Sistema Reprodutor de Aves

Sistema Reprodutor de Aves

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS

MEDICINA VETERINÁRIA

SISTEMA REPRODUTOR DE AVES

ALÉXIA LOHANNA MONTEIRO LIMA

ANDRESSA KAROLLINI E SILVA

DANYELLA STEFANY KEHRNVALD

HÉLLEN REGINA ARAÚJO MACHADO

PROFESSOR Dr. FAGNER LUIZ DA COSTA FREITAS

Histologia Especial

Araguaína

2010

1. INTRODUÇÃO

Os órgãos reprodutivos das aves diferem dos mamíferos em aspectos importantes. Alguns exemplos são a localização, a forma, o peso e o tamanho dos testículos. Variações igualmente importantes são a ausência do pênis e a existência da cloaca e de um verdadeiro aparelho copulatório no macho.

No macho os testículos estão posicionados na região dorsal entre os pulmões e os rins. Possuem também formatos diferentes entre as espécies de aves. Seu aumento varia em virtude de certos fatores, tais como idade e estação sazonal – estando esta última relacionada ao número de horas luz/dia. A coloração costuma ser clara, porém várias espécies possuem testículos escuros, pigmentados com melanina, e casos com dois testículos de coloração diferente. Nunca descem para região externa ao corpo. São formados por ductos finos, constituídos de epitélio germinativo, responsável pela formação dos espermatozóides. O sêmen, que é a coleção de espermatozóides, sai direcionado pelo canal deferente até a cloaca. Algumas espécies de machos apresentam um órgão copulador rudimentar. O sêmen é depositado na cloaca da fêmea através de um formato especial de cloaca do macho, gerado pela contração da musculatura local, no momento da cópula.

Na fêmea, os órgãos genitais estão constituídos apenas pelo ovário e oviduto esquerdo, enquanto os do lado direito regridem. O ovário está localizado na parede dorsal da cavidade do corpo, na região delimitada entre pulmão e rim esquerdo. É constituído de muitos óvulos, e gemas em vários estágios de desenvolvimento. Este desenvolvimento está acelerado ao redor de 5 a 10 dias antes da ovulação. Nesta fase a ova está envolvida por um folículo, composto por uma cápsula rica em vasos sanguíneos, que se rompe na ovulação. Este óvulo sofre o efeito de hormônios. No processo de ovulação não ocorre hemorragia, desde que não haja inflamação na região, podendo ocorrer deposição de sangue na superfície da gema, observada na ovoscopia (Salmonelose, por exemplo).

O oviduto está muito próximo ao ovário, possuindo o aspecto de um tubo claro, com pregas delicadas e está dividido em 5 porções:

  • Infundíbulo: que recebe o óvulo e onde ocorre a sua fertilização;

  • Magno: que secreta a albumina espessa, que impede agora a fertilização e constitui 50% da clara do ovo. Esta clara protege e nutre o ovo;

  • Istmo: que secreta a membrana da casca e o restante da clara (albumina fluida). Formação das chalazas, dois cordões de albumina espessa que fixam o ovo nas pontas;

  • Útero ou glândula da casca: secreta parte da clara, é onde ocorre a infiltração da água e o formato do ovo. Nesta fase o carbonato de cálcio é depositado sobre a membrana da casca, processo que dura 20 horas;

  • Vagina: via de passagem para a cloaca. O ovo somente passa para a vagina quando a casca está formada.

Diferindo do mamífero, todo o trato reprodutivo é representado pelo oviduto, estando o útero e a vagina nele incluídos. A cloaca, aqui, participa como órgão de cópula e conduto secretor.

2. OBJETIVO

Julgando estes aspectos importantes para a compreensão do aparelho reprodutor das aves, objetivamos uma descrição da histologia do aparelho reprodutor do macho e da fêmea.

3. APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

3.1 Testículos

  • São circundados por uma cápsula de tecido conjuntivo, a túnica albugínea, que é coberta por um peritônio;

  • Não há nenhum septo bem desenvolvido dividindo os testículos em lóbulos, tornando portanto, o testículo das aves mais macio que o dos mamíferos;

  • As células epiteliais dos túbulos seminíferos são semelhantes às de mamíferos: células de Sertoli, espermatogônias, espermatócitos primários, espermatócitos secundários, espermátides e espermatozóides;

  • Diferentemente de mamíferos, não ocorrem associações celulares variadas em segmentos ao longo da extensão dos túbulos seminíferos. Em vez disso, o epitélio seminífero se dispõe em colunas de células estreitas que sofrem espermatogênese independentemente;

  • Há muito pouco tecido conjuntivo entre túbulos seminíferos adjacentes, e as células intersticiais são esparsas. Elas ocorrem sozinhas ou em pequenos grupos, primariamente em espaços intersticiais maiores.

3.2 Túbulos Seminíferos

  • São contínuos com os túbulos retos, que são revestidos por células de Sertoli;

  • Os túbulos retos levam aos canais anastomosantes da rede testicular, que é revestida por epitélio cubóide a escamoso simples;

  • A rede testicular se situa fora da túnica albugínea, abaixo do epidídimo.

3.3 Epidídimo

  • Há três tipos de túbulos no interior do epidídimo: ductos eferentes, ductos conectores e o ducto epididimal;

  • Os numerosos ductos eferentes retorcidos juntam a rede testicular aos ductos conectores. São revestidos por um epitélio simples de grupos intermitentes de células colunares altas e baixas, bem como porções de células que parecem ser pseudo-estratificadas;

  • As células epiteliais estão dispostas em dobras, e muitas das células possuem tufos de cílios;

  • Os ductos conectores (canais excretores) têm diâmetro menor que os outros túbulos epididimais e são revestidos por um epitélio colunar pseudo-estratificado.

3.4 Ducto Deferente

    • Na porção terminal do epidídimo, o ducto epididimal se junta ao ducto deferente (vaso deferente);

    • Este último é um ducto retorcido com epitélio colunar pseudo-estratificado, musculatura lisa subjacente e uma camada mais periférica de tecido conjuntivo denso;

    • Cada ducto deferente se funde com um dueto ejaculatório cónico e pequeno, cuja submucosa contém tecido erétil;

    • O ducto ejaculatório protrui e se abre no interior do urodeu da cloaca, marcando o término do sistema ductal masculino.

4. APARELHO REPRODUTOR FEMININO

4.1 Ovário

  • O ovário consiste de um córtex externo que envolve uma medula vascular;

  • Dentro do córtex, ocorrem folículos ovarianos de tamanhos variados;

  • Uma camada (epitélio germinativo) de células cubóides ou achatadas recobre o córtex;

  • A túnica albugínea, composta de tecido conjuntivo denso, se situa abaixo do epitélio;

  • Há um estróina de tecido conjuntivo frouxo abaixo da túnica albugínea.

4.2 Folículos

  • Os folículos em desenvolvimento ocorrem por todo o estroma cortical;

  • Os folículos grandes ficam suspensos a partir da superfície ovariana por meio de cabos de tecido cortical;

  • Cada folículo consiste de um oócito (óvulo) em crescimento carregado de vitelo (gema) com um núcleo redondo (vesícula germinativa);

  • O oócito é circundado por várias camadas;

  • Essas camadas são, de fora para dentro, teca externa, teca interna, membrana granulosa (camada granulosa) e membrana perivitelina;

  • A Membrana Perivitelina toca a membrana superficial do oócito;

  • A teca externa é formada a partir de um tecido conjuntivo compacto que contém grupos de células intersticiais (lúteas) pálidas;

  • As Células Lúteas também podem ser encontradas, em grupos, no estroma cortical e na medula;

  • A teca interna tem somente um quarto da espessura da externa, é formada a partir de uma camada compacta de células fusiformes;

  • Nos folículos maiores e menores, a membrana granulosa consiste de uma camada única de células cubóides.

