exercícios de Casos Clínicos

exercícios de Casos Clínicos

(Parte 6 de 24)

Sódio  140 mEq/l (135 – 145 mEq/l)

Potássio  4,0 mEq/l (3,5 – 5,0 mEq/l)

Fosfatase Alcalina Óssea  270 UI/l (31-133 UI/l)

Questões

01.Explique o valor diagnóstico da dosagem de Fosfatase alcalina óssea.

02.Explique os sintomas neuromusculares neste caso.

Explique o mecanismo de regulação da produção de Vitamina D e suas formas ativas

.METABOLISMO DO FE

CASO CLÍNICO 01

M.D.S., 46 anos, feminina, branca, casada, dona-de-casa, procedente de Porto Alegre, foi atendida no ambulatório de medicina interna, com queixas de cansaço fácil, palpitações, cefaléia e tontura, as quais tinham dois meses de evolução.

Informava estar se tratando com ginecologista devido a sangramento excessivo durante as menstruações nos últimos meses. Trazia laudo anatomopatológico de curetagem uterina com o diagnóstico de “endométrio proliferativo”. Negava outros dados significativos na revisão da história.

exame físico revelou freqüência cardíaca de 96 bpm e descoramento do leito ungueal e mucosa conjuntival, que eram os únicos achados objetivos anormais.Os exames laboratoriais acusaram hematócrito de 30% (valor de referência: 37 - 47%) e hemoglobina de 9g% (valor de referência: 12 - 16g%). Discreta hipocromia. Leucograma e outros exames normais.

Frente a estes dados, foi estabelecido o diagnóstico de anemia ferro-priva.

Questões

Escolha um sal de ferro para ser utilizado no tratamento, explicando seu esquema de administração e comentando os fatores que interferem na biodisponibilidade.

Por qual mecanismo o ferro corrigirá a anemia?

Cite os potenciais efeitos adversos da terapêutica com ferro.

O que determina a duração do tratamento?

Cite possíveis fontes de ferro e comente sobre sua absorção.

CASO CLÍNICO 02

O.J.P.V., 20 anos, masculino; há 2 semanas iniciou com vários episódios de melena por dia (que tiveram duração de 1 semana), astenia e tonturas. Relatou episódios de azia há cerca de 1 mês e sensação de plenitude pós-prandial há 1 ano. Negou febre, tremor, taquicardia, dispnéia, hemoptise, enterorragia, hematêmese, dor abdominal, acolia fecal, colúria e icterícia. Referiu grande ingesta de café; negou tabagismo, etilismo, uso de drogas ilícitas e medicamentos. Ao exame físico encontrava-se hipocorado (+++/4+), hidratado e anictérico. Apresentava língua despapilada e vermelha (glossite), ausência de linfonodomegalia, presença de spro sistólico de ejeção mais intenso em foco mitral, freqüência cardíaca de 100 bpm, freqüência respiratória de 20mrpm, abdome doloroso à palpação profunda da região epigástrica e hipocôndrio esquerdo. Apresentava também hepatomegalia com fígado de bordas rombas, superfície lisa e sem nodulações, espaço de Traube ocupado. Foram requisitados os seguintes exames laboratoriais:

Valores encontrados

Valores de referência

Hemoglobina

4,8g/dl

14-18g/dl

Hematócrito

17,8%

40-54%

Leucócitos

6.000/mm3

3.800-11.000/mm3

Plaquetas

459.000/mm3

150.000-450.000/ mm3

Ferro sérico

43g/dl

50-150g/dl

Ferritina sérica

7g/dl

12-300g/dl

Capacidade de ligação do ferro sérico

379g/dl

300-360g/dl

Saturação da transferrina

15%

20-50%

Zincoprotoporfirina

43g/dl

13-36g/dl

hemograma ainda acusou anisocitose, hipocromia e microcitose moderadas. A biópsia da medula óssea revelou material pobre em hemossiderina, eritroblastos com citoplasma escasso e vacuolado.

Questões

01.De que forma é regulado o metabolismo do ferro?

02.Quais as proteínas responsáveis pelo transporte e armazenamento de ferro?

03.Explique os exames laboratoriais de relevância neste caso.

