(Parte 1 de 5)

Universidade de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010

Mecânica dos Solos Conjunto de Relatórios Referentes Aos Laboratórios

Universidade de Mogi das Cruzes

NomeRGM
Cássio da Silva Fernandes52321
Vitor Dias54337
Ivan Mello50290
Carlos Oliveira Jr52932
Vanderson Toledo

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010 Rodrigo Koji

Universidade de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010

1º Ensaio

1. Objetivo

Determinar peso especifico aparente natural de uma amostra de solo pré-estabelecida através do uso de parafina e pesagem hidrostática.

2. Materiais e Equipamentos

2.1. Amostra indeformada de solo. 2.2. Recipiente com parafina fundida. 2.3. Recipiente com água. 2.4. Fio dental (pois o mesmo possui peso desprezível). 2.5. Balança com dispositivo para pesagem hidrostática. 2.6. Espátula de aço. 2.7. Capsula de porcelana.

3. Procedimento

3.1 Talhar manualmente a amostra de solo deixando-a com forma aproximada de uma esfera, com diâmetro não inferior a 3 cm, e com superfície regular, sem provocar a alteração da sua estrutura natural, preparando-se assim o corpo de prova.

3.2 - Determinar o peso do corpo de prova (P1), com resolução de 0,01gf.

3.3. Amarrar o corpo de prova com ao fio dental e impermeabilizar a sua superfície, mergulhando-o na parafina fundida, e determinar o peso do corpo de prova parafinado (p2), com resolução de 0,01gf.

3.4. Após o resfriamento do corpo de prova parafinado, determinar o seu peso quando submerso em água (p3), utilizando a balança hidrostática, com resolução de 0,01gf.

Universidade de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010

4.Cálculos Calculo efetivo e analisado pelo grupo

Peso específico aparente dos solos: = 1

-Determinamos através da balança com dispositivo para pesagem hidrostática o peso do corpo de prova com solo; 1=238,07

-Peso do corpo de prova parafinado (P2) “ 2=271,43 ”

Peso do corpo de prova parafinado, resfriado submerso em água (p3): 3= 50,06

Portanto o calculo efetuado foi:

5. Resultado O peso especifico aparente natural do solo foi 1,8633 gf/cm³.

Universidade de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010 6. Anexos

Universidade de Mogi das Cruzes Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010

Universidade de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010

2º Ensaio

1. Objetivo

- Determinação do teor de umidade do solo, no laboratório central, com uso da estufa.

2. Materiais e Equipamentos

2.1. Porção de solo retirada da amostra utilizada no ensaio 1, sem a parafina. 2.2. Balança que permita pesar 200g, com resolução de 0,01g. 2.3. Estufa que mantenha a temperatura entre 105ºC e 110ºC 2.4. Dessecador contendo sílica gel. 2.5. Capsulas de alumínio com tampa. 2.6. Espátula de aço.

3. Procedimento

3.1 Pesar a capsula de alumínio com a tampa, secas e limpas, com a resolução de 0,01g e anotar como M3 as capsulas 31 e 613.

3.2 Tomar uma quantidade do solo indicado em 2.1, destorroá-lo, colocá-lo, no estado fofo, na capsula de alumínio e fechar com a tampa. Pesar o conjunto, com a resolução de 0,01g e anotar como M1 as capsulas 31 e 613, com a indicação do numero da capsula, no caso 31 e 613.

3.3. Fixar a tampa da capsula na base desta e colocar o conjunto (capsula, tampa e solo) na estufa, á temperatura de 105ºC a 110ºC, onde deve permanecer ate a constância de massa.

3.4. Após a secagem completa, transferir o conjunto, com resolução de 0,01g, e anotar como M2 as capsulas 31 e 613.

3.5. Efetuar duas determinações do teor de umidade por amostra. (uma para capsula 13 e outra para capsula 613).

Universidade de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010

4. Cálculos

Valores após descanso em estufa: (M2) Capsula 104 = 6,59 g Capsula 608 = 71,80 g

5.Resultado O teor de umidade media achado pelo grupo foi de 2,50%.

Universidade de Mogi das Cruzes

Mogi das Cruzes, 10 de Junho de 2010 6.Anexo

Universidade de Mogi das Cruzes

(Parte 1 de 5)

Comentários