NORMALIZAÇÃO (parte 2)

NORMALIZAÇÃO (parte 2)

(Parte 1 de 3)

AULA 3

Normalizaçªo no Brasil

A ABNT foi fundada em 1940, por iniciativa particular de um grupo de tØcnicos e engenheiros, sendo a primeira entidade a disseminar normas tØcnicas no Brasil.

Em 1962, a ABNT foi reconhecida como entidade de utilidade pœblica, pela Lei Federal n” 4050.

Em 1973, foi criado o Sistema Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial - SINMETRO, pela Lei Federal n” 5966. Os grandes objetivos do SINMETRO sªo a defesa do consumidor, a conquista e a manutençªo do mercado externo e a racionalizaçªo da produçªo industrial, com a compatibilidade de todos os interesses.

Fazem parte do SINMETRO o Conselho Nacional de Metrologia, Normalizaçªo e Qualidade Industrial - CONMETRO e o Instituto Nacional de Metrologia, Normalizaçªo e Qualidade Industrial - INMETRO.

AtØ hÆ bem pouco tempo, as normas elaboradas, aprovadas e registradas na ABNT recebiam o seguinte registro:

CBCBCBCBCB-----para Normas de Classificaçªopara Normas de Classificaçªopara Normas de Classificaçªopara Normas de Classificaçªopara Normas de Classificaçªo EBEBEBEBEB-----para Normas de Especificaçªopara Normas de Especificaçªopara Normas de Especificaçªopara Normas de Especificaçªopara Normas de Especificaçªo MBMBMBMBMB-----para Normas de MØtodo de Ensaiopara Normas de MØtodo de Ensaiopara Normas de MØtodo de Ensaiopara Normas de MØtodo de Ensaiopara Normas de MØtodo de Ensaio NBNBNBNBNB-----para Normas de Procedimentopara Normas de Procedimentopara Normas de Procedimentopara Normas de Procedimentopara Normas de Procedimento PBPBPBPBPB-----para Normas de Padronizaçªopara Normas de Padronizaçªopara Normas de Padronizaçªopara Normas de Padronizaçªopara Normas de Padronizaçªo SBSBSBSBSB-----para Normas de Simbologiapara Normas de Simbologiapara Normas de Simbologiapara Normas de Simbologiapara Normas de Simbologia

Essas mesmas normas, ao serem registradas no INMETRO, recebiam a sigla

NBRNBRNBRNBRNBR. Por exemplo: a norma que padroniza as dimensıes de parafusos com cabeça cilíndrica e sextavado interno era registrada na ABNT como PB-165, e no INMETRO era registrada como NBR 10112.

3 A U L A

ABNT - Associaçªo Brasileira de Normas TØcnicas

AULA3Atual modelo de normalizaçªo O atual modelo de normalizaçªo foi implantado a partir de 1992, com o intuito de descentralizar e agilizar a elaboraçªo de normas tØcnicas. Nesse ano foram criados o ComitŒ Nacional de Normalizaçªo - CNNCNNCNNCNNCNN e o Organismo de Normalizaçªo Setorial - ONSONSONSONSONS.

Criado a partir de acordo firmado entre a ABNT e o CONMETRO, e com a colaboraçªo de vÆrias entidades voltadas para a disseminaçªo de normas tØcnicas, o CNN busca estruturar todo o sistema de normalizaçªo.

O CNN define a ABNT como Foro Nacional de NormalizaçªoForo Nacional de NormalizaçªoForo Nacional de NormalizaçªoForo Nacional de NormalizaçªoForo Nacional de Normalizaçªo, entidade privada, sem fins lucrativos, à qual compete coordenar , orientar e supervisionar o processo de elaboraçªo de normas brasileiras, bem como elaborar, editar e registrar as referidas normas (NBRNBRNBRNBRNBR).

Cada ONS tem como objetivo agilizar a produçªo de normas específicas de seus setores. Para que os ONS passem a elaborar normas de âmbito nacional, devem ser credenciados e supervisionados pela própria ABNT.

O atual modelo define, por meio de diretrizes e instruçıes das associaçıes internacionais de normalizaçªo (ISO e IEC), que as normas brasileiras devem ser feitas, de preferŒncia, utilizando-se a forma e o conteœdo das normas internacionais, acrescentando-lhes, quando preciso, as particularidades do mercado nacional.

Com isso, serÆ muito comum que as normas brasileiras sejam registradas como NBR ISO, com numeraçªo seqüŒncial da ISO. Por exemplo, NBR ISO 8402.