04.Cite os principais fatores que afetam a absorção do ferro pelo organismo.

05.Qual é o tratamento recomendado e o seu tempo de duração? Explique.

.

CASO CLÍNICO 03

P.M.W., 67 anos, feminina, branca, natural e procedente de Tijucas (SC), vem fazendo acompanhamento ambulatorial no serviço de Ginecologia, para avaliação semestral de mastectomia esquerda realizada 02 anos atrás e também para tratamento de osteoporose estabelecida. A paciente em questão é tabagista de longa data (desde os 17 anos) e praticamente não faz exercícios físicos. Dentre as medicações utilizadas pela paciente para o tratamento da osteoporose estão incluídos: cálcio, vitamina D, alendronato de sódio e calcitonina. Para controle anual de tal patologia (osteoporose), o médico solicitou os seguintes exames:

densitometria óssea (col. vertebral)  –3,0 desvios-padrão (DP) abaixo da média

(normal: até –2,5 DP abaixo da média)

hidroxiprolina urinária  muito aumentada

calciúria/24 horas  diminuída

cálcio iônico sérico  normal

cálcio total  normal

fosfato sérico (jejum)  normal

hormônio paratireóideo (PTH)  normal

Questões

01.A paciente acima possui o perfil típico dos indivíduos acometidos pela osteoporose. Cite TODOS os fatores de risco apresentados pela paciente para o desencadeamento de tal enfermidade.

02.Explique sob o ponto de vista bioquímico o papel do exercício físico na evolução da osteoporose.

03.Você considera correta a terapêutica empregada para o tratamento da osteoporose nesse caso (vitamina D + cálcio + calcitonina + alendronato de sódio)? Comente.

04.Está certo administrar cálcio, mesmo que os níveis sangüíneos deste elemento estejam normais? Por quê?

CÓLERA

CASO CLÍNICO 01

R.C.B., 23 anos, masculino, natural e procedente de Manaus (AM), foi atendido na emergência de um hospital local com o seguinte quadro clínico: diarréia aquosa, volumosa e não sanguinolenta; hiperpnéia; câimbras musculares constantes; boca seca; diminuição da pressão arterial e mãos enrugadas “em lavadeira”. Não havia febre. O quadro se instalou há 02 dias, após uma refeição à base de mexilhões. O isolamento do V. cholerae por meio de coprocultura e a subseqüente identificação dos sorogrupos 01 e 0139 pela aglutinação do anticorpo específico confirmaram o diagnóstico clínico de cólera.

Questões

01.Descreva como é a toxina colérica e também de que forma age no organismo humano.

02.Explique, bioquimicamente, o quadro clínico apresentado pelo paciente. Por que não há febre?

03.A alimentação à base de mexilhões pode realmente ter relação com a propagação da cólera? Por quê?

04.Tendo em vista a gravidade da doença, que medidas podem ser adotadas para diminuir o número de casos de cólera nas regiões endêmicas? Qual o principal objetivo no tratamento dos casos confirmado.

05.O nível sérico do PTH poderia estar alterado? Por quê?

Metabolismo do Cobre:

CASO CLÍNICO 01

AJS, masculino, natural e procedente de Florianópolis, branco, solteiro, 21 anos, estudante.

Procura o serviço de neurologia do Hu em função de uma história que iniciou aos seus 18 anos, com tremores em membros inferiores e superiores, evoluindo gradativamente, à generalização dos movimentos, tremores grosseiros, e distimia.

A investigação diagnóstica seguiu-se de:

Hemáceas » 4.34 milhões/mm³ (4.5 – 6.0 )

Hemoglobina » 12.4 g/dl (14 – 18 )

Hematócrito » 38.4 % (40 – 54 )

Plaquetas » 81 000/mm³ (150 000 – 440 000)

Leucócitos » 2 900/mm³ (3 800 – 11 000)

TTPA » 30 s (normal: 26 s )

TAP » 14.5 s (normal: 12.1 s )

TGO » 27 U/L ( até 37)

TGP » 56 U/L ( até 42)

γ GT » 25 U/L (07 – 45)

FA » 46 U/L (42 – 98)

(Parte 6 de 24)

Comentários