UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

1. SOLOS EM ENGENHARIA CIVIL o material de construção (barragens, aterros, estradas, muros de gabião, muros de solo reforçado, etc.) o material a ser contido (cortinas atirantadas para cortes de estradas ou ferrovias, escavações para subsolos, diques, metrôs, encontros de ponte, etc.) o material de suporte (fundações de prédios, pontes, barragens, píeres, etc.)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER o Originados de diferentes rochas o Apresentam diferentes consistências/compacidades o Diferentes teores de umidade o Diferentes idades o Compostos de diversos minerais em diferentes proporções

2. CLASSIFICAÇÃO GEOTÉCNICA DOS SOLOS

O Quanto ao tamanho dos grãos

O Quanto à forma/arranjo dos grãos, etc. O Quanto à origem

- estimar o comportamento

do solo - orientar investigações adicionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

2.1 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS QUANTO AO TAMANHO DOS GRÃOS

ABNT NBR6502: TERMINOLOGIA - ROCHAS E SOLOS:

o Grosseiros: blocos de rocha (>1m), matacões (20cm a 1m), pedras de mão (6 a 20cm), pedregulhos e areias o Finos: siltes e argilas.

o Encontram-se sobre a rocha que lhes deu origem

o Areia: solo não coesivo (não há ligação entre os grãos) e não plástico (não é moldável) formado por minerais, partículas de rochas ou pedaços de conchas o Silte: solo fino com pouca ou nenhuma plasticidade e baixa resistência quando seco ao ar o Argila: solo fino que apresenta coesão e plasticidade

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

o Fração grosseira (granular): obtida através do processo de peneiramento de uma amostra seca em estufa o Fração fina: sedimentação dos sólidos no meio líquido o As partículas de um solo, grosso ou fino, não são esféricas, mas se usará sempre a expressão diâmetro equivalente, para referir-se ao seu tamanho.

o Lançamento dos pares (% retida x diâmetro equivalente) em gráfico semi-log: curva de distribuição granulométrica

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

o A velocidade de queda de uma partícula esférica, de peso específico conhecido, em um meio líquido é constante e proporcional ao quadrado do diâmetro da partícula.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

o γsusp ( γL ) será obtido, em cada instante, com o uso de um densímetro; o N é a porcentagem de partículas que passam na peneira nº 10.

o Diâmetro efetivo (D10): é diâmetro ao qual corresponde o ponto da curva granulométrica de 10% passante, ou seja, 10% das partículas do solo possuem diâmetros inferiores ao D10 sedimentação peneiramento

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

distribuição do tamanho das partículas do solo;

o Coeficiente de uniformidade (Cu): Dá uma idéia da

Cu < 5 curva verticalizada e pouca variação de diâmetros (SOLO UNIFORME);

Cu > 15 curva abatida e presença de muitos diâmetros diferentes (SOLO DESUNIFORME)

forma e da simetria da curva granulométrica;

o Coeficiente de curvatura (Cu): Dá uma medida da 1 < C < 3 SOLO BEM GRADUADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

2.2 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS QUANTO À FORMA DOS GRÃOS

2.3 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS QUANTO AO ARRANJO ESTRUTURAL

Compacidade: característica da maior ou menor densidade (compactação) dos solos granulares (não coesivos). É expressa pela compacidade relativa (CR):

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER

FOFACOMPACTA

2.4 CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS QUANTO À ORIGEM o Encontram-se sobre a rocha que lhes deu origem o Ocorrem principalmente em regiões tropicais, onde a velocidade de decomposição da rocha é maior que a velocidade de erosão do solo o Podem guardar características da rocha mãe o Granulometria e minerais extremamente variáveis e dependentes da rocha mãe: arenitos geram areias, basaltos geram argilas, granitos geram solos bem graduados, etc

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER o Perfis de intemperismo:

o Solo residual maduro: não apresenta vestígios da rocha mãe.

o Solo residual jovem (saprolito): guarda a estrutura e aparência da rocha mãe. Muito heterogêneo por possuir resultado núcleos de material mais resistente em uma massa com características de solo o Rocha alterada: juntas e alguns minerais bastante alterados, resistência mecânica diminuída o Rocha sã: minerais intactos, juntas pouco oxidadas

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER o Aluvionares:

São transportados e arrastados pela água;

Constituição depende da velocidade da água no momento da deposição: próximo às cabeceiras material mais grosseiro e no leito dos rios e o material mais fino (argila e silte) carregados a grandes distâncias ou nas planícies de inundação;

Quando argilosos: baixa resistência, elevada compressibilidade CUIDADO!!

Podem ser fontes de materiais de construção e péssimos materiais de fundação o Coluvionares (Colúvios ou Tálus):

Transporte por gravidade ocorrência geralmente ao pé de elevações e encostas, provenientes de antigos escorregamentos tem porosidade elevada e freqüentemente encontram-se saturados

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER podem apresentar resistências muito baixas e tendência à instabilidade (rastejo) CUIDADO!! são denominados Tálus quando apresentam predominância de blocos e matacões

o Eólicos

Transportados pelo vento

Muito uniformes (mal graduados) devido à segregação promovida pelo vento o Ocorrem em (bacias, várzeas e depressões) o Podem ser constituídos por mistura de minerais transportados com quantidades variáveis de matéria orgânica decomposta

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO – ESCOLA POLITÉCNICA EEC314 – GEOMECÂNICA – PROF LEONARDO BECKER o Apresentam cor escura, cheiro forte e granulometria fina o Turfas: solo fibroso produto da decomposição grande quantidade de restos de vegetais (folhas e troncos, etc.) o Possuem alta compressibilidade e baixíssima resistência CUIDADO!! o Solos que sofreram laterização (processo de impregnação do solo por óxidos e hidróxidos de ferro e alumínio e lixiviação da sílica) o Cor avermelhada o Porosos e compressíveis em estado natural, muito resistentes quando compactados o Alto teor de argila em grumos cimentação pelos óxidos/hidróxidos o Típicos de clima tropical, não obedecem atendem às classificações de países temperados

Comentários