A ABNT, no atual modelo, manteve sua estrutura interna em relaçªo aos

ComitŒs Brasileiros - CB e aos tipos de normas elaboradas (classificaçªo, especificaçªo, mØtodo de ensaio, padronizaçªo, procedimento, simbologia e terminologia). Os comitŒs da ABNT sªo os seguintes:

CB CB CB CB CB 01-----MINERAOMINERAOMINERAOMINERAOMINERAOE METALURGIAMETALURGIAMETALURGIAMETALURGIAMETALURGIA
CB CB CB CB CB 02-----CONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCIVILCIVILCIVILCIVILCIVIL
CB CB CB CB CB 04-----MQUINASMQUINASMQUINASMQUINASMQUINASE EQUIPAMENTOSEQUIPAMENTOSEQUIPAMENTOSEQUIPAMENTOSEQUIPAMENTOS MECNICOSMECNICOSMECNICOSMECNICOSMEC´NICOS
CB CB CB CB CB 05-----AUTOMÓVEISAUTOMÓVEISAUTOMÓVEISAUTOMÓVEISAUTOMÓVEIS, , , , , CAMINHÕESCAMINHÕESCAMINHÕESCAMINHÕESCAMINHÕES, , , , , TRATORESTRATORESTRATORESTRATORESTRATORES, , , , , VECULOSVECULOSVECULOSVECULOSVECULOSSIMILARESSIMILARESSIMILARESSIMILARESSIMILARES
EAUTOAUTOAUTOAUTOAUTO-----PEASPEASPEASPEASPE˙AS
CB CB CB CB CB 06-----EQUIPAMENTOEQUIPAMENTOEQUIPAMENTOEQUIPAMENTOEQUIPAMENTOE MATERIALMATERIALMATERIALMATERIALMATERIAL FERROVIRIOFERROVIRIOFERROVIRIOFERROVIRIOFERROVI`RIO
CB CB CB CB CB 07-----CONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUOCONSTRUONAVALNAVALNAVALNAVALNAVAL
CB CB CB CB CB 08-----AERONUTICAAERONUTICAAERONUTICAAERONUTICAAERONUTICAE TRANSPORTETRANSPORTETRANSPORTETRANSPORTETRANSPORTE AÉREOAÉREOAÉREOAÉREOAÉREO
CB CB CB CB CB 09-----COMBUSTVEISCOMBUSTVEISCOMBUSTVEISCOMBUSTVEISCOMBUSTVEIS ( ( ( ( (EXCLUSIVEEXCLUSIVEEXCLUSIVEEXCLUSIVEEXCLUSIVENUCLEARESNUCLEARESNUCLEARESNUCLEARESNUCLEARES)))))
CB 10CB 10CB 10CB 10CB 10-----QUMICAQUMICAQUMICAQUMICAQUMICA, , , , , PETROQUMICAPETROQUMICAPETROQUMICAPETROQUMICAPETROQUMICAE FARMCIAFARMCIAFARMCIAFARMCIAFARM`CIA
CB 1CB 1CB 1CB 1CB 1-----MATÉRIASMATÉRIASMATÉRIASMATÉRIASMATÉRIAS-----PRIMASPRIMASPRIMASPRIMASPRIMASE PRODUTOSPRODUTOSPRODUTOSPRODUTOSPRODUTOS VEGETAISVEGETAISVEGETAISVEGETAISVEGETAIS E ANIMAISANIMAISANIMAISANIMAISANIMAIS
CB 12CB 12CB 12CB 12CB 12-----AGRICULTURAAGRICULTURAAGRICULTURAAGRICULTURAAGRICULTURA, , , , , PECURIAPECURIAPECURIAPECURIAPECURIAE IMPLEMENTOSIMPLEMENTOSIMPLEMENTOSIMPLEMENTOSIMPLEMENTOS
CB 13CB 13CB 13CB 13CB 13-----ALIMENTOSALIMENTOSALIMENTOSALIMENTOSALIMENTOSE BEBIDASBEBIDASBEBIDASBEBIDASBEBIDAS
EDOCUMENTAODOCUMENTAODOCUMENTAODOCUMENTAODOCUMENTA˙ˆO
CB 15CB 15CB 15CB 15CB 15-----HOTELARIAHOTELARIAHOTELARIAHOTELARIAHOTELARIA, , , , , MOBILIRIOMOBILIRIOMOBILIRIOMOBILIRIOMOBILIRIO, , , , , DECORAÕESDECORAÕESDECORAÕESDECORAÕESDECORAÕESE SIMILARESSIMILARESSIMILARESSIMILARESSIMILARES
CB 16CB 16CB 16CB 16CB 16-----TRANSPORTETRANSPORTETRANSPORTETRANSPORTETRANSPORTEE TRFEGOTRFEGOTRFEGOTRFEGOTR`FEGO
CB 18CB 18CB 18CB 18CB 18-----CIMENTOCIMENTOCIMENTOCIMENTOCIMENTO, , , , , CONCRETOCONCRETOCONCRETOCONCRETOCONCRETOE AGREGADOSAGREGADOSAGREGADOSAGREGADOSAGREGADOS
CB 20CB 20CB 20CB 20CB 20-----ENERGIAENERGIAENERGIAENERGIAENERGIANUCLEARNUCLEARNUCLEARNUCLEARNUCLEAR
CB 21CB 21CB 21CB 21CB 21-----COMPUTADORESCOMPUTADORESCOMPUTADORESCOMPUTADORESCOMPUTADORESE PROCESSAMENTOPROCESSAMENTOPROCESSAMENTOPROCESSAMENTOPROCESSAMENTO DEDEDEDEDE DADOSDADOSDADOSDADOSDADOS
CB 2CB 2CB 2CB 2CB 2-----ISOLAOISOLAOISOLAOISOLAOISOLAOTÉRMICATÉRMICATÉRMICATÉRMICATÉRMICA
CB 23CB 23CB 23CB 23CB 23-----EMBALAGEMEMBALAGEMEMBALAGEMEMBALAGEMEMBALAGEME ACONDICIONAMENTOACONDICIONAMENTOACONDICIONAMENTOACONDICIONAMENTOACONDICIONAMENTO
CB 24CB 24CB 24CB 24CB 24-----SEGURANASEGURANASEGURANASEGURANASEGURANACONTRACONTRACONTRACONTRACONTRA INCNDIOINCNDIOINCNDIOINCNDIOINC˚NDIO

