eucalipto doenças

eucalipto doenças

(Parte 1 de 4)

INFORMAÇÕES AGRONÔMICAS - Nº 93 - MARÇO/2001 26

1. FERRUGEM Puccinia psidii

A ferrugem é uma doença que atualmente está causando sérios problemas em plantios jovens, viveiros e jardins clonais de Eucalyptus, sendo que fotoperíodo, temperatura e umidade são fatores condicionantes para a ocorrência da doença. A maior importância econômica da ferrugem está relacionada a plantios de campo, enquanto em viveiros é mais facilmente controlada com o uso de fungicidas.

SILVEIRA et al. (1998c) verificaram que a redução de diâmetro e altura em E. grandis severamente infestado, aos 12 meses de idade, foi de 35% e 28%, respectivamente, quando comparado com aqueles que não sofreram ataque.

Sintomas

A ferrugem só ataca plantas jovens, com menos de dois anos de idade, sempre em órgãos tenros (primórdios foliares com seus pecíolos, terminais de galhos e haste principal), seja no viveiro ou no campo. Especialmente nos rebentos foliares, os indícios de ataque são minúsculas pontuações na parte inferior da folha, levemente salientes, de coloração verde-clara ou vermelhoamarelada. Após um a dois dias, essas pontuações já são pústulas de uredosporos amarelos. A partir daí, as pústulas aumentam de tamanho e caracterizam-se pela intensa e típica esporulação uredospórica do patógeno, de coloração amarelo-gema de ovo, que aparece nos órgãos atacados (Figura 24A). Os tecidos tenros (brotações, pecíolos) ficam encarquilhados e totalmente tomados pela esporulação (Figura 24B). Esses sintomas começam a desaparecer após duas semanas, aproximadamente.

Controle

No campo, o uso de fungicidas para o controle de Puccinia psidii não é economicamente viável. A melhor forma de controle é a seleção de materiais genéticos resistentes. Em viveiros e jardins clonais, o controle de ataques intensos utilizando fungicidas é eficiente, sendo recomendado o uso de mancozeb, oxicloreto de cobre, triadimenol, diniconazole ou triforine.

2. CANCRO

O cancro do eucalipto é uma das doenças mais importantes de ocorrência no campo, causado por várias espécies de fungos como Cryphonectria cubensis, Valsa ceratosperma - fase sexuada, Cytospora spp. - fase assexuada e Botryosphaeria ribis). O cancro de Cryphonectria cubensis foi considerado como a principal doença que afetou a cultura do eucalipto no Brasil na década de 70. Trata-se de uma doença de ampla distribuição geográfica, ocorrendo em regiões tropicais do continente americano (KRUGNER, 1980).

Sintomas

Essa doença é caracterizada pela morte dos tecidos da casca, decorrente da ação de vários agentes abióticos e bióticos. Con-

DO Eucalyptus tudo, as condições climáticas parecem ter uma participação maior na manifestação deste tipo de problema, com ligação entre a incidência de certos cancros e as condições adversas ao desenvolvimento da planta.

•Botryosphaeria ribis: Os sintomas típicos da doença ocor- rem em plantios jovens, com até dois anos de idade. Caracterizam-se por lesões necróticas nos tecidos do caule, ao longo do tronco e nos ramos, manifestando-se inicialmente pelo escurecimento do tecido da casca e do lenho. Pode haver formação de um calo cicatricial ou mesmo o anelamento, ou seja, a lesão se desenvolve em toda a circunferência do caule, causando morte da parte aérea da planta, sendo freqüentemente observada a formação de gomose na área lesionada (Figuras 25A e 25B). É comum a ocorrência de quebra de fuste pelo vento na altura da região lesionada.

•Cryphonectria cubensis: Em plantios jovens de eucalipto

(de cinco meses até 2 anos de idade) podem ocorrer mortes esporádicas associadas a lesões nas regiões basais do caule, próximo ao colo, sem ainda apresentar o sintoma típico do cancro. As plantas jovens, por apresentarem diâmetros reduzidos, podem ser aneladas na sua base pelo cancro, sendo levadas à morte. Já nas plantas que não foram mortas, as lesões vão se desenvolvendo até formar o cancro típico. Nessas lesões é possível a visualização, a olho nu, da esporulação do fungo. Muitas vezes, até aos dois anos de idade não é possível verificar o cancro típico (FERREIRA, 1989).

De uma maneira mais simplificada, a planta responde ao cancro formando uma nova casca, abaixo da infectada. A casca infectada é pressionada para fora do troco, ficando toda trincada, tendendo a se desgarrar do tronco em forma de tiras. Em plantações com mais de dois anos de idade, as lesões mostram-se intumescidas.

O cancro típico é caracterizado por lesão margeada de calos, com a morte do câmbio e de parte da circunferência do tronco, ou seja, trata-se de uma lesão profunda. Os calos são respostas da planta ao patógeno, que impedem o anelamento do tronco pela lesão. A presença desses calos indicam que a planta não morrerá, pois a lesão encontra-se delimitada pelos calos.

Controle

O controle mais recomendado para os cancros causados por Botryosphaeria ribis e Cryphonectria cubensis seria a utilização de espécies, procedências, progênies ou clones mais resistentes a estes patógenos.

A nutrição das árvores também afeta o desenvolvimento do cancro. É o que mostra, por exemplo, o trabalho de SILVEIRA et al. (1996) que, estudando o efeito do boro sobre a agressividade dos fungos Botryosphaeria ribis e Lasiodiplodia theobromae, verificaram que a deficiência de boro aumentava a agressividade desses fungos.

