

A c e i t a ç ã o

(Parte 1 de 3)

Comentários