CB CB CB CB CB 03-----ELETRICIDADEELETRICIDADEELETRICIDADEELETRICIDADEELETRICIDADE CB 14CB 14CB 14CB 14CB 14-----FINANASFINANASFINANASFINANASFINANAS, , , , , BANCOSBANCOSBANCOSBANCOSBANCOS, , , , , SEGUROSSEGUROSSEGUROSSEGUROSSEGUROS, , , , , COMÉRCIOCOMÉRCIOCOMÉRCIOCOMÉRCIOCOMÉRCIO, , , , , ADMINISTRAOADMINISTRAOADMINISTRAOADMINISTRAOADMINISTRA˙ˆO CB 17CB 17CB 17CB 17CB 17-----TXTEISTXTEISTXTEISTXTEIST˚XTEIS CB 19CB 19CB 19CB 19CB 19-----REFRATRIOSREFRATRIOSREFRATRIOSREFRATRIOSREFRAT`RIOS CB 25CB 25CB 25CB 25CB 25-----QUALIDADEQUALIDADEQUALIDADEQUALIDADEQUALIDADE

AULA3Tipos de Normas elaboradas pela ABNT As Normas elaboradas pela ABNT classificam-se em sete tipos:

l Procedimento l Especificaçªo l Padronizaçªo l Terminologia l Simbologia l Classificaçªo lMØtodo de ensaio

Conheça, agora, as características mais importantes de cada tipo de norma editada pela ABNT.

Procedimento As normas de procedimento orientam a maneira correta de:

lempregar materiais e produtos lexecutar cÆlculos e projetos linstalar mÆquinas e equipamentos lrealizar o controle dos produtos.

A NBR 6875, por exemplo, fixa as condiçıes exigíveis e os procedimentos de inspeçªo para fios de cobre de secçªo retangular.

Outro exemplo Ø o da Norma NBR 8567, que fixa as condiçıes para a execuçªo de cÆlculos e dimensionamento do feixe de molas, utilizados nas suspensıes de veículos rodoviÆrios.

Especificaçªo

As normas relativas à especificaçªo fixam padrıes mínimos de qualidade para os produtos.

A Norma NBR 10105, por exemplo, indica as condiçıes ou especificaçıes exigidas para a fabricaçªo de fresas de topo, com haste cilíndrica para rasgos.

Observe na ilustraçªo abaixo um dos itens de especificaçªo para fresas, indicados pela Norma NBR 10105:

AULA3

De acordo com a Norma NBR 10105, veja o que significa a especificaçªo A 25 K ARA 25 K ARA 25 K ARA 25 K ARA 25 K AR:

A-diz que se trata de uma fresa do grupo A, ou seja, uma fresa de haste cilíndrica lisa, para rasgos.

K-informa que Ø uma fresa para uso geral. ARARARARAR-especifica que a fresa Ø fabricada com material tipo aço rÆpido.

A Norma NBR 7000 constitui outro exemplo de norma de especificaçªo.

Essa norma especifica as propriedades mecânicas dos produtos de alumínios e suas ligas, feitos por extrusªo.

Padronizaçªo

As normas de padronizaçªo fixam formas, dimensıes e tipos de produtos, como porcas, parafusos, rebites, pinos e engrenagens, que sªo utilizados com muita freqüŒncia na construçªo de mÆquinas, equipamentos e dispositivos mecânicos.

Com a padronizaçªo, evita-se a fabricaçªo de produtos com variedades desnecessÆrias tanto de formas quanto de dimensıes.

A Norma NBR 6415 padroniza as aberturas de chaves e suas respectivas tolerâncias de fabricaçªo para chaves de boca fixa e de encaixe, utilizadas para aperto e desaperto de porcas e parafusos.

A Norma NBR 10112 constitui outro exemplo de norma de padronizaçªo.

Tem por finalidade padronizar as dimensıes de parafusos com cabeça cilíndrica e sextavado interno.

Extrusªo: passagem forçada de um metal ou de um plÆstico por um orifício, para se conseguir uma forma alongada ou filamentosa.

s = abertura

AULA 3

JÆ a Norma NBR 6215, define a terminologia empregada para os produtos siderœrgicos.

Consultando essa Norma, encontramos definiçıes para produtos como chapa, bloco, fio, placa, aço, ferro fundido e outros.

Simbologia

(Parte 1 de 3)

Comentários