4.3 Oviduto

  • O oviduto de galinhas é retorcido e muscular;

  • Consiste, em sequência ântero-posterior, das seguintes cinco regiões: infundíbulo, magno, istmo, útero e vagina;

  • De fora para dentro, a parede ovidutal consiste de serosa, camada muscular (musculaturas lisas longitudinal externa e circular interna), lâmina própria e epitélio;

  • Na maior parte das regiões, a lâmina própria contém glândulas.

4.4 Infundíbulo

  • O infundíbulo é composto de um funil de parede fina e uma região cervical.

  • Feixes espalhados de musculatura lisa se situam dentro do tecido conjuntivo, entre a serosa e o epitélio colunar simples ciliado.

  • Encontram-se presentes dobras longitudinais na mucosa dentro do interior do funil, próximo do colo.

4.5 Magno

  • O magno é a parte mais longa do oviduto;

  • Suas glândulas tubulares bem desenvolvidas produzem albumina;

  • Suas dobras de mucosa são menos numerosas e mais altas que as do infundíbulo;

  • Encontram-se presentes dobras terciárias;

  • A camada muscular é mais bem desenvolvida que no infundíbulo;

  • O epitélio pseudo-estratificado é composto de células colunares ciliadas e células secretoras (caliciformes).

4.6 Istmo

  • O istmo é uma região relativamente curta, com diâmetro menor que o do magno;

  • Suas dobras de mucosa longitudinais possuem numerosas dobras secundárias;

  • A camada muscular é mais bem desenvolvida que no magno;

  • O epitélio é colunar pseudo-estratificado ciliado, com células secretoras;

  • Suas numerosas glândulas tubulares secretam as membranas da vagina.

4.7 Útero

  • O útero é uma porção expandida do oviduto;

  • Suas paredes não são tão espessas quanto as dos segmentos precedentes;

  • A camada muscular é bem desenvolvida, especialmente a camada longitudinal;

  • A mucosa é pregueada em dobras longitudinais em forma de folha, cobertas por epitélio colunar pseudo-estratificado ciliado;

  • A concha do ovo é produzida a partir de secreções de suas glândulas tubulares.

4.8 Vagina

  • A vagina é um ducto estreito e curto;

  • Sua camada muscular é bem desenvolvida, especialmente a camada circular.;

  • Sua mucosa é pregueada em numerosas dobras estreitas e altas, que portam muitas dobras secundárias pequenas;

  • A superfície é coberta por um epitélio colunar pseudo-estratificado com células mucosas;

  • O armazenamento de esperma ocorre nas glândulas hospedeiras de espermatozóides;

  • Essas glândulas tubulares ocorrem dentro do tecido conjuntivo da mucosa vaginal, próximo da junção entre o útero e a vagina;

  • Após a inseminação, o esperma aparece em massas compactas dentro das glândulas.;

  • A vagina ovidutal se abre no urodeu da cloaca.

5. CLOACA (macho e fêmea)

  • Dividida em 3 partes:

  • Coprodeo: sua mucosa apresenta vilos semelhantes a dedos e é particularmente rica em glândulas mucosas;

  • Urodeo: sua mucosa também apresenta vilos semelhantes aos do coprodeo, exceto pelo fato de serem mais baixos e semelhantes a folhas;

  • Proctodeo: a mucosa é forrada por um epitélio colunar, exceto na superfície dos lábios da abertura. É relativamente lisa.

5. CONCLUSÃO

Concluímos com este estudo, que são de notória importância as diferenças e semelhanças do sistema reprodutor das aves com os mamíferos e que é possível correlacionar anato e histofisiologicamente tais sistemas, para então,consolidar o aprendizado.

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BULL,M.L. Anatomia do aparelho reprodutor do macho e da fêmea. In: Fundação APINCO de Ciências e Tecnologia Avícolas. Fisiologia da Reprodução de Aves. Campinas:Fundação

APINCO de Ciências e Tecnologia Avícolas, 1994. P. 1-11.

BENEZ, S.M. AVES Criação-Clínica-Teoria-Prática. 4.ed. São Paulo:Tecmedd, 2004.600p.

Comentários