3. OÍDIO

O oídio é causado pelo patógeno Oidium sp. Esse fungo ataca várias espécies de eucalipto em condições de viveiro, casa de vegetação e campo. A espécie mais suscetível a essa doença é o Eucalyptus citriodora .

Sintomas

Os sintomas aparecem principalmente em gemas e brotações, causando deformidade ou morte das mesmas. Esses sintomas são caracterizados pelo recobrimento das partes afetadas por estruturas de coloração esbranquiçada, pulvurulenta, constituídas por micélios e estruturas de reprodução do patógeno, típico dos oídios. Em mudas, o ataque sucessivo causa superbrotamento (Figura 26A), resultando em mudas de baixa qualidade. No campo, a ocorrência de oídio causa perda da dominância apical, afetando a formação de um fuste reto.

Controle

Para o controle da doença em viveiro pode-se fazer aplicação de benomyl mais enxofre molhável. No campo, a doença tende a desaparecer com o desenvolvimento da planta, através da troca da folhagem juvenil pela adulta.

4. MOFO CINZENTO

A doença mofo cinzento é causada pelo patógeno Botrytis cinerea, sendo comumente encontrada em canteiros com alta densidade de mudas (700 mudas/m2), sob condições de alta umidade (acima de 70%) e temperaturas amenas (outono e inverno). Embora menos freqüente, essa doença tem surgido nas condições de minijardim clonal. Esse patógeno vive saprofitamente no solo e sua disseminação se dá principalmente pelo vento.

Sintomas

Inicialmente as folhas apresentam-se enroladas, em seguida secam e caem. As partes afetadas apresentam coloração acinzentada (estruturas do patógeno).

A doença afeta os tecidos jovens da parte aérea das mudas, causando morte do ápice ou mesmo a morte da planta, principalmente das mudas mais jovens.

Controle

O controle é feito através do manejo, como redução da densidade das mudas no viveiro, dosagem correta de adubos nitrogenados (para evitar que as folhas fiquem muito tenras) e retirada das folhas infectadas das plantas e também as caídas no solo. Além do manejo, o controle químico pode ser feito com pulverização de thiram, manzate, captan, iprodione ou vinclozolin.

5. MANCHAS FOLIARES DE Cylindrocladium

Doença causada pelos fungos Cylindrocladium candelabrum, C. ilicicola, C. parasiticum, C. pteridis e C. quinqueseptatum, comum em viveiros de mudas e em plantações de eucalipto, porém os danos não são tão consideráveis.

Sintomas

Os sintomas causados pela doença caracterizam-se por manchas de forma e coloração variáveis (Figura 26B), o que irá depender de vários fatores como: espécie de Eucalyptus, espécie de Cylindrocladium e também condições ambientais.

Pode ocorrer intensa desfolha, sendo que os brotos não são atingidos, o que favorece a recuperação das plantas quando as condições ambientais já não favorecem a ocorrência do patógeno. A presença do patógeno pode também ser observada em ramos, na forma de lesões necróticas escuras recobertas por estruturas de coloração esbranquiçada.

Controle

Pode-se adotar medidas preventivas em caso de viveiros, onde a ocorrência da doença é comum, através de pulverizações com fungicidas cúpricos ou ditiocarbamatos, alternados com benomyl. No caso de plantios, a sugestão é a utilização de materiais genéticos resistentes.

6. TOMBAMENTO DE MUDAS OU “DAMPING-OFF”

O tombamento é causado pelos fungos Cylindrocladium candelabrum, C. clavatum, Rhizoctonia solani, Pythium spp., Phytophthora spp. e Fusarium spp.

Esses fungos habitam o solo, onde vivem como saprófitas ou na forma de estruturas de repouso, os escleródios, microescleródios, clamidósporos e oósporos, dependendo de cada espécie. Os propágulos desses fungos são disseminados através da água da chuva ou irrigação, vento ou partículas de solo aderidas a suplementos agrícolas, sendo que em ambientes com alta umidade favorecem a ocorrência de tombamento.

Sintomas

O ataque compromete as sementes em germinação, afetando os tecidos tenros. Ocorre inicialmente no colo da plântula, podendo se estender ao hipocótilo, com aspecto inicial de encharcamento evoluindo para uma coloração escura, com posterior tombamento e morte da muda. Dependendo da idade da muda pode ocorrer murcha, enrolamento e seca dos cotilédones e das primeiras folhas, porém, esses sintomas são considerados secundários.

Em canteiros novos, quando semeados a lanço, é comum a ocorrência da doença em reboleiras, o que é menos freqüente em canteiros com tubetes suspensos, pois a distância entre as mudas é maior.

Controle

Por ser uma doença causada por patógenos do solo, o risco de ataque desses fungos aumenta para o caso de semeaduras feitas em sementeiras para posterior repicagem. Esse problema pode ser evitado com o uso da semeadura direta em tubetes suspensos. Porém, cabe ressaltar que a água de irrigação e o substrato devem estar livres de inóculos dos patógenos. O uso de brita como material de cobertura do solo do viveiro evita a contaminação. Ainda em relação ao substrato, este deve apresentar boa drenagem.

Pode-se usar fungicidas através da água de irrigação ou em pulverizações sobre o substrato e/ou mudas, variando a periodicidade conforme a necessidade. Para o controle de Pythium e Phytophthora é recomendável o uso de metalaxyl, e para Rhizoctonia, uma combinação de captan com um ditiocarbamato (maneb, zineb ou thiram). Para Cylindrocladium ou Fusarium pode-se usar benomyl juntamente com captan ou thiram.

(Parte 1 de 4)

